Mantis Burn Racing é um jogo a 4K nativos e 60 fps na PS4 Pro e releva um segredo adicional da PS4 pro.

Mantis Burn Racing é o primeiro jogo a anunciar 4K nativos a 60 fps na PS4 Pro.

Não, não é um jogo AAA. Mas não deixa de ser um jogo de boa qualidade, com bons visuais e uma boa jogabilidade. Mas acima de tudo é um jogo a 4K nativos 60 fps.

O jogo baseia-se numa metodologia de processamento de imagem Forward Rendering que o ajuda a atingir os 60 fps, mas o facto de atingir 4x mais resolução que a PS4 base a 1080p, apresentando o mesmo nível de detalhe, levantou questões sobre como é que tal foi possível.

O resultado é tão bom que a empresa nem se preocupou em optimizar o modo 1080p, oferecendo aos possuidores da Pro que joguem a 1080p o mesmo jogo obtido a 4K, mas re-escalado para baixo, o que permite um supersampling que elimina totalmente o aliasing e uma qualidade de imagem sem paralelo nos 1080p.

 

Quando questionados sobre como é que tal foi possível, a VooFoo, criadores deste jogo revelaram inicialmente apenas que tal tinha sido um pouvo de “magia”. Mas criar um jogo que mantêm os recursos da PS4 e quadruplica a resolução com apenas 2,3x mais potência e 25% de largura de banda a mais, ou implicaria uma PS4 sub-aproveitada (o que não acontece), ou implicaria que as alterações do hardware da consola são superiores à já conhecida implementação hardware da tecnologia de reconstrução de imagem por matriz de tabuleiro de xadrez (chequeredboard), com as instruções suportadas a irem acima daquilo que a Polaris suporta, tal e qual como Mark Cerny deu a entender.

Perante tanta insistência a VooFoo acabou então por revelar à Eurogamer um segredo adicional da PS4 Pro.

Ao contrário das placas GCN anteriores que trabalham apenas a 32 bits, as Polaris foram alterada para trabalhar como as Nvidia, oferecendo igualmente a capacidade de precisão 16 Bits. Na realidade a placa continua a processar a 32 bits, mas oferece a capacidade de processar duas strings 16 bits por ciclo, o que efectivamente lhe duplica a capacidade de cálculo a essa precisão.


Já a PS4 base não é capaz desta situação, o que implica que mesmo que processasse apenas a 16 bits não teria qualquer ganho. Basicamente o jogo optimizou a maior parte dos seus shaders e conseguiu reduzir os mesmos para 16 bits, e tal permitiu ganhos adicionais na PS4 Pro.

É curioso que esta situação traz à consola uma capacidade de cálculo efectiva de 8.4 Tflops a 16 bits, uma métrica que a Nvidia tem usado bastante actualmente, mas a mesma não foi anunciada pela Sony, nem que fosse apenas para show off de números.

Os motivos são no entanto perceptíveis! 16 bits de precisão nos shaders são usados normalmente em jogos de smartphone, com a maior parte dos shaders usados nas consolas a serem de maior precisão. E isso quer dizer que na prática a consola, tal como as restantes, usará uma mistura das duas precisões, sendo muito pouco provável que venha alguma vez a calcular apenas a 16 bits, sendo apenas que consegue ganhar alguma vantagem face às restantes pelo facto de poder agrupar os shaders 16 bits 2 a dois e processa-los em simultâneo.

A novidade, apesar de expectável, não se sabia se estava em uso por questões de comparibilidade e unicidade de código, mas sabe-se agora que sim. No entanto o uso desta métrica para medição de Tflops serviria apenas para criar confusão no mercado pois se tal assim fosse, a Microsoft poderia anunciar igualmente 12 Tflops.

Daí que é melhor que se mantênham as coisas assim, até porque os ganhos face às consolas base não se coadunam com o anuncio de valores de Tflops tão altos e tal geraria muita confusão!

