Gamerscore… afinal serve para que?

Há quem tente avaliar a paixão de outros pelos videojogos pelo Gamerscore… mas na realidade o que este sistema de pontuação mede é pouco claro!

Xbox e Playstation atribuem um sistema de trofeus aos jogadores que desbloqueiam ou atingem certas situações num jogo. No caso da Xbox a situação é mais quantificável devido ao Gamerscore que é algo imediatamente visível, apesar que no fundo o que aqui é referido aplica-se igualmente à comparação de troféus da PS4.

No entanto, pelo facto de o Gamerscore ser algo mais palpável e de comparação directa, será sobre ele que analisaremos o que quer realmente dizer o possuir-se um número de troféus ou Gamerscore elevado!

Gamerscore: O que significa realmente

Há quem acredite que é possível obter-se conclusões sobre alguem face a um Gamerscore elevado. E há quem acredite que os Gamerscores elevados e baixos permitem fazer uma distinção entre os jogador, mas na realidade a situação não é assim tão transparente como se possa pensar! Um gamerscore é um número que pode significar muita coisa, mas que também pode não significar nada! E esta dualidade de realidades impede que seja realmente interessante como medida de avaliação de seja o que for.

De forma realista, um Gamerscore mede apenas uma e uma única coisa, a pontuação obtida pelos “achievements” alcançados por alguém! E pouco mais!

Publicidade

Retomando o nosso artigo

A ideia deste artigo é mostrar algumas disparidades na forma de atribuição de pontos deste sistema, mostrando assim que o seu significado acaba por ser pouco claro!

Vamos começar por avaliar a situação pelas perspectivas fora dos jogos em sim:

Caso 1

Duas pessoas. Uma que não faz nada e está em casa a jogar o dia todo. E outra que trabalha, mas que dedica os seus tempos livres ao jogo.

Naturalmente que neste caso ambas as pessoas possuem Gamerscores bem diferentes! E o mais lógico é que o Gamerscore de quem dedica mais tempo seja maior que o da outra pessoa que trabalha. Mas nem isso podemos garantir. Basta que quem joga mais se dedique mais a um jogo e que a outra diversifique mais a sua actuação para inverter isso. Aliás até a escolha dos jogos pode beneficiar ou prejudicar um deles. Mas isso é algo que veremos depois!

Seja como, algo aqui fica logo provado. O gamerscore não permite dizer que uma pessoa gosta mais de jogar do que a outra? E quando muito quer apenas dizer que uma delas tem mais tempo livre entre mãos do que a outra!

Caso 2

Duas pessoas. Uma que possui apenas uma Xbox, outra que possui uma Xbox e uma Playstation e ambas com o mesmo tempo livre dedicado aos jogos.

Aqui vamos considerar duas pessoas em situação idêntica. É irrelevante se elas passas 24 horas nas consolas, ou se apenas umas horas por dia. O que conta é que ambas possuem o mesmo tempo, mas uma tem mais uma plataforma que a outra. Será que o Gamerscore é igual em ambas?

Naturalmente que não! Uma das pessoas dedicará todo o seu tempo aos jogos na Xbox, a outra dedicará o mesmo a duas plataformas! E independentemente das percentagens de tempo despendidas em cada consola, basicamente não é coerente que o Gamerscore seja igual!

Aqui não só os jogos escolhidos pesarão na pontuação, podendo aumentar ou colmatar as diferenças, mas mesmo que aceitemos que esse factor não pesaria na pontuação, o dividir o tempo entre duas consolas irá criar forçosamente disparidades no Gamerscore.

Mas mais uma vez nada disto vem mostrar que uma das pessoas gosta mais de jogos do que a outra?  Apenas quer dizer que uma pessoa só tem uma plataforma onde jogar, a outra tem duas!

E naturalmente a compra de duas consolas pode ser uma questão de posses, ou de escolhas pessoais, mas o certo é que quem investe em mais do que uma plataforma está logo à partida a mostrar que tem nos jogos uma paixão.

Daí que se há algo que estes dois casos permitem ver é já alguma realidade sobre o Gamerscore! Este pode medir muita coisa, mas certamente não mede a paixão pelos jogos, ou sequer a qualidade do jogador!

Caso 3

Mas vamos a um outro caso! Vamos a duas pessoas, exactamente na mesma situação, ambas com o mesmo tempo livre, ambas só com uma consola!

Será que o Gamerscore é igual?

Mais uma vez, claro que não! A escolha dos jogos acaba por ser extremamente importante! Por exemplo, imaginemos que uma vai jogar Halo 5 na Xbox One, a outra vai jogar Fifa 2006: Road to World Cup na Xbox 360!

Ao final de algumas horas o Gamerscore de quem joga Halo 5 deverá ser de cerca de apenas uma centena de G. Já quem jogou o Fifa 2006 rapidamente atinge os 1000 G.

Halo 5 tem um total de 73 “achievements”, muitos deles escondidos e que obrigam a dedicação ao jogo, oferecendo um total de 1250G a quem os descobrir todos, o que demoraria um bom tempo de dedicação para um jogador normal! Vejam-nos aqui.

Já Fifa 2006 permitiria atingir os 1000 G em apenas algumas horas. O jogo dá uma enormidade de pontos por feitos básicos como qualificar para o campeonato do mundo, sendo que todos eles são fáceis de alcançar, sendo que a pontuação se ecnontra dividida em apenas 6 “achievements”. Vejam aqui.

Diga-se ainda que o jogador de Fifa poderia acabar os achievements de Fifa 06: Road to World Cup pegando de seguinda em Fifa 06 – World Cup, e terminar os achievements de ambos em menos tempo que o outro terminaria Halo, acumulando um total de 2000 G!

