A nossa análise às palavras do Engenheiro da Crytek.

Apesar de numa primeira impressão termos sido levados a pensar aquilo que para muitos ainda é a lógica actual, a de que a PS5 seria inferior à Xbox, quem nos acompanha e tem lido os nossos últimos artigos perceberá que actualmente temos sérias dúvidas nesse aspecto. E curiosamente, numa entrevista dada por Ali Salehi, um engenheiro de renderização da Crytek, este senhor aborda as mesmas situações que nos foram chamado a atenção, considerando, na sua opinião, a PS5 a melhor consola.

Nota: O artigo foi alvo de correcções após a publicação. Foi corrigido o parágrafo relativo ao SMT no CPU.

Neste artigo vamos pegar nas palavras de Ali Salehi, o engenheiro da Crytek que deu a entrevista ao website Vijayato, e analisar e comparar o que ele refere com aquilo que é a nossa opinião.

De se referir que a entrevista foi retirada do ar, e mesmo algumas das traduções da mesma foram igualmente retiradas, o que mostra que este senhor terá violado algum NDA antes do tempo.

Vamos então analisar a entrevista:



A entrevista basicamente aborda as especificações da Playstation 5 e da Xbox série X, sendo Ali Salehi questionado directamente sobre as mesmas e sendo-lhe solicitado um comparativo. Para que não haja distorção do sentido das coisas, e criação de contextos fictícios, vamos abordar as situações pela ordem original.

As questões estarão a negrito, as respostas a itálico, e os nossos comentários sobre cada questão em texto normal:

Vijayato: Em resumo, qual é o trabalho de um engenheiro de renderização em uma empresa de jogos?

Ali Salehi: O que fazemos é lidar com técnica da secção visual de cada jogo. Isso significa oferecer suporte a novas consolas, optimizar os algoritmos actuais, bem como solucionar problemas dos que eles possuam, bem como implementar novas tecnologias e recursos como o RayTracing.

Há pouco a dizer sobre este parágrafo, excepto que este senhor trabalhando na Crytek trabalha no desenvolvimento do seu popular motor, o Cry Engine, um dos motores mais poderosos do mercado e que implementa todas as técnicas gráficas mais actuais. Diga-se basicamente que dificilmente algum tipo de programador lida tão próximo do hardware como um programador que lida com um motor gráfico generalista, pelo que a sua opinião se torna bastante válida.

Qual é o significado do Teraflops, e Teraflops mais altos significam que uma console é mais capaz?



Os Teraflops mostram a possível capacidade de um processador quando este está a ser usado da forma mais eficiente e mais ideal possível. Mas os Teraflops mostra algo que se alcança em condições ideais e teóricas. Na prática, no entanto, a placa de vídeo e a consola são entidades complexas que raramente atingem seu potencial máximo. Nela temos vários elementos que devem trabalhar juntos e em harmonia para fornecer a sua parte do feed à outra e gerar uma parte para outra. Se cada um desses elementos não funcionar adequadamente, a eficiência da outra parte diminuirá. Um bom exemplo de algo deste género foi a consola PlayStation 3. Por causa de suas SPUs, o PlayStation 3 tinha muito mais poder no papel do que o Xbox 360. Mas, na prática, devido à sua arquitetura complexa, memória estrangulada e outros problemas, ela nunca atingiu o pico de eficiência.

O PlayStation 3 teve dificuldade em executar jogos multiplataforma com a mesma qualidade da Xbox 360. Red Dead Redemption e GTA IV, por exemplo, rodavam a 720p na consola da Microsoft, mas o PlayStation 3 tinha uma resolução pior e, a determinada altura, lá aumentou a resolução para 720p. Mas os próprios estúdios da Sony puderam oferecer jogos mais detalhados, como The Last of Us e Uncharted 2 e 3, devido à maior familiaridade com a consola e ao desenvolvimento de acessibilidade de software especial.

Por isso, não é uma boa ideia basear nossas opiniões apenas em números. Mas se todas as partes do Xbox Series X puderem funcionar de maneira ideal e a GPU funcionar no seu pico, o que não é possível na prática, podemos obter 12 TFlops. Mas convêm não esquecer que para além do hardware ainda temos em cima muito software do qual a performance depende.

O exemplo é o advento do Vulkan e do DirectX 12. O hardware não mudou, mas devido à mudança na arquitectura do software, o hardware pôde ser melhor colocado em uso com estes novos APIs.

O mesmo pode ser dito para as consolas. A Sony na PlayStation 5 usa o seu próprio sistema operativo criado e adaptado especificamente para o hardware da consola, mas a Microsoft colocou uma versão personalizada do Windows na Xbox Series X. Os dois sistemas operativos são muito diferentes. Como a Sony desenvolveu um software exclusivo para o PlayStation 5, definitivamente oferecerá aos criadores muito mais recursos do que a Microsoft, que possui quase o mesmo DirectX do PC nas suas consolas.



O que é referido nesta parte não é mais do que um conjunto de realidades. A PS3 não só tinha muito mais Tflops, como era uma arquitectura que se assemelhava muito à programação que se faz hoje em dia no GPGPU. Aliás o GPGPU tem muito que agradecer à PS3, e em tempos até escrevemos um artigo sobre isso.

Mas o grande problema da PS3 foi acima de tudo o ser demasiadamente pioneira para o seu tempo. Numa altura onde a programação para dois núcleos já era algo problemática, os 8 processadores da PS3 eram um bicho de sete cabeças. E os resultados obtidos eram fracos e só começaram a melhorar no final da geração.
Basicamente o relevante nesta comparação do Snr Ali é perceber-se que mais Tflops não significam à partida mais performance. Tal implica arquitecturas iguais, implementações de novas tecnologias iguais, e softwares com capacidades em tudo semelhantes.

E isto foi o que tivemos na geração passada, mas não é o que temos nesta. Como temos vindo a dizer, o hardware tem modificações proprietárias relevantes, formas de gestão de energia diferentes, entre outras situações, que tornam a comparação dos Tflops basicamente inútil, e daí esta introdução deste senhor que vai nesse mesmo sentido.

Depois temos a questão do software.

A Xbox One começou por executar um DX 11 com acessos de baixo nível que lhe eram exclusivos. Depois a Microsoft criou o DX 12 para o PC, sendo que mesmo assim, manteve na One um nível de acessos de mais baixo nível.



Mas agora com o novo DX 12 ultra, a Microsoft nivela tudo pelo mesmo patamar. Eis a descrição do novo DX 12 Ultra no website Anandtech:

Liderando a matilha dos PCs esta semana está a Microsoft (novamente), com o anúncio do DirectX 12 Ultimate. Projetado como um novo conjunto padronizado de recursos do DirectX 12 que engloba a mais recente tecnologia para GPU’s, o DirectX 12 Ultimate tem como objectivo ser uma linha de base comum para o desenvolvimento de jogos para PC e o desenvolvimento de jogos para a Xbox Series X.

Como se vê, o suporte ao PC está a prejudicar as optimizações da consola, e o último DirectX 12 Ultra nivela tudo pelo mesmo nível.
O que isto quer dizer é que, mesmo que a Xbox ainda mantenha um nível de acessos algo mais baixos que o PC, não pode, por questões de compatibilidade, entrar num nível de acessos tão ao metal como a PS5 pode fazer.

Somando a isto o facto de a Xbox correr uma versão do Windows, um sistema operativo genérico que, mesmo que optimizado, nunca foi criado a pensar no hardware específico da consola, criam-se aqui as disparidades na qualidade da optimização do software que Ali refere.

Como tem sido a sua experiência em trabalhar com as duas consolas e como as avalia?

