Incongruências da Microsoft com o Windows 11 continuam

5 3 votes
Avalie o nosso artigo

Apesar de a Microsoft querer a participação do maior número de máquinas possível nesta fase de testes, tendo removido os requisitos que impedirão o Windows final de funcionar em muitos computadores, esta apenas dá 10 dias para retornar ao Windows 10, após os quais se torna obrigatória a re-instalação do sistema operativo, impedindo assim um teste decente. Da mesma forma a Microsoft afirma que, afinal o upgrade para o Windows 11 não será obrigatório. Mas o suporte ao Windows 10 continua previsto terminar em 2025.

Em todo o processo que tem rodeado o Windows 11, a Microsoft tem mostrado uma quantidade enorme de incongruências, que não estão a cair bem na comunidade de clientes da marca.

Por exemplo, a Microsoft exige que o “Secure Boot” esteja ativo, e exige a presença de um módulo de encriptação “TPM 2.0”, bem como só oferece suporte oficial a processadores recentes, e mesmo esses, nem todos, o que irá afastar milhões e milhões de PCs do Upgrade . No entanto, nesta fase beta, porque lhe interessa que haja o maior número de sistemas e configurações diferentes a correr o seu novo OS, para o poder testar convenientemente, a Microsoft removeu essas exigências.

No entanto, pelo menos para já, deixa claro que, uma vez os testes acabados, estas situações voltarão a ser obrigatórias.

Resumidamente, a Microsoft impõem, mas remove as imposições a seu bel prazer. É uma postura de conveniência total e absoluta, utilizando os clientes para o Beta Test, uma vez que isso lhes interessa, mas depois mandando-os às urtigas quando quiser impor as suas condições e, caso não retroceda, impedindo muitos desses beta testers de instalar o Windows final.



Mas agora eis que surge uma nova incongruência.

Olhando para o passado vemos que esta fase de testes aberta ao público não é uma novidade, e já ocorreu antes, por exemplo, com o Windows 10. E nela, para que o teste fosse eficaz, e os dados recolhidos adequados, a Microsoft permitiu  um período de 30 dias para regressar ao Windows anterior. Dessa forma o utilizador poderia, ao seu ritmo, e de forma bastante profunda, testar à vontade, e caso assim desejasse, retornar ao seu sistema operativo original. Tudo isto sem que qualquer dado da máquina fosse perdido. Basicamente 1 mês é efetivamente um período razoável que permite um experimentar adequado sem consequências, de forma a poderem ver  o novo Windows, recolhendo no processo valiosa telemetria para a Microsoft.

Mas agora, e sem um motivo aparente que não seja uma decisão arbitrária, com o Windows 11 a Microsoft alterou isso, e fornece apenas um prazo de 10 dias para o retrocesso. Após isso, o Windows necessita de ser re-instalado, com perda total de dados.

Basicamente o que quer isto dizer é que a Microsoft condiciona os utilizadores que querem experimentar o Windows 11. E apesar de a Microsoft precisar desses utilizadores. e querer mesmo a maior participação possível para garantir a fiabilidade e estabilidade do Windows 11 final no maior número de combinações de hardware possíveis, com este prazo, os utilizadores não só perdem o interesse em testar, como os que aderem necessitam de ter mesmo muita vontade de querer ver o Windows 11 pois ou vão ter de testar a coisa à pressa ou, alternativamente, caso o mantham mais de 10 dias instalado, terem depois de re-instalar novamente o Windows 10 caso desejem ou sejam forçados a retornar.

O mais grave de tudo isto é que todos temos uma noção do que pode acontecer se a Microsoft não testar convenientemente o Windows 11, e nesse campo temos como exemplo o historial de recentes updates ao windows 10 que causam problemas enormes a milhões de utilizadores, e tudo porque a coisa não foi devidamente testada.

Numa outra situação, a Microsoft veio agora a público afirmar que o update para o Windows 11 não só não será automático, como não será sequer obrigatório. E confesso que li essa notícia com interesse, uma vez que ela aparentava poder trazer uma mudança de postura da Microsoft. Mas lendo com o devido cuidado percebe-se que tudo não passa de uma encenação. O suporte para o Windows 10 continua previsto para terminar em 2025 pelo que a não mudança obrigatória, que aparentava poder ser uma abertura da empresa na sua postura com os utilizadores Windows 10, na realidade não é mais do que uma mera cortina de fumo. O upgrade não é obrigatório, requer intervenção do utilizador, e este pode manter-se no Windows 10. Mas tal durará apenas até 2025, altura onde ou atualiza… Ou fica sem suporte e atualizações de segurança.



Ou seja… Nada muda. E dizer que o update não é obrigatório, é apenas atirar areia para os olhos.



5 3 votes
Avalie o nosso artigo
7 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Shin
Shin
3 meses atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Eu acho o seguinte, quem precisa do Windows 11 hoje? As empresas? A maioria delas trabalham com aplicações de Web. Os jogadores? Até sim mas é mais por um sentido de compatibilidade forçada.
Os criadores de conteúdo generalizados? Eu acho que não a menos que sejam forçados.

Ocorre como falava no passado, a estratégia PostPC era da Microsoft é uma falha de dupla gestão, falhou na gestão Ballmer, falhou na Gestão Nadella. Nadella já caminha para quase 1 década na gestão da Microsoft, então como eles até então não conseguiram completar os planos de colocar o Windows como uma plataforma de distribuição de software digital, eles agora começaram a forçar a barra. Todo o Windows 11 não é trabalhado para facilitar a vida do usuário e nem para resolver problemas milenares do OS mas sim para colocar nas mãos da Microsoft controle sobre como o usuário utiliza. Tem mais recursos Cloud, tem mais recursos de monitoramento, tem a TPM obrigatoriamente ativa. Mas como vivemos uma era muito menos depende de Windows que antes acho que isso marca o início de um fim para a plataforma. Mas não espere que o Windows simplesmente acabe ele apenas fica irrelevante.

Juca
Juca
Responder a  Shin
3 meses atrás

Negócio hoje está místico, vejo muitas pessoas achando “cool” não possuirem mais bens materiais ou ser dono de algo.
Essas novas gerações também parecem não ligar muito pra privacidade… Estou sem entender muito bem os clientes capitalistas da atualidade! Rs As empresas eu sempre entendi, pois controlar sempre foi ter poder.

Juca
Juca
3 meses atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Mário, o que eu gostaria de saber é se a Microsoft permitirá a migração gratuita indefinidamente pra quem tem o Windows 10. Porque se o permitir posso levar o Windows 10 até um tempo da minha conveniência.

eduard08
eduard08
Responder a  Juca
3 meses atrás

Ui vindo da Microsoft não acredito muito, acho que vai ser como no windows 7/8 para o 10, vai ser possível durente um limite de tempo

Deto
Deto
3 meses atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Só pode estar de palhaçada.

Quer dizer que para ser beta teste de GRAÇA, pode usar o Windows

Terminou o beta e vc nem comprando mais vai poder ter acesso.

error: Conteúdo protegido