A possível estratégia da Microsoft para o futuro das consolas.

Um texto do Neogaf mostra aquela que poderá ser a possível estratégia futura da Microsoft para a Xbox. O que pensas dela?

Um texto do Neogaf, que traduziremos de seguida, e cujo fundamento não podemos confirmar, parece mostrar aquilo que é um receio de muitos. O desejo da Microsoft tornar o mercado consolas em um mercado PC, mas onde a empresa tem uma posição dominante, impondo as regras e os seus serviços. Basicamente uma estratégia semelhante à que a Valve tinha com as Steam Boxes, mas aqui fechada e dominada completamente pela Microsoft.

Eis o texto:

Bem, aqui está algo que ninguém está a falar com a devida distância. A Microsoft deixou várias pistas e se prestarem atenção a elas vão perceber que esta geração será fundamentalmente diferente das 3 anteriores. Entre a convenção usada no nome com “série”, o formato, e o foco na compatibilidade para a frente e para trás, acredito que a Xbox se vai tornar num PC gaming desenhado para a sala de estar (basicamente a versão MIcrosoft daquilo que as Steam Boxes eram suposto serem).

Em particular acho que a empresa vai adoptar o modelo iterativo do PC, bem como um modelo de smartphones como o iPhone. Com o modelo, não fiquem admirados se não virem um upgrade de meio ciclo mas sem 2, 3 ou mais iterações do hardware à medida que o ciclo avança. Não só isso, mas apesar de eu dividar que tenhamos consolas todos os anos como os iPhones, não fiquem admirados se no ciclo de 5 a 7 anos das consola possamos ver a Xbox Série X, a Série X2, a Série X3 etc. Na realidade com esta aproximação, o conceito de nova geração desaparecerá de vez.



Agora esta aproximação é fundamentalmente diferente do modelo tradicional onde uma consola dura 5 a 7 anos. Com este modelo a Microsoft pode alcançar o seguinte:

  • Lançando novo hardware a cada 2 ou 3 anos, eles podem garantir que há sempre um novo modelo que se equivale ao PC de topo para os mais entusiastas.
  • Podem cobrir toda a gama de preços com hardware para audiências diferentes (da entrada de gama ao entusiasta)
  • Podem remover as barreiras associadas a uma nova geração de consolas e o necessário reset para os consumidores e criadores.
  • Deixam de ter de se preocupar com o que a Sony faz com a PS5, PS6, etc na perspectiva das especificações dado que os lançamentos serão relativamente próximos e um passo à frente em termos de potência.
  • Efectivamente transformam a Xbox numa plataforma agnostica (como o PC), onde podes jogar tudo do passado e do futuro, independentemente do nível de hardware que tens.

Este  o caminho que a Microsoft quer seguir. É o culminar da filosofia de Phil Spencer, que diz que o número de consolas que vendes não conta, mas o que importa é quantas pessoas jogam os teus jogos na tua plataforma/serviço. cada geração alcança mais de 100 milhões de unidades vendidas e depois faz um reset para 0 e luta para alcançar a anterior.  Com esta aproximação, a Microsoft pode olhar para o total de pessoas a jogar na Xbox, Xbox 360, Xbox Series, e PC, como as suas métricas de sucesso. Esse é o verdadeiro crescimento onde cada plataforma se expande e cresce sobre o mercado que já existe,

Daí que se a guerra de especificações é divertida nos foruns, a Microsoft não quer saber. A série X é apenas um olhar sobre a nova geração, como eles a concebem, e teremos um bom número de consolas nos próximos anos.  De forma sábia eles acalmaram a conversa sobre a Lockhart porque viram como os fanboys hardcore responderam online e perceberam que é melhor falar para já apenas no modelo de topo como é tradicional numa geração de consolas. Mas a Lockhart está definitivamente nos planos, bem como outras séries que poderão ser lançadas mais cedo do que se pensa.

A convergência entre a consola e o PC está quase completa

A minha forma de ver

Pessoalmente o conceito não em agrada. E não em agrada porque basicamente este conceito existe já! Chama-se PC!

A diferença face ao que a Microsoft quer é que esta  jogada poderia ter como consequência ir buscar o mercado lucrativo das consolas, unindo-o ao do PC, e tudo sob o controlo da Microsoft.



Mas na prática o que teríamos era o mesmo que nos PCs… com os modelos antigos a serem trocados por novos, ou a manterem-se activos por Streaming.