Neste momento não posso dizer nada sobre meu próprio trabalho, mas posso citar citando outras pessoas que fizeram uma declaração pública. Os criadores dizem que a PlayStation 5 é a consola mais fácil para o qual já programaram e que mais facilmente permite que se alcançe o seu desempenho máximo. Em termos de software, a programação na PlayStation 5 é extremamente simples e possui muitos recursos que deixam muitas opções para os criadores. Em suma, o PlayStation 5 é um console melhor.



Convêm aqui ter-se sempre em conta que a referência à Playstation 5 como consola melhor tem uma perspectiva de programador. Apesar de ser claro que a PS5 permite mais facilmente alcançar a sua performance máxima.

Mas curiosamente este não é o primeiro programador da Crytek a fazer estas considerações, o que dá claramente a ideia de que a PS5 realmente possui fortes trunfos na manga.

Matt Phillips, ex programador da Crytek foi aliás dos primeiros a comparar publicamente as consolas e deu a entender exactamente o mesmo que agora Ali refere.

Nesse sentido Matt até criou um artigo chamado Teraflops vs Performance – a dificuldades se comparar consolas de videojogos, e onde toca nos mesmíssimos pontos que Ali refere nesta entrevista, dando igualmente a entender o que está aqui a ser dito. Que quem se guiar pelos Tflops pode sair muito decepcionado.

Se entendi correctamente, os Teraflops  não são o fator de definição final sobre a potência da GPU? O que é que esse valor de virgula flutuante significa? Como é que o explicaria para um utilizador que não percebe deste assunto?



Penso que foi uma má jogada de relações públicas divulgar essas informações. Essas informações técnicas não importam para o usuário médio e não são um julgamento final sobre a potência do GPU.

Por exemplo, as placas gráficas, têm 20 secções diferentes, uma das quais são unidades de computação, que executam o processamento. Se os restantes componentes forem melhor utilizados, da melhor maneira possível, e não houver outras restrições, não haverá gargalos na memória e, desde que o processador tenha as informações necessárias, os 12 Tflops podem ser alcançados.
Então, num mundo ideal onde removíamos todos os parâmetros limitadores, isso é possível. Mas não é!

Um bom exemplo disso é o hardware da Xbox Series X. Microsoft duas pools de Ram separadas. Basicamente, isto acaba por ser um erro semelhante ao que eles cometeram no Xbox One. Um  conjunto de RAM que possui uma largura de banda alta e o outro conjunto de RAM que possui largura de banda menor. Como resultado, a programação da consola às vezes é problemática. Como o número total de coisas que temos que colocar na RAM mais rápida da pool é tanta que tal se vai revelar uma limitação. E se passarmos para os 4K a coisa piora pois ainda é precisa mais largura de banda. Portanto, haverá alguns fatores que prejudicam a GPU da XSX.

O problema da memória é real, e já o abordamos na PCManias. Aqui ele é referido apenas como um exemplo de um dos gargalos que a Xbox série X vai encontrar. Não está a ser dito que ele vai ser limitador, mas apenas a constatar-se que ele existe, e como gargalo que é, vai limitar as performances do sistema. Torna-se irrelevante em quanto, uma vez que é apenas um exemplo citando dados conhecidos, e uma mostra de uma situação que é um gargalo na Xbox que não abrange a PS5. E aqui note-se que em casos de acessos conjuntos, a largura de banda disponível na memoria rápida cai para 394 GB/s, ou seja, menos que na PS5, mesmo descontando 50 GB/s para o CPU.

Você falou sobre os CUs. A PlayStation 5 tem 36 UCs e a Xbox Series X tem 52 UCs disponíveis para o programador. Qual é a diferença?



A principal diferença é que a frequência de trabalho do PlayStation 5 é muito maior e como tal os CU funcionam com maior frequência. É por isso que, apesar das diferenças na contagem de CU, o desempenho das duas consolas é quase o mesmo. Uma analogia interessante de um repórter da IGN era que a GPU do Xbox Series X é como um motor de 8 cilindros e o PlayStation 5 é como um motor turbo de 6 cilindros. Aumentar a velocidade do relógio no PlayStation 5 parece-me ter vários benefícios, como no caso do gerenciamento de memória, na rasterização e outros elementos do GPU cujo desempenho está relacionado à frequência e não à contagem de CUs. Assim, em alguns cenários, a GPU do PlayStation 5 funciona mais rápido que o da Série X. É isso que faz com que a GPU da consola trabalhe com mais frequência no pico anunciado de 10,28 Teraflops. Mas para a Série X, porque o restante dos elementos é mais lento, provavelmente não alcançará seus 12 Teraflops na maioria das vezes e atingirá apenas 12 Teraflops em condições ideais.

Preste-se bem atenção ao que aqui é dito, pois é a nossa opinião tambem. Em alguns cenários a PS5 é superior, o que quer dizer que em outros é inferior.

Apesar de a PS5 trabalhar mais vezes no seu pico de performance, conforme aqui é dito, a Xbox deverá ter cenários onde a passa.

E daí que reafirmamos aquilo que neste momento é a nossa opinião: Não há uma consola superior e uma inferior. Há duas ofertas diferentes.!

Essa situação não se vai esbater com o final da geração, quando os criadores se familiarizarem mais com o hardware da Série X?



Não, porque a API do PlayStation por norma dá aos criadores mais liberdade e, geralmente, no final de cada geração, as consolas da Sony produzem jogos mais detalhados. Por exemplo, no início da sétima geração, até jogos multiplataforma para as duas consolas tiveram um desempenho mau no PlayStation 3. Mas no final da geração, Uncharted 3 e The Last of Us foram lançados na consola. Eu acho que a próxima geração repetirá isso. Mas, de um modo geral, o XSX deve ter menos problemas a gerar mais pixels.

Naturalmente que com o avançar da geração ambas as consolas se tornam mais conhecidas e muitos problemas passam a ser superados. Sinceramente aqui discordo um bocado deste senhor, e acredito que a X vai revelar mais a sua capacidade para o final da geração onde a performance máxima de cada sistema se começa verdadeiramente a ver. Agora o que concordo é que os estúdios Sony quando dominam um hardware… fazem milagres com ele. E que os jogos de final de geração da PS5 devem esmagar tudo o que saia.

Mas isto é uma suposição!

A Sony diz que quanto menor o número de CUs, mais integradas podem ser as tarefas. O que significa a reivindicação da Sony?

Usar as CU todas ao mesmo tempo custa recursos Porque as CUs ​​precisam de recursos alocados ao GPU quando desejam executar o código. Se a GPU falhar na distribuição de todos os recursos em todas as CUss ​​para executar um código, será forçada a eliminar várias CUs ​​em uso. Por exemplo, em vez de 52, pode usar apenas 20 deles porque o GPU não tem recursos suficientes para todos os CUs constantemente. Ciente disso, a Sony usou uma GPU mais rápida em vez de uma GPU maior para reduzir esses custos de alocação. Um exemplo  impressionante disso existiu nos CPUs. A AMD possui CPUs de alto núcleo há muito tempo. Mas a Intel, por outro lado, usava menos núcleos, mas cada um deles era mais rápido. Os processadores Intel com menos núcleos, mas mais rápidos tinham melhor desempenho nos jogos. Claramente, um CPU de 16 ou 32 núcleos tem um número maior de Teraflops, mas um CPU com os núcleos mais rápidos definitivamente fará um trabalho melhor. Como é difícil para jogadores e programadores usar todos os núcleos o tempo todo, eles preferem ter menos núcleos, mas mais rápidos.



Há muito pouco a dizer. O exemplo dado de certa forma fala por si. Mas fora disso é a velha questão, mais rápido ou mais largo, e da qual o mais rápido sempre levou vantagem pois quanto mais for o processamento paralelo mais requer que o código seja paralelizável, e ele nunca o é completamente. Daí a perda de eficiência dos GPUs com o aumento dos CU (Lei de Amdahl).

