FLOP! Final de Fifa 18 da PS4 foi jogada na Xbox devido a queda da PSN.

Problemas nas redes são algo normal, mas quando afectam um campeonato a imagem que passa verdadeiramente não dignificam nada o possuidor da rede, neste caso, a Sony!

A ideia de que a PSN não é uma rede estável é algo comum na internet, e efectivamente face ao Live da Microsoft, a rede da Sony é, mesmo agora que é paga, claramente menos estável.

No entanto a realidade é que, apesar dessa diferença, a PSN tem passado pelos pingos da chuva com os seus problemas a serem localizados.

Mas mesmo com essa realidade, um problema da PSN na zona de Barcelona onde se disputava a final do campeonato de Fifa 18 na PS4 e Xbox One, levou à paragem dos jogos na consola da Sony que, por questões de publicidade e de transmissões para a Internet, levaram a que os jogos da PS4 em falta tivessem que ser realizados na Xbox.

A situação é pouco dignificante da PSN e só demonstra que a Sony tem obrigatoriamente de rever a sua rede nesse sentido. Afinal o online na PS4 é forçosamente pago, e nesse sentido os fans agradecem. Particularmente se estão a jogar torneios e tem de mudar para uma consola da concorrência!



Grande Flop Sony…

Perante o jogo, isto foi um claro golo… na própria baliza!



newest oldest
Notify of
bruno
Visitante
bruno

Evidentemente. Assim como o resto das pessoas que compram jogos – compram-nos por serem jogos que gostam e querem jogar.

Mas não é o facto de gostares de Halo por ser Halo, e não um exclusivo, que faz com que Halo não seja, no fim das contas, um exclusivo.

Percebeste?

bruno
Visitante
bruno

Não. Eu nem sequer vejo a Valve, que construiu esses franchises a vendê-los à Microsoft.

Bioware e PUBG Corp já concordo. Se estivesse ao leme da MS recomendaria também a compra da Nordic Games e Crytek.

Igor
Visitante
Igor

Acho que é porque nesse caso parece mais lógico que para se chegar a um bilhão é preciso de mil vezes um milhão do mesmo modo que para se chegar a um milhão é preciso de mil vezes mil.
É por isso que nesse caso mais importante do que se usar a homogeneidade de medidas é manter o padrão e a lógica para se contar os números.

Murilo
Visitante
Murilo

Mário, se você se refere à unidade de comprimento, milha, esta unidade não é usada aqui. No Brasil oficialmente se adota as unidades do Sistema Internacional (S.I.). Também é comumente usado por aqui o sistema métrico, o baseado no centímetro-grama-segundo (cgs). Acho que não difere muito da Europa, com exceção dos britânicos se eu não me engano.

Agora, é interessante esta diferença de denominação de “bilhão”, “trilhão” entre Brasil, E.U.A. e alguns países europeus, não sabia disto. Fazia um pouco de confusão (pelo menos para mim como brasileiro) quando você em alguns artigos mencionava por exemplo que “empresa tal tem valor de mercado de tantos mil milhões”. Esta discussão aí acima foi boa para esclarecer estas diferenças.

Livio
Visitante
Livio

Um milhão (1.000.000 ou 10⁶)
E 10 vezes mais? Dez milhões (10.000.000 ou 10⁷)
E 10 vezes mais? Cem milhões (100.000.000 ou 10⁸)
E 10 vezes mais? 1 bilhão (1.000.000.000 ou 10⁹)
E 10 vezes mais? Dez bilhões (10.000.000.000 ou 10¹⁰)
E 10 vezes mais? Dez bilhões (100.000.000.000 ou 10¹¹)
E 10 vezes mais? Um trilhão (1.000.000.000.000 ou 10¹²)

Para mais…. “http://noticias.r7.com/blogs/portugues-de-brasileiro/milhao-bilhao-trilhao-quatrilhao-20141204/”

