Rumor: Especificações da Nintendo Switch são decepcionantes para consola de mesa, muito boas para portátil.

A revelação do hardware (e respectivas especificações) que estará presente na Nintendo Switch, a serem verdade, permitem constatar uma realidade. A consola é uma decepção!

A revelação em um suposto leak das características da Nintendo Switch apontam para uma performance que é pura e simplesmente decepcionante para uma consola de mesa, mas no entanto muito boa para uma portátil. Note-se porém que estes não são dados oficiais!

Começemos pela arquitectura usada no SOC.

Sempre se especulou que a Nintendo Switch fosse equipada com um Tegra X2. Afinal o Tegra X1 já está entre nós desde 2015 e foi usado na consola Android da Nvidia, a Shield. Daí que, sabendo-se que essa consola não estava minimamente ao nível do que de melhor se faz actualmente, esperava-se para esta consola da Nintendo uma actualização de peso no SOC, com a apresentação do X2 ou, no mínimo, uma versão bastante melhorada do X1.

Mas o que este último leak dá a conhecer é que o X1 apresentado será o mesmo de 2015, mantêm os mesmos 20 nm no processo de fabrico (litografia) e continua totalmente baseado na arquitectura Maxwell da Nvidia. As hipóteses de um novo chip mais poderoso usando a arquitectura Pascal ficam, de acordo com estes dados, assim goradas, mesmo que se acredite que o SOC possa ainda ter optimizações personalizadas e desconhecidas baseadas nos novos Pascal da Nvidia.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Note-se que o X1 foi o último produto criado com a arquitectura Maxwell e como tal possuía já em 2015 muitas características da Pascal, sendo que, no entanto, a Nvidia nunca foi muito reveladora das suas especificações. Isso quer dizer que podemos vir a ter surpresas que na realidade não são novidade nenhuma mas apenas o conhecimento da introdução de alguma da tecnologia Pascal no Maxwell, que esteve desde sempre presente neste chip, mas que só se virá a conhecer agora! Infelizmente, mesmo com melhorias, é certo e sabido que a arquitectura Maxwell tem problemas sérios com o uso do GPGPU, uma situação que só foi corrigida na arquitectura Pascal, pelo que um bom GPGPU, que poderia ajudar a subir performances, parece fora de hipóteses.

O leak acima referido foi revelado pela VentureBeat e veio dar a conhecer aquilo que se afirma ser o hardware da Switch. Curiosamente este bate certo com as especificações já anteriormente avançadas pela Eurogamer em Abril e que se baseavam em algumas especificações referidas num leak que partiu do Twitter. Eis as mesmas:

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (26)

  1. Se isso se confirmar, se torna irritante de novo o fato de lançarem um produto com tecnologia obsoleta pra já, mas que é feito para aguentar os próximos anos, exemplo maior disso é o PS4 e Xbox One, que quando lançados me foram um tanto decepcionantes, tudo bem, estamos nos divertindo com eles mas, olhem o resultado, PS4 Pro e Scorpio…
    A Nintendo tem outra filosofia e nem esperava tanto, mas pelo menos baixar essa litografia pros 16nm da Nvidia e Finfet. Já melhoraria acredito na questão da duração de bateria e tal. Mas vamos ver o que acontece, espero que tenhamos boas surpresas “oficiais” embora os rumores hoje em dia são bem certeiros. Nem dúvido do sucesso do Switch, pois seus compradores (pessoal Nintendo) costuma gostar de jogos que correriam até em um smartphone. Dependerá dos jogos e preço pra ver se será um produto pra mim. O fato de ser portátil é o que mais me chama atenção, na TV já nem tenho esperanças, e não deixa de ser um conceito bem empolgante.