Poderia o Hyperthreading incluído na série X ser o ás vencedor da Microsoft no final da geração?

Tecnicamente, o hypertheading está presente em computadores desktop desde o Pentium 4, e cada núcleo físico considera o CPU como dois núcleos virtuais, o que, na maioria dos casos, ajuda no desempenho. O recurso presente na série X permite que o programador decida por si próprio se deseja usar esses núcleos virtuais ou desativá-los com mais relógios da CPU! Daí que acaba por ser como você está a dizer. Não é exactamente uma grande decisão usar isso desde o início, portanto o uso do hyperthreading provavelmente será usado mais tarde na geração.

O SMT está presente em ambas as consolas, sendo que a Xbox o pode desligar ganhando uns MHz extra e a PS5 não!
O seu uso permite melhorar a eficiência no uso do CPU, pelo que ele se revela vantajoso. No entanto há que se ter em conta que nas consolas a optimização do uso do hardware é extrema. Há os chamados profilers que analisam o uso do hardware e permitem optimizar o mesmo ao máximo, daí que os ganhos que o SMT poderia trazer na poupança de ciclos são algo duvidosos para uma consola.

Mas não deixa de ser um ponto positivo a favor da Xbox.



Pode elaborar?

Basicamente a análise requer execução de código muito precisa. Portanto, não é algo que todos saibam fazer agora. Agora, existem preocupações muito mais importantes relacionadas com o reconhecimento do hardware do console, e é provável que os desenvolvedores trabalhem com um número menor de núcleos no início da próxima geração, mas com um clock mais alto, e só depois passem a usar o SMT (Hyperthreading).

Sinceramente aqui discordo um bocado. Porque o SMT pode trazer grandes vantagens na passagem de jogos PC (onde ele é usado), para a consola. Se isso trará a maior optimização possível ao CPU é outra história que teria de ser bem analisada, mas certamente simplifica muito a vida, isso simplifica.

Os 3328 Shaders disponíveis na unidade de computação Xbox da Series X- O que é um Shader ? o que é que ele faz e o que significa ter 3328 Shaders?

Quando os programadores desejam executar código, eles fazem-no por intermédio de uma unidade chamadas Wavefront. Multiplique o número de CUs pelo número de Wavefronts e você terá o número de shaders. Mas isso realmente não importa, e tudo o que eu disse sobre as CUs aplica-se aqui. Novamente, existem limitações que tornam todos esses shaders inutilizáveis, e ter muitos deles ao mesmo tempo não é necessariamente bom. Há outra questão importante a considerar, como Mark Cerny disse. CUs ou mesmo Teraflops não são necessariamente os mesmos entre todas as arquitecturas. Ou seja, os Teraflops não podem ser comparado entre dispositivos e decidir qual deles é realmente numericamente superior. Então você não pode não confiar nesses números ao ponto de achar que eles arrumam a questão.



Apesar de muitos acharem que as arquitecturas de ambas as consolas são iguais, elas não são! Elas partilham a mesma base, o RDNA 2, mas as alterações feitas por ambos os criadores de consolas distinguem-nas de uma forma que não aconteceu na geração passada. O sistema de gestão de energia da PS5, o Smartshift, a grande diferença nas velocidades de relógio, os auxiliares de I/O, os sistemas de compressão de dados, os cache scrubbers, a velocidade do SSD. Tudo isso vai interferir na performance do GPU, e não está implementado de forma igual em ambas. E se é verdade que na geração passada também tínhamos algumas diferenças elas eram demasiadamente pequenas para serem relevantes, o que não acontece aqui.

As comparações entre dispositivos Android e iPhones da Apple também tem sido aplicadas às consoles, com discussões na Internet referindo que os usuários do Android têm mais RAM, mas no seu aproveitamento o desempenho é inferior ao dos iPhones. A comparação entre os dois com as consolas está correta?

As camadas de software colocadas em cima do hardware determinam tudo. À medida que as atualizações de desempenho aumentam exponencialmente, elas também aumentam. A Sony sempre teve um software melhor porque a Microsoft precisa usar o Windows. Então sim, está certo.

Sinceramente acho que Ali não alcançou a pergunta. Penso que aqui se estava a falar das diferença no uso da RAM criados pela divisão da memória da Xbox, bem como do uso dos cache scrubbers que permitem melhor uso das memórias cache.

A Microsoft refere que a frequência do Xbox Series X é constante em qualquer circunstância, mas a Sony não tem essa abordagem e fornece à consola uma certa quantidade de energia que permite a frequência variável conforme a necessidade. Quais são as diferenças entre os dois sistemas e qual será melhores para o programador?

O que a Sony fez é muito mais lógico, porque decide se a frequência da GPU e do CPU é maior ou menor a cada momento, dependendo da carga de processamento. Por exemplo, no processo de carga de um jogo, apenas o CPU é necessário e o GPU não é usado. Ou numa cena de aproximação ao rosto do personagem, o GPU está envolvido mas o CPU desempenha um papel muito pequeno. Por outro lado, é bom que a Série X tenha uma bom ventilação e garanta a manutenção da frequência constante não tendo que descer a performance, mas a liberdade prática que a Sony deu é realmente uma grande coisa.

Acrescente-se apenas que a AMD refere que o Smartshift (que abordaremos num artigo futuro), traz ganhos de até 10% na performance face a um sistema igual, mas sem ele.

Essa liberdade de acção não dificulta as coisas para o criador?

Na verdade não, porque já estamos fazendo isso no motor. Por exemplo, a técnica de Dynamic Resolution Scaling usada por alguns jogos já faz a medição de diferentes elementos e quando o GPU está sob pressão ele baixa a resolução para manter os fotogramas. Portanto, é muito fácil adaptar.

Basicamente os motores já analisam a carga sobre o GPU, o que quer dizer que o sistema da Sony já tem implementado os sistemas para a sua boa gestão.

Qual é a utilidade do Geometry Engine que a Sony referiu?

Eu não creio que será muito usado no primeiro ou dois anos. Provavelmente terá mais impacto na segunda onda de jogos lançados na consola, mas não terá muito uso no início.

E bolas, perdeu-se uma oportunidade de se saber mais sobre este motor exclusivo da PS5.

O chipset da série X usa litografia de 7 nanômetros e sabemos que quanto menor o número, melhor o chipset. Você está a explorar os nanômetros e os transistores?

Baixar os nanômetro significa mais transistores e um maior controlo do seu calor em grandes números e espaços menores. Mas uma tecnologia de produção é melhor e o número dos nanômetros não é muito importante, o que importa no fim é o número de transistores.

Nada a comentar.

As velocidades do SSD do PlayStation 5 atingem 8-9 GB / s de pico . Agora que atingimos essa velocidade, o que mais acontecerá além de se carregar os jogos mais rápidos e de se ter mais detalhes?

A primeira coisa a fazer é remover a página de carga dos jogos. A Microsoft também mostrou a capacidade de interromper e executar novos jogos, e que podem executar vários jogos simultaneamente movendo-se entre eles em menos de 5 a 6 segundos. Desta vez, será menos de um segundo na PlayStation.
Outra coisa que se pode esperar é uma mudança nos menus do jogo. E o número de videos que temos de ver no início antes do jogo arrancar que permitiam carregar o jogo em segundo plano, pode diminuir.

Nada a comentar.

Como serão os jogos no PC entretanto? Porque ter um SSD é uma opção para um utilizador de PC.

As consolas sempre determinaram qual é o padrão. Os criadores de jogos também constroem jogos a pensar consoles e, se alguém tem um PC e não possui um SSD, eles vão precisar de lidar com cargas longas ou mesmo pensar em comprar um SSD.

Cremos que esta é o melhor dos cenários. Porque caso a velocidade de deslocação no mundo dependa do SSD, a adaptação ao PC não é possível sem uma alteração radial na mecânica do jogo.