Pessoalmente tenho neste momento 48 anos. Assisti à evolução do mercado consolas, e à forma como cada geração define novos patamares. Remover esses patamares poderá criar uma estagnação do mercado com o objectivo de se desenvolver por baixo para alargar o mercado alcançado na melhor das condições de jogabilidade e aumentar as vendas. Algo que com uma no a geração não tem de existir pois o hardware mínimo tem uma performance pré definida e sobe a cada geração.

Coloca-se depois a questão que o entusiasta das consolas, um conceito que só apareceu nesta geração com as consolas meio de gama, vai passar a ter de atualizar as suas consolas a cada dois anos, caso se queira manter entusiasta. É uma despesa que nunca existiu nas consolas, apenas nos PCs… os upgrades aos quais as consolas fugiam, e que mesmo com a atual geração e consolas de meio de geração não alterou, uma vez que a consola base se manteve activa e com a qualidade intacta face ao que foi proposto no lançamento.

Mas com lançamentos a cada dois anos (o primeiro passo para os futuros lançamentos anuais), o hardware rapidamente ficará obsoleto, o equilíbrio entre versões deixa de ser possível rapidamente, e as consolas inferiores, a continuarem suportadas, terão versões inferiores, o que incentivará ao upgrade.

É um pouco o contrasenso sobre a ideologia de que as vendas de hardware não importam. Porque aqui a Microsoft estaria sempre a produzir consolas, e dado que não poderia estar a perder dinheiro com cada uma delas, o preço não seria diferente do dos PCs. Daí que uma consola capaz de concorrer com um PC de topo não seria mais barato que ele.



Mais ainda, como revelam estudos recentes, as pessoas não estão a trocar os seus smartphones em períodos tão curtos, e certamente a última coisa que estarão interessadas é que a juntar ao custo de um smartphone actualizado, se coloque o custo de uma consola actualizada.

Basicamente entraríamos no conceito de produção em massa de hardware. Acabava-se a escolha do hardware que custa vários milhoes a desenvolver e entrar-se ia no mercado normal de consumo. As consolas teriam o mesmíssimo hardware dos PCs, e custariam o mesmo.

É fácil de se reconhecer que o reset a cada geração não é uma situação ideal… Mas é o facto de as consolas terem limites que tem levado a grandes avanços na programação. O desejo de os programadores quererem alcançar o mercado mais rentável, e terem de adequar o código para que ele corra em hardware mais limitado. Novas técnicas, novos motores, e outras situação advem daí! Como diz o ditado: A necessidade aguça o engenho!

E isso perder-se-ia com consolas novas a cada 2 anos. As thirds deixariam de se preocupar em quais consolas o jogo corre, tal como no PC, optando ou por esquemas de nível de detalhe (algo contra natura num conceito de consola onde todos terão de obter o mesmo), ou um esquema de forçar quem não é suportado a adoptar o streaming.

Sinceramente este é um futuro que se assemelha demais ao passado do qual pretendi fugir quando passei do PC para as consolas… e um conceito que não me agrada e que não suportarei caso venha a existir.



Mas naturalmente falo por mim… quero ouvir as vossas opiniões nos comentários sobre o que acham deste modelo!



26 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
By-mission
By-mission
6 meses atrás

Simplesmente insustentável!
Se a Sony se juntar a isto vou de Nintendo…
E se ambas se juntarem a Microsoft vou ficar como retrogamer mesmo.

A Microsoft tem um jeito estranho de fazer negócios e não é de hoje, entram em uma determinada área , investem rios de dinheiro não tem o retorno esperado tentam acabar com o todo o resto para que fique só ela como opção.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Mário Armão Ferreira
6 meses atrás

Que bom que está melhor Mário.

A caixa do Series X me é razoavelmente agradável em formato apesar de não me parecer um design realmente sofisticado como poderia. Me parece pouco inspirado ao detalhe, com a grade superior a ser mesmo feia e de mal gosto. Mesmo a um preço popular como 500 dólares é possível pois se trata de forma e não materiais específicos. Essa é uma peça central na sala de boa parte da clientela.

Aprovo o formato mas não a filosofia de detalhe sútil do design geral. Acredito que se pudesse fazer melhor.