Murilo
Visitante
Murilo

Mário, eu entendo você ficar confuso e achar totalmente ilógico a maneira como denominamos as sequências da contagem numérica. Afinal vocês portugueses e a maioria dos europeus aprenderam desde bem novinhos, ainda na escola infantil a contar e a denominar os números segundo esta lógica que você expôs aí em seu comentário. Então é difícil para vocês raciocinarem sobre números de outra maneira. Mas igualmente para nós brasileiros e com certeza também para os norte-americanos, a maneira como vocês sequenciam os números, nos parece bem confuso, eu diria estranho até. Mas é o tal caso, fomos ensinados desde os nossos primeiros anos de escola ainda na infância a contarmos os números segundo esta lógica que nos é ensinada. Como brasileiro acho totalmente natural que se você somar 1 a 999.999.999 teremos como resultado um bilhão e não um mil milhão. Sei que não está errado a maneira como contam, depois que se acostuma vê-se que tem a sua lógica. É apenas uma questão de costume. Mas como disse acima, a primeira vez que vi num artigo seu tempos atrás você se referindo que uma tal empresa tinha valor de tantos mil milhões ao invés de bilhões, fiquei bem surpreso e inicialmente bem confuso, mas depois entendi a lógica.

Para nós um trilhão é 1 x 10^12. E o que para vocês é o um trilhão ou um milhão de bilhões, para nós é o que chamamos de um quintilhão (ou também chamado de quinquilhão) que é o valor de 1 x 10^18.

Reparei que quanto mais alta a sequência numérica, mais confuso vai se tornando para relacionarmos um sistema de contagem numérica com o outro, pelo menos num primeiro momento.

Agora o que acho estranho é porque nós brasileiros não herdamos esta maneira de contar os números dos portugeses, já que Portugal é nossa Pátria Mãe e portanto herdamos não apenas a língua, mas inúmeros outros hábitos culturais e costumes portugueses.

Murilo
Visitante
Murilo

Mário, um último comentário meu sobre este assunto e uma curiosidade que observei também:

Sim, é verdade, a maneira como vocês denominam os números é mais coerente que a nossa. É que nós, a cada três “zeros”, mudamos de uma casa para outra. A partir de 1 x 10^3 consideramos que estamos nas casas dos milhares, a partir de 1 x 10^6 que estamos na casa dos milhões, a partir de 1 x 10^9 na casa dos bilhões, de 1 x 10^12 na casa dos trilhões e assim vamos mudando de casa a cada três “zeros” infinitamente. Mas vocês mantém esta maneira mais coerente somente até a casa dos bilhões (1 x 10^12 segundo a contagem de vocês), a partir daí vocês também optam por mudar de casa antes, só que a cada seis “zeros”, quando na verdade o número de “zeros” necessários para se passar para a próxima casa seria o dobro, pois este número dobra a cada mudança. Por exemplo, pela lógica, para se manter a coerência, vocês só poderiam entrar na casa dos trilhões, a partir de 1 x 10^24, no entanto a partir de 1 x 10^18 vocês já consideram que estão na casa dos trilhões!

Pegando aquele seu exemplo no seu comentário acima: Depois de se chegar ao bilhão, para se chegar ao trilhão, tens de ter 10 bilhões, 100 bilhões, 1000 bilhões, 10 mil bilhões, 100 mil bilhões e mantendo a coerência, 1 milhão de bilhões, 10 milhões de bilhões, 100 milhões de bilhões, um mil milhão de bilhões, 10 mil milhões de bilhões, 100 mil milhões de bilhões e aí finalmente… 1 trilhão! Ou seja, 1 x 10^24. No entanto a partir de 1 x 10^18 vocês já optam por mudar para a casa dos trilhões e assim quebrando a coerência da contagem.

Mas isto é necessário, pois vai ficando cada vez mais extenso o tamanho dos nomes dos números. A diferença é que nós optamos por esta necessidade mais cedo. É uma conveniência.