Como programador e criador, qual você considera a melhor consola para trabalhar e codificar? Série PlayStation 5 ou Xbox X?

Definitivamente a PlayStation 5.

Como programador, eu diria que o PlayStation 5 é muito melhor, e não acho que você possa encontrar um programador que escolha a XBX em vez da PS5.

Para a Xbox, eles precisam do DirectX e do Windows na console, que tem muitos anos, mas para cada nova consola criado pela Sony, eles também reconstroem o software e as APIs da maneira que desejam. É do interesse deles e do nosso interesse. Porque existe apenas uma maneira de fazer tudo, e a deles é a melhor maneira possível.

Há claramente uma vantagem de não haver a necessidade de se lidar com o chamado legacy, ou a herança do que está para trás, que o PC não pode dispensar. A Xbox nesse aspecto perde, mas até que ponto é uma incógnita. A Xbox efectivamente usa o Windows, mas não é o mesmo windows. É uma versão alterada e optimizada que terá um legado muito menor.

Seja como for, a questão do legado deve-se efectivamente colocar. A da compatibilidade entre sistemas tem forçosamente de se colocar. E a Sony não ter ter de suportar o PC, ai terá efectivamente uma vantagem.

Conclusões

Certamente compreende-se a excitação deste senhor pela consola da Sony. Como programador a facilidade de uso e possibilidades que abre são fantásticas.

Mas receio que está excitação possa ser mal interpretada pelos fans da Sony, pois na realidade, apesar que tudo o que é dito é verdade, não consigo concluir que a PS5 possa ser superior à Xbox ou vice versa.

Aquilo que se torna claro é o que andamos a dizer. Se a diferença entre as consolas já era das menores de sempre, aqui acreditamos seriamente num equilíbrio. Não que as consolas sejam iguais em performances, mas que a geração seja dividida, umas vezes a pender para um lado, outras para o outro.

Acima de tudo, pela realidade actual dos motores, acreditamos que os multi plataforma possam beneficiar a Xbox numa primeira vaga, uma situação que deverá encontrar o equilíbrio posteriormente.

Mas a certeza que fica é outra. A de que temos duas ofertas diferentes, e não um caso onde uma consola será sempre claramente superior à outra.

 

 



64 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Trevisan
Trevisan
1 mês atrás

Mario, você diria que a PS5 está para uma 2080 Super e o XSX está para 2080 TI ?

Felipe Leite
Felipe Leite
1 mês atrás

Continuo a insistir no que tenho dito desde sempre…
A série X é mais potente, ponto.
A PS5 em principio pode ser uma jogada de mestre da Sony, ou um tiro no pé. Mas a Sony procurou inovar e sair do lugar comum, há vários detalhes que podem alterar a balança nesta geração.
Vou dar um exemplo que acompanhei; no longínquo ano de 1992 na fórmula 1 tínhamos a Mclaren com motores ultra potentes (haviam sido campeões em 1991 com Ayrton Sena) eram super favoritos a renovar o título, pois o motor era absurdamente superior ao dos outros carros.
Mas a Williams inovou, para compensar o motor mais fraco, utilizou um sistema de suspensão inteligente, esse sistema revolucionou a fórmula 1, permitia reduzir a trepidação do carro e a reduzir a taxa de esforço do motor permitindo assim a sua utilização maximizada!
Nesse ano a Williams dominou a F1, e também no ano seguinte, mesmo com motores inferiores aos da Mclaren e da Ferrari. A solução de balanceamento do carro foi o fator decisivo.
Esse exemplo me lembra imenso o que estou a vivenciar agora com as consolas.
Atenção, o motor mais potente será sempre mais potente! (Xbox)
Mas em uma corrida as vezes potência não é tudo.

Felipe Leite
Felipe Leite
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Foi o que eu exemplifiquei!
A Williams dominou com motores menos potentes.
Mas com soluções inovadoras que balanceavam melhor o carro.
Talvez (TALVEZ)vejamos algo parecido nessa geração de consolas.

bruno
bruno
Responder a  Felipe Leite
1 mês atrás

Filipe, a entrevista e clara.

Ele mesmo da o exemplo da PS3. Tambem era a mais potente. No papel. Mas depois tinha todo um conjunto de elementos contra ela. A memoria que estava em pools divididas e obrigava a trabalho dispendido a copiar dados. O GPU que nao tinha unified shaders e por isso os shaders eram mais, mas nao faziam todos os mesmo e dependiam uns dos outros. OS SPUs que obrigavam a que se alterasse a pipeline de renderizacao da tradicionalmente usada.

A PS3 brilhou, gracas aos estudios internos e a obras como Uncharted 2 e 3, Killzone 2, ou The Last of Us apresentando coisas que mais nenhuma consola da geracao apresentou. Mas isso nao impediu que pelas thirds tivesse pior performance.

Na geracao passada, nao havia muito a dizer. As consolas tinham o mesmo GPU, tinham o mesmo CPU, e tinham memorias diferentes. A ps4 contava com maior GPU e CPU, e memoria mais rapida. Nao havia muito a discutir. A ONE contava com os move engines, com maior clock no GPU e CPU, mas isso nao apagava que o sistema fosse no global mais rapido do lado da PS4.

Nesta… nao se pode dizer. Iincialmente parecia obvio. A XsX com CPU mais rapido, GPU maior e memoria que parecia igual, com 10 GB a 560 Gb/s e 6 Gb a 350 Gb/s pareciam bater a PS5 com cpu mais lento e GPU menor e com menos potencial global.

Mas depois descobre-se que na memoria da XsX nunca tens os 10+6 anunciados. Depois tens o SSD da pS5 alegadamente reduzir necessidade de processamento no GPU e permitir carregamento em menos de 1s reduzindo necessidade de alocacao ha RAM.

Que efeito e que isto tera vs o SSD da XsX. Isto conta para o que o GPU pode fazer. E que efeito e que menos CUs a maior clock tem contra mais CUs a maior clock?

Porque na PS4 vs ONE tinha 853 vs 800 no GPU mas agora contas com XsX com 1825 vs PS5 a 2230 no maximo. Qual sera melhor e, sobretudo em que grau sera melhor? E impossivel dizer, porque as filosofias acabam por ser diferentes.

Davi
Davi
1 mês atrás

Veremos na vida real!

Livio
Livio
1 mês atrás

Ontem estava lendo os comentários na Eurogamer sobre o assunto e parei quando li o seguinte:

PS5 é mais fácil de se programar, não o melhor para se jogar….

Como se um código mais otimizado, que usa menos instruções, não resultasse em um jogo mais polido e estável.

E ontem o que vi foi muito fanboy a ficar repetindo que o XSX era mais potente(e não os fanboys do PS a falar que era o PS5), o artigo não nega isso, mas como a grande maioria destes não gostam de ler você vê aberrações em comentários

Syegrayn
Syegrayn
1 mês atrás

Mário, penso que você se equivocou ao interpretar a entrevista e afirmar que a Sony não possui SMT.
O que ocorre é que na verdade o CPU do PS5 só trabalha com SMT ativado, enquanto que o do Series X apresenta a opção de desativar o SMT. Tal informação consta no comparativo dos consoles publicado aqui mesmo no site e pode ser melhor interpretado nesse trecho da entrevista:
“e é provável que os desenvolvedores trabalhem com um número menor de núcleos no início da próxima geração, mas com um clock mais alto, e só depois passem a usar o SMT (Hyperthreading)”

José Ricardo
José Ricardo
1 mês atrás

Pelo que entendir nos proximos consoles será assim:
Vamos supor 2 carros diferente com potências diferentes na estrada, um com motor 2.0 e outro com motor 1.8 turbo, os dois tem que fazer um trajeto por 200km/h na maior velocidade dentro do percuso de 2000km, mas o carro 1.8 turbo chega no maximo 220kmh, o 2.0, aos 240kmh. Com carro turbo eu sei que nao posso usar ele 100% no trajeto total e tenho que maneirar ou desligar o turbo pra nao fundir o motor e prosseguir com trajeto, mas se eu fizer isso vou perder tempo ao motor 2.0 mesmo ele andando à 200/210km/h. Eu imagino que o carro turbo pode chegar na velocidade maxima dele mais rapido 200kmh ao 2.0 na dele, 240kmh, e nao posso passar disso, pois tenho que recuar para nao esquentar. Nisso o carro de 2.0, está lá, tomando distância, e nao sei como o carro de 1.8t vai alcansar se o carro 2.0 nao recuar. Agora isso se baseando nos jogos de mundo aberto que precisa de todo poder dos consoles. Isso eu tenho em mente que os devs sempre dizem ao lancar jogos e que vão usar todo poder dos consoles. Resumindo, acho que cada um vai sobressair nos jogos exclusivos e a real diferença nos multis.

