Vamos falar de futebol

Hoje vamos fugir um pouco ao tema habitual. Mas e daí… talvez não!

Há um caso curioso no Turkistão. O Sal-al-maleke, um clube local, está com uma polêmica curiosa entre mãos. Deixem-me explicar!

Este clube de futebol resolveu começar a vender lugares cativos aos seus sócios. Dado que os sócios pagantes estavam a decair, a ideia era vender os lugares a um preço interessante e chamar as pessoas para o estádio para o clube ganhar uns trocos extras pois as pessoas estavam a refugiar-se nos jogos que passavam na TV.

A coisa até correu bem devido aos preços praticados, mas igualmente devido a um extra. Alguns dos jogos do clube passaram a ser exclusivos dos pagantes dos lugares cativos. Não era assim possível ver-se os mesmos a não ser que se tivesse o lugar cativo comprado e a mensalidade das quotas em dias.

Naturalmente os assinantes de TV podiam ver os restantes jogos, tal como quem tinha lugar no estádio. Mas os exclusivos, esses não!



Ora a situação resultou. E muitos lugares cativos foram vendidos criando receita com a venda de lugares, mas a receita subiu igualmente com o pagamento das quotas.

No entanto nem todos os simpatizantes aderiram. Alguns referiam que a vantagem era a possibilidade de a um preço baixo se ter uma experiência melhorada face à de casa, com a vivência do estadio. Mas outros alegavam que a experiência caseira era mais luxuosa e confortável, sem problemas de frio, chuva e outras.

Mas esta dualidade de ideias nem é a que nos interessa. O que interessa é que de um momento para o outro o Sal-al-maleke resolveu acabar com os exclusivos para os lugares cativos, alargando-a aos espectadores de TV em pay per view.

Curiosamente, e apesar de haver sistemas de satélite e descodificadores de sinal perfeitamente capazes e com custo pouco superior ao dos lugares cativos, o sal-al-maleke obriga a que se use uma antena + descodificador cujo custo é mais do triplo do custo do lugar cativo.



Naturalmente a situação criou uma confusão tremenda.

Há utilizadores de TV que já tinham esses aparelhos que referem que isto só tem vantagens.
Há utilizadores de TV que possuem aparelhos perfeitamente capazes e mais econômicos que se sentem excluídos e estão decepcionados com o sal-al-maleke.
Há sócios com lugar no estádio que estão revoltados por perderem os exclusivos e por terem de pagar as quotas ao passo que os utilizadores TV tem acesso aos jogos gratuitamente.
Há sócios com lugar no estádio que não veem desvantagens nisto achando que isto em nada vai prejudicar a venda de lugares e que as suas vantagens continuam todas lá.
Mas o pior parecem ser os sócios com lugar que já possuíam uma antena e descodificador com as características necessárias. Esses alegam que compraram os lugares pelos exclusivos e que com esta situação não tem qualquer motivo para ter o lugar, sentindo-se enganados com a publicidade aos exclusivos feita que, mesmo não se perdendo esses jogos, dava a entender uma realidade diferente da existente.

Sinceramente é um caso curioso…

E vocês o que acham? Conhecem o Sal-al-maleke? Se fossem sócios como se sentiriam? E expectadores de TV?
Perante esta situação certamente o Sal-al-maleke irá vender e lucrar mais com os jogo, mas será que isso vai ser bom ou mau para a venda de lugares?

Há certamente aqui situações para todos os gostos…

PS: Para quem ainda não entendeu, esta situação reflete um paralelo fictício com o sucedido com a Microsoft, a sua Xbox One e o pagamento do Live Gold, a perda dos exclusivos para o PC, e os elevados requisitos necessários no PC para esses jogos quando face ao DirectX 12 não deveriam ser assim tão altos!

PS2: Dentro de dias iremos elencar algumas vantagens da unificação que a Microsoft anunciou!

 

 

 

 



Posts Relacionados