A tecnologia de Input/output das novas NVIDIA Ampere, série 3xxx comparada com as actuais consolas

5 4 votes
Avalie o nosso artigo

A Nvidia apresentou os seus GPUs com arquitectura Ampere, série 3xxx IO. E para além de estes GPUs mostrarem um bom ganho de performance face aos actuais GPUs, eles apresentam embutido um sistema de Input Output que permite aos SSDs o fornecimento de uma grande quantidade de dados ao GPU.

Com a apresentação da PS5 e da Xbox série X, algo surgiu que foi uma novidade, apanhando muitos teóricos de surpresa. O SSD subitamente teve um foco tremendo como ferramenta para aumentar performances e qualidade gráfica!

Sony e Microsoft apostaram por isso em garantir que o SSD não só existiria nas suas consolas, como que ele teria performances que realmente pudessem trazer a qualidade dos GPUs ao de cima. E para isso era preciso não só fornecer uma quantidade de dados superior à que o SSD efectivamente lia, como que o CPU não ficava afogado no tratamento desse enorme fluxo de dados.

E nesse sentido, ambas as marcas apresentaram as suas soluções, sendo que ambas aumentam as performances do SSD ao trabalharem com dados compactados, que são descompactados em tempo real usando descompressores dedicados, e com pouco (Xbox série X) ou mesmo nenhum (PS5) uso do CPU no processo. Dessa forma a Microsoft conseguiu que o seu SSD, que transfere 2.4 GB/s de dados conseguisse uma transferência média de 4.8 GB/s , e a Sony conseguiu que o seu SSD de 5 GB/s, conseguisse algo na ordem dos 9 GB/s (valores anunciados antes da existência do Oodle textures).

Esta situação era algo que deixava o PC completamente para trás, uma vez que, mesmo com SSDs de elevada velocidade a serem lançados, a ocupação do CPU tornava-se um problema para lidar com o elevado fluxo de dados.



Mas não mais… a Nvidia acaba de anunciar as suas RTX 3xxx IO, que para além de ganhos de performance elevados, trazem ainda o sistema de I/O desenvolvido pela Microsoft para o PC.

São elas:

RTX 3070 – 20.31 Tflops – Preço esperado: 499 euros.

RTX 3070 TI – 20,83 Tflops –  Preço esperado: 599 euros

RTX 3080 – 29,77 Tflops – Preço esperado: 699 euros

RTX 3090 – 35.58 Tflops – Preço esperado: 1499 euros



Isto quer dizer que, para todos os efeitos, os GPUs RTX da Nvidia são agora capazes de fazer o mesmo que a Xbox, apesar de o fazerem de forma diferente.

As diferenças estão em dois pontos:

  • A Xbox usa descompressores dedicados, ao passo que a Nvidia usa os shaders do GPU para a descompressão. A diferença prende-se com o uso de recursos do sistema, que acaba por ser bastante inferior na Xbox série X. A Nvidia refere que o impacto nas performances do uso dos shaders para esta descompressão é reduzido, sem no entanto especificar valores concretos, mas independentemente de tal, ele existe.
  • A Nvidia afirma-se capaz de descomprimir até 14 GB/s de dados, ao passo que a Xbox se fica pelos 2.4 GB/s. Tal disparidade não é contudo uma limitação da Xbox, mas sim uma consequência que todo o seu sistema foi concebido para uma descompressão de 2:1 para um disco a 2.4 GB/s. A Xbox deverá lidar com igual taxa de descompressão, mas com os discos SSD do PC a poderem alcançar os 7 GB/s a Nvidia preparou o seu sistema para manter a performance para essas velocidades.

Basicamente esta situação permitirá à Nvidia manter-se a par do que se realiza nas consolas. Mas há no entanto que se ter em conta um conjunto de pontos adicionais:

  • O sistema da Microsoft é capaz de descomprimir dados tanto para o CPU como para o GPU. O da Nvidia apenas descomprime dados para o GPU.
  • Nenhum dos sistemas, seja ela da Microsoft ou da Nvidia, evitam o check-in, o que quer dizer que os dados uma vez na RAM necessitam de ser trabalhados antes de poderem ser usados. Apenas a PS5 salta por cima desse processo, o que permite que os dados sejam usados directamente após a leitura.

Mas o ponto mais relevante é que o mercado PC é gigante, e não funciona à base de gerações. Isto quer dizer que estes novos GPUs, com esta característica cairão num mercado que não terá como base esse tipo de suporte. Isso quer dizer que se PS5 e Xbox série X podem impor (e digo podem pois a Microsoft está a seguir uma política Cross Gen, o que lhe cria o mesmo problema do PC) o uso da característica como base.  Já no PC, os GPUs da Nvidia serão apenas uma mão cheia face ao mercado global. E apesar de a Nvidia querer superar isso, alargando a descompressão de dados aos GPUs da série Touring, que já possuem uma boa quota de mercado, a situação é de tal maneira impactante que o seu suporte excluiria basicamente todos os GPUs que não o suportam.
Mesmo assim, olhando para o questionário de Hardware do Steam, vemos que todas as Touring possuem apenas 8.92% do mercado PC global. Ou seja, 91,08% do mercado PC activo não terá suporte a esta característica. Se contabilizarmos apenas os 10 GPUs mais populares, a coisa é ainda pior pois ele representa 43,99% do mercado total, sendo que desse, 38,99% não são GPUs Touring, e aí as Nvidia Touring apenas a diferença, ou seja 4.93% do mercado activo. Ou seja, tomando apenas os 10 GPUs mais populares como o nosso universo, 88,63% deles não suportam o I/O, e apenas 11,36% o fazem.