Livio
Livio
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Fora que 1.8 é mais econômico que 2.0!

José Ricardo
José Ricardo
Responder a  Livio
1 mês atrás

Livio, se o carro com turbo for exigido normal, condordo com vc. Mas vc pisar mais que o normal, sim, ele vai comprometer o consumo do carro.

Alexandre Oliveira
Alexandre Oliveira
Responder a  José Ricardo
1 mês atrás

José Ricardo um bom exemplo que já foi dado aqui penso que pelo Bruno foi:

“A Xbox é mais rápida em rectas pela potencia bruta mas a PS5 é mais rápida em curvas…o resultado final vai depender do condutor da pista e das condições climatéricas”

Com os dados que temos actualmente acredito muito nesta comparação.

bruno
bruno
Responder a  Alexandre Oliveira
1 mês atrás

Nao fui eu.. Nao consigo fazer anologias com carros.

Alexandre Oliveira
Alexandre Oliveira
Responder a  bruno
1 mês atrás

Por acaso era com motas rsss!

José Galvão
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Fui eu quando fiz a analogia com as motas ao comparar a revolução que ocorreu quando se passou de 2 para 4 tempos.

http://www.pcmanias.com/como-a-ps5-pode-mudar-o-futuro-dos-videojogos/

Alexandre Oliveira
Alexandre Oliveira
Responder a  José Galvão
1 mês atrás

Exactamente José Galvão, desculpa já não me lembrava que tinhas sido tu!

Deto
Deto
1 mês atrás

Lembro quando eu falei aqui que “mais CU” não escala linearmente, pq de um jeito ou de outro é “multitread”

Até hoje eu não achei o bench de PC que pegam placa de video da Nvidia com o dobro do CUDA core e mesmo clocks e a GPU com o dobro (+100%) de cuda cores entrega apenas + 50% de desempenho.

nETTo
nETTo
1 mês atrás

https://www.tomshw.it/videogioco/ps5-xbox-series-x-leaker-informazioni/

https://www.eurogamer.it/articles/2020-04-06-news-videogiochi-ps5-xbox-series-x-sviluppatore-dice-indiscrezioni-emerse-non-sono-affidabili

Dois links que ajudam a entender o porque da entrevista do Dev da Crytek ter caido ontem mesmo após poucas hrs de ter sido postada/traduzida

” De fato, geralmente as pessoas que falam sobre detalhes on-line não assinaram um NDA, e isso significa que não têm acesso ao hardware: caso contrário, seriam queimadas vivas pela Sony e pela Microsoft”.

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

O facto desse tipo ainda nao ter sido banido apos o escandalo diz muito sobre o estado do Reset Era.

Espero, pelo menos, que tenha entendido a directa.

AlexandreR
AlexandreR
1 mês atrás

Alguém me sabe dizer se dá para partilhar o Ps Now? Com o método de partilha de conta?

nETTo
nETTo
Responder a  AlexandreR
1 mês atrás

em tese sim, mas nunca tentei, aqui no brasil não funciona kk

AlexandreR
AlexandreR
Responder a  nETTo
1 mês atrás

Eu já usei o tribal na minha conta. Mas na conta do meu irmão, que está como principal na minha conta, ainda não

Fernando Medeiros
Fernando Medeiros
1 mês atrás

Sem muitos comentários sobre a entrevista, só acho que o fato de ter sido retirada e o rapaz da Crytek não querer confirmar o comentar abre margem para mais especulações, desde uma pressão da Microsoft, até o fato das palavras poderem ter sido editadas para soar polêmico e gerar um clickbait…

Vou bater de novo na questão da memória. A memória do Xbox ainda precisa ser melhor explicada, por que como está conhecido, abre margem para muita especulação e tenho outro ponto de vista, que também é só especulação igual.

Supondo que a CPU consegue utilizar no máximo 50GB/s ou algo em torno, e eu realmente não sei se esse é o valor de desempenho correto para esse Zen nos consoles, mas parece ser o comum para a arquitetura Zen de 8 cores. A memória ideal para a CPU é o que a Microsoft chama de memória padrão, que seria o tal pool de 6GB e 336GB/s. Logo, o CPU não é suficiente para esgotar essa banda, certo?
Então, de forma geral, o Xbox Series X tem 10 chips de memória GDDR6, e como já é conhecido, cada chip de 14gbps é capaz de gerar 56GB/s, o que no arranjo de 320 bit da uma banda de 560GB/s.
A Microsoft consegue os 16GB com 6 Chips de 2GB e 4 Chips de 1GB. Provavelmente não existe uma divisão física onde a CPU vai apenas para determinados Chips e a GPU pode ir a todos. Logo, esse canal precisa de pelo menos 6 chips para atingir 336GB/s, o que significa duas coisas, uma que esse pool de 6GB terá que utilizar metade da capacidade de armazenamento de alguns chips, e segundo, que existe um controlador de memoria entre eles para controlar isso uma vez que o pool de memória ainda é unificado como a Microsoft disse à Digital Foundry.
Se a CPU consegue um máximo de 50GB/s, isso significa que nesse arranjo ela precisa só de 8,33GB/s de cada chip espalhando seus dados, o que quer dizer que no geral, enquanto a CPU está trabalhando sobre sua carga pesada, 6 chips atuariam com sua banda reduzida para 47,67GB/s, e outros 4 ainda teriam os 56GB/s, o que dá à GPU 510GB/s de banda no pool de 10GB.
Isso são contas simples, na vida real nenhum componente utiliza 100% de toda a banda em nenhum momento, e isso vale tanto para Xbox quanto PS5. Onde quero chegar, a solução da Microsoft com certeza leva em conta a economia de custos, pois eles poderiam ter feito diferente com 16 chips de 1GB e garantido 896GB/s. Mas eles também poderiam ter feito igual a Sony e utilizado 8 chips de 2GB e ter a mesma largura de banda porém, se isso foi fosse realmente melhor para a arquitetura e os testes que foram feitos, eles teriam feito, mas preferiram ir para a solução escolhida que gera mais largura de banda, e ainda preferiram dividir os pools. Possivelmente, a Microsoft encontrou uma solução inteligente para mitigar os efeitos da contenção de banda desproporcional da memória unificada e garantir que a GPU terá o máximo que ela precisa na grande parte do tempo.
Onde possivelmente os desenvolvedores podem ter problemas? Se seu jogo precisa de mais do que os arranjos de memória oferecem, e eles terão que ter cuidado com a gestão de recursos. Mas é o que eu acho muito, mas muito difícil para um console, ainda mais um console que está reduzindo a utilização de memória RAM pelo fato do SSD ser muito mais veloz para o streaming, sem contar o fato de que a GPU também pode aceder ao pool mais lento, que pode ser utilizado para dados que não necessitam de tantas consultas ou alta largura de banda. Ou seja, de um pool de 336GB/s, a CPU não é capaz usar toda a banda, mas a GPU pode aceder esse pool para dados que não necessitam de acesso com o mais alto desempenho, e mesmo assim poderá fazer em um canal de pelo menos 286GB/s, quando a GPU fizer isso, ela não está roubando banda dela mesma…
É fato também que dificilmente a CPU vai precisar de mais do que os 3,5GB do pool “lento” para código de jogo, mas se ela precisar, sua utilização de 50GB/s ainda deixa uma dose generosa de banda para a GPU.