Mas segundo a Eurogamer, este segredo adicional da PS4 Pro não é o único que era desconhecido, e a consola possui mais cartas na manga por mostrar. Mas pelas caracteristicas das Polaris poderemos já adiantar que à mesma velocidade de relógio, o GPU da PS4 Pro deverá ser 3.5x mais eficiente no cálculo de geometria do que o da PS4.

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (47)

  1. Fantástico! Por mais que provavelmente eu não vá pegar a pro, ficando com o meu velho ps4, gosto de saber quando hardwares possuem adicionais que são descobertos com um tempo pelos programadores. Isso sempre ocorreu na indústria, mas está ficando cada dia mais raro, pois os hardwares são bem conhecidos ultimamente.

  2. Falando em PS4Pro já temos um iluminado a dar entrevistas que as pessoas NORMAIS não vão notar a diferença entre 4k nativos da Scorpio e o 4k fake da PS4Pro…. Uma chulice sem tamanho a todos que interessavam havia um abismo entre 900p e 1080p agora não tu não vai notar entre 1440p e o bendito 4k……
    Movem-se ao vento e fica essa infâmia para Sony. Apregoar tanto a força bruta e agora que está por baixo mudar o discurso….

    Força Microsoft… E que venda muitas Xbone S e Horizon 3. Quem sabe a Sony acorda e para de delirar.

    • Luciano S. Carvalho 6 de Outubro de 2016 @ 11:26

      É para você ver como são as coisas!
      A quantidade de pixels de 1080p para 4K é praticamente dez vezes maior do que de 900p para 1080p, antes notavam a diferença agora já não notam mais.
      Estranho não!?

    • O que ele diz é verdade! E isso não vem da boca da Sony!

      Por dois motivos:

      Até agora falavamos de pouca definição para muita definição por re-escalamento. Agora falamos de muitissima definição para elevadissima definição, mas por re-construção.

      Não só o número de pixels é agora gigantesco e de reduzidissimas dimensões, como a reconstrução dá resultados em tudo semelhantes ao nativo.

      É muito mais complicado notar-se a diferença!

      Eu posso-te dizer que, pessoalmente, notando a diferença entre os 900p e os 1080p pelo aliasing existente, entre uns 4K reconstruidos e uns nativos não consigo visualizar diferença digna de registo.

      Queres um bom exemplo comparativo que não as consolas?
      pega numa bicicleta de 400 euros, e uma de 700 euros. Anda com as duas e nota as diferenças. Elas são enormes!
      Pega agora numa de 700 e numa de 1000. as diferenças são difíceis de quantificar de forma clara. Existem, mas não são tão notórias como antes pois agora já estás apenas a refinar uma qualidade que já atingiste com os 600 euros.

      É o mesmo aqui! As atuais dimensões de ecrãs foram pensadas para 1080p, pelo que abaixo deles notas. Mas acima é dificil de se perceber seja o que for. É o mesmo com os 900p e os 1080p se meteres isso num ecrã de 24 polegadas e jogares à distância de TV normal. É muito complicado perceber diferenças!

      • Exato Mário, esse povo do contra precisa ir no DF é ver o que a mesma fala sobre a técnica da Sony pra reconstruir a resolução, “em tudo semelhante” estas foram as palavras e não “nativo”. Vamos debater com calma e em cima de fatos concretos e não nos levarmos por paixões ou odios blz.

    • Cara quem falou isso foi o dev da Tequilla Works e não a Sony blz

    • Digam isso pra Microsoft que viu o PS4 disparar nas vendas graças a polêmica do resolutiongate que 90% das pessoas não tem olhos treinados para distinguir e nem jogam na distância correta da TV de acordo com o tamanho da tela para notar.
      Apenas saber que se possui o produto de hardware inferior é o bastante para formentar a cabeça do consumidor.
      Agora é muito engraçado começarem a sugerir a existência molhos secretos ni hardware. Ele é mais eficiente, estamos falando de uma nova arquitetura e o fato de mostrar que um console 2,3x mais potente na GCN4 é capaz de entregar 4K nativos pelo menos em um jogo mais simples como esse, mostram que a Microsoft sabe do que fala quando diz que estão entregando a potencia necessária para a visão deles no Scorpio.

