Os rumores mais abordados sobre as novas consolas e as suas sustentações

0 0 votes
Avalie o nosso artigo

Há actualmente alguns rumores sobre as futuras consolas que correm ou correram. Vamos neste artigo explicar quais são, quais os pontos a favor, e quais os pontos contra.

Rumor 1 – A arquitectura que equipa a Navi foi criado para a Sony

Este rumor apareceu já faz algum tempo, tendo sido amplamente noticiado, e é de notar que, mesmo sendo verdadeiro, tal não aparenta implicar qualquer tipo de exclusividade da Sony sobre a arquitectura, não parecendo assim existir qualquer impedimento no seu uso por parte da Microsoft.

Mas poderá a Sony ter, ou não exclusividade sobre o Navi?

Muito sinceramente? É muito, muito pouco provável!



Este rumor foi lançado pelo WCCFTECH, que referia igualmente que o Navi seria um uarch (arquitectura) diferente, o que se veio a confirmar!

No entanto, enquanto vigorava e era discutido, o rumor do WCCFTECH levou um forte abalo de um outro rumor que o parecia desmentir, e no qual, alguém que teria frequentado uma apresentação interna da Sony sobre a PS5 referia que a Sony tinha comentado essa situação, referindo que provavelmente teria sido a colaboração muito próxima com a AMD para a colocação de tecnologias proprietárias na sua versão do chip, que levou a que se pensasse que o Navi era criado para a Sony.

Entretanto a Navi foi apresentada e confirmou-se ser mesmo um novo uarch. E assim ficou a dúvida sobre porque motivo o rumo do WCCFTECH, tendo partido da mesma fonte, se teria ficado pela metade?

Isso pode ser explicado por um novo rumor mais recente que volta a pegar na ideia de o Navi ter sido criado para a Sony. Ele apoia-se no facto de Navi, com o RDNA, se aproximar bastante mais das arquitecturas da Nvidia do que alguma vez algum GPU AMD o fez. No entanto, mesmo introduzindo o RDNA, este mostra ter uma estrutura base com raízes GCN.

É baseado nisso que o rumor refere então que essa situação se deveu a um adiantar da tecnologia RDNA que estava prevista apenas para 2020, por necessidades da Sony, para facilitar a emulação no hardware do GPU da PS3, o RSX, que foi criado pela Nvidia. E nesse aspecto o NAvi não seria um RDNA puro, mas sim algo hibrido e de transição.

Basicamente, como já tínhamos mostrado num artigo anterior, os rumores aparentam não nos levar a lado nenhum, aparentemente contradizendo-se. Afinal o Navi é ou não exclusivo da Sony?



Na realidade não podemos concluir nada disso, e os rumores não se contrariam forçosamente. Existe a possibilidade de ambos os rumores poderem ser reais, e encaixarem desde que o enquadramento seja feito.

Começando pelo início, repare-se que o uarch foi confirmado, pelo que, salvo um golpe de sorte em quem lançou o rumor do novo uarch, a parte sobre este ter sido criado para a Sony deveria ter igualmente fundamento, dado que a fonte foi a mesma.

Daí que como enquadrar tudo o que é dito? Bem, na realidade é possível. A ser verdadeiro este último rumor, o que a Sony terá pretendido referir poderá ter sido que esta nunca possuiu qualquer exclusividade do Navi, ao passo que o que está em causa é se o Navi foi ou não criado de acordo com as necessidades da Sony.

Basicamente, seriam duas coisas diferentes que sem enquadramento se podem confundir dando a ideia de contradição.

E aqui entraria algo que tem vindo a ser bastante referido, que a Navi é um Híbrido entre o GCN e o RDNA, uma situação que não está confirmada, que pode até nem ter nenhum fundamento, mas que está a ser encaixada aqui como a explicação para o rumor de a Navi ter sido criada à medida das necessidades da Sony.



Como referimos logo no início, parece-nos muito pouco provável que a exclusividade exista. Mas o ideia de que o Navi possa ter sido alterado face ao que era inicialmente previsto, antecipando a arquitectura RDNA, de forma a permitir mais compatibilidade com a arquitectura Nvidia, algo que ajudaria na emulação por hardware da RSX, presente na PS3, mas mantendo-a híbrida face ao GCN para compatibilidade com a PS4, parece realmente adaptar-se à ideologia de retro-compatibilidade da Sony que passa por compatibilidade máxima no hardware e menos no software. Daí que não podemos excluir a hipótese que o Navi tenha efectivamente sido a resposta da AMD às necessidades da Sony, trazendo assim o RDNA mais cedo do que o previsto.

Agora, se isto aconteceu, mesmo não existindo uma exclusividade, o que temos é que se o chip foi feito a pensar nas necessidades da Sony, então não foi feito a pensar nas necessidades da Microsoft, e caso a Microsoft não o use, será porque entende que o necessita de usar requer outro tipo de alterações que não as existentes, e não por exclusividade.