Basicamente nos jogos de desporto há uma muito maior facilidade de se obter pontuação do que no resto! Mas alguns distribuem os pontos por muitos achievements, outros por poucos, mas todos eles com dificuldade mais reduzida.

Mas mesmo dentro dos outros jogos, temos casos onde os pontos são obtidos todos pelo simples jogar, e outros onde os pontos requerem bastante dedicação e horas para serem obtidos, sendo que nem por isso possuem valores mais elevados. No fundo uma verdadeira salgalhada!

Isto mostra que nem a dedicação em tempo a um jogo é revelada no Gamerscore. Há aqui toda uma aleatoriedade na forma como a pontuação está atribuída nos jogos que torna o sistema inútil como comparativo seja do que for!

Por exemplo, eis alguns G que podem ser obtidos em Halo 5 Guardians que nem sequer requerem que se jogue verdadeiramente o jogo:

Your Style 10
Changed your Spartan’s gear in the Spartan Hub.    (5)
Raise Your Banner 10
Changed your Emblem in the Spartan Hub.    (5)
Make Your Mark 10
Changed your Service Tag in the Spartan Hub.    (6)
Gamemaster 10
Created and saved a Custom Game.    (5)
Benchwarmer 10
Spectated a game.    (8)
Bringing in the Big Guns 10
Called in a REQ that costs 5 Energy or more.    (3)
Go for the Gold 10
Opened a Gold REQ Pack.

E eis aqui um “achievement” de Halo 5 bastante complexo e que requer perícia e dedicação de largas horas ao jogo:

Publicidade

Retomando o nosso artigo
My Rules 20
Completed any Mission with 3+ Skulls active on Heroic difficulty.     (8)

Mas comparativamente o que vemos? Dedicar horas e horas ao jogo o que oferece? 20 G!

Em comparação, sem sequer se jogar o jogo podemos alcançar 70G!

É ridículo!

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Vejamos mais casos semelhantes em Pleuma: Breath of life:

In The Beginning 100
Completed the Prologue     (1)

100 G! 5 vezes mais do que o trofeu de dedicação de Halo! E isto apenas por se fazer o prólogo do jogo.

E sabias, por exemplo que só o Rare Replay, com a lista de jogos que se segue, tem só ele mais de 10.000 G de Gamerscore que podem ser amealhados.

 

1983 Jetpac
Lunar Jetman
Atic Atac
1984 Sabre Wulf
Underwurlde
Knight Lore
1985 Gunfright
1986 Slalom
1987 R.C. Pro-Am
1988
1989 Cobra Triangle
1990 Snake Rattle ‘n’ Roll
Solar Jetman
Digger T. Rock
1991 Battletoads
1992 R.C. Pro-Am II
1993
1994 Battletoads Arcade
1995
1996 Killer Instinct Gold
1997 Blast Corps
1998 Banjo-Kazooie
1999 Jet Force Gemini
2000 Perfect Dark
Banjo-Tooie
2001 Conker’s Bad Fur Day
2002
2003 Grabbed by the Ghoulies
2004
2005 Kameo
Perfect Dark Zero
2006 Viva Piñata
2007 Jetpac Refuelled
2008 Viva Piñata: Trouble in Paradise
Banjo-Kazooie: Nuts & Bolts

Estes jogos são basicamente simplistas e todos eles podem ser explorados de forma muito completa em apenas algumas horas. A pontuação obtida para todos eles é, repete-se: 10000 G

Como alguém espera que, perante tudo o exposto,  se possa usar esta pontuação como comparativo seja do que for, é algo que ultrapassa a compreensão! Um Gamerscore alto pode demonstrar uma diversidade de situações, como por exemplo, que a pessoa possui muito tempo livre entre mãos, que a pessoa só tem uma consola e é viciada nela ou que a pessoa apostou muito em jogos de desporto e/ou no Rare Replay :).

Da mesma forma um gamerscore baixo não significa nada quanto a paixão pelos jogos ou pela plataforma em si, mas apenas que a pessoa poderá menos tempo livre em mãos do que outras, que poderá ter mais do que uma plataforma, ou pura e simplesmente que não joga jogos de pontuação tão fácil.

Agora uma coisa o Gamerscore não mostra… que quem tem um Gamerscore mais alto gosta mais de videojogos que quem tem um mais baixo! Aliás, o contrário até pode acontecer, pois quem tem a possibilidade de o fazer e aposta em mais do que uma plataforma mostra uma elevada paixão pelos videojogos. E ter mais do que uma plataforma torna-se, para uma pessoa normal, algo incompatível com elevados trofeus ou gamerscores numa delas. Algo que piora com o número de plataformas que se possui! E nem sequer se pode argumentar que o Gamerscore serve para se ver que jogos a pessoa jogou, pois com mais do que uma plataforma, seria necessário examina-las a todas.