O Xbox One S é o que preenche os requisitos de um design realmente equilibrado, bonito e com personalidade, além de eficiência na refrigeração.
Beleza e funcionalidade, é um projeto ótimo, o melhor da MS na minha opinião.
Obviamente é uma análise preliminar pois o produto deve ser avaliado ao vivo antes do veredicto final, por mais que se tenha boa demonstração em vídeo. Quando já em vídeo se percebe harmonia, então ao vivo é sucesso.

A refrigeração tive exatamente as mesmas dúvidas, me pareceu e talvez pudesse ter um ressalto na parte de baixo onde o ar entraria percorrendo todo o interior até a exaustão no topo, mas não deu pra ver muita coisa. Nas costas pode ser que tenha alguma parte gradeada pra isso o que seria ótimo.
Esse projeto a ser potente como dizem precisará de um ótimo air flow e se possível uma generosa parte de dissipação passiva em contato com APU memórias etc.
Opinião de amador mas que aprecia um bom design de engenharia.

Eu vindo a possuir um gostaria de usa-lo de pé pois me parece ser as posição mais interessante pra ele.

marckos
marckos
Responder a  Mário Armão Ferreira
6 meses atrás

Sobre o resfriamento do XBox Series X, creio que dá pra ter uma noção usando como base um modelo de PC ultracompacto da Gigabyte, cujo visual se assemelha ao do console…
https://www.youtube.com/watch?v=P8mKpWRfvM4&t=69s
Desmontando, nota-se que o fluxo de ar é de baixo para cima, mas claro que no caso do X-Sex (rs) deve acrescentar um sistema de resfriamento mais eficiente…

Brunoab
Brunoab
Responder a  Mário Armão Ferreira
6 meses atrás

Não sei pq ele não gostou do xbox liberando os exclusivos do PC, mas agora aplaude a Sony liberar 4 exclusivos do PS4 para PC.

Para mim ele não mudou de opinião, apenas ele espera que o Playstation libere os exclusivos no PC para prejudicar a plataforma.

Esse sujeito parece o fanboy do Xbox que foi pedir no twitter do Cory Barlog para ele lançar god of war no PC, o unico intuito dele era para isso prejudicar o playstation.

provavelmente esse seja a intenção desse sujeito ai… o sonho de todo o fã boy do xbox e a Sony liberar exclusivos no PC para ele poder falar “ah MS esta certa béééeé”

Fernando Molina
Fernando Molina
6 meses atrás

Como um consumidor Microsoft desde o primeiro Xbox lá por 2002, se a estratégia da Microsoft for isso mesmo, e se a Sony continuar com o modelo atual, meu suporte e dinheiro vai todo para o Playstation, sem pensar duas vezes

Shin
Shin
6 meses atrás

Posso garantir que não é isso que vai ocorrer. A Microsoft lança Xbox defendendo a expansões do modelo de gestão de desenvolvimento do Windows.

Bill Gates viu que eles não tinha um hardware como a Apple então se sentiu ameaçado quando viu que os números de crescimento do Windows no mercado de massa vinha da capacidade do OS e hospedar os jogos. Eles viram a Sony crescendo e falando de colocar Linux e incrementar uma operação de internet. Então eles pensavam que o formato de computador como um todo poderia ser tomado pelos japoneses. Então rola uma segunda guerra mundial aqui onde EUA tinha mais medo do poder militar Japones do que o Alemão. A Microsoft tinha mais medo das empresas de hardware que as de software porque eles eram uma empresa de publicidade com um produto intangível.

A Microsoft de Nadella assume que a nuvem é o gestor chave do ambiente e investiu nela como fator central de intercambiabilidade. Com o One Core eles podem mudar rapidamente de SKU e como eles fazem suas SKU tercerizados pela AMD eles podem responder ao mercado rapidamente.

A Microsoft só irá lançar produtos seguindo 2 fatores. O primeiro é o ciclo de declínio de seus produtos e o segundo é a competição direta. Temos que entender esses 2 fatores de maneira distintas.

