As nossas impressões com a Playstation 5

5 7 votes
Avalie o nosso artigo

Tendo já a Playstation 5 desde o lançamento, o que nos merece referir sobre a consola?

Confesso que tenho vindo a adiar este artigo. Problemas de saúde não tem permitido desfrutar da Playstation 5 como deve de ser, pelo que não só tenho tido contacto mais reduzido com a mesma, como não tenho desfrutado verdadeiramente da consola.

Seja como for, aqui vai uma análise da experiência até agora.

Configuração:

Se por norma até hoje uma consola foi ligar e instalar jogos, a PS5 foi bem diferente, com um processo de configuração algo complexo que incluir configurações básicas, criação de conta PSN (se necessário) e respetiva conexão a essa rede, bem como passagem de dados e jogos da Playstation 4 para a Playstation 5.



Este é um processo que se torna complexo face ao que seria de se esperar numa consola, mas que, apesar de tal, está longe de ser complicado. É mais o moroso e a sequência de passos.

O primeiro contacto com o interface

Após a entrada no interface da PS5, o mesmo revela-se de uso fácil. No entanto é bastante diferente do que estávamos habituados na PS4, e determinados menus aparentam estar ausentes, quando na realidade não estão. A diferença é que não só determinadas opções deixaram de estar acessíveis diretamente, como para se aceder a elas agora é necessária uma pressão rápida sobre o botão Playstation, algo que altera radicalmente face à PS4, onde para se aceder aos menus dados por esse botão a pressão tinha de ser mais longa.

Mas uma vez isso ultrapassado, tudo soa a normal e natural. É apenas diferente do que estávamos habituados com a PS4.

A fluidez e rapidez de carga

O que chama à atenção é que a consola não só arranca rapidamente, como carrega os jogos muito rapidamente. Há aqui uma enorme redução nos tempos de espera que tornam as coisas basicamente imediatas. Isto associado a um silencio enorme das ventoinhas, dão uma sensação de que a consola faz tudo isso com uma perna às costas.



Os perfis audio

Num passo opcional podemos ir aos menus do áudio e personalizar o perfil 3D para os nossos ouvidos. No entanto este é um processo simplistas e até algo desanimador pois basicamente o que temos é um menu com 5 gravações de chuva. sendo que temos de escolher uma delas de acordo com a nossa sensibilidade auditiva.

A questão é que saltando entre as 5 opções, pelo menos aos nossos ouvidos, elas todas soam ao mesmo, com apenas uma aparente ligeira alteração de volume. E nesse sentido deixamos estar ativa a opção inicial, que se refere ser a mais comum para a maior parte dos ouvidos.

Refira-se que por norma jogo ligado a uma Soundbar, e que o som é bastante bom, mas com headphones há preciosismos na qualidade do áudio que se percebe perderem-se com a soundbar. O som é mais rico e cristalino usando headphones.

O Dualsense



O Dualsense foi, para mim, simultaneamente uma surpresa, e uma deceção. É uma surpresa pela riqueza das vibrações que consegue transmitir. O Astro Playroom é o ambiente perfeito para demonstrar todas as potencialidades do controlador. Aqui podemos sentir os voice actuator coils na sua plenitude e ter uma boa amostra dos gatilhos resistivos.

No global o que se pode dizer é que o Dualsense é a maior revolução num controlador alguma vez criada. É uma experiência só por si única e de nova geração. O seu potencial, e a forma como transmite as sensações acabam por tornar todos os restantes controladores em algo vazio.

É uma experiência única, satisfatória e rica!

Mas em que aspecto nos desiludiu? Desiludiu pois após algum tempo de jogo tomamos a experiência por ele transmitida como garantida. E isso quer dizer que deixamos verdadeiramente de desfrutar da qualidade do que ele nos oferece. E apesar que passar para um controlador standard se torna algo penoso, a realidade é após algumas horas de jogos passamos a tomar as coisas como adquiridas e quase nos passam ao lado.

Isto não é diferente de quando vemos, pela primeira vez, um jogo de futebol a 4K numa TV de grandes dimensões. Ficamos assombrados pela qualidade da imagem, pelo pormenor presente na imagem. Mas 30 minutos depois… já nada disso nos chama a atenção e só o duro choque de voltar a ver uma imagem diferente nos volta a fazer perceber que realmente ali há uma qualidade superior.