    • Sim, PS4 Pro e Scorpio foram movimentos muito previsíveis já em 2013 quando se mostrou um extremo fascínio por resolução. Em menos de 6 meses, 720p que eram lindos no The Last of Us do PS3 sendo constantemente comparado aos melhores jogos de PC rodando em 1440p por fanboys PS3, se tornou sinônimo de lixo onde os consumidores passaram a exigir o padrão 1080p de consoles que não bateram nem 2tflops.
      Para efeito de comparação, placas de PC de 2 Tflops aparecem como recomendadas para jogos online como league of legends e Counter Strike…
      Num mundo desses, esse console da Nintendo não duraria 2 anos antes de um substituto. Mas o mercado da Nintendo é outro. A mentalidade da empresa está nos anos 90 ainda. Se existem muitos contras nisso, existe um lado bom. Eles não vão competir para ter a maior resolução e inventar um outro console daqui a dois anos para atingir esse objetivo. Eles vão respeitar o ciclo do hardware, como fizeram com o 3DS com hardware bem mais defasado.
      O problema para eles, é que o publico nintendo fiel, aqueles que querem jogar Zelda, é bem menor que aquele publico que comprou nintendo Wii para ficar batendo braço na frente da TV, ou aquele publico que comprou Kinect no Xbox 360 para ficar pulando na frente da TV.
      Esse público, talvez possa passar ainda uns 20 anos ainda jogando os mesmos jogos de Wii e Kinect no 360 sem sentir a necessidade de mudar, pois é apenas um lazer de pessoas que tem outras prioridades na vida.

      • Eu nunca me importei com resolução, na época do PS3 eu adorava os jogos tanto faz sendo 720p ou 1080p que parece que o GT6 conseguia se não me engano, e na atual geração também não me importo com 900p, o que me incomoda nos PS4 Pro e Scorpio nem é tanto o curto período de tempo em que são lançados, mas sim, a obsessão pelo 4k que ao meu ver não estão preparados pra tal. Mas me incomoda é que todo o poderio tecnológico poderia ser usado em melhor inteligência artificial, texturas, efeitos, iluminação etc etc. E quando o PS4 foi lançado não achei-o fraco por não poder oferecer 1080p 60fps em todo jogo (nem ligo pra isso) mas que nessa questão da densidade dos jogos não seria um avanço considerável tendo em vista o que já se tinha no PC. A única coisa que me agradou, foi o pool de memória de 8 GB, dos 512 mb que vínhamos isso foi um verdadeiro avanço, mas no processamento deixava a desejar.

        • Creio que há ai uma má ideia da realidade. Ninguem se importa com 900p ou 720. Se o jogo for bom, e o AA adequado, essas resoluções são HD e capazes de boa qualidade.
          O que se passou foi que as pessoas tinham alternativas. E inicialmente a alternativa não só era melhor, como era 100 euros mais barata. Depois a coisa evoluiu, mas era ao mesmo preço, e só agora o sistema menos potente está mais barato.
          A realidade é que agora vemos as vendas da One a disparar, mostrando que a resolução nunca foi o importante, mas sim o preço!

      • A esperança deles, Fernando é que o público dos portáteis migrem para o switch, porém creio que seja possível se o console ficar no máximo na casa dos 250 dólares, se não, ao meu ver, será o último console da Big N no mercado.

  2. https://www.khronos.org/conformance/adopters/conformant-products#vulkan

    O Switch está apto à utilizar OpenGL e Vulkan. Pelo menos a portabilidade de games multiplataforma pode ser menos dolorosa, apesar de ainda trabalhosa por causa da arquitetura diferente e o poder GPU bem menor.

    • A questão aqui é que, técnicas avançadas à parte, a consola não tem capacidades para 1080p. Vão haver concessões tremendas e o que vamos ver vai ser outra WiiU a nível de suporte, com as empresas a furtarem-se por ser complexo portar para a consola.

      • Bom, vocês que entendem melhor, com essa configuração descrita no rumor o nível gráfico do Switch no modo tablet poderá ser comparável a um PS3?