O ciclo de declínio tem haver com a capacidade de vender o produto e o valor que ele representa. Um produto entra no seu ciclo de declínio quando ele atinge a maturidade, as pessoas conhece ele e aqueles possíveis compradores já possui o produto.comment image

Você pode ver isso na passagem da geração anterior para essa, o Wii declina primeiro e a Nintendo lança o Wii U, Xbox 360 e PS3 declinam um período seguinte e ambas lançam sua nova gen.comment image

Produtos estão concorrendo para fazer users abrir sua carteira então um declínio tem um motivo. O Wii tinha um motivo de declínio e o Xbox e PS4 também tem seu motivo, então as empresas pensam em suas novas gerações para combater o motivo de seus declínios. A Microsoft olha seu passado e acha necessário ter mais poder gráfico em relação a Sony então Anaconda é um console de poder, porém ela tambem sabe que no fim de geração a Sony lança revisoes de sua plataforma para dissolver o custo negativo.

Em 2000 a Sony lança o PSone.
Em 2005 a Sony lança o PS2slim.
Em 2012 a Sony lança o PS3 super slim.
Em 2020 ou 2021 é esperado um PS4pro Slim pois já existe um PS4 slim.

O Lockhart possivelmente antecipa o combate de valor de um PS4pro em uma SKU mais barata.

Enquanto Anaconda um SKU para combater o PS5.

Portanto, a Microsoft visa extender seu crescimento em seu próprio ciclo oferecendo concorrência a Sony. Então se eles se mantém crescentes por que iriam lançar mais SKUs?

O mesmo vale pra Sony, a Sony lançou o PS4pro para extender o ciclo de declínio do PS4 oferecendo essa opção pseudo 4K, pois ela nota que as GPUs de PC estão se barateando e oferecendo essa opção. Então o PS4pro mantém o valor e oferece uma opção extendida. O PS5pro vai existir da mesma forma, provavelmente oferecendo mais poder computacional no Ray-Tracing e DLA, pois é isso que a Nvidia está fazendo, então a Sony está embutido mais SKUs para permanecer relevante diante do PC.

A Microsoft respondendo a Sony vai lançar uma versão barateada de Anaconda e um upgrade dessa SKU para combater o PS5. Porém isso não vai ocorrer em 2 anos, porque as APUs evoluem mais rapidamente que CPUs e GPUs, isso significa que os consoles são mais resistentes ao tempo. Então o verdadeiro encurtador de ciclos não é os PCs e sim um outro fator, a demografia, a população consolista está ficando mais velha a cada geração e os mais novos estão cada vez menos engajados em dispositivos de TVs. A razão de existir um Switch se dar por que a Nintendo está combatendo seu próprio declínio. E se a Nintendo declinou em consoles unicamente voltados para a mesa significa que os próximos serão os demais consoles.

As empresas sabem disso e por isso falam tanto do Streaming, o marketing xCloud é sobre portabilidade no Xbox um conflito direto contra o Switch. A Microsoft vende consoles quase que isoladamente na America e Reino Unido ( Algum na Austrália ) são lugares que as pessoas compram PCs de mesa então a Microsoft está restabelecendo seu Marketing como um Windows sobre a TV.

Por isso não haverá Xbox todos os anos como iPhone, a Sony não está fazendo isso e sim mantendo seu ciclo de produtos e a Microsoft respondendo isso com suas contra medidas.

O que a Nintendo falou sobre o Switch? Que esperava um ciclo de produto mais longo que o 3DS. Porque a Nintendo estaria falando de alongar se o mercado mobile tem produto todos os anos? Satoru Iwata falou no passado, a Nintendo teria que adaptar seu software como a Apple que pode lançar diversos produtos em um ciclo. A Nintendo falando de intercambiabilidade. E eles estão fazendo isso, Switch tem agora o Switch Lite e a revisão Mariko do chip, 2 SKUs novas intercambiais dentro do mesmo valor de produto.

Sony e Microsoft lançarão produtos com software intercambiável para alongar seu ciclo de produto. Então eles não farão isso ano a ano mas sim de 4 em 4 anos e dentro desses 4 anos haverá revisões diminuindo o custo de fabricação para substrair o impacto do lucro negativo.

Shin
Shin
Responder a  Mário Armão Ferreira
6 meses atrás

A água do rio muda quando seu curso e desviado, empresas mudam quando algo interrompe seu processo evolutivo. O que está interrompendo o Xbox?

Perceba que a garantia significa estabelecer os critérios baseados em fatos concretos. Enquanto o entendimento do cara do Neogaf é apenas uma teoria.

Shin
Shin
Responder a  Mário Armão Ferreira
6 meses atrás

Todos os fatos ditos aqui por mim pode ser rastreados, se conhece os componentes você não tem dúvidas sobre o que ocorre.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
6 meses atrás

Esse modelo é uma desgraça. Repudio totalmente.