E no caso da comparação postada pelo rapaz da Crytek, convém não esquecer de uma coisa muito mais muito importante, a CPU do PS5 acessa a mesma memória RAM que a GPU também, o que significa ele também mantém todos os problemas de contenção de RAM que é conhecido desde o Xbox 360, com um agravante, a banda de memória total do PS5 tem 112GB/s a menos que no Xbox. Então no pior dos casos, o Xbox SX ainda tem mais largura de banda que o PS5.
A Microsoft, assim como fez com o Xbox One X, criou outro console com bastante força bruta em que o desenvolvedor que não se preocupar com otimização vai conseguir extrair bons resultados, e o desenvolvedor que se preocupar em otimizar, vai ir além, tipo a Rockstar entregando RDR2 em 4K no X, ou a Coalition entregando Gears 5 em 60FPS. A geração vai acabar e nenhum grande exclusivo do Playstation 4 foi capaz de buscar os 60fps nem no Pro, absolutamente nenhum, nem em modo boost sem melhorias gráficas uma Naughty Dog, ou a Santa Monica ofereceu um modo de 60fps pros seus jogos.

Sempre que se fala de arquiteturas de consoles no PC Manias, os engenheiros da Sony são colocados como visionários que descobriram vários métodos e soluções inteligentes e os da Microsoft são aqueles que estão usando OS de PC, Directx de PC e peças sem personalização. A mesma equipe do Xbox está entregando o seu quarto console. O Mark Cerny falou muitas coisas sobre o PS4 Pro que não se tornaram reais e não podem ser provadas, tipo os 8,4 tflops… Em um momento em que jogos como Horizon Zero Dawn e Death Stranding então chegando ao PC, eu coloco em cheque até a história da otimização da API low level que só a Sony sabe fazer, pra mim esse vai ser mais um dos folclores do Playstation a cair em pouco tempo, antes do SSD, que vai ser a cereja do bolo.
Só o tempo dirá.

Rui
Rui
Responder a  Fernando Medeiros
1 mês atrás

Eu por acaso essa situação dos 60 fps em jogos de alto perfil exclusivos ps4 nunca tinha pensado, mas ha um o gt sport.

E no resto estou globalmente de acordo especialmente na parte dos visionários do hardware da sony, é o endeusamento sem resultados reais, só na geracao anterior a ps foi claramente vencedora mas, apenas em meia geração, todas as outras gerações de mesa a sony face à percepção de incrível que é criada as vezes, vacilou.

Aliás basta parar para pensar, a sony era a n1 claramente em tecnologia anos e anos e anos e atualmente secalhar nem no top 5 está, ou seja secalhar o material deles não é sempre assim tao bom, mas tenho essa sensação que tudo o que a sony faz e é playstation é revolucionário.

Vou ver as fotos do dual sense.

José Galvão
Responder a  Rui
1 mês atrás

@Rui… pelo contrário, no que toca a equipamentos topo de gama, a Sony é mesmo das melhores, seja em video, fotografia ou até mesmo audio, e quem o diz são os profissionais da cada área.
Onde a Sony perdeu muito foi no mercado de massas nos produtos low e mid range porque no resto ainda dá cartas, a minha TV é Sony e não podia estar mais satisfeito.

Livio
Livio
Responder a  Fernando Medeiros
1 mês atrás

Acho que vc mesmo deu a resposta sobre a arquitetura de consoles ao dizer que a MS fez do SX o mesmo do One X, um aparelho bruto em que o desenvolvedor não se preocupa com otimização, onde estão os visionários neste caso?

Andrio
Andrio
Responder a  Livio
1 mês atrás

lol ….. A vontade de falar algo é tão grande que a pessoa não deve pensar bem no que fala.

Deto
Deto
Responder a  Fernando Medeiros
1 mês atrás

[4K] Mantis Burn Racing: PS4 Pro vs PS4 Graphics Analysis + Frame-Rate test

As we understand it, with the new enhancements, it’s possible to complete two 16-bit floating point operations in the time taken to complete one on the base PS4 hardware. The end result from the new Radeon technology is the additional throughput required to making Mantis Burn Racing hit its 4K performance target, though significant shader optimisation was required on the part of the developer.

In short, there’s more to PS4 Pro’s enhancements than teraflop comparisons suggest – and we understand that there are more ‘secret sauce’ features still to be revealed

https://youtu.be/RgtYZpytJqM

Está ai o jogo que roda em 8TF com precisão de 16 bits.

Pronto, já achamos o teu “cerny mentiroso”

bruno
bruno
Responder a  Fernando Medeiros
1 mês atrás

Parece-me que estou a ter varios deja vu…

Sabes Fernando, convem informares-te convenientemente antes de vir para aqui mandar bitaites.

Sobre a entrevista, fica aqui um facto que todos que o acusam de estar a ser fanboy e a fazer campanha deviam saber – a entrevista nao foi feita numa das grandes publicacoes mundiais. Foi feita num website de videojogos, obscuro, iraniano. Esse senhor e iraniano e falou exclusivamente com um jornal desse pais. Essa entrevista foi posteriormente traduzida e chegou a internacional… um pouco rebuscado para alguem que so quer atencao nao?

Sobre a RAM, o problema e que com a solucao da XsX estas limitado a 10 Gb 560 e 6Gb 360 Gb/s. Na pS5 tens os 16 GB a 448 Gb/s. Portanto, consegue dizer imediatamente qual a melhor? E que no pior dos casos a PS5 tem 12.5 GB a 448 Gb/s e XsX tem 10 Gb a 560 Gb/s. A maior largura de banda esta do lado da Xbox mas para menor quantidade.

Uma curiosidade para ti Fernando… muito certamente tb na XsX a Ram a que o GPU acessa e a mesma que o CPU acessa, so o fazem a velocidades diferentes. A questao e que a solucao da MS ja exisitiu em placas graficas e ja provocou problemas de performance.

Sobre a questao de que o hardware da XsX possui mais forca bruta e que permite pouca optimizacao… pois, isso es tu que dizes. Mas nao e o que os DEVs dizem, nem mesmo este! Pelo contrario, e continuando no que ja se informou aqui a exasutao, o SSD na PS5 permite exactamente isso, que se consigam boas performances sem muita necessidade de optimizacao. Portanto, no papel… sim e o mais poderoso, mas na pratica… sera que entregara toda essa performance? E por isso, essa historia que de que a Xbox repetiu o feito da Xone X… tem muito que se lhe diga. A Xone X chegou ao mercado 4 anos depois do inicio da geracao, um ano apos a Pro, 100 euros mais cara, e a copiar completamente o design da PS4 base, ignorando o design da Xone base. Essa consola largou a ESRAM e copiou e melhorou sobre tudo o que a PS4 fez, nao tendo apenas as melhorias nos ACEs que essa consola implementou.