 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (39)

  1. O gamerscore vale o que vale, para mim o gamerscore indica duas coisas DEDICAÇÂO e HABILIDADE, eu quando vou analisar o Gamerscore de outro jogador (estou a falar na xbox ) vou ver quais as conquistas e quais os jogos, ter 1000 pontos num halo ou num COD não é o mesmo que ter 1000 pontos no AVANTAR ou no my litlle pony and me,existem conquistas que pela sua dificuldade se destacam, como a do COD 4 em modo lendário fazeres o nível no avião, ou no forza 3 fazeres uma prova sempre de lado e conseguires 300000 pontos, ou o supra sumo de todas as conquistas que é no Rigde Rider 6, ganhares todas as provas sem tocares em nenhum adversário ou parede… neste momento tenho 210000 pontos mas devido a jogar em outras plataformas nos últimos 5 ou 6 anos tirei poucos pontos, é evidente que o pessoal viciado em conquistas sabe o que elas valem e as horas que se investem para teres um gamerscore vistoso, sites como o True Achivements converte os pontos pelo grau de dificuldade ou seja 100 pontos numa conquista fácil vale 100, 100 pontos numa conquista difícil pode valer 900 ou mais pontos e assim equilibra um pouco mais a matemática da coisa

    • https://www.trueachievements.com/gamer/Xpto2004

      Tu és aquilo que comes e vales aquilo que jogas…Aristóteles

      • Eu a esse não chamaria dedicado… diria que é um um desocupado, e mesmo um doente viciado em jogos! Basicamente para teres tempo para isso só podes ser (e desculpem o termo, mas é uma realidade) um inútil da sociedade!
        Eu se tivesse esse gamerscore tinha vergonha de o mostrar!

        • Bom Dia!
          Eu não ligo para pontos, Halo uma franquia que eu adoro, e praticamente não tenho pontos, pontos no meu caso não é importante!!

          Gamertag é muito importante para ver analise de quem fez o jogo, porque hoje em dia as pessoas analisam sem jogar!!
          Se vai fazer analise de Forza Horizon 3, a pessoa precisa ter jogado algumas boas horas e com certeza ter jogado o multiplayer também, pela gamerta dá para ver se a pessoa jogou ou não!
          E se não jogou a analise passa ser totalmente superficial!
          Se a analise é publica a Gamertag também precisa ser para verificar a veracidade!!

          Pessoas que não analisam pode deixar trancada, aberto tanto faz, mas partir do momento que julgar se o jogo é bom ou ruim, ao menos precisa provar se jogou..
          Os pontos não importa, não tenho pontos e Halo e adoro o jogo!!

          Agora quem tem gosto por conquistas e pontos qual o problema se a pessoa quer jogar namoro de pombo, corrida de baleias etc isso problema de cada um, vieo game é para se divertir, se a pessoa se diverte com isso, perfeito!!

          Algumas pessoas gostam de ter muitos pontos e sempre fazem as conquistas mais fáceis para ter gamertag com muitos pontos, quem faz isso e gosta, qual o problema, ela pode estar se divertindo mais do quem não faz isso, é só verificar no dicionario o que significa diversão, umas das coisas é entreter a pessoa em algo…
          Algumas outras pessoas gostam de fazer os 1000G, passam 2 dias para fazer uma conquista de 5g, cada um se diverte como prefere!

          Muitos tem gamertag com 300 mil, 400 mil e trabalham, os dois maiores Gamerscore do Brasil ambos trabalham.
          @Mário Armão, então na minha opinião que fica bem claro porque essas pessoas não são doentes porque tem muitos pontos, eles trabalham e jogam e um é casado e tem filho, você está julgando sem saber, eles tem a facilidade de fazer pontos rápidos, achei muito errado você achar que uma pessoa que tem gamertag alta é um doente desocupado..

          O maior Gamerscore do Brasil, casado trabalha, e tem filho, porque chamaria ele de desocupado, porque ele tem muitos pontos e precisa ter vergonha, de verdade achei uma péssima colocação sua, minha opinião!!

          O tempo que você por exemplo passa escrevendo artigos ele passa jogando!
          O tempo que uns passam indo para o bar eles passam jogando, isso não é ser doente, uma escolha pessoal!

          E claro eles não é mais gamer do que ninguém, ter pontos não significa nada!
          Como ter todas as plataformas também não!
          E digo mais uma vez, quem faz uma analise publica, comprova que jogou, porque fazer analise sem jogar é fácil !!

          Gamerta Guikotico

          • Guikotico… 300 mil pontos pode ser casado e ter filhos… mas bolas… não vamos contrariar as leis da física.
            Mesmo somando os meus pontos das minhas duas Gamertags da Xbox a uma eventual conversão dos trofeus da PS4, e mesmo acrescentando uma teórica pontuação pelo que obtive no PC e consolas Nintendo, não sei se chegaria a 300 mil.
            Tenho um horário normal de trabalho, ando no ginásio e tenho família. O meu tempo livre é normalmente todo ocupado com jogos ou filmes, mas ele não é muito. Para conseguir ter 300 mil pontos tinha de abdicar de algo. Ou do trabalho, ou da familia, ou algo.

            Não estou a ver a facilidade de se fazer 300 mil pontos com uma vida “normal”. Daí que considere que essa pessoa é viciada em jogos. E apesar que doente realmente é uma palavra forte, viciado em jogos é um termo ao qual não consigo fugir!

            A maior parte das pessoas que conheço que se dedicam a uma só consola ou que possuem duas mas jogam mesmo bastante partilhando a consola com filhos, possuem um gamerscore entre 30 a 40 mil. Não tomo isto como padrão, e até aceito quem tenha mais sem grandes sacrifícios. Mas mesmo que fosse o dobro, 80 mil, para 300 mil ou 1 milhão ainda vai uma grande diferença. E para essas pontuações acredito ser necessária uma dedicação que passa o normal (entenda-se como normal o padrão da sociedade), daí o uso do termo “doente” que deveria ter sido escrito entre aspas.

          • Boa Tarde!
            Mário Armão, vou colocar alguns argumentos se me permite!!
            Eu jogo muitas e muitas horas, se eu fosse atrás de pontos teria muito mais do que eu tenho muito mais mesmo, gears of war 4 se apenas completar o game acho que faz em média 250 pontos, e eu não vou querer completar os 1000!!!