Ewertom
Ewertom
Responder a  Carlos Zidane
6 meses atrás

Eita porra,@Mário o user @Zidane acabou de falar um palavrão.kkkkkkkkkkk

AlexandreR
AlexandreR
6 meses atrás

A maioria das pessoas não concorda com a ideologia da Microsoft, inclusive eu!
Mas a mesma não a irá transmitir aos consumidores.
Ela não vai referir que quer lançar todos os 2/3 anos uma nova consola, porque se não os consumidores voa investir na concorrência

HENNAN SANTOS CARVALHO
HENNAN SANTOS CARVALHO
6 meses atrás

Preocupação zero com isso. Se algo que essa geração provou foi que a maior parte do público de consoles prefere o modelo tradicional. Logo empresas que tentarem alterar esse modelo estão fadadas ao fracasso. Ainda assim, espero que não se confirme, pois quanto mais concorrentes melhor.

Brunoab
Brunoab
6 meses atrás

então a MS quer acabar com os consoles, simples assim.

pq eu vou comprar um console com upgrade igual o PC, mas FECHADO e não aberto igual o PC?

Exatamente por isso que a MS empurra esse esquema, se não der certo… qual o problema? eles vão continuar vivendo de windows e office.

se der certo, acaba os video games e todo mundo vai jogar no PC windows.

Eu compro windows por 10 reais, mas em epoca de métrica de rede social para sucesso, o valor de ação vai subir mais que 10 reais só pq “sou usuário ativo”

Shin
Shin
Responder a  Brunoab
6 meses atrás

A Microsoft não tem poder pra acabar com consoles e muito menos a pretensão. Consoles é sobre vender software com uma concorrência controlada e o mercado de software de jogos é o mercado de software mais lucrativo. O que a Microsoft não conseguiu no Windows estabelecendo o monopólio da distribuição eles fizeram com o Xbox.

Soa até cômico pensar que os jogadores interpretam o que eles estão fazendo de maneira invertida.

Enquanto a Microsoft centra o Xbox como uma mídia TV e abre ao Windows 10 a opção de receber conteúdo equivalente, os jogadores pensam que o Xbox se tornará um PC.

A anos a Microsoft divulga que o Xbox não é um PC mas sim a divisão de TV da estratégia One Core.
https://youtu.be/0RltHVvgq_s

A anos a Microsoft fala de Divices no plural ao falar de Xbox e somente agora que eles divulgam o Series X as pessoas começam a falar de pluralidade nas plataformas.comment image?cb=1433016723

A anos eles estão falando de fundir todas as plataformas nesse unico Core Divice.comment image?cb=1433016723

A Microsoft não está transformando o Xbox em um PC pois eles possuem também uma linha PC, os Surface. O que eles estão fazendo é unificar todas as Divices em um único Core OS, que é nada mais que seguir a tendência da Apple e o Google.

Como falei, APUs estão adotando um ciclo evolutivo mais rápido que CPUs e GPUs juntos. Você terá consoles tão capazes como uma RTX 2070. Uma geração Pro e X do PlayStation e Xbox na novas geração terá uma evolução sobre a lei de moore até que o design encontre seu limite, o que significa 4x o poder dentro de 36 meses e eles poderão fazer isso porque a AMD está adotando a evolução FlipFlop. Uma geração a CPU+DSPs outra geração GPU. PS5 e Xbox da próxima gen serão muito mais sobre CPU que GPU, não que a GPU é menos mas, como Phil disse, são 2x o Xbox One X. Que que se fomos levar em conta o salto entre 16nm e 7nm, é um salto muito conservador, ainda mais quando você assume o qual a AMD melhora RDNA. O salto dentro dessa geração para a família Pro e X será maior e isso vai ser loucura para os jogadores, mas o One X foi lançado 50 semanas depois do One Fat e ele duplica a densidade de microtransitores ao mesmo tempo que leva 50% mais eficiência, o resultado, GPU de 6TF. Os consoles Pro e X não surgirão antes de 36 semanas devido aos fatores já explicado por mim aqui, portanto, a evolução que trarão será maior que o salto entre One X e Series X. Quem será o catalizador para isso será o Ray-Tracing, 2020 é a introdução do Ray-Tracing em consoles em 2023 em diante o estabelecimento da renderização híbrida para todo o cenário e isso aumenta a escala de exigência. Então não se assuste se ver pelo menos 4x o poder do PS5 ou Series X. Os 5nm+ oferecerá Shrink com o dobro de densidade por MM^2 e a AMD pretende usar tanto TSMC como Samsung.comment image.webp

A nova geração terão chips de 14 bilhões de microtransitores em 350mm^2, no mesmo espaço eles poderão chegar a 30 bilhões com 1.3x mais a eficiência sobre os 5nm+. Isso é silício para quase 3x RX5700XT e se levamos em conta que o CPU não irá crescer da mesma forma você tem muito aproveitamento área para a GPU.