Sobre a historinha dos engenheiros… pa, a realidade e o que e. Nao se vai passar o pano porque te incomoda. O trabalho que a Sony tem feito nas suas consolas deriva da sua analise as mesmas como sistemas fechados para jogos e por isso customizam e criam o sistema de forma unica. A Microsoft nao faz isso, pelo menos nao num grau tao elevado. Alias, aqui se ve o uma ir ao metal e outra ser mais generico. As optimizacoes na PS tem tudo a haver com computacao e e uma realidade que a Sony tem know how sobre desenhar chips para gerar graficos – porque o fez ao longo de tres geracoes e a verdade e que, melhor ou pior, os sistemas demonstraram-no, com a PS1, a PS2 e a PS3. Na PS4 foi buscar o grosso ao PC, mas nem assim tirou as coisas como la estavam – a PS4 foi especialmente optimizada para GPGPU e a verdade e que a consola tem demonstrado o que vale por isso. Basta ver ate onde os first party conseguiram chegar vs o que ocorreu na Xbox. Nao tens um unico jogo na Xbox que graficamente bata o que foi feito na PS. Nao, nem Gears 5. E nao, nem RDR2. RDR2 vale pelo extenso mundo aberto que possui, pela enorme variedade coisas que podem la ser feitas, mas graficamente (e repito, graficamente) esta atras de H ZD. Foi hilariante muitos aqui tentarem justificar a ONE X porque entregava esse titulo a 4K, e a insisitirem que ultrapassava tudo o que ja foi feito – mas nao ultrapassa.
Seja como for, se achas que assim nao e, nao andes a reclamar prova-o. Eu sei que a maioria dos fas Xbox geralmente esperam fazer valer o seu ponto clamando injustica e fazendo-se de vitimas, mas aqui isso nao vale. Alegas que e injusto e que noa e verdade? Prova-o. Eu provei o meu ponto em cima. Faz tu o mesmo.

Sobre os 60 FPS, sao uma opcao. E depende do estudio! A verdade e que mesmo nos 30 fps, houve uma melhoria na fluidez de muitos titulos face a geracao anterior na PS. Em uncharted foi notorio, pelo menos para mim. Mas tens imensos titulos a 60 fps na PS4 e na Pro. Se a Sony nao o faz para TPS internamente? E porque priveligia o aspeto grafico. E por isso e que tens Uncharted 4 de um lado e do outro muitos titulos no mercado que ainda nao conseguiram chegar ao mesmo nivel. E por isso a Sony a cada entrega acaba sempre por definir o patamar grafico. Gears 5 conseguiu 60 fps mas com um custo… e que tu bem sabes qual e, tanto que efectivamente referes Gears 5 a 60 fps… mas nao referes 4K! Pois, porque quem sofreu foi a resolucao! Nao ha milagres.

Sobre exclusivos Sony a 60 fps tens Uncharted 4, God of War ou GT Sport, portanto mais uma vez informa-te antes de vir para aqui repetir o mesmo ate a exaustao.

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Eu entendo, mas deixei-me estar a so por isto, so para mostrar que mesmo como a MS o anunciou (que ate pode ser longe da verdade) nao sifnifica necessariamente que e melhor.

De resto queria deixar para o artigo de amanha para falar, mas aproveito e pergunto aqui.

Na tua analise, consideras que tens os 5 canais de 64 bits que ao todo fazem 560 Gb/s. Dado que nao sei o clock da memoria, imagino que a assuncao de que nos 10 canais de 32 bits tenhas 56 Gb/s seja tua?

Porque, pela tua analise, tens que os 4 Gb sendo de 1 Gb sao acedidos pelos canais de 32 bits a full bandwith, mas os modulos de 2 Gb, podem ou ser acedidos no total com 32 bits, ou dividem-se em dois modulos de 1 gb, acedidos individualmente a 16 bits cada.

E assim sendo, para teres os 336 gb/s usas os 6 chips a serem acedidos individualmente.

Mas e se usares apenas 3 modulos de 2 Gb para a memoria lenta e tudo o resto para a memoria rapida? Nao sera possivel ter 4 modulos de 1 Gb mais 3 modulos de 2 Gb a serem acedidos de forma independente e a 560 Gb/s e outros 3 modulos de 2 Gb, que funcionam da forma que descreves?

AlexandreR
AlexandreR
1 mês atrás

Meus amigos, já temos fotos do novo comando da ps5, o “Dualsense”
Não fiquei muito convencido com o branco….
https://www.eurogamer.pt/articles/2020-04-07-dualsense-e-o-comando-da-ps5-que-inclui-microfone

José Galvão
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Uma hora antes do inside Xbox…LOL

Eu gostei imenso, muito bonito mesmo, olhando bem parece algo que enche a mão, ergonómico e confortável, a ligação parece ser usb C e vejo ali uma entrada para os headphones, perfeito, agora espero é que tenha uma bateria a condizer.

A luz na parte do DS4 desapareceu o que me intriga porque se é compativel com o VR, só se for com um DS4, mas veremos, agora só falta mesmo ver a consola e o mais importante, jogos a correr nela, muitos jogos!

bruno
bruno
Responder a  José Galvão
1 mês atrás

Sim, a Sony a responder na mesma moeda…

Design futurista. Dá vontade de ver como acaba a consola.

Não me parece é mais ergonómico, talvez o mesmo. O que me intriga são as placas exteriores…. Estou curioso sobre o haptic feedback.

Rui
Rui
Responder a  José Galvão
1 mês atrás

Eu pela tua conversa ja suspeitava que eras o mrgamer mas fiquei hoje com a certeza ao copiares o coment da eurogamer.

Quanto ao comando acho o bonito faz me lembrar o jogo detroit become human nao sei porque ou um produto da alienware, mas prefiro e vou preferir sempre o design do comando da xbox devido ao analogico assimétrico, ja o escrevi “milhoes de vezes” no comando da xbox nas 2 zonas principais ou seja aonde os polegares assentam naturalmente tens um analógico e 4 botões, no dual sense temos um dpad e 4 botões.

Fora isso é bonito e similar ao ds4 mas isso é positivo pois o ds4 foi uma grande evolucao do arcaico ds1,2,3.

bruno
bruno
Responder a  Rui
1 mês atrás

Por acaso, ja toda a gente o sabe dado que ele mesmo comentava aqui como Mr. Gamer. Deixou de o fazer, mudando o nome, quando comecou a contribuir com artigos. Mas nunca foi algo escondido. Agora nao temos culpa que surgam constantemente novas pessoas e descubram isto depois.

José Galvão
José Galvão
Responder a  Rui
1 mês atrás

@Rui…

Eu nunca escondi nada, o Mário pediu-me que em vez de um nick prefere o nome real ao que eu acedi, toda a gente sabe quem eu sou pois não tenho nada a esconder.

A questão dos comentários iguais é muito simples, sendo sites diferentes e a pessoa a mesma e com a mesma opinião, é lógico que os comentários são iguais.

Fiquei foi com a sensação de que como sou MrGamer já olhas para mim com outros olhos ou é impressão minha?

E já agora quem és na EGPT?

José Galvão
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

@Mário, se pensares bem, faz sentido perder o nome Sock pois esse termo sempre esteve associado ao rumble, com o novo haptic feedback faz sentido que mude de nome, eu gosto.

Andrio
Andrio
Responder a  AlexandreR
1 mês atrás

Tem uma cor preta e será a minha kkk.
Essa cor ficou estranha mesmo, mas legal a remodelada que a sony deu no controle.

AlexandreR
AlexandreR
Responder a  Andrio
1 mês atrás

Dá a entender que a consola também vai apostar no branco e no preto!
Não sei se é marketing, mas de um lado temos a Xbox SX que é preta e a Ps5 que irá ter muito branco…
Eu gostava de saber se a ps5 vai poder suportar o dualshock4

José Galvão
Responder a  AlexandreR
1 mês atrás

@Alex… tem que suportar uma vez que é retrocompativel e o novo comando não ter a luz frontal que é essencial para o VR

Livio
Livio
Responder a  José Galvão
1 mês atrás

O led ficou ao lado do touch, deve haver uma solucao para quem vai usar os modelos VR da geração PS4

Deto
Deto
Responder a  Livio
1 mês atrás

possível que vc tenha que usar o dualshock 4?