A consequência é que o suporte do I/O no PC não deverá ser um standard tão cedo, pois poucos deixarão de explorar o potencial de vendas dos 88,63% dos 10 GPUs mais populares, ou 91.08% do mercado global de GPUs global activo.



Mas nos PCs coloca-se outro problema, que é o saber com que contar como base. Porque se numa consola sabemos o GPU, o CPU e o SSD que lá está, no PC uma Ampere pode ter um HDD, e uma GTX 1060 um SSD. as combinações do hardware são tantas que quanto mais impusermos no capitulo de disco, memória, GPU e CPU, mais restrito vai ser o mercado. E isso quer dizer que arranjar dentro dos 4.93% de GPUs Touring, máquinas com os requisitos de CPU, RAM e SSD que explorem o I/O como as consolas, pode reduzir esta fatia já de si pequena a valores irrisórios.

Nesse sentido, quem pretender investir num PC, gastando dinheiro em RAM, SSD, CPU e GPU actuais, pode manter-se num patamar igual ou superior a uma consola, isto apesar de que tal implica um custo que, mesmo indo por hardware mais no limite, nunca deverá ser menos do dobro do custo de uma consola.

Resumidamente o PC está agora adaptado para concorrer com as consolas. Mas não só a um custo superior, como com um suporte que só não será limitado se o PC se apoiar em receber os jogos das consolas. Mas tal implica uma diminuição das vendas no PC, por corte na dimensão do mercado.

De se notar porém que o DirectStorage, o software necessário para o suporte pelo DirectX desta capacidade de input/output dos GPUs Nvidia só está previsto ser lançado em versão preview em 2021, pelo que a versão final e pública só deverá estar disponível em finais desse ano.



5 4 votes
Avalie o nosso artigo
guest
29 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Hiago
Hiago
17 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Off – o que acha disso Mário? https://www.gamevicio.com/noticias/2020/09/vazam-supostos-benchmarks-das-gpus-serie-rx-6000-rdna-2/

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
17 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

São pouquíssimos jogos que exigem pelo menos SSD Sata como requisito mínimo. Com a nova geração, provavelmente em breve será requisito mínimo em todos os jogos. Isso quer dizer que o streaming no PC sairá de um HDD a 100MB/s para um SSD a 500MB/s, isso desconsiderando latências até os assets estarem na VRAM em formato nativo para a GPU. Essa velocidade também pode ser maior com o game no PC realizando descompressão via zlib/kraken, mas onerando CPU. Mas mesmo assim, esse streaming se mostra muito limitado se comparado aos 4.8GB/s do Xbox Series X e incríveis 9GB/s do PS5.

Acredito que talvez nos próximos 4 anos veremos um SSD pcie gen 3 de 3.5GB/s como Samsung Evo 970 se tornarem requisito mínimo, e talvez em 5 anos um RTX IO se tornar padrão no mercado. Até lá, não vejo outra saída, o i/o do Xbox Series X e PS5 serão potencialmente sub-aproveitados.

No caso da Sony, seus estúdios first-party provavelmente farão uso dos 9GB/s, como estamos vendo em Ratchet and Clank, e outros. Talvez games third-party com exclusividades fixas ou temporárias também farão uso. Já no Xbox Series X creio que demorará muito mais tempo, já que seus jogos estão em total paridade com o PC. Claro que o PC tem configurações poderosas, mas não são standard. Ninguém vai construir um game exclusivo para uma minoria que possuem SSDs pcie gen 4 nos seus PCs.Mas a tecnologia avança, preços caem e requisitos sobem. Um dia isso muda.

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
17 dias atrás

https://twitter.com/PlayStation/status/1304768250400530432?s=20 bom dia..até que enfim rs.

Evento do PS5 no dia 16/09.

nETTo
nETTo
Responder a  Carlos Eduardo
17 dias atrás

O que esperamos para alem dos preços?

Especificações e funcionalidades detalhadas sobre o hardware

O mesmo sobre o seu Sistema e as novas Features

Sobre serviços disponíveis e atualizações, por exemplo PSNow em mais países, pacotes incluindo um serviço como XGU.

E tudo sobre como vai funcionar a Retro.

Não tem porque a Sony continuar a esconder isso, visto que já se sabe 98% do que a Microsoft vai disponibilizar no lançamento.