Novos consoles apenas a partir de 2024, lançamentos de meio período são apenas revisões segregando o custo ou ampliando a rentabilidade. Pra isso existe Special Edition, Anniversary, Elite. Todas para fazer o cliente gastar mais grana com o mínimo de esforço.

Brunoab
Brunoab
Responder a  Shin
6 meses atrás

one core?

o mesmo que ira fundir Windows Phone e PCs?

agora vai heim, não deu certo fundir celular e PC, mas vai dar certo com xbox e PC.

tá parecendo os fanboys do xbox que nem programar em HTML sabem mas achavam que com esse “one core” até windows phone iria rodar jogo de xbox one.

UWP? vc ainda ta nesse sonho?

nem a MS aposta mais nisso.

quer saber o sonho de “fusão” da MS?

windows store = flop
play anyware = flop
crossplay = flop
surface = flop

Ninguém é idiota de comprar dois aparelhos diferentes, pc e xbox, para jogar os mesmos jogos apenas pq “compra uma vez e joga no xbox e PC”.

mais uma observação que não tem necessariamente haver, sobre a movimentação da Sony:

Sabe como vc engana alguém? confirma o que ela acredita.

Quem disse que a Sony com esse “memorando” de intenções do Azure e falando em “levar alguns jogos para uma audiência maior” não esta apenas fingindo que tb acredita na “visão” da MS?

deixa a MS liberar os exclusivos do xbox day one no PC, e vejamos se o sujeito vai preferir pegar um xone XS ou fazer upgrade no PC onde ele tem “retro” em 1440p 120 FPS?

Shin
Shin
Responder a  Brunoab
6 meses atrás

O mercado de jogos é sobre vender jogos. O mercado de jogos não é sobre vender caixas de jogos com um valor de mercado inferior ao valor de fabricação. A Microsoft vende Xbox para vender software e para ter o seu monopólio sobre onde Thirdparty venderão seu software. Portanto, onde o Software está vendendo não importa muito.

A caixa “boxe” do Xbox ainda é importante pois eles precisam dessa caixa para colocar elas em lojas e as pessoas levarem seus Xbox pra casa. Por isso eles tentam fazer uma caixa competitiva a custa do risco de implementar um hardware de alta capacidade. Porém o verdadeiro propósito da caixa é conectar o controle a TV. A Microsoft vende controles, ela tem muitos tipos de controles e os controles diferente dos Boxes eles tem uma pequena margem de lucro, da mesma forma que os teclados e os mouses.

O UWP era sobre a Microsoft aplicar um Market Share Universal usando o Windows como plataforma. Como pode ser visto agora nos novos Surface, através do One Core eles podem colocar CShell Windows em um dispositivo Android.

Os jogos Xbox correm em um próprio OS de maneira virtual.comment image

Hoje a Microsoft pode levar o Game Core através do seu Cshell até para plataformas Unix, então eles podem desenvolver Apps de Switch ou PS4 mantendo a compatibilidade da documentação e carregar toda a interface Game Core com o game. Eles poderia caso Sony e Nintendo permitisse que seus Apps usasse o controle do Xbox. Parte disso é real nos últimos Apps e nessa direção com royalties baixos eles podem aumentar sua quota de monopolio de desenvolvimento dentro do seu ambiente independente se esse é ou não é um aplicativo dedicado ao Xbox.

Então eles não estão perdendo, ninguém está perdendo.