      • Pronto o sucesso do PS4 é só pela resolução dos seus jogos, a meu pelo amor de Deus.

        • A partir do momento que demorou muito para haver um exclusivo system seller e o produto tem falhas bobas como uma rede online instável e falta de suporte a rodar games de discos externos e continuou vendendo bem mais mesmo com a redução de preço do concorrente, a propaganda boca a boca do poder foi determinante sim para a diferença de vendas.
          E se não fosse, não existiria tanta vontade de mostrar que as diferenças de resolução não serão perceptíveis. Elea poderiam apenas ignorar o assunto e se concentrar em jogos.
          A desconstrução do Xbox One se passou muito mais por diferenças de resolução do que por qualquer política ou mesmo os jogos que no global, fora um Uncharted aqui e outro bloodborne ali, foram melhores no Xbox.

          • Voltou a mesma resposta do não suporte ao hd externo e online instável………

            Se é falha boba para uma empresa não dar suporte ao disco externo, pq a outra não dá para o interno? Você ainda não se tocou que um argumento sempre vira uma réplica para o opositor?

            São 2 assuntos que vão longe

      • Qualquer consola, desde que não limitada pelo HDMI pode atingir os 4K. É depois uma questão da qualidade dos jogos que conseguem atingir essa resolução.

        • desde que não limitada pelo controlador da HDMI, porque tem muita gente que pensa que o limitador é o conector, é sério vi comentários desse tipo em outros sites.

          • Conector? Exactamente a que te referes?
            Porque 4K só por HDMI, não é possivel por componentes.

          • Sim o conector, aquele em que encaixamos o cabo HDMI(http://www.componentesalmeida.com.br/fotos/59328802201.jpg)

            Muita gente acha que o HDR não é possível no PS4 fat pq o HDMI é v1.4b, mas pensam eles que o motivo é o conector e não sabem (e quando sabem não aceitam) que o limitador é o controlador e que estes em alguns aparelhos pode ser atualizado, assumindo as características de uma versão superior.

            Em um desses comentários a pessoa somente aceitou a resposta(ou não tinha argumentos para rebater) quando dei o exemplo do PS3 fat que foi lançado com HDMIv1.3 e meses depois ofereceu o 3D em jogos, que só foi possível após atualizar o controlador para a v1.4 (http://www.psdevwiki.com/ps3/HDMI)

          • O conector não tem tido diferenças. E isso porque o HDMI é um standard! O que muda é o controlador do HDMI!
            Como podes ver aqui (https://en.wikipedia.org/wiki/HDMI), os pinos do HDMI estão definidos desde o início, e o conector tem vindo a ser o mesmo!
            Isso foi exactamente, como referes, o que permitiu à PS3 ser lançada com um HDMI 1.3 e alterar futuramente o suporte por re-programação do controlador para 1.4.
            O HDMI é sinal digital. O seu conteúdo pode inclusive ser colocado num cabo de rede (e há extensões de HDMI por cabo de rede). Basicamente o HDMI é um cabo, e o que tem mudado não são os conectores, mas sim a capacidade de transporte de dados do cabo. Isso implica apenas cabos melhores e com melhor blindagem e um controlador capaz de enviar mais dados!
            Nos cabos de rede tambem há os CAT 1, CAT 2, CAT 3, CAT 4, CAT 5 e CAT 6, todos com larguras de banda diferentes, mas todos usando uma ponta RJ-45!
            A nível do conector a única diferença está no pin 14 que até ao 1.3 estava reservado, mas desde o 1.4 que está em uso. Isso está escrito na página do Wikipedia que indico.
            A nível de conectores só há 5 tipos e tem a ver com as diferentes ponteiras usadas em vários locais, sendo que o único diferente é o tipo B que possui 29 pinos em vez de 19, mantendo porém a compatibilidade com os anteriores e que se destina a expansões futuras. Mas até hoje o standard sempre funcionou nos 19 pinos e este cabo nunca foi usado, nem sequer tendo sido actualizado para além da versão 1.0!
            Agora há uma coisa que eu não posso garantir. Em algumas versões do HDMI alguns dos pinos, apesar da sua utilidade estar definida, estavam desactivados. E alguns fabricantes, por redução de custos podem ter retirado os pernos dos receptores.
            Sinceramente, se tal aconteceu não sei bem o que ganharam com isso, pois a redução de custos é ridícula. Mas em material de baixa qualidade, isso poderá ter acontecido.