Andrio
Andrio
Responder a  nETTo
17 dias atrás

Pelo o que eu li, o evento vai ser focado em jogos. Eu acho que podem falar de preço mas nada de features que é uma pena. Meu maior desejo é ver a nova UI 🙁

Obs: Segundo o Tidux vão falar de preço, dados e jogos. Só resta aguardar.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  nETTo
17 dias atrás

É um evento focado em games… Então você espera tudo isso dentro de 40 minutos de apresentação? Duvido muito. Creio que vai ter preço e data de lançamento ao fim do evento e uma outra apresentação mais técnica em outro evento próximo.

Daniel Torres
Daniel Torres
17 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Vazaram supostos bench’s das novas Amd: https://www.gamevicio.com/noticias/2020/09/vazam-supostos-benchmarks-das-gpus-serie-rx-6000-rdna-2/

Resta saber qual a gama da placa de vídeo e o custo benefício, mas de qualquer forma são placas que ainda estão concorrendo com a 2080ti. Enquanto as Nvidias já estão superando essa placa.

nETTo
nETTo
Responder a  Daniel Torres
17 dias atrás

Eu vi isso hj, RDNA 2 comendo poeira das novas Ampere da Nvidia.

RTX 2080TI já era nova geração

Daniel Torres
Daniel Torres
Responder a  Mário Armão Ferreira
17 dias atrás

Mário como falei acima ainda resta saber qual a gama desta placa, pois dependendo mudo meu ponto de vista.
Se for uma 6700xt vou achar relativamente fraca ja que sua concorrente será uma 3070, agora se for uma da linha 6600 como você falou, isso é uma placa formidável para o seu segmento e ficarei esperando as 6700 ou quem sabe as 6800 pois sempre gostei dos segmentos um pouco mais acima.
Porém nada é dado como certo e é só um suposto bench nada para ser tomado como verdade ainda.

Nelson Cruz
Nelson Cruz
Responder a  Mário Armão Ferreira
16 dias atrás

Mário, aquele benchmark mostra a suposta Radeon a basicamente igualar uma 2080 Ti stock (sem overclock). Portanto, segundo essa tabela seria a 6800 XT. Mais vale chamarem-lhe 6700, pq nesse caso é com a 3070 que vai competir.

Mas acredito que a AMD vai ter placa para competir pelo menos com a 3080. Embora haja quem diga que talvez a AMD reserve os GPUs maiores para datacenter. A capacidade de produção contratada com a TSMC é limitada e deve ser mais lucrativo usá-la para fazer CPUs e APUs Ryzen, que estão a vender bem.

Hiago
Hiago
Responder a  Mário Armão Ferreira
17 dias atrás

Qual modelo de XT você acha que o PS5 será equivalente? e espero que esse benchmark seja o que estam falando mesmo, me deixaria mais aliviado sobre a diferença das RDNA2 para as Ampere. Aparentemente saiu alguns benckmark e a 3070 não é tão superior contra a 2080 como a Nvidia vinha divilgado. Se assim for será uma noticia boa para os consoles.

Sparrow81
Sparrow81
17 dias atrás

O que aconteceu com o comentário do by-mission que estava aqui?

Marco Antonio Brasil
Responder a  Mário Armão Ferreira
17 dias atrás

Bem percebi que sumiu! Já ia te fazer um comentário sugerindo um artigo sobre a arquitetura das rtx30 🙂

By-mission
By-mission
Responder a  Mário Armão Ferreira
17 dias atrás

Pah minhas desculpas, não sabia que tinha um artigo agendado para amanhã… fico no aguardo.

By-mission
By-mission
Responder a  Mário Armão Ferreira
17 dias atrás

Eu estava a espera de uma notícia a respeito das RTX …

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Mário Armão Ferreira
17 dias atrás

Ditadura? 😂😂😂

Kito
Kito
17 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Obrigado Mário pela explicação. O que me faz pensar que nos próximos anos o PC deverá vir a sofrer com os ports das consolas. Vejo muito stuttering, problemas com frame pace e outros. Na geração actual não foi tão mau pois a ps4 e a one não eram tão diferentes do pc termos de arquitectura, salvas devidas distâncias. Mas agora com tanta customização e hardware dedicado nas consolas o PC vai sofrer.
Mas de qualquer modo vou continuar a jogar no PC e numa futura PS5.
Abraço

Shin
Shin
17 dias atrás

Na verdade a limitação do IORTX é que ele usa o barramento PCIE destinado a GPU isso significa que todo dado IO deve ser acumulado em duas memorias. Primeiro esse dado vai para a memoria principal e depois copiado para VRAM como paginas. É nada mais que o equivalente HBCC e o segundo passo é a descompressão em tempo de execução que usa Computer Shader. O IO é uma das maneiras de dar algum uso a computação das Amperes. Certamente o CPU ainda é melhor em fazer isso enquanto o ganho real é a paginação de memória.

error: Conteúdo protegido