            O tempo que você passa jogando um jogo duas horas por dia, caçadores de conquistas ficam fazendo pontos com jogos faceis!!

            Se você pegar os jogos da telltalegames você faz 7.000 pontos em uma semana jogando os jogos deles (filminho), se tu pegar um The Witcher vai levar semanas para completar 1000!!

            Então existe jogos para fazer conquistas, jogos Indie muitos se fazem 1000 em menos de uma hora, diferente de um GTA V que leva semanas.

            O que eu quero dizer que tu pode jogar 40 horas em um mês ter feito 1000 de conquistas, e uma pessoa jogar também 40 horas e ter feito 9.000 , porque cada um buscou um proposito diferente, um é viciado em conquistas, outro é viciado apenas em jogar sem se importar com pontos…

            Geralmente quem tem Gamertag muito muito alta, não pega jogos difíceis de conquistas..

            Arnando DK primeiro Brasileiro chegar a 1 milhão de conquistas, ele não jogou The Witcher 3, Fallout 4, GTA V, porque são jogos excelentes, mas que ele abdica porque são difícil para conquistas, ele prefere jogos indie que vai pontuar muito mais, ou jogo AAA que seja fácil de conquista, tipo Quantum Break.

          • Estás a abordar a temática numa perspectiva que não pensei no meu comentário anterior.
            Vou dar aqui a mão à palmatória e reconhecer que posso ter-me precipitado.
            Obrigado por me fazeres ver isso.
            Seja como for, mesmo assim, para um total de 300 mil pontos haverá certamente alguma dedicação fora do normal.

    • Gabriela Pacheco 9 de Março de 2017 @ 10:56

      Concordo basicamente com o que disse acima Victoro game scorre tem o seu proposito e ali se encontra.
      A mesma coisa da gametag a qual muitos escondem em discussões de fórum games para nao se expostos em caso de confirmar se jogou ou não um jogo.

      • Peço desculpa Gabriela, mas discordo de ti… A gamertag é algo pessoal, e a decisão de alguem a revelar ou não é sua e apenas sua!
        Os foruns são o que são, e certamente algumas pessoas detestariam ser abordadas de forma insultuosa na sua consola só porque a sua gamertag é publica e exprimiram uma opinião em qualquer lugar da qual outros discordam!

        Eu por exemplo dei a minha gamertag e PSN ID aqui aos utilizadores da PCManias em quem confio, e de resto de forma pública apenas a divulguei a alguns devs do Beyond3D com quem às vezes jogos!

        E isso foi e sempre será assim!

        • Gabriela Pacheco 9 de Março de 2017 @ 12:50

          Fica a seu critério divulgar ou não, pois em momento algum se discuti que não seja algo pessoal, vc tem o direito sim de não divulgar.
          O que ocorre é muitos julgarem jogos a qual não efetivamente jogaram , ou vai me dizer que analises são feitas sem ao menos ter experimentado um produto para dizer se é bom ou não?
          O que me refiro é sobre isso não que os fóruns são 100% corretos em suas abordagem insultuosas, enfim apenas reforço minha opinião que se existem Game score / existe o Game tag e ali se faz a função deles, cabeai fica a criterio pessoal vc divulgar ou não.

          • Ah sim… nesse aspecto tens plena razão!
            E outra coisa… Eu também concordo que o Gamerscore mostra alguma coisa. A ideia do artigo não é tirar o valor que ele tem, mas sim mostrar que o mesmo é muito incoerente e que as conclusões que se tiram dele podem ser erradas.

    • Eu devo ter no máximo uns 10.000 isso que tenho One desde 2014 mas também tenho 4 outras plataformas pra me dedicar, não me ligou muito nessa de gamescore e platina, prefiro curtir outras coisas nos games.

      OBS: Mas não critico quem tem tempo de fazer 1000g nos games, a eles eu dou meus parabéns.

  2. Faz muito tempo que não posto nada aqui no PCmanias mas diante dessa matéria decidi opinar.

    Um dos problemas de hoje em dia é não é medir alguém pelo game score pois quem faz isso age de forma tola, mas sim pessoas virem a criticar ferrenhamente jogos que sequer jogaram, talvez falar de graficos e musica sem jogar seja aceitavel mas totalmente superficial, afinal jogos são feitos para serem jogados, e uma das provas para saber quem realmente joga é o gamescore, vemos jornalistas da mídia dos games que vivem fazendo analises de jogos, e em teoria estes deveriam justamente passar varias horas por dia jogando antes de emitir sua opnião afinal são remunerados para isso, e tais jornalistas muitas vezes tem pontuações de Gamescore pífias e incompatíveis com sua atividade(até mesmo troféus).

    Vejam o meu caso eu trabalho e contribuo com a sociedade diferente do exemplo que o foi apontado nos comentarios, devo dedicar cerca de 2 horas por dia no máximo jogando e só tenho plataformas Xone e X360 e tenho cerca de 30000 pelo que melembro (gamertag “uziel7” mas comecei com o Atari e passei por NES, Genesis CDX , Saturn , Nintendo 64 , Playstation e PC imagina quanto gamescore eu tenho oculto nessas plataformas) ai vem um jornalistazinho falar que um jogo
    que eu passei 20 a 30 horas jogando e curtindo falar que o jogo é ruim sendo que o mesmo jornalista tem 600 de GS , isso pra mim é uma vergonha.