          • Isso eu sei, comentei o que algumas pessoas em outros sites pensam.

            Vi até perguntas “se era necessário trocar o conector”.

      • Belo comentário

      • Acho que estás enganado – a PS4 disparou nas vendas sobretudo devido ao DRM e ao cloud only da Microsoft, e isto sem contar com o fator exclusivos que já vinha da geração passada.

        A Microsoft ainda tentou apagar o incendio que causou antes do lançamento da consola mas já acabou por ir tarde. As pessoas não esqueceram e aposto que muitas delas ainda agora pensam que não podes jogar usados na ONE.

        O resolution gate foi mais uma consequência disso que outra coisa, resultado da guerrilha típica e da imprensa pronta para criar clickbaits.

  3. Para mim até aceito que se eles utilizarem um bom algoritmo a diferença não seja grande, mas para mim isso é irrelevante, o grande problema da PS4 PRO é que têm um CPU muito fraco que vai provocar limitações, os jogos que sairem para a scorpio a 1080p60 vão ser mais detalhados com melhores efeitos e a PS4 PRO não vai ter como acompanhar, a grande diferença vai ser essa, a MS fala muito nos 4k mas assim que as editoras puseram as mãos na consola vão querer é puxar por ela de forma equilibrada e os 4k vão ficar na gaveta…

    • O grande problema da PS4 Pro é existir. Estamos a ver que não serve para os 4k nativos e estamos a ver que mesmo os 4k ainda não são uma necessidade de mercado.

      Tiro no pé da Sony o qual se agrava se com o tempo, os jogos da PS4 atual surgirem capados, o com as EAs e Ubisofts deste mundo não me espantaria nada.

  4. Enquanto isso a Sony falou que não tem planos de lançar a pro na america latina, não que eu fosse comprar, mas fico imaginando o que ela tem em mente com isso.

    • Não é só a Sony que não tem planos de lançar o novo modelo por aqui.

      • Pois é, sabe como é que é né?!

        [OFF] saiu alguns reviews do Gears 4. Boas notas, mas pelo o que eu vi não vai atingir um nível de excelência para chegar a um 90+

        1-Será que o jogo não acrescentou nada a franquia?
        2-Ou será que a mídia está muito exigente?

        • Ou será que eu estou vendo analistas reclamando que você passa muito tempo atirando ou que a história não é sentimentalmente profunda?

          À mim nada de surpreendente é como previ antes, vai haver analista procurando Uncharted no Gears of war.
          O que me importa é que os grandes sites que estão analisando o produto Gears of War estão dando as notas que eu espero, em torno de 9.
          Não me preocupo por exemplo com o Review que deu 7 pro Gears e também deu 7 pra no Mans Sky. Você não precisa nem jogar pra saber que um é superior ao outro.

          Agora me pergunto, o que é um nível de excelência para os analistas pós 2010?
          Um jogo onde você leva um balde de pipoca pro sofá pra assistir cutscenes sentimentais e coloridas ou um game que prima pela excelência do gameplay?

          • Polígono de 6 pro Tlou é 9 pra Gears 4???

          • Achei que a GameSpot fosse um grande site…..

            Com certeza muitas notas medianas que o jogo vem tendo podem ser injustas, mas se eu n estiver enganado, foi falado que esse seria um jogo voltado para o lado emocional.