A consola

Falar da consola é no fundo falar dos seus jogos. E quanto a isso não tenho ainda muito a dizer. Basicamente o meu tempo de jogo tem recaído acima de tudo no Spider Man Miles Morales (modo qualidade), que diga-se é um espetáculo visual, com uma fluidez incrível.

Este é um jogo que usa o DualSense, mas que não se revela um supra sumo no seu uso e nas funcionalidades que lhe dá. No seu global estou satisfeito, apesar de já ter tido crashes no Astro Playroom, que demonstram que o software da consola ainda é imaturo e tem muito para progredir para alcançar a estabilidade do da PS4.

A Playstation 5 é, no seu global, a totalidade da experiência que oferece, e nesse aspeto é uma revolução face à PS4. A retro compatibilidade é perfeita, e até ao momento tem sido um prazer reviver alguns jogos mais antigos em resoluções e fps superiores. O The Last Guardian é um dos casos mais flagrantes pois descia frequentemente abaixo dos 30 fps na PS4, e agora corre que é um sonho.

Acima de tudo a consola vale pela experiência colectiva. Ainda não tive oportunidade de ir à minha caixa do correio ver se já recebi o adaptador VR para a PS5, mas com um dualsense, o audio 3D envolvente e um capacete na cabeça com resolução total, imagino que a experiência VR seja a um nível sensorial nunca antes experimentado, e que estou ansioso por testar.



A suavidade a que tudo corre, o silencio da consola, a qualidade gráfica, o som imersivo, a qualidade da interacção sensorial no seu todo tornam a PS5 numa consola que acaba por ser mais do que um mero upgrade. Estamos aqui longe daquilo que sempre tivemos, onde uma nova consola era como um upgrade de PC, com melhores gráficos e som. Aqui a Ps5 é uma experiência sensorial global nova, e mais do que tudo o resto é este conjunto que o Dualsense permite ter que tornam a PS5 numa consola radicalmente diferente de tudo o que existiu até hoje. É um upgrade único na experiência de jogo, para algo que é ele mesmo algo que define uma nova geração de jogos.

A realidade é que perante tudo isto, quem joga a PS5 percebe logo que está perante uma nova geração de videojogos. E isso é o seu ponto mais forte! Algo que vale mais do que uns fps ou umas linhas de resolução adicionais. Mas felizmente, neste caso a PS5 tem conseguido entregar o pacote todo, o que acaba por ser uma outra mais valia a seu favor. Acima de tudo a PS5 tem argumentos para não ser apenas vista como uma PS4 melhorada, mas como algo que oferece uma experiência única de nova geração que nenhum sistema anterior conseguiu oferecer.

 



5 7 votes
Avalie o nosso artigo
55 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Hiago
Hiago
1 mês atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Mário e sobre o dualsense, o que achou da bateria? Ainda hoje não consigo encontrar informações concretas, cada um fala uma coisa diferente. Você acha que no geral ele dura mais que o DS4?

Nuno Sousa
Nuno Sousa
Responder a  Hiago
1 mês atrás

Muito mais… mas mais mesmo.
E olha que tenho jogado com uns EarPods sempre ligados. Tirei férias e tenho jogado souls +\- 6 horas e dura-me 2 dias.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Hiago
1 mês atrás

Média de 11 horas de duração até o momento. Jogando todos os dias desde o dia 19 de novembro.

Helmer Silva
Helmer Silva
1 mês atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Já estava à espera desta review à bastante tempo, mas é compreensível com tudo o que tens passado que tenha chegado mais tarde, estou feliz de teres a feito, porque podias só dar as impressões via comentário, pois ainda estás a recuperar. Achei uma análise precisa e sucinta, já me sinto mais descansado para investir numa e conto também com a tua ajuda Mário, para me recomendares uma televisão nova, visto que ainda não tenho uma 4K e já estou a precisar de um upgrade. Sobre o dualsense, não acho que desilusão é a palavra correta de se usar, visto que isso é uma coisa bem comum com tudo o que experimentamos nesta vida, as coisas deixam de ser novidade, mas pelo que ouvi existem jogos a fazerem coisas espetaculares com o mesmo e isso pode ser um presságio para a existência de um upgrade ainda maior na experiência. Nós seres humanos temos tendência de assim que somos “mal habituados” deixarmos de saber apreciar, mas assim que nos é retirado parece que cai o Carmo e a trindade, portanto para mim se essa é o único ponto negativo do dualsense, estou muito tranquilo e ainda mais entusiasmado de o experimentar. Também considero o facto de a habituação ao controle uma coisa positiva, sendo que demonstra que o mesmo não é muito intrumissivo e pessoas que não gostam de vibração possam apreciar as novas funcionalidades, meio que pelo que escreves ele torna-se natural, demonstrando que nos jogos que o utilizam essa a forma real dos apreciar e isso para mim é gold. Obrigado pelo artigo Mário e espero que já esteja tudo bem com a tua pessoa e claro com os teus familiares se algum apanhou