    E ainda tem alguns que até mesmo simplesmente fecham a GT só pra não passar vergonha, se a pessoa quer falar de jogos e passar credibilidade deixar e a GT e GS é o que ajuda a passar essa credibilidade, no Xbox One você consegue ver até mesmo quanto tempo que a pessoa passou no jogo, pode ser que ela tenha aberto o jogo e deixado rodando na tela de titulo mas ja é alguma coisa, ter acesso a essas informações permite sem duvida separar as informações de quem realmente joga e de quem tem uma opnião inviesada de alguma forma pois o jornalista pode até ter sido comprado, afinal quem garante que se o jornalista foi lá e deu um 9/10 no jogo e fez vários elogios na matéria mas não tem horas de jogo suficiente e nem sequer pontuação minima para avançar nos proximos niveis ou capitulos de um jogo, será que esse jornalista não foi simplesmente comprado pela empresa que fez o jogo só para ele dar notas boas e fazer boas criticas ?

    Está gigante mas para concluir penso que eu concordo com a matéria do PCmanias em que o GS não pode ser utilizado para medir a paixão de um jogador, mas ele serve para simplesmente não nós deixar cair na lábia de enganadores que pode favorecer ou mesmo desprezar um jogo que sequer jogaram, e com jogos tão caros aqui no Brasil chegando a custar R$ 200 todo cuidado é pouco, eu e meus tímidos 30000 pontos temos diversas horas em vários jogos multiplayer devo ter mais de 200 horas em Halo 5 e em Overwatch deve estar caminhando para essas 200 horas’ Forza 5 também devo ter bastante tempo ficava tentando bater o tempo de meus amigos pelo prazer da disputa posso não ser um exemplo de gamescore mas sei da sua importância e não o ignoro.

    • Pontos interessantes. Obrigado pela colaboração!
      E é bom ver-te de novo a comentar.

      Deixo só uma nota. Quem escreve está sujeito a opiniões e ao escrutínio de milhares ou mesmo milhões.
      A exposição não é a mesma das outras pessoas.

      Publicar a sua gamertag poderia dar azo a situações muito desgradáveis que certamente essas pessoas não desejam, tais como o inundar a consola com mensagens e ou comentários que até poderiam ser pouco adequados.

      Os videojogos são algo que entendo como muito pessoal. Só jogo com quem quero e quando quero. E entendo a consola como um local de divertimento e lazer.

      Se os analistas publicassem as suas gamertags isso seria abdicar da sua privacidade nos jogos. E apesar que concordo que o mostrar aue efecrivamente se jogou algo seria a melhor forma de se verificar se a pessoa realmente jogou, e quanto tempo dedicou ao jogo, isso certamente nada alteraria das análises em si, mas expunha o analista a situações que poderiam quebrar a sua privacidade no jogo.

      Daí que não vejo a divulgação da Gamertag como uma solução. E tal como tudo na vida o que há a fazer-se quando há uma análise que vai contra a corrente das existentes, é ignorar a mesma.

      • Em relação a privacidade até entendo que a privacidade é escolha da pessoa mas no Xbox One pelo menos existem diversos controles para ter maior privacidade inclusive desativar a notificação de quem não é amigo incluindo se não me engano não receber mensagens tanto que para meu filho de nove anos de idade eu desativei o contato com quem não está em sua lista assim reduzimos o risco de qualquer assedio por ele ser criança, mas sim isso é uma escolha pessoal.

        Já o que diz respeito a analise discordo de sua opinião Mario pois eu nunca daria ouvidos a opinião de um critico de cinema que não assistiu um filme em sua totalidade, porém com jogos em muitos deles é impossível alguém jogar qualquer jogo em sua totalidade imagino se GTA 5 por exemplo alguém tenha feito a sua totalidade a data de hoje mesmo depois de tanto tempo lançado, então se por acaso eu souber que alguém fez uma critica seja positiva ou negativa de algum jogo que ela não jogou eu vou simplesmente ignorar seja um jogo que eu queira ou não. acredito até mesmo que uma pessoa tenha jogado os jogos são experiências pessoais então muitas das vezes a pessoa faz uma critica a um jogo onde eu por ter tido uma experiência diferente posso ter uma opinião diferente, mas tantos jogos no mercado e como já havia dito preços tão caros é importante ter a maior quantidade possível de informações antes de tomar uma decisão de compra, por isso hoje eu gosto muito de assistir a Livestreams principalmente dos jogos multiplayer pois é a melhor forma de ter uma noção do que vou enfrear pela frente. agora se uma pessoa não quer mostrar sua GT/GS ao dar uma opinião sobre um jogo eu pessoalmente não darei valor a opinião dela considerarei apenas como mera especulação.

        eu vim de uma época onde as analises dos jogos vinham em revistas e era impossível saber se realmente tinham sido jogadas e eu cansei de pagar por jogos que não eram do meu agrado por ouvir a opinião dos outros e se agora temos tais ferramentas as como GS/GT e vídeos acredito ser totalmente valido utiliza-las porém isso é a minha opinião pessoal a quem tenha uma semelhante a quem tenha divergente e esta pluralidade é saudável a todos.

        • Só para que percebas, eu concordo contigo que quem avalia tem de o ter jogado. Nunca neguei isso.
          E não é jogsr 15 minutos para ver como é. É jogoar, viver o jogo, sentir o jogo, avançar no jogo. Não precisa de o acabar, mas tem de o jogar o suficiente para sentir a sua abrangência na sua planitude.
          Quanto aos controles de privacidade… nem sequer me lembra deles.
          Mas aí é porque acredito que a partir do momento em que há justificações para os usar para bloquear terceiros, então algo está mal. Por privacidade é uma coisa, já usa-los para protecção pessoal acaba por ser outra. Creio que percebes a diferença!