            Eu não sei pq n to acompanhando o jogo, mas do pouco que eu vi e ouvi, continua a mesma coisa. Se esconde atrás do muro depois cutscenes, Se esconde atrás do muro depois cutscene.
            Não que isso seja ruim, pq isso é o núcleo do jogo, mas
            Talvez por manter essa mesma receita de bolo em questão de gameplay, acabe sobrando o foco na historia.
            Se ela não for bem contada ou não apelar para o lado sentimental, acaba que sendo o foco das reviews.

          • A GameSpot é o site que está equiparando Gears of War 4 a no mans sky e deu nota abaixo da média para todos os exclusivos Xbox nessa geração. Será que eles tem um gosto refinado demais?

            Eles também são aqueles que apontaram defeitos em Uncharted 4 no review e ainda sim deram 10 😉

            Livre de parcialidade, claro…

          • Mas Uncharted 4 teve mais de 20 100 e Gears até hj do tem 1, então a nota da gamespot equivale ao que o jogo entrega, não é uma nota ruim, longe disso mas também não é o último biscoito do pacote pelo jeito.

          • E realmente as Ips da Microsoft nessa geração tem sofrido por média de notas abaixo do esperado, o único ponto fora dessa curva e.horizon 3, mas no final quem decide se o.jogo e bom ou não somos nós os consumidores.

          • Mas de todas as notas 10 de Uncharted 4, tem umas 5 publicações da marca PlayStation e outros sites menores e poucos realmente grandes.
            Quando avaliamos o terremo de uma EGM, Edge, Game Informer, IGN Estados Unidos, Polygon, a nota já desce pra 9 com a Game Informer sendo a mais generosa com o 9,5.
            Nesse terreno dos analistas mais lúcidos, as notas de uncharted 4 e outros AAA são muito próximas.
            Nem a Eurogamer deu o selo máximo para U4.
            Eu não vejo uma grande diferença das IPs da Microsoft com as da Sony nessa geração. A Sony tem até o momento dois jogos AAA +90, a Microsoft tem um e geralmente todos os outros jogos costumam ter notas parecidas, na casa dos 80 a 90.
            Mas como disse, a avaliação mais importante é a dos consumidores. Destiny que tem uma media na cada dos 70, pouca história e várias coisas repetitivas é o game que eu tenho mais horas jogadas nessa geração e que toda vez que eu quero jogar só um pouco, acabo gastando diversas horas nele.

          • @Netto, falando em abaixo das expectativas o Recore está sendo vendido no Brasil por R$100,00 a mídia física.

            Uma redução de quase 40% do preço de lançamento em menos de 1 mês de lançamento.

            Espero que Cuphead mantenha as expectativas.

          • Há uns tempos atrás dizias que Uncharted procurou Gears…

            Sem por em causa a qualidade do jogo – pelo que vi e pela nota para mim é um must have – mas o grande problema aqui é a mesquinhice nesse campo.

            Um jogo de 85 é um jogo a evitar?

            Claro que não!

            Mas há pessoas que gostam de centrar a qualidade apenas nos 90 para cima, porque o resto é “meia-boca”. Bem depois quando isto acontece a culpa é de quem analisa. Mesmo que 85 já seja uma nota muito boa.

        • Luciano S. Carvalho 6 de Outubro de 2016 @ 23:50

          Que se dane a nota, somente um idiota deixa de jogar um game se baseando pela nota. No caso de Gears 4, o que deveriam levar em conta é que o criador da franquia está adorando o mesmo, pelo menos para mim é um bom indicativo da qualidade do game.

          • Eu não ia pegar Gears!!
            Mas vi uns vídeos e adorei!
            Gears continua a mesma coisa desde o começo correr, atirar e dá cover!
            Porém continua viciante demais fazer isso, fora que depois que tu termina a campanha tem o multiplayer que é infinito, conheço muitas pessoas que jogam Gears 3 até hoje!