By-mission
By-mission
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Meu Deus, quem foi esse demente… Nossa essa deve ser ser uma pessoa realmente desprezível, passar por problemas e com uma pessoa a fazer isto… Não tenho nem palavras para este que lhe escreveu isso!

Helmer Silva
Helmer Silva
Responder a  By-mission
1 mês atrás

Ainda bem que não leste, fo um comentário deplorável

Helmer Silva
Helmer Silva
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Pois achei muito estranho o comentário ter sido aprovado, o meu ser eliminado é tranquilo, não queria era ter de ler tal coisa e ver tais palavras vis serem dirigidas a uma pessoa como tu que é sempre educado com toda a gente e que combateu a doença. Ainda bem que aquela pessoa já não tem pode comentar e espero que não volte. Nota: fico bastante contente em saber que já superaste essa maldita doença, um grande abraço

andrio
andrio
Responder a  Helmer Silva
1 mês atrás

Recentemente estive a procurar uma boa tv 4k pro ps5.
Segundo o rting e o hdtvtest. A LG Oled cx é uma das melhores tvs para jogos.
Ela tem HDMI 2.1, Dolby vision, Dolby atmos e mais um moi de coisa. Qualidade de imagem dessa tv é surreal 😻

Helmer Silva
Helmer Silva
Responder a  andrio
1 mês atrás

Essa não é uma das novas que saiu este ano?? Não quero ter de vender a casa para a comprar 🤣 queria uma boa, não precisa ser a mais top, mas que faz o que necessito para aproveitar a nova geração, agradeço a sugestão e se perder amor ao Dj Egito talvez compre, mas tens outra sugestão mais em conta??

Helmer Silva
Helmer Silva
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Vou dar uma vista de olhos, parece ser uma bela opção para mim e o tipo de televisão que estava à procura, obrigado pela sugestão Mário

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Eu tenho uma Q80R. A Q80T que a substituiu teve downgrade. Downgrade esse, pois a Q80R já oferecia tudo que uma top de linha oferece e aí a Samsung se mexeu para deixar a Q80T mais abaixo da tv de topo.

José Galvão
José Galvão
1 mês atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Nem umas fotos Mário?

Eu como nunca tive uma PS4 Pro porque não apoio consolas de meia geração , acredito que fique maravilhado com as melhorias dos meus jogos actuais.

Quanto ao VR, o 3D e a imersão do Dualsense são características que só vais ter num eventual PSVR 2, no actual a correr na PS5 terás exatamente a mesma experiência que já tens na PS4.

José Galvão
José Galvão
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Sim concordo, mas para isso os devs têm que intervir.
Não sei se tens o Blood & Truth mas nesse jogo tens um aumento significativo de resolução na PS5 depois do último patch.

Segundo li o TLOU2 também recebeu um patch por causa do Dualsense, quando puderes diz se notaste algo de diferente, especialmente no uso do arco.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  José Galvão
1 mês atrás

Usei ontem com TLoU2 e no pouco que joguei tem diferenças sim no uso do arco e na andada pela neve. Digamos que não é uma implementação das mais ricas do dualsense, menso porque parece que a implementação veio depois e não no desenvolvimento do jogo, mas já é bem acima do que o DS4 oferecia.