Rumor 2 – As Xbox Scarlett são Vega e não Navi

Este é um rumor interessante, com pontos a favor, e pontos contra.

Existem argumentos que são apresentados que apontam para a Vega. Vamos ver quais são:



Pontos que apontam para arquitectura Vega

1 – O facto de a Navi, ao ser um GPU optimizado para jogos, não suportarem operações de 64 bits, algo extremamente relevante em hardware de servidores. E sabendo-se dos planos da Microsoft em partilhar o hardware dos seus servidores com as consolas, tal torna o Navi pouco interessante.

2 – Não podendo ser dissociado do ponto anterior, o Navi 10 aparenta estar limitado a 40 CU. Apesar de o número de intruções por ciclo de relógio que o Navi consegue processar, ser 25% superior ao Vega, o número de CU decai dos 64 possíveis para 40. Isso quer dizer que se os CU processam mais cada um, a de capacidade de nível de processamento paralelo, ao serem menos CU, a situação, dependendo das necessidades de processamento dos servidores, pode não ser sempre a ideal.

3 – Tendo o desenvolvimento das futuras consolas começado já há algum tempo atrás, provavelmente na altura do lançamento da Polaris, falar de um Navi que estava a duas gerações de distância, seria prematuro. E nesse sentido os primeiros desenvolvimentos terão começado com a ideologia de se usar a arquitectura Vega, tanto pela Sony, como pela Microsoft.

4 – Todos os rumores sobre a Anaconda que apareceram, quando comparados com os da PS5, apontavam para velocidades de relógio mais baixas, e mais condizentes com a arquitectura Vega.



5 – O rumor de que a Microsoft refere que não existirão exclusivos Scarlett no lançamento da consola, o que dá a ideia de a mesma estar preparada para ser lançada, antecipando a Sony, algo que, apesar de não estar preso a isso, seria facilitado pelo uso do Vega.

6 – O facto de o devkit apresentar 64 CUs denominados Arcturus.

Esta refere a presença de um Hyper_Schedueler, em vez do SMT clássico, que permitiria ao CPU da consola processar até 24 Threads. Ou seja, seriam 3 threads por núcleo, um aumento face aos normais 2 Threads por núcleo que o SMT oferece, uma situação que se refere poder estar presente nas futuras consolas Xbox, e mais uma vez o motivo é simples, o uso do seu hardware em servidores, uma vez que o SMT de 3 vias deverá trazer poucos ganhos a nível de jogos.

Mas ao referir 64 CUs denominados como Arcturus, estes terão de ser uma alteração proprietária aplicada à Vega, uma vez que a Navi não está ainda disponível e nem os Devkits da Sony são Navi, pelo que estes devkits de forma alguma poderiam ter já GPUS funcionais com uma arquitectura posterior à Navi.



Basicamente estes são os pontos que são usados para se argumentar que a Microsoft  está a usar Vega.

Mas será que estes pontos possuem consistência?

Na realidade, nem por isso! Vamos rebate-los ponto a ponto:

Porque motivo nenhum dos argumentos de cima é realmente convincente.

1 – A Navi não suportar 64 bits é pouco relevante. A AMD possui uma secção de personalização, e colocar 64 bits no Navi não parece ser um problema. Mas também convêm relembrar que colocar tecnologia da Navi numa Vega também seria possível. E nesse caso a Microsoft estaria na presença de  um GPU híbrido alterado por si e não uma Vega pura.



2 – O limite de 40 CUs não está confirmado de forma alguma. 40 CU é o número de CU que a primeira Navi 10 a ser lançada para o mercado irá possuir, mas não há nada, para além de especulação, que confirme que este é um limite da actual arquitectura. Para além do mais, 40 CU podem ser menos, mas se o IPC aumenta 25% e a capacidade dos CUs tambem aumenta, 40 CU podem muito bem ser tão ou até mais performantes que 64 da arquitectura anterior. E nesse aspecto bastaria software, a especialidade da Microsoft, para tirar partido deles.

3 – Até parece coerente que as consolas tenham começado a ser desenvolvidas com o Vega em mente. Aliás o rumor sobre o APU Gonzalo, que se acredita ser o APU da PS5, apontavam na sua versão original para um GPU denominado de Navi Lite que se refere agora que seria nada mais, nada menos do que um Vega com as alterações existentes na Navi. Este é um rumor recente, e baseado no facto que este APU Gonzalo teve alterações radicais no GPU, com a última versão a apresentar algo bem mais rápido e com uma referência diferente. O rumor é então que esse Navi Lite não era mais do que uma espécie de Navi montado sobre uma arquitectura Vega, e que terá agora mudado para uma Navi standard.

