Dell terá o primeiro PC com Smartshift

5 1 vote
Avalie o nosso artigo

Muitos falam sobre as frequências variáveis da PS5, sem verdadeiramente conhecer a tecnologia, e associado-a a boost clocks. O motivo é o desconhecimento da tecnologia Smartshift que só agora vai chegar ao PC.

Com os seus Ryzen Mobile 4000 a AMD anunciou uma nova caracteristica, o SmartShift. A vantagem da tecnologia é que em vez de se fornecer orçamentos de energia fixos ao CPU e ao GPU, o Smartshift permite que estes possam ser subidos face ao normal ao se mover a energia de um para o outro. A AMD anuncia que esta tecnologia pode trazer ganhos de performance até 14% face a um sistema equivalente, mas sem a tecnologia.

Mas se a tecnologia é muito esperada, a mesma não apareceu ainda ao público, e em 2020 a Dell será a única a tê-la num dos seus portáteis.

Basicamente o que permite a gestão de energia é a recepção de dados do SOC com indicação da performance, dos consumos e da térmica.



Como referido, a AMD anuncia que esta tecnologia pode trazer ganhos de 14%. Uma opção que mesmo que seja um caso de melhor cenário possível não é nunca de ser ignorado.

De acordo com um tweet do Engenheiro chefes soluções Gaming da AMD, Frank Azor, apenas a Dell terá um pc com SmartShift em 2020, no seu Dell G5 15 SE. De acordo com ele, a performance destes APUs surpreendeu os OEM que estão agora interessados na caracteristica.

De se notar que a AMD se centra em produtos de baixo custo e profissionais, sendo que apenas uma minoria dos seus Ryzen se foca em designs de gaming, como este.



5 1 vote
Avalie o nosso artigo
15 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Sparrow81
Sparrow81
3 meses atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Off Topic:
Phill Spencer diz que todos os títulos do Xbox Studios dos próximos anos serão lançados TB no Xbox one.
Ou seja, nova geração para o Xbox Studios apenas para final 2022 e afrente.
SX começa a nova geração flopado?

Fernando Molina
Fernando Molina
Responder a  Sparrow81
3 meses atrás

Tem dois lados, pra quem pretende ou pretendia pegar o Series X é ruim, pra quem pretende continuar com o One por mais tempo, muito bom, eu particularmente acho péssimo e estou repensando em pegar um Series X no lancamento ou até fevereiro como tinha planejado, no lancamento vou ficar só no PS5 mesmo pelo jeito

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Fernando Molina
3 meses atrás

Exatamente. Para que nova geração com ssd agora? Só vai usar o principal responsável pelo salto geracional daqui 2 anos. Na vdd vai se usar já no início, para loads.
Eu só compro um SX se alguns mentirosos zarparem da divisão Xbox e se me mostrarem games decentes. E não adianta ver em trailer e nem gameplay no youtube. Não sei pq, mas não confio mais nos jogos da MS. Só acredito na qualidade, depois de ver ao vivo.
No mais, ou estão mentindo descaradamente e isso terá impacto negativo quando a verdade aparecer, ou é verdade e o SX começa a geração mto atrás do ps5. Vão recuperar terreno depois de 2 anos de geração em curso? Acho impossível.
Os dois cenários são péssimos ao meu ver.
Se tudo for como dito, estão usando o SX como um PC de topo mesmo. Onde os jogos rodarão apenas com fps e resolução melhores no console.

Livio
Livio
Responder a  Fernando Molina
3 meses atrás

Já não acho uma boa para quem irá continuar com o One, o que terá de qualidade no console fora Gears, Hale e Forza Motorsport/Horizon??

Lembro de um artigo do Mário a comparar os Forza 5,6 e 7 e que ele verificou que para adicionar mais elementos, por exemplo o clima “dinâmico” que tem hora para começar e terminar, o Forza 7 perdeu em detalhes visuais, isso ainda em games da geração One.

Imagine quando começar a receber jogos com o Séries em mente. é capaz de nem mais existir grama nos circuitos!! 🙂

Fernando Molina
Fernando Molina
Responder a  Livio
3 meses atrás

Ah mano, isso só o tempo dirá, não dá pra afirmar nada ainda, tem um exemplo legal ai, lembro que quando anunciaram que o Rise of the tomb raider viria também pro 360 eu achei que ficaria bizarro, mas fizeram um port fantastico, vai saber, eu continuo totalmente contra a essa estratégia da Microsoft, mas vamos aguardar

Trevisan
Trevisan
Responder a  Sparrow81
3 meses atrás

Me pergunto qual jogo tirou proveito da nova geração já de cara na verdade. Porque se for parar para pensar os melhores jogos tecnicamente falando são conhecidos somente no meio/final da geração.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Trevisan
3 meses atrás

No evento da Sony eu vi nova geração e coisas impossíveis na atual. E isso que é só game do primeiro ano do ps5. Imagina o que vem do segundo ano em diante.

Rui Teixeira
Rui Teixeira
Responder a  Trevisan
3 meses atrás

Jogos impossíveis de fazer na geração actual que apareceram logo no início? Na verdade tens vários!

Killzone Shadow Fall, deixo-te aqui um vídeo a mostrar alguma tecnologia usada no jogo https://www.youtube.com/watch?v=Q0h3T_Y9B0Y
Como curiosidade ao minuto 2:50 “True ray-traced glossy reflections”, o raytracing também foi usado para o som, onde vários raios eram lançados desde a posição do jogador, batiam em objectos e determinavam que tipo de material tinham para que se recriasse um ambiente sonoro mais realista.