Deto
Deto
Responder a  AlexandreR
1 mês atrás

Tambem acho que o console vai ser branco e preto.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  AlexandreR
1 mês atrás

Achei lindo. Deus abençoe pra que todos aqui estejam bem e firmes pra termos ótimas experiências com esse novo controle que eu pessoalmente gostei demais.

Marcoshaft
Marcoshaft
1 mês atrás

Coloca um artigo sobre a resposta do engenheiro da DICE que falou que nada do que estão postando é verdade pois só quem está trabalhando com os consoles sabe e isso é confidencial

nETTo
nETTo
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Na entrevista do Engenheiro da Crytek inclusive ele refere que o XSX terá maior facilidade com mais pixels na tela, enquanto que o PS5 terá melhor performance

Gustavo Hipolito
Gustavo Hipolito
1 mês atrás

Eu vou ser sincero, como gracas Deus sempre fui! Eu não aderi a geração PS4/XOne, passei direto e fiquei apenas no PC, mais acompanhei tudo que conseguiram fazer com o hardware da atual geração e não a como não ficar impressionado. Quando joguei Horizon Zero Down na casa de um amigo, fazia tempo que não ficava impressionado com um jogo, os últimos que haviam me deixado tão extasiado foram justamente o que na minha opinião foram o exemplo máximo de aproveitamento de hardware. Me refiro ao GTAV V e ao jogo The Last Of Us na geração passada. Quando eu vi o mundo aberto de GTA V rodando em um hardware de quase 10 anos com aquela quantidade de detalhes, aquilo foi um feito técnico incrível, o mesmo pode ser dito de The Last Of US. Confesso que quando soube que o PS4/XOne viriam com um processador de notebook, e por mais que eu saiba que consoles são espremidos ao máximo, ainda assim era um processador de notebook, fiquei ainda mais desiludido quando vi uma apresentação da UbiSoft dizendo que o processador Cell do PS3 era muito mas capaz do que o processador do PS4/XOne. Mais ao olhar para o Horizon Zero Down, eu pensei comigo mesmo “Que coisa fantástica fizeram aqui!”. Não ha como ignorar, é tambem um feito tecnico impressionante! Ai vejo Red Dead Redemption 2, God Of War, Gears 5, GT Sport, Forza Horizon, Death Stranding a outros portentos técnicos e futuros jogos incríveis como The Last Of Us 2 e Ghost Of Tsushima todos alegados ao que tudo indica dessa geração e fico impressionado como algumas pessoas arrumam confusão ou discussões internet a fora por causa de um Hardware que nem foi lançado ainda, é claro que temos que falar do hardware futuro, mais nao seria interessante pensar no principal? Sim pessoal o principal serão os jogos, é muito bom ver que os futuros consoles terão um hardware impressionante. É lindo ver uma maquina feita para ser colocada em uma sala de estar, ter entre 10.23 Teraflops e 12.3 Teraflops. Mais voces ja imaginaram por exemplo se um jogo de futebol da nova geração ter animações dos cabelos, uniformes animados, variações de clima e de vento que afetem a dinamica da partida, mostrar todos os integrantes em campo como técnicos e suplentes repórteres torcedores com animações e movimentos não tao repetitivos ou estáticos na beira do campo? O tecnico passando instruções a grama sendo arrancada, e a trajetória da bola ou do passe sendo afetada devido ha isso, e mais outras coisas que podem alterar a dinâmica de um jogo de futebol que exigiria uma IA extremamente mais elaborada, como a pressao da torcida sobre o time visitante e a expressão dos atletas de um time pequeno ao enfrentar um time gigante em sua casa ou vice versa.
Não estou dizendo que o jogo de futebol da nova geração sera assim, mais ao ver o Hardware é perfeitamente possível, ha processador, memoria, GPU e largura de banda suficiente para ser feito algo assim. No final os jogos que importam, então não consigo entender, as brigas sobre qual é mais poderoso. Eu pergunto ha todos os meus amigos e eles falam a mesma coisa, “Não me diverti menos ou mais por que comprei o Xone e o outro comprou um PS4!”. O mesmo pra quem comprou um PS4 pro e o outro comprou XoneX. Já disse especificações são legais, é bom saber do que sua maquina é capaz, mas no fim de tudo você vai dar play no jogo e ficar horas ali passando o seu tempo e se divertindo, independente se comprou o verde ou azul, não vai ficar pensando que o seu vizinho tem um verde e você tem o azul, vai pensar em jogar e pronto.
Esses consoles que serão lançados serão o ponto do desenvolvimento dos jogos de nova geração , fiquei realmente impressionado com as especificações de ambos, principalmente o XBox SX é um feito de engenharia incrível. Mais não da pra ignorar a quantidade de inovações e principalmente o conceito do PS5, quando digo inovações não quero dizer que o Xbox SX não tenha, longe disso! Mas como já foi abordado em vários artigos pelo Mario, a abordagem da Sony é bem interessante, eles não foram pelo tradicional, ou seguiram o conceito do sucesso do PS4, trouxeram na medida do possível algo novo. Esse SSD é bem interessante. Vou aderir essa geração no inicio, ainda nao sei ao certo qual vou adquirir, mas tudo indica que vou pela PS5, uma pelos exclusivos e outra porque o conceito do console feito para mitigar ou não ter gargalos acho bem interessante.
No mas, nesse momento declarações e entrevistas de ambos os lados valem o que valem. Falta ainda uns 8 meses ou ate mais para o lançamento dos novos consoles e ate la muita coisa vai surgir, no meu ponto de vista eu quero esperar os jogos. Os consoles só serão a minha porta de entrada para o mundo de jogos de nova geração que estou esperando.
No mais, ótimo artigo como sempre Mario.

Gustavo Hipolito
Gustavo Hipolito
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Olá Mario! Obrigado pelo elogio ao comentário. Mario entenda que meu objetivo no comentário não foi o de desconsiderar a abordagem da pagina ou não levar a serio o conteúdo aqui postado. Meu objetivo era que algumas pessoas percebessem o quão em vão são discussões sobre “qual é o melhor” e se “o meu é melhor o seu não presta”
Sua pagina é das melhores que ha em língua portuguesa a tratar de assuntos técnicos, você consegue falar de termos técnicos e detalhes de uma forma eloquente e didática ótima, todos os rumores sobre os novos consoles eu acompanhei por aqui, não vi em fóruns ou sites como IGN ou Eurogamer, acompanhei por aqui por que confio em suas analises técnicas e por que você só fala quando ha informação suficiente. Conheci seu site quando fui pesquisar no Google uma curiosidade sobre o hardware do PS2 e me levou ha uma matéria postada aqui sobre um filme de final Fantasy feito na base de varios PS2.
Voltando a abordagem da nova geração eu estou ansioso, os novos consoles são até mais do que eu esperava. Devido aos custos achei que a nova geração viria com um Zen 1 aprimorado, nem achei que colocariam Zen 2, sobre a capacidade grafica ate esperava um pouco mais no PS5, mais o conceito é bem interessante, a Xbox SX é poderosa, mais do que o PS5, mais percebo que a microsoft desenhou-a de forma tradicional, ao que tudo indica a abordagem da sony foge do senso comum e admiro a sony por arriscar, se vai dar certo só os jogos que irão rodar nela poderão dizer.

Rui Teixeira
Rui Teixeira
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Mário, tu melhor que ninguém deves saber como funciona a mentalidade desta gente. Podes ter vários artigos/notícias a falar bem da XBox, mas basta teres um a falar bem da PS que és logo tachado de fanboy da Sony. Neste caso é o mesmo, o programador nem sequer tem PS4, mas bastou elogiar uma vez a PS5 que é logo fanboy da Sony.