        • O Xbox 360 e o PS3 tinham mais de 200 Gflops de poder GPU. Pelas specs vazadas, o Switch em modo tablet tem 157 Gflops.
          É bom lembrar que ele possui tecnologia 10 anos mais nova e maior eficiência. Na época do Xbox 360, a ATI divulgava que a eficiência ALU da tecnologia de Shaders unificados que estava estreiando no 360 era de 60%. Ou seja, efetivamente é como se a GPU de 240 gflops teóricos tivesse um rendimento real de 144 gflops.
          Pode parecer estranho, mas para época essa arquitetura da ATI era considerada a mais avançada e tinha superado a NVIDIA que era ainda menos eficiente, o que ajudou a prejudicar mais a imagem do PS3 por que a diferença de potencia entre os consoles não era tão alta mas os resultados práticos mostravam até cortes de efeitos além de resolução entre os jogos de 360 e PS3.

          Eu não sei dizer qual a eficiência da arquitetura de hoje, mas a Microsoft na época de lançamento do Xbox One disse que a GCN tinha sido trabalhada para que a GPU pudesse ser utilizada ao máximo. Então eu acredito que a eficiência deva estar acima de 90%, mas não existe nenhuma declaração ou documento que apoie isso.
          Mas partindo do pressuposto de que por se tratar de uma arquitetura moderna e que usa um API personalizado, a GPU do Switch possa ter uma eficiência de 90%, apoiado por tecnologias que permitem efeitos que não podiam ser reproduzidos em consoles da geração passada, eu acho que mesmo em modo tablet o Switch pode oferecer mais do que 360 e PS3, mas eu tenho dúvidas é sobre quais estúdios que poderiam demonstrar melhor o poder dele. Por exemplo, o Seasons of Heaven está com visuais muito inconsistentes, mas ele vem de um estúdio pequeno que geralmente não em a mão de obra necessária para extrair o máximo de um sistema.
          Mesmo assim, nas partes bem polidas do trailer desse jogo, se aquilo era em tempo real, já mostra algo do nível do final da geração passada. Para um jogo de lançamento, penso que está bom. Mas claro, quando digo isso, é por que já exclui o Switch de qualquer comparação com o One e o PS4. Então estou falando como se ele estivesse nivelado na categoria da geração anterior.

          • Deixa lá a eficiencia. Tens pouco mais de 25 GB/s de largura se banda para CPU e GPU e não tens nenhuma memória video ou auxiliar rápida, apesar de a compressão de dados conseguida aqui ser superior à da 360 (em compensação a qualidade das texturas para 1080p tambem tem de ser superior). Isso quer dizer que podes ter processamento bruto, mas não tens verdadeiramente como acompanhar com alimentação de dados.
            Seja como for, o X1 não é novidade nenhuma. Eu tenho um tablet com o K1 com 365 Gflops e os primeiros núcleos Denver e posso dizer-te que o tablet decepciona em processamento genérico. Graficamente desenrrasca bem, mas o CPU é uma desgraça, e os 15 GB/s de largura de banda que ele tem são pouco.

          • Obrigado Fernando, ótima explicação.

          • Na realidade nem por isso. E vou pedir ao Fernando que comprove o que refere pois não percebo que ele diz.
            Flop = floating point operation, ou operação de virgula flutuante. Quando se anuncia 240 Gflops quer dizer que isso contabiliza a totalidade da capacidade máxima teórica de cálculo.
            Pelo que sei a eficiencia das Alus nunca mudou. O que muda é a eficiencia global da placa.
            No entanto a AMD refere nos seus documentos que a Xenos corre normalmente a 95% de eficiência.
            Fernado, sem dizer que estás errado por favor indica onde leste isso pois tal não parece fazer sentido e há qualquer coisa aí mal explicada.

          • Isso foi algo que eu li em documentos bastante técnicos à anos atrás. Nem sei te dizer em que profundeza da internet eles se encontram hoje.
            E era sobre a eficiência de toda a placa, que era em torno de 60%.
            Se alguma coisa pode ser usada de referência para essa afirmação é aquela outra afirmação do Phil Spencer e que também foi feita por algum Engenheiro da MS que eu não me lembro quem foi de que efetivamente o Xbox One é entre 8 a 10x mais poderoso que o Xbox 360.
            Os números brutos apontam para uma vantagem de 5,45x. Se consideramos a hipotética eficiência de 60% do X360 e 100% no Xbox One, temos um resultado de vantagem de processamento de mais de 9x. Acho que como o sistema tem uma reserva de processamento que ronda a casa dos 4,5% na GPU, acredito que isso bate com aquele controverso painel de que sem a Nuvem o Xbox One era igual a 8 Xbox 360 e com a nuvem era igual a 32…
            Mas esquece a parte da nuvem…
            Bem tudo pode ser marketing, mas os números batem exatamente com o que foi dito.