Shin
Shin
Responder a  Mário Armão Ferreira
6 meses atrás

Iwata: Na história passada da Nintendo, (Hiroshi) Yamauchi-san disse: “O hardware é apenas uma caixa que você compra apenas porque deseja jogar jogos de Mario”. Essas foram as palavras exatas dele. (risos)

Miyamoto: Eu lembro disso! (risos)
http://iwataasks.nintendo.com/interviews/#/3ds/how-nintendo-3ds-made/4/0

Não vem da Microsoft e sim de Hiroshi Yamauchi, não é um formato publicitário mas sim a definição simples do que é de fato um console. É por essa definição que um console é muito diferente de um PC embora use igualmente componentes tecnológicos. A razão disso é que o mercado de jogos é muito mais antigo que o mercado de semicondutores e o vídeo game é uma extensão dos jogos sobre a TV. Ralph H. Baer por exemplo, insatisfeito com a incapacidade da TV promover alguma interação construiu uma BrownBox…comment image?1477802650
Que seria o prototipo do que se tornaria o Magnavox Oddyssey, o primeiro console.

Quem define o estabecimento dos semicondutores é a jerry Lawson pelo Fairchild Channel F, seu objetivo era criar um sistema visual que pudesse colocar evidência o microprocessador Fairchild F8 que tinha como propósito disputar com o Intel 4004.

Não deu certo mas Lawson cria a idéia de um console de mídia que acaba sendo a peça para definir o Market da Atari através dos cartuchos. Os cartuchos poderiam ser usados naquela época para abater o preço do console deixando parte do sistema de memória nele. Yamauchi colheu tudo isso e depurou o que deu certo e descartou os erros. Ele enxergou que a Atari errou ao permitir o desenvolvimento pirata, então a Nintendo controla a distribuição de seus jogos com mão de ferro. Isso abre alas para aparecer o CDROM, a Sony e posteriormente Microsoft e o mercado digital. Estão no Streaming agora.

O contexto do consumo é como chegar nos jogos de maneira mais curta e dos desenvolvedores é como levar os jogos de maneira mais barata, o ponto de interseção entre esses 2 atributos tem sido o console de vídeo game. É por isso que estamos chegando na décima geração.

Sim existe um contexto tecnológico que agrega valor na caixa mas ela só funciona como uma validação publicitária “Blast Procesing”, o ambiente de desenvolvimento e o valor do produto são sempre os definidores chave.

Ewertom
Ewertom
Responder a  Shin
6 meses atrás

@Shin esta frase do Yamauchi-San esta escrita no livro “Nos bastidores da Nintendo” quem tiver a oportunidade de ler é uma história incrível por detrás da empresa que para mim é imbatível no mundo dos games.

daniel
daniel
Responder a  Brunoab
6 meses atrás

Eu diria que a grande vantagem que o Xbox e o Ps terão na próxima em relação da atual é justamente o que que você acha desvantagem, se falando na virada de geração. Sejamos sinceros, não há que se falar em upgrade para os jogadores de pc, que em sua esmagadora maioria possuem intel (me incluo nessa). A massa que possui i7 de 7° geração pra baixo já vai estar muito defasada, e não há o que fazer, e terá que trocar todo o sistema. Ai o que vai contar é o preço, e os consoles serão muito mais convidativos.

Shin
Shin
Responder a  daniel
6 meses atrás

A maior vantagem do Xbox é a gravidade Microsoft pois eles podem sempre gastar bastande e assumir algum prejuízo, antes que os acionistas começem a se revoltar. A razão hoje da Microsoft está aplicando tanta ênfase no Xbox é porque a empresa na gestão de Nadella voltou aos rumos e isso calou a boca deles.

Sony e Nintendo não tem essa vantagem, principalmente a Sony que ainda se recupera da crise de 2008.

Todavia desde o estabelecimento da Nintendo o mercado de vídeo games tem sido sobre vender jogos orientais para o ocidente. É muito pouco do conteúdo ocidental que é vendido no oriente, eles ficam no ocidente, vendem por duas semanas e são esquecidos pois logo aparece um equivalente. É difícil para o ocidente copiar conteúdo oriental então eles permanecem mais tempo na ótica das pessoas. Por isso o ocidente teve que aumentar sua capacidade de produção e publicidade e por isso agora jogos precisam de 5 anos de desenvolvimento centenas ou milhares de mentes brilhantes envolvidas e muitos dólares. Chegamos no teto tanto do custo quanto de reforço humano, por isso, diante da estagnação criativa, no ocidente restou os indies.

Quem tem as editoras japonesas e os ocidentais indies do seu lado pouco precisará das grandes publishers.

error: Conteúdo protegido