Ah, quem não provou os gatilhos adaptativos dá pra fazer com Worms Rumble (gratuito na PSN). É realmente muito diferente e legal isso. Me senti uma criança jogando Worms ontem. Hehe

andrio
andrio
1 mês atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Mario, se vc tiver o the last Guardian ou god of war em disco tu consegue rodar ele a 60fps sem instalar as atualizações. 🙂

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Está a 60fps cravados, Mario. E é um dos jogos que mais sofreu no ps4.

José Galvão
José Galvão
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

O God of War é exatamente a mesma situação do The Last Guardian, tens que usar a versão física sem instalar qualquer patch, só assim consegues 4k@60fps em ambos.

Tenho todo o catálogo da PS4, à espera que a PS5 venha cá para casa, entretanto ando a jogar jogos que tinham ficado para trás na minha PS3.

José Galvão
José Galvão
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Tal como o tinhas em que aspecto?
Versão fisica ou a digital que está na Plus Collection?
Desxaste instalar algum patch?

José Galvão
José Galvão
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Não pode ter qualquer actualização, dai a necessidade de ser o formato físico, se jogares com a actualização e quiseres jogar a 60fps, ficas limitado a 1080p, sem actualização tens os 60fps a 4k, isto no GOW.
No The Last Guardian, as actualizações trancam os 30fps, inutilizando o boost mode da PS5 que tem feito maravilhas nos titulos com fps desbloqueados, como é o caso de Just Cause 3, Infamous Second Son e claro TLG de raiz, isto é, sem qualquer patch, faz a experiência e logo vês o que é suavidade.

Se tiveres dúvidas vê os videos do NXGamer acerca da retrocompatibilidade.

nETTo
nETTo
1 mês atrás

Interessante que o seu relato sobre o dualsense é semelhante ao do John Linneman na análise Call of Duty Cold War, a qual ele referiu que após jogar 7 capítulos no PS5 e ao passar pro XSX para jogar os mesmos 7 capítulos pra análise dele ele se sentiu frustrado com a falta das vibrações e gatilhos do dualsense.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  nETTo
1 mês atrás

Era isso que ia falar, mas em outro aspecto. Imagino alguém com o SX e o PS5 em casa, ao jogar no ps5 vai ser difícil jogar no SX novamente. O ps5 faz todo o resto parecer meio mehhh…

Fernando Cardoso
Fernando Cardoso
1 mês atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Mário, estás a usar o disco externo? Eu tive um crash severo que parece relacionado com o disco externo, a consola não fazia boot, tive de fazer factory reset para recuperar. Vi malta no reddit a queixar-se do mesmo. As duas primeiras um repair do disco resolveu, à terceira teve de ser com reset. Deixei de usar o disco externo e não tive mais problemas. Uso novamente quando sair novo firmware.

Fernando Cardoso
Fernando Cardoso
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Isso e o rest mode parece que também contribui para a “corrupção” do disco externo.

Alexandre Oliveira
Alexandre Oliveira
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Estou a usar sem disco externo, e sem cuidados extra, vou ao comutador mudo de jogo e coloco em repouso.. Até agora zero crashes!
Impecável!

Andre gt
Andre gt
1 mês atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Um ponto negativo que eu achei na minha consola é o barulho da fan… ja estava me incomodando o barulho enquanto jogava uncharted 4. Consigo ouvir o noise msm a 2 metros de distancia, depois de terem falado aos quatro cantos que o ps5 era um console silencioso e que n conseguiam escutá-lo enquanto jogavam, achei um tanto desanimador e demonstrou a falta de comprometimento da sony… a fan que estou me referindo é o modelo B da nidec que causa um ruído que vai e volta…

Estou pensando seriamente em devolver ou trocar por um console novo

Andre gt
Andre gt
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Obrigado! Vou tentar ver se ameniza o ruído. Mário não sei se você ja viu esse vídeo, mas mostra duas fans, uma do teardown, e a outra a Nidec, da qual me refiro:

https://youtu.be/Y0Xqjczk3BI?t=302

Da pra notar que uma tem um som mais homogêneo e a outra fica com uma variação que causa ruído

Alexandre Oliveira
Alexandre Oliveira
Responder a  Andre gt
1 mês atrás

Na minha não se houve nada Mega silenciosa, só a drive de vez em quando trabalha mesmo não estando a jogar um jogo de formato físico.

Deto
Deto
1 mês atrás

Já terminei Demon’s Souls.