          • Ahh… isso sim. A eficiencia da placa! Assim tem lógica e terás razão. Mas a Xenos foi inovadora nesse sentido e apresentou uma eficiência de 95% (pelo menos de acordo com a AMD).
            https://www.beyond3d.com/content/articles/4/8
            Agora o certo é que a eficiencia aumenta e o uso de novas instruções optimizadas, compressões de dados e processamento unificado e optimizado fazem com que o rendimento da Switch seja superior ao que seria uma 360 com iguais flops.
            Um pouco como os chips optimizados que com meia dúzia de flops substituem cpus genéricos de grande performance.
            Mais ainda, a capacidade de processar e misturar processamento 16 bits pode melhorar as performances. E para qualidade mobile 16 bits chegam para quase tudo.

          • Hummm… Creio que encontrei o que referes. Eis uma entrevista com o criador do Xenos, o GPU da 360.

            Huddy says that “Rather than separate pixel and vertex pipelines, we’ve created a single unified pipeline that can do both. Providing developers throw instructions at our architecture in the right way, Xenos can run at 100% efficiency all the time, rather than having some pipeline instructions waiting for others.”

            He highlights high-end PC power in comparison, saying that high-end PC chips typically run at between 50% and 60% efficiency

            Estes 100% vi-os depois alterados numa entrevista para 95%. Mas isso não é o que importa agora, o relevante é a referência aos 60%, mas em GPUs PC.

            As arquitecturas não unificadas da altura e a ausência de APIs de baixo nível tinham essa consequência. Mas isso corrigiu-se na Xenos. No entanto a PS3 sofreu um pouco mais com isso! Apesar de teoricamente a performance da RSX ser bastante próxima da da Xenos a sua eficiência não era. E foi isso que foi tramando a PS3 durante muito tempo, obrigando o Cell a colaborar.

  3. Isto é mais uma consola da Nintendo. Não vejo surpresas nas especificações, nada de tecnologia de ponta com tudo mais uma vez a ficar a cargo da Nintendo e do melhor que ela sabe fazer… jogos!

  4. Olhando para essas configurações, chego a crer que o Smach Z será mais interessante!

  5. Alex… a performance divide-se em duas partes. A computação genérica e a gráfica.
    A genérica é a do CPU. Não há como lhe fugir (na realidade há, pelo menos parcialmente, com o GPGPU, mas vamos ignorar isso).
    A outra é a do GPU.
    Se te lembras de umas contas básicas que fiz em tempos, se tens um jogo a 1080p na Xbox One que tem 1,31 Tflops, e queres o mesmo jogo, com a mesma qualidade, numa Scorpio a 4K nativos, dado que 4K é 4x a resolução dos 1080p, o que vais precisar é de 4x 1,31 Tflops, ou seja 5.24 Tflops. Acrescenta-lhe mais um pouco de performance para lidares com texturas melhores, e para poderes levar para 4K igualmente os jogos de 900p e tens 6 Tflops.
    Isto claro, mantendo as capacidades do CPU que até devem melhorar ligeiramente para garantir que não há engasgos!

    Agora podes fazer estas contas em sentido contrário e vês.
    Uma X1 anuncia 512 Gflops de performance em precisão normal. E isso com o GPU a 1 Ghz. Ou seja 1000 Mhz x 256 núcleos x 2 = 512 Gflops!
    Ora se acreditarmos que o CPU é capaz vamos fazer umas contas:
    1080p é 2,1x mais resolução do que 720p.
    Ou seja, a performance em Gflops para fazeres o mesmo jogo a 720p é 623 Gflops (1,31 Tflops/2.1). Ou seja, a Switch não chega lá!