          • Oa vídeos de Gameplay que estão disponíveis já são o bastante para qualquer fan da franquia saber que é uma compra obrigatória. E para quem é realmente fan, a cada análise que tiram pontos dizendo que o jogo é mais do mesmo e que a história não traz emoção por que os personagena fazem piadas no meio da campanha, o cara fica mais feliz em saber que não resolveram transformar Gears em jogo de drama e manteram a essencia do tiro, porrada e bomba.

          • Com o duvido respeito e não sendo fã, acho que os vídeos servem também para quem não é fã. È um jogo muito bonito e de acção frenética. Compra certa para quem tem Xbox ONE.

  5. [OFF] E sobre os trocentos % do Xbox?

    Seria bom começar a ver como o mercado reage após decisões de uma empresa:
    http://www.eurogamer.pt/articles/2016-10-06-playstation-4-vendas-aumentam-380-percent-no-reino-unido

    Ambos aumentaram suas vendas devido a alterações de preço e bundles.

  6. A cada noticia que sai, cada vez mais, na minha humilde opinião, esse PS4 Pro se mostra cada vez mais desnecessário, a não ser que o PS4 básico não seja suficiente para uma experiencia decente do VR, mas ai vão me dizer que a Sony já disse que é suficiente, e sinceramente, dá pra acreditar no que a Sony diz…

  7. Não duvido que o ps4 pro se utilize de técnicas eficientes para tentar atingir bons resultados visuais a um menor impacto computacional, mas acho que a Sony vai precisar mostrar muito mais serviço em outras áreas, seja na rede on line, seja na line up proprietária de jogos, ou serviços.

    Percebe-se na Eurogamer um certo movimento para alavancar o ps4 pro, mas o que tem sido mostrado até o presente momento, não me despertou interesse algum. É a 1º vez que não me vejo interessado em um console playstation.

  8. Fala mario beleza? eu tenho o seu site como fonte principal de informação sobre tecnologia e preciso le perguntar. você sabe por onde anda o tal do Directx 12 e o Vulkan? já estamos com um pé em 2017 e ainda continuam usando Directx 11 nos jogos, porque? oque aconteceu com essas tecnologias?

    • O Vulkan ainda não arrancou em força, apesar de alguns jogos já o usarem no PC como é o caso de Doom.
      Mas o DX12 está aí em força na Xbox One. Basta ver as performances de jogos como Forza Horizon 3 no PC para se perceber que as oprimizações da versão Xbox estão muito superiores.
      Há no entanto ainda muito pano para mangas. Para que os APIs de baixo nível ganham plena expressão há que se perder conceitos na concepção base dos jogos que estão ainda presos aos APIs antigos. E até lá nunca verás verdadeiramente a sua capacidade.
      Quanto ao PC, este não pode usar motores concebidos para a One e adaptados que o capam à partida. Forza Horizon 3 foi concebido, pelas limitações da One, para correr a 30 fps, e colocar o jogo num PC a 60 fps fixos, com o mesmo nível de detalhe e MSAA que na consola, mesmo com hardware de topo e várias vezes mais potente, é algo problemático.

    • Na realidade, mesmo o DX11 que usam, tem raízes ainda no DX 9/10. isto porque geralmente não construíram motores de raíz, apenas os têm adaptado.

      Há uma coisa que muita gente parece não compreender: a complexidade e o trabalho associado ao desenvolvimento de videojogos tem-se tornado cada vez mais intenso, quer na aplicação de técnicas de processamento visual, quer na construção dos mundos.

      Bata ver na geração PS1 o quão enormes eram os jogos e quão mais pequenos foram ficando (a necessidade do mercado também pesou aí), em termos de duração.

      A enorme vantagem desta geração (aliás de todas a gerações), mas mais desta devido ao x86 é que permitiria estagnar o desenvolvimento para dar tempo ao mercado de respirar – mas pronto, lá vieram os génios com os upgrades a meio da geração.

Os comentarios estao fechados.