Perdi 80 mil almas no Demon’s Souls agora pq a sincronização de save do jogo é instantânea.

Sobre o barulho, o meu é silencioso e só escuto barulho se chegar bem perto, o problema que o barulho de perto é irritante… um pouco de whine coil e o cooler parece que faz um barulho não uniforme.

o cara do HDTV Test botou um video no youtube dizendo que o que a Sony recomenda para calibrar o HDR está errado, nas duas primeiras telas é o primeiro nível que o sol fica INVISIVEL e na ultima tela, é o minimo.

Finn
Finn
1 mês atrás

Mário, qual tua impressão a respeito do tamanho e design? Sei que são pontos triviais, porque o que interessa é o conteúdo, pelo que é normal faltarem em uma análise sucinta. Eu particularmente acho o design bonito, mas muito grande para pôr no quarto. Infelizmente ainda não vi nenhum pessoalmente e nem pude testar o dualsense.

nETTo
nETTo
1 mês atrás

https://youtu.be/m9LgfTr517c

PC vs PS5 em Assassins Creed Valhala.

PS5 acima de 2060/2070 e suas derivações, precisa de uma 2080 Super ou 3060 TI pra poder passar a performance do console.

Pra uma máquina de até 399,00 dolares. Mesmo aqui no Brasil onde o PS5 é tabelado neste momento por 4.699,00 pra versão com disco e 4.199,00 pra sem disco, só o custo destas placas já ultrapassa o valor do console, sem falar no restant (Gabinete/Fonte/PM/CPU/RAM/SSD/Dualsense e finalmente OS)

Alguns presets de PS5 inclusive ficam acima do Ultra High no PC como a densidade da folhagem.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  nETTo
1 mês atrás

Isso que é praticamente um teste de poder bruto do ps5. Curioso para ver GE, cache scrubbers e tudo mais em ação.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Ihhhh, rapaz. Aí ficou bem estranha essa análise e só serve para uma coisa: mostrar que o ps5 pode ainda mais do que a análise sugere. Agora, tenho uma pergunta: Por que o Alex faz esse tipo de coisa?

nETTo
nETTo
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Não deu pra ver aqui, qual CPU ele usava no teste do PC?

Daniel Torres
Daniel Torres
Responder a  nETTo
1 mês atrás

Justamente ele não fala kkkk

By-mission
By-mission
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Então esta é uma discussão legítima no Redit e no Neogaf… Se ele quer mostrar um PC de topo contra a PS5 então sim ele tem que ser o melhor CPU para ver até onde vai a GPU da PS5 contra as NVIDIA…

Mas se o objetivo era comparar somente a GPU especialmente em resoluções abaixo de 4k, em jogos de mundo aberto os cpus realmente têm um impacto na taxa de quadros, o que é particularmente importante quando estamos atingindo perto de 60 fps (mas nem sempre atingindo a marca).
Isso realmente poderia ter sido evitado se ele tivesse usado um ryzen 3700x para uma comparação mais justa da CPU da PS5.

https://www.neogaf.com/threads/next-gen-ps5-xsx-ot-speculation-analysis-leaks-thread.1480978/post-261418985

Marco Antonio Brasil
Responder a  nETTo
1 mês atrás

O que achei mais interessante nessa análise é que vários presets na consola (destaco as texturas) estão no ultra! Essa é uma das minhas maiores expectativa e espero que se mantenha nos jogos true nextgen.

marcio
marcio
1 mês atrás

Mario, desculpa o off, mas eu acabei ded ler uma analise sua, da sua tv, Q70, e vi voce falando sobre o ghost que o ps4 sofria no modo jogo com motion plus ativado, eu sofri do mesmo proble, voce pode me informar se com a ps5 ocorre a mesma coisa, muito obrigado.

Mais um otimo artigo.

marcio
marcio
Responder a  Mário Armão Ferreira
1 mês atrás

Eu agradeço se poder explicar como eu devo config o modo de interpolação sem ter que desativa-lo da ps4 e na futura ps5..

Rodrigo
Rodrigo
1 mês atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Muito bom, ótima análise. Uma pena que o meu só vai ficar para o ano que vem mesmo quando a disponibilidade se normalizar. O PS5 é um verdadeiro salto geracional em relação ao PS4.

error: Conteúdo protegido