  3. GameScore e trofeus pra mim foi uma das piores coisas que inventaram.
    As pessoas simplesmente esquecerem o verdadeiro significado dos jogos que
    seria o entretenimento.
    Recentemente 2 brasileiros chegarem a marca de 1 milhão de GameScore e o que ganharam?
    nada, simplesmente nada! Eles inclusive até brigaram acusando o outro de trapacear.
    Jogaram vários jogos ruins só para miletar. Pra mim isso não é ser Gamer.

    • @Andrio
      O que seria ser Gamer pra você, video game é uma diversão, uns preferem apenas jogar, multiplayer, outros RPG, Esporte, Carro, puzzle, Card Game, e claro outros jogam de tudo como é meu caso, porem minha preferencia, FPS, Card Game!

      Diversão: significado algo que serve para se divertir, video game é feito para se divertir não é, então a pessoa que se diverte caçando conquistas, que faz parte do conjunto video game ,não é gamer porque?

      As pessoas que jogam Call Of Duty online e perdem a cabeça, mandando mensagem até ameaçando de morte, muitas vezes são banidos do chat por um tempo pela MS, é mais gamer porque estão competindo, mais gamer do que uma pessoa que está quieta fazendo conquistas..

      Então qual sua definição do que é ser uma gamer, aproveitar o jogo, mas dentro do jogo tem a conquista…

      Apenas minha opinião ok, meu ponto de vista!

      Pode dizer seu ponto de vista, o que é ser um gamer, posso mudar minha opinião com seus argumentos, não sou o dono da verdade!

      • Então, quando se joga para fazer pontos se divertindo é uma coisa.

        Exemplo: tinha um cara que eu seguia no youtube que muitas vezes jogava jogos da telltale só para ganhar pontos. Pior que assumia em live que fazer isso. Não gostava do jogo, achava chato, mas tava lá pq os pontos eram fáceis. Isso é se divertir?
        Jogar um jogo que não gosta para fazer pontos?

        • Andrio eu também não ligo para pontos, mas essas pessoas amam, eles jogam jogos que são horríveis péssimos, chatos, mas no final vem a gloria que são os 1000g de gamerscore,e é isso que eles querem, e como tem essas conquistas dentro de cada jogo não importa se é jogo bom ou ruim a conquista faz parte, e eles preferem a conquista acima do que qualquer outra coisa, gráficos, historia, jogabilidade, etc, eles preferem fazer conquista, tem um canal que é focado nisso e tem uma media de 4 mil pessoas que acompanha os vídeos https://www.youtube.com/user/arnaldodk/videos praticamente 75% do canal relacionado a fazer conquistas…

          Eles fazem muitos com jogos indies, e eu acompanho o canal para saber quais os jogos indies que valem a pena adoro jogos 2d da uma liberdade absurda para desenvolvedor, estou jogando Strider paguei 7 reais na live, por uma recomendação desse canal que o jogo é bom, eu tenho jogos como dishonored estou sem vontade de jogar…

    • Concordo.

  4. Eu abordo a questão de Gamescore de 2 maneiras: A do jogador comum, e a do avaliador de jogos.

    No meu caso, eu vejo o Gamescore como um registro do que eu joguei, e não uma busca incessante por pontuar. Tenho 1 ano e 8 meses de Xbox one, tenho mais de 43.000, mas eu encaro como uma consequência natural da jogatina. Eu acho legal esse sistema da Live, fica todo o histórico daquilo que que, quando e como joguei.

    Tem amigos meus que ficam caçando conquista e buscar os 1000G nos jogos, respeito o direito de se entreter com aquilo que acham mais conveniente, mas definitivamente não é minha praia. Acho tedioso e foge do contexto da experiência central de um jogo, embora hajam raras exceções como shotters de nave, onde a simplicidade do jogo lhe permite buscar um objetivo de pontuação. Mas reiterando, cada jogador se diverte como achar melhor, o importante é ter opções, não imposições.

    Agora, quanto aos avaliadores de jogos, acredito que o gamescore aberto ajuda a respaldar o avaliador, mostrando que ele de fato jogou. Adiciona segurança e confiabilidade à análise do jogo, algo essencial para quem se propõe a analisar jogos e ser um formador de opinião na internet.

  5. Essa e outras coisas que servem pra classificar pessoas, são o que são e estão lá. Mas infelizmente, com o atraso nas mentes de algumas pessoas, eles são usados pra gerar conflito e picuinha. Somente afastando mais as pessoas, assim como jogar online afastou. Nos tempos antigos (década de 90 e até anos 2000), jogávamos juntos, e era muito bom. Agora, jogamos com uma voz no headset e com Facebook não mão, e YouTube. Praticamente um prólogo de episódio de Black Mirror. Se esse é o padrão da sociedade, não me interessa participar da avaliação desse Brave New world.

  6. À mim, gamerscore não quer dizer muita coisa além de que o jogador provavelmente tem um apreço pelos desafios de conseguir criar as determinadas situações que o troféu exige ou em alguns casos apenas a vontade de mostrar à alguém suas pontuações.
    Eu não jogo me importando com troféus, então a maioria dos meus pontos vem de conquistas que vem naturalmente conforme se avança num game, tipo concluir um capitulo específico ou terminar o game em determinada dificuldade.
    Desde quando comecei na live, meus jogos com maior score em proporção ao total de troféus são Assassins Creed, Assassins Creed 2, Batman Arkham Asylum e Forza Motorsport 3. Todos jogados na geração passada e a muito tempo. AC1 por exemplo está completando 10 anos de lançamento agora em 2017. A 10 anos atrás eu já era gamer a mais de 10 anos e tenho certeza que muitos dos que batem na tecla de gamertag na internet hoje em dia, ainda estavam no ensino fundamental.
    Porém, eu vejo algo importante em gamertag. Por exemplo, quando alguém faz analise de um game e você descobre que ele jogou na dificuldade mais fácil ou nem tem um trofeu de campanha completa, igual o youtuber Zangado que faz críticas a jogos que jogou em dificuldade de principiante.