Infamous Second Sun https://www.youtube.com/watch?v=qfh-20uOSng https://www.youtube.com/watch?v=FZxw4MpOCjQ
Num dos vídeos fala das expressões faciais, no outro o sistema de partículas. Algo que também foi usado neste jogo que era impossível na geração passada foi o sistema de iluminação.

Resogun, neste jogo quase ninguém fala, mas os seus mais de 200k cubos com física tornaria a coisa muito complicada na geração passada. Tens aqui um artigo da Digital Foundry a falar dos feitos que o jogo conseguiu graças à actual geração https://www.eurogamer.net/articles/digitalfoundry-vs-resogun

Estes são apenas três exemplos, mas há mais.

Fernando Medeiros
Fernando Medeiros
Responder a  Rui Teixeira
3 meses atrás

Saindo de uma geração muito longa baseada em hardware directx 9, 512MB de RAM e 25GB/s xe largura de banda, pulando para um hardware com inovação de 3 gerações de APIs (DX10, DX11, Mantle), 8GB de RAM e 176GB/s. Além da mudança de atquiteturas exóticas de processadores 100% personalizados como o CELL, para arquitetura de PC x86.
Agora na niva geração, o avanço é em cima de uma arquitetura mais eficiente mas ainda parecida, onde as coisas ainda podem ser feitas, e serão por bastante tempo, exatamente igual a forma que é feito, e aí tem 16GB de RAM e 448GB/s de banda. Se você fizer as contas, o único ponto que aumentou como uma tradicional mudança de geração é a potência de GPU, apenas quando comparado com consoles base, ignorando máquinas de meio de geração.
No final da geração 360/ps3, os devs estavam pedindo pelo amor de Deus por novos consoles por que o periodo entre 2005 e 2013 foi cheio de inovações tecnológicas pelo lado do hardware. Mas esse avanço foi tão forte que o software não acompanhou. O período entre 2013 e 2020 é algo diferente e sem precedentes. A inovação pelo lado do software e a adoção de APIs modernas ainda nao é totalmente a regra. DX12 e Vulkan existem, mas a maioria dos jogos ainda é feito para DX11. Agora em 2020 por exemplo que a ID Software tornou o Doom 100% focado no Vulkan e conseguiu expandir a fidelidade gráfica ao mesmo tempo que melhorou o desempenho em todas as plataformas.
A nova geração tem inovações do lado do hardware no sentido de suporte a Ray Tracing, VRS, SSD para loads e streamjng de conteúdo de alta qualidade mais rápido e o grande gamechanger que ninguem menciona, o Machine Learning que deve ser usado mesmo lá pra 2023 ou 2024. Porém, os motores ainda nem estão prontos para tirar total proveito dessa geração, e o único motor que já fez uma Demo, está usando apenas a capacidade de streaming do SSD, e poder de computação para iluminação global, algo que pode ser driblado com texturas de baixas resolução, LOD agressivo, popin e loads mais demorados, e iluminação pré renderizada.
Quando os devs estiverem no ponto de criar mundos na escala de cidades reais sem loadings, utilizando ML para super resolução, ML para comportamento de IA, ray tracing total, e uma inovação ainda pouco falada, o ML para converter texturas de baixa resolução para qualidade altíssima em tempo real, o que vai reduzir espaço de instalação nos discos e maior proporcionar redução de banda do streaming, aí sim a atual geração não terá lugar para existir, e provavelmente isso não acontece tão cedo.
Pra falar a verdade, nesse momento somente Microsoft e NVidia falam sobre ML em jogos, estou curioso para ver o que a AMD fez nesse ponto, pq a MS diz que a inovação no hardware é personalizada por ela. Também quero ver se o gênio incomparável do Mark Cerny conseguiu prever isso, por que até agora parece que o PS5 foi apenas concebido como um acessório, o produto mesmo é o SSD…

Mário Armão Ferreira
Mário Armão Ferreira
3 meses atrás

Ricardo… Para a próxima estes comentários são todos para o lixo… Está tudo off tópic.
Querem falar sobre consolas, escrevem num artigo sobre consolas… E eles não faltam.
Este era sobre PCs.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Mário Armão Ferreira
3 meses atrás

Desculpe-me, Mario. Não vai se repetir. Me acostumando ainda com o sistema aqui. Abraço.

Helmer Silva
Helmer Silva
Responder a  Mário Armão Ferreira
3 meses atrás

Também peço desculpa Mário, quando escrevi ainda não tinha visto o teu comentário, teria-o feito noutro post

Helmer Silva
Helmer Silva
3 meses atrás

Off topic:
Amanhã pelas 17 horas de Lisboa, hands-on do dual sense no summer game fest, anunciou à uns minutos o Geoff Keighley

bruno
bruno
Responder a  Helmer Silva
3 meses atrás

Obrigado pelo aviso!

nETTo
nETTo
3 meses atrás

Trazendo um Off inflamável

Hj um colaborador da The Initiative, novo e badalado Studio do Xbox Game Studios declarou que o mais importante no desenvolvimento de um game é o talento e não a força bruta.

Isso vindo de alguém de dentro da Microsoft com todo este marketing em cima de poder é algo a se pensar kkk

Ps: a fonte infelizmente vou ficar devendo pois estou no celular e não tem como colar notícias mais no site. Mas uma pesquisada rápida vcs já conseguem a fonte.

error: Conteúdo protegido