    A questão é que a Switch, a correr às velocidades que a Eurogamer refere, apresenta-te perto de 157 Gflops em modo portátil, e 393 Gflops em modo consola. De forma alguma esta consola corre os jogos da One e muito menos da PS4. Muito menos com apenas perto de 25 GB/s de largura de banda. Isso é mais ou menos o que a PS3 ou a 360 apresentavam!

    Basicamente os números da Switch apontam para uma 360 melhorada! Não é que isso seja uma má consola, mas não deixa de ser algo decepcionante quando vemos ser lançada uma nova consola que supera à justa, e isto em modo consola de mesa, uma consola que possui agora 11 anos de vida.

    Em modo portátil a consola é mais atractiva com a Switch a ser superior a um iPhone 6 (115,2 Gflops), mas inferior a um iPhone 6S (172,8 Gflops).

    • “Isso é mais ou menos o que a PS3 ou a 360 apresentavam!”

      Se antes dizíamos que a Nintendo sempre inaugurava uma nova geração(Wii no PS3/360, wiiU no PS4/One) agora de acordo com a frase acima podemos afirmar que ela ressucita a geração anterior.

    • Mário, vc escreveu uma matéria muito interessante sobre o Smachz, portátil espanhol com configurações de pc, e inclusive na época, vc expôs a sua opinião dizendo que pra ti seria mais interessante do que o switch, pois o Smachz teria computação assíncrona, fora a biblioteca da Steam. Olhando agora pelas configurações da switch. Se de fato confirmar-se, o console portátil Smach continua mais interessante pra ti? E se a eurogamer estiver certo quanto as especificações do switch ( creio que estejam certos) esse Smach Z é mais poderoso do que o switch? Abraços, Mário!!! Parabéns pelo site, pois está cada dia melhor.

      • O problema do Smach Z é ser windows e faltar-lhe o suporte de uma empresa.
        Pode até suportar Vulkan e DX 12, mas e jogos dedicados?
        A nível de hardware é superior, com mais de 800 Gflops… mas se calhar falta-lhe o resto!

        • Entendi! Se pelo menos rodar a biblioteca atual, por mais que rode mais travado, creio que não seja ruim. Mário, como funciona este tecnologia modular rebranded? Alegam que podemos fazer um upgrade no portátil

  6. Os rumores já apontavam que esse Nintendo Switch chegaria equipado com o Nvidia Tegra X1, e isso já era desapontante, uma vez que esse é um SOC projetado para celulares, tablets, não um console moderno. Agora essa notícia da Eurogame indica que o hardware do Switch é ainda pior. Como já foi citado, é praticamente um Xbox 360 de 2005, ligeiramente melhorado. O Xbox 360 ainda é um console muito bom, entretanto o que se espera é que naturalmente o hardware vá melhorando com o passar do tempo, mas esse não é o caso da Nintendo. Contudo como portátil vai ser interessante e divertido.

  7. o problema mario e que isso ja era de se esperar desde o inicio, apenas pessoas com pouca visao nao pode perceber, um Soc de tablet pode trabalhar a um maximo de 15w, como comparar ao dos atuais consles que mesmo com 16nm usam cerca de 5-6x isso de ernegia. o tegra x1 da nvidea e capaz em todo seu poder 512gflops, o tegra x2(pascal) e especulado o seu maximo em 750tflops, entao mesmo que a nintendo usar a melhor gpu portatil existente hj em seu maximo, ainda seria ruim em comparacao com os atuais consoles, e nessa situacao deste rumor o switch basicamente se transforma em um wiiu portatil.
    e mais ele so e um topo portatil esse ano pois a adreno do snapdragon 821 ja faz 520gflops e provavelmente o 830 fara ainda mais.

  8. Mas Mário a memória do Switch não é “Tile-based rendering” isso não pode resolver o problema na largura de banda do console?

Os comentarios estao fechados.