    • Questiono: O que tem a dificuldade fácil?
      Sabes perfeitamente que nem todas as pessoas tem a mesma destreza. Conheço pessoas que nos jogos de carros são um desastre, nem se conseguindo manter na pista, mas no entanto em jogos RTS são excelentes jogadores.
      A destreza não é igual para todos, e a dificuldade não muda o jogo em si, apenas a dificuldade com que se atinge os resultados. Num nível dificil é preciso atingir o boss 1000 vezes, no fácil, 100 vezes. Mas o jogo é o mesmo!
      Sinceramente não vejo na escolha do grau de dificuldade um verdadeiro fator de diferença. O que interessa isso sim é jogar o jogo. E aí concordo que se torna necessário fazer isso! Já fazer muitos trofeus considero, tal como tu, um apreço pelos desafios.
      Eu pessoalmente jogo tantos jogos em simultâneo, e tenho sempre tantos jogos para jogar, que quando acabo um jogo, passo para outro. Neste momento ainda tenho lá em casa o Robinson The Journey para PS VR para jogar, e ainda nem peguei nele. Mas como ando com outros jogos na PS4, Xbox e PC, só vou pegar nele daqui a uns tempos. E o Mass effect e o Star Trek Bridge Crew estão já aí à porta…
      Vão ter de esperar certamente!

      • Mário sobre o que o Fernando falou do youtuber zangado, a questão é que ele fez a análise de uncharted 4 jogando apenas no fácil e depois no meio dela disse que o jogo era mais fácil que os outros, então como podemos levar uma pessoa assim a sério.

        Também tenho um amigo que troféus para ele é tudo, e ele quase surtou quando viu que eu tinha mais que ele e não foi porque eu procuro platinar todos os jogos, mas sim pela quantidade de jogos que eu já joguei.

        Honestamente não ligo para troféus/gamerscore, eu (você e o Fernando também) venho de uma época que não precisava disso para mostrar que terminei o jogo e uma coisa que buso hoje em dia que era comum antigamente é fazer 100% do jogo, o que não quer dizer que eu vá obter 100% de troféus/gamerscore, até porque hoje em dia eu tenho trabalhado bastante e quando tenho tempo quero aproveitar o jogo ao máximo.

      • Por que no fácil acontecem mais coisas além do inimigo morrer mais rápido. A AI do game costuma emburrecer de modo geral, inimigos erram tiros, não te notam passando ao lado, não usam nenhuma estratégia para te encurralar e algumas vezes, como no Unhcharted 4 por exemplo, o personagem pode receber muito mais danos e continuar em pé.
        Um exemplo, Halo no fácil e Halo no heroico são praticamente dois jogos diferentes. A mesma coisa Gears of War no fácil e no Insano.
        Alguém que vai fazer análise de um jogo pra dizer que achou a AI fraca e os inimigos fáceis, não pode jogar um game no easy.
        Eu não jogo todos os jogos em modos difíceis. Apenas o faço com os games que gosto mais, ou aquele dizem em análise que são muito fáceis, mas eu não jogo nenhum jogo com dificuldade abaixo do modo normal.

        • Concordo com você Fernando, para mim a dificuldade de um jogo deve ser analisada no modo normal e assim como você só jogo jogos no difícil se for um jogo que eu goste muito.

          Quem faz análise e joga no fácil para mim essa pessoa não pode falar sobre inteligência ou ia de um jogo, para isso ela teria que jogar no normal.

        • Sim. infelizmente há jogos assim!
          Mas os bem feitos diferem apenas na resistência dos inimigos!
          Mas não posso negar o que dizes!

        • Tava jogando Uncharted 4 no nível mais difícil, cara é muito difícil nesse nível, cheguei numa das partes finais de jogo, morri, mas morri tanto que acabei desistindo de concluir neste modo, dificílimo, pouca munição, poucos tiros já matam, os inimigos precisade bem mãos tiros para serem mortos, a Ia fica bem.mais agressiva, tipo quando vc está quase pra morrer os caras partem pro ataque pra te matar, bem foda de terminar nesse nível.

          Obs: já tinha terminado o jogo no Normal r Difícil,mas no neste modo não deu não. Bem o que o Fernando referi é outro jogo.

  7. Bom dia!
    Off Tópico!

    Mário Armão!
    Você parece ser bem atento as tecnologia, o quão possível essa matéria pode ser verdadeira, ou não passa de um artigo para ganhar cliques!!