Agora, se a Sony mudou… O que nos leva a crer que a Microsoft não mudou? Basicamente o facto de ambas terem começado a serem desenvolvidas apoiadas na arquitectura Vega não é um factor que defina o produto final.

Há no entanto quem refira que o problema é o Chip Ray Tracing da Microsoft, que estes afirmam ter começado a ser desenvolvido em 2014, apoiando-se neste tweet de Phil Spencer.



Segundo a lógica, este Chip começou a ser desenvolvido tendo como base o GCN da Xbox original, e apesar de alterações nas arquitecturas que saíram desde ai, a mesma manteve-se fiel aos conceitos originais do GCN, que só mudaram com a Navi. Daí que alterar o mesmo para as realidades do RDNA obrigava a mais tempo de desenvolvimento e a um retrocesso no desenvolvimento que a Microsoft não deseja, tendo este sido o motivo pelo qual o Vega se manteve.

E este é o único argumento a favor do Vega que não conseguimos rebater, uma vez que não só não sabemos se esse chip existe mesmo, como se existir, que especificações e limitações a arquitecturas ele possui.

Seja como for, a realidade é que as alterações que a Microsoft poderia fazer na Vega podem-lhe permitir que esta não fique a dever grande coisa à Navi. Mais ainda se houver alguma veracidade sobre o Navi Lite ser basicamente uma espécie de Navi montada sob uma arquitectura Vega, e se os Arcturus forem CU’s alterados pela Microsoft para combater o Navi.

4 – As velocidades de relógio mais baixas podem ter muitas explicações. Dado que o “orçamento” energético das consolas é limitado, a escolha do restante hardware da Microsoft, que não o GPU, poderá estar na causa desse corte. Basicamente o que é relevante perceber-se aqui, é que não é por este dado e por este dado apenas, que podemos concluir seja o que for, até porque as alterações efectuadas podem ter conseguido melhorar a eficiência por ciclo de relógio. Tal pode-se dever à arquitectura, mas o motivo também pode ser qualquer outro.

5 – O rumor em causa, mesmo que verdadeiro, pode não ter o significado que lhe estão a atribuir. A ausência de exclusivos Scarlett pode ser uma opção por questões de manter as actuais consolas activas e dessa forma estar ligado à sua disponibilização no serviço de Streaming Xcloud.



Basicamente o que isso quer dizer é que este rumor não garante que as consolas Scarlett não terão jogos melhores. Não quer dizer inclusive que as consolas antigas executem localmente os jogos Scarlett! Quer apenas dizer que os seus jogos não serão exclusivos, e isso não é nada que deva surpreender ninguém, pois isso não é nada que vá contra as ideologias que já todos conhecemos da Microsoft.

Ou seja, não ter exclusivos não quer dizer que não tenha jogos dedicados e que tirem partido pleno do seu hardware. Daí que este rumor, no fundo, mesmo que verdadeiro, diga muito pouco.

6 – A imagem em causa, tem andado a ser chutada de um lado para o outro, ora sendo tomada como real, ora sendo tomada como falsa.

Naturalmente os defensores da imagem como verdadeira são aqueles que mais querem acreditar que Arcturus se refere a uma arquitectura pós Navi. Mas isso seria muito estranho! O Navi está prestes a ser lançado, e mesmo assimos devkits da PS5 ainda não o usam, mas a Microsoft teria já nas mãos dos Devs um Devkit com um GPU com arquitectura pós Navi, que permite esta captura?

Outro dado muito intrigante, e que coloca o rumor como falso, é o número da OS version.



O número que se encontra antes da versão da Build, que neste caso seria o que está depois do  “-“, ou seja o 1333, deveria ser a data da Build. E o que lá está é o número 191077.

19 seria 2019, 10 seria Outubro, mas 77 não faz sentido. Não é um dia válido do mês. Mesmo que tomemos o 19 como o dia, ficariamos com o ano de 1977, algo igualmente impossível.

Isto foi discutido no Beyond 3D, e a imagem tomada como falsa devido a isso.

Por outras palavras, se formos a ver a coisa como deve de ser, aparentemente nada, mas mesmo nada, prende a Microsoft à Vega. Ela pode até a usar, decidamente alterada e optimizada, e tudo o que é dito nestes rumores, ter alguma razão de ser, mas onde queremos chegar é que tenha ou não tenha essa razão de ser, não é por eles que podemos afirmar que as Scarlett são Vega ou outra arquitectura qualquer.

Daí que quanto a dados sobre as Scarlett, teremos de aguardar por dados da Microsoft. Para todos os efeitos tudo pode ser dito sobre a Xbox, e a hipotese de esta estar a usar uma versão da Arquitectura RDNA mais avançada que a usada pela Sony tambem não pode ser descartada, o que bateria certo com um outro rumor que refere que a Xbox é mais avançada que a PS5.



 

 



error: Conteúdo protegido