Google inicia fase de testes do seu projecto de jogos Stream. Vai permitir jogar Assassins Creed Odissey gratuitamente!

A Google vai entrar no mercado dos videojogos com um projecto de Stream, e adianta-se à Microsoft iniciando desde já os testes do seu serviço, de forma gratuita.

A Google anunciou o seu “Project Stream”, um serviço de streaming de jogos que entra agora em testes técnicos com o intuito de resolver os problemas que normalmente existem nestes serviços interactivos de streaming video.

A sua parceira é a Ubisoft, que cedeu para o teste o jogo Assassin’s Creed Odyssey que poderá ser jogado no browser Chrome num portátil ou desktop, sendo que a ideia final será o stream para aparelhos similares ao Chromecast mas com bluetooh para ligação directa do controlador. A ideia base deste teste é analisar situações como a degradação gráfica e o “buffering”, problemas comuns neste tipo de straming, algo onde um jogo pesado como este se mostra mais do que adequado.

Os requisitos infelizmente excluem os leitores PCManias, pois necessitam de viver nos EUA. De resto necessitam de ter pelo menos 17 anos e no mínimo 25 Mbps de internet.

Numa nota paralela, esta situação levanta uma questão face aos rumores que dizem que a Microsoft lançará a versão Streaming da Scarlett em 2019. É que se tal tiver algum fundo de verdade, onde estão os testes juntos dos utilizadores? Esperemos que a Microsoft não esteja a pensar em vender a consola sem testar o serviço antes.





Posts Relacionados

4
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Mário Armão FerreiraFernando Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest
Notify of
Fernando
Visitante
Fernando

Tal como está, a solução do Google exclui um boa parte do mundo e parece viável apenas à grandes cidades.
Sobre a Microsoft, a tecnologia deles é voltada justamente à menores larguras de banda e ao meu ver parece bem mais avançada que a solução do google.
De qualquer forma, eu acho que aquela história de Scarlet versão streaming não é verdade, e se for, deve ser um Appliance de midia que custa menos de 199 dólares, quem sabe 99… Tudo que o Appliance precisa é de suporte para h.265 e o Xbox One S e X já receberam esse update.
Apesar de eu achar que o Xbox One X vai mais uns 4 anos pela frente como o produto de entrada 1080p-1440p 30fps, talvez ele oferece a opção de executar o streaming também, que provavelmente executará o game com a fidelidade gráfica do Scarlet.
Duas coisas em que eu acredito que o streaming ainda não está pronto para substituir o físico, a latência inevitável vai tornar os games 60fps inadequados para a tecnologia, a qualidade de imagem, por mais que os codecs e algoritmos de compressão tenham evoluído, ainda não será igual.
Agora tem uma forma da Microsoft melhorar a latência, mas seria extremamente caro para eles. Em todas as regiões do mundo onde existe datacenter do Azure, a Microsoft disponibiliza para contratação o Express Route. A tecnologia que promete ligar os clientes diretamente aos recursos do Azure sem passar pelos saltos da Internet.
Eu trabalho com Cloud, Azure e Amazon WS, posso dizer que o Express Route funciona como a Microsoft diz mas tem poréns que tornam a contratação inviável para um usuário doméstico e viável apenas para empresas.
No mundo todo, a Microsoft tem interconexões de alta velocidade ligando seus mais de 50 datacenters. Para tornar o Express Route possível, a Microsoft tem parceiros em todas essas regiões. Os parceiros são operadoras de serviços de telecomunicação, como a Level 3 por exemplo. Esses parceiros estão diretamente interligados ao Backbone da Microsoft, e sim a latência beira o 1ms a partir dos parceiros. Quando um cliente contrata o Express Route, ele tem a latência baixa garantida a partir do parceiro, mas ele precisa de uma conexão para ir de seu local até o data center do parceiro da Microsoft. Ou seja, à casos e casos.
Darei o Exemplo aqui do Brasil, o Azure, como quase todas as empresas de tecnologia que estão aqui, fica em São Paulo, e os parceiros de Express Route também. Meus clientes de São Paulo quando contratam o Express Route conseguem latência de 1 a 5ms. Mas eu tenho um cliente que está no Amazonas, e o Brasil é grande, Manaus no Amazonas está a 4000km de São Paulo. Para ele, o Express Route tem latência de 60ms por que ele precisa de alguns saltos para atingir a rede do parceiro de ER que ele contratou em São Paulo. Eu diria até que de Manaus, a latência para atingir os data centers do Sul dos Estados Unidos devem ser praticamente iguais.
A Microsoft poderia utilizar o express route para seu serviço de streaming, mas através do parceiro. O Serviço se conecta nos provedores parceiros que estão mais perto do seu local, e de lá ocorre o roteamento para o Azure, que é instantâneo. Isso faz até com que não importe o datacenter que vai executar seu jogo, todos terão ótima resposta. Porém, ocorrerão casos em que não existem pontos de conexão por perto, como eu descrevi, e assim o streaming não será tão satisfatório. Além disso, utilizar toda essa infra estrutura faria com que a assinatura não fosse barata ao ponto de ser embutida no Game Pass no primeiro momento.