    Eu acho que apenas um artigo para ganhar cliques, mudar estrutura de um console deve levar anos, não de um dia para o outro!!
    Fora que o preço de uma Polaris deve ser uma fortuna, (apenas um palpite de um leigo)

    Fonte
    http://digiworthy.com/2017/03/08/xbox-scorpio-specs-10gb-ram-games/

    • 10 GB ou 12 GB… Não é isso que encarece tremendamente a consola! 10 GB no fundo é apenas mais 2 GB do que a Xbox One, e isso revela-se adequado para texturas 4K.
      Depois depende da forma como a Microsoft implementa a Ram. Sendo GGDR 5 a implementação é diferente da DDR3, pelo que a liberdade existe sem grandes custos. No entanto, para o efeito, 2 GB a mais seriam suficientes!
      O rumor dos 12 GB surge no entanto do render da Scorpio apresentado na revelação inicial onde se vê 12 chips na motherboard, levando a pensar em 12 módulos de 1 GB! Mas aquilo era um mero esquema e pode nem ter nada a ver com a realidade.
      Já o GPU é que tenho muitas dúvidas.
      Em devido tempo falei sobre isso… lê o que digo aqui:
      http://www.pcmanias.com/xbox-scorpio-que-tecnologia-e-a-que-preco/
      A minha teoria seria numa aposta num Vega entrada de gama a 6.3 Tflops. Mais do que isso estaríamos a falar de um GPU a um preço que tornaria a consola muito cara! E mesmo com este hardware, ela de barata já não deve ter nada!

      • Phil Spencer esteve em um podcast da IGN recentemente e eu acredito que ele tirou algumas dúvidas importantes dobre o socorpio. Disse que ele não substitui o Xbox One, que eles esperam que o Xbox One seja o produto mais vendido da família e que o Scorpio será uma máquina para gamers entusiastas como por exemplo os que compram o controle Elite, e cobrará um preço justo pelo que oferece.
        Logo, eu descarto qualquer assunto sobre nova geração para o Scorpio, mas eu não descarto a possibilidade de ser um console bem mais caro do que o normal pois a Microsoft não está verdadeiramente preocupada em vender o Scorpio como o principal produto.
        Se formos analisar bem, as pessoas que estão comprando o PS4 Pro na grande maioria também são entusiastas.
        Acho que o ponto do Scorpio é que, uma máquina capaz de 6Tflops tem quase o dobro de potencia da GPU mais popular do Steam, a GTX 970 e como console de arquitetura fixa e API específica, deve ter um rendimento semelhante ou até melhor que PCs equipados com a GTX1070.
        Provavelmente será capaz de 4K nativos em muito mais jogos do que as pessoas pensam. O primeiro game não Microsoft confirmado em 4K é a recém anunciada continuação de Sombras de Mordor.

    • Provavelmente só para ganhar cliques. Um console desses não iria poder ocupar o espaço que a Microsoft se propõem com o Xbox Scorpio.
      Já existe um outro boato na web de que a microsoft mostrou o Scorpio em salas fechadas à desenvolvedores na GDC que acabou de acontecer e as especificações não diferem muito do que foi divulgado desde o inicio.

  8. (Off topic) Há rumores de um ps5 para 2018. Vc acha que procede, Mário???

  9. Eu não entendo de preço de PC, ainda mais no Brasil que as peças são caras, eu sei que a GTX 1080 é a melhor placa hoje em dia porque escuto as pessoas falarem…

    Enfim porque em menos de um ano as peças do Playstation 5 que seria 12tflops o dobro do Scorpio seria tão mais barato, eu não consigo enxergar isso, em um ano um console ter o dobro desses tflops que sinceramente não sei nem o que é, e consegue ser mais barato ou mesmo preço!

    • Queria comentar isto, mas vou começar por um esclarecimento inicial, pois acho que ele é muito relevante para que entendas plenamente a PCManias.
      É que há uma grande diferença entre melhor e ter mais performance.
      O conceito de melhor abrange uma grande variedade de fatores, já o de performance é algo palpável!
      Por exemplo, aqui na PCManias nunca, mas mesmo nunca, nas comparações entre consolas, alguma vez dissemos que uma é melhor que a outra. E isso porque tal não é uma verdade que possa ser considerada absoluta. O ser melhor abrange tantos fatores que esse conceito pode mudar de utilizador para utilizador. E daí que haja quem ache que A é melhor que B, e quem ache que B é melhor que A.
      Aliás, mesmo que possa, involuntáriamente usar a palavra melhor, e ela em comparativos por vezes surge, nunca é na sua plenitude geral de abrangência ao produto, mas apenas, quando muito, em pontos específicos.
      Voltando à GTX 1080, ela é melhor que as AMD no que toca à performance normalmente obtida em jogos. Mas quanto ao uso da palavra melhor… fiquemos-nos por aí! Porque de forma alguma se pode dizer de forma clara que as placas Nvidia são melhores que as AMD, da mesma forma que não se pode dizer o contrário. Há pontos em que umas são superiores, outros em que as outras são superiores.
      Um dos pontos onde as Nvidia são claramente inferiores é na computação assincrona. Elas pura e simplesmente não lidam bem com ela, e chegam mesmo a perder performance. Já as AMD utilizam-na muito bem e ganham imensa performance com elas.
      Já as Nvidia são normalmente melhores em DirectX 11, e mesmo em DirectX 12, conseguem por norma resultados superiores (apesar que tal por muitas vezes é à custa de pagamentos para uso de código optimizado para o seu hardware).
      Mas aqui há muitos fatores a tomar em conta, tais como o facto que no PC, devido à performance bruta das máquinas e ao facto de as Nvidia não se darem bem com a computação assincrona, ela ser evitada, o que prejudica as AMD.
      Enfim, poderia estar aqui imenso tempo a dar virtudes e desvantagens de um lado e de outro. Mas essa não é a ideia, apenas dizer-te que a GTX 1080 ser a melhor placa é apenas uma questão de opinião e não um facto!
      Quanto às restantes linhas… lê isto:

      http://www.pcmanias.com/wp-admin/post.php?post=46381&action=edit

      Eu apostaria em 2018, caso saísse algo nessa data, numa consola de 12 Tflops!

Os comentarios estao fechados.