Vendas mostram que a geração está em queda. Mas a Microsoft ressente-se bastante mais do que a Sony

0 0 votes
Avalie o nosso artigo

O final da geração está à vista, com as vendas a mostrarem que os picos já foram atingidos, e consequentemente, quebras de vendas. Mas a realidade é que se isso afecta tanto Sony e Microsoft, cujas consolas foram lançadas ao mesmo tempo, a Microsoft está a sofrer bastante mais (mas mesmo bastante mais). E nem a oferta de serviços como o Gamepass alteram essa realidade.

Sony e Microsoft lançaram os seus relatórios fiscais para o primeiro quarto fiscal de 2019, e quarto quarto fiscal de 2019, respectivamente, e que dizem respeito ao período da Sony que engloba os meses de Abril, Maio e Junho de 2019.

Estes resultados, associados aos dois últimos relatórios anteriores, permitem-nos ver a performance de vendas de ambas as empresas desde 1 de Outubro de 2018, até 31 de Junho de 2019.

Recordemos que a Microsoft não revela números de consolas vendidas, apesar de relevar diferenciais de percentagens de vendas face a igual período do ano anterior. Daí que será por aí que vamos comparar as performances.

Seja como for, temos de referir que a estimativa actual é que a PS4 tenha 2,3 vezes mais mercado que a Xbox, algo que tem de ser tomado em conta por dois motivos:



  • Pelo facto que uma quebra de vendas percentagem igual implica uma descida superior em número de consolas vendidas para o lado da Sony.
  • Pelo facto que, em igual caso ao anterior, e apesar da descida em número de consolas ser superior para o lado da Sony, a situação tem muito mais impacto do lado da Microsoft, pelo facto que o seu mercado é 2.3x inferior.

E estas duas realidades devem ser tomadas em conta.

Vamos então ver o que aconteceu no período de Outubro, Novembro e Dezembro de 2018.

Outubro, Novembro, Dezembro de 2018

A Sony anunciou que o número de consolas vendidas, face a igual período do ano anterior, desceu dos 9 milhões de consolas vendidas, para os 8.1 milhões de consolas vendidas.

Quebra da Sony – 10%

A Microsoft é mais directa e o seu relatório para o Q2 de 2019 dá-nos directamente esse número. 19% de quebra na receita de vendas de consolas.



Quebra da Microsoft – 19%

A quebra de vendas da Microsoft neste período foi quase dupla da da Sony. O Gamepass e o facto de possuir a consola mais poderosa, a Xbox One X, não impediram essa realidade, não tendo cativado mais interessados do que a consola da Sony.

Janeiro, Fevereiro e Março de 2019

Mais uma vez podemos olhar para as vendas de consolas da Sony e tirar a quebra em percentagem. Assim a Sony vendeu 2.6 milhões de consolas face a 2.5 milhões no mesmo período do ano anterior. As vendas, e consequentemente as receitas da Sony aumentaram neste período.

Aumento da Sony +4%



A Microsoft é mais uma vez directa, e este valor até já foi abordado em outro artigo. A quebra de receitas de vendas de consolas foi de 33%

Quebra da Microsoft – 33%

Basicamente se a diferença nas quebras das receitas verificadas no período anterior tinha sido de 9%, aqui ela sobe para os 37%.

Abril, Maio e Junho de 2019

Os números da Sony foram divulgados e a marca afirma ter vendido 3.2 milhões de consolas. Isto é exactamente o mesmo número de consolas vendidas no mesmo período do ano anterior. Curiosamente, e não percebendo o porquê (menos promoções?), as receitas na venda do hardware subiram 2.7% face ao mesmo período do ano anterior.



A consola atinge assim o valor histórico de 100 milhões de unidades vendidas, e em tempo recorde, batendo a PS2 por 2 meses.

Sony – Sem alteração no número de vendas = 0%

Mais uma vez, directo do seu relatório e contas, as quebras com receitas de vendas da Microsoft foi de 48%

Quebra da Microsoft – 48%

Conclusões



Como se pode ver, a Sony vendeu menos 900 mil consolas em Outubro, Novembro e Dezembro de 2018, mas vendeu mais 1 milhão de consolas em Janeiro, Fevereiro e Março de 2019, vendendo o mesmo no período de Abril, Maio e Junho de 2019.

No global a Sony encerra este período desde Outubro de 2018 até fim de Junho de 2019 com um lucro positivo de mais 100 mil consolas vendidas, o que apesar do crescimento é uma quebra grande face ao que se verificava nos anos anteriores, mostrando uma desaceleração das vendas.

Onde a proximidade da nova geração é mais notória é no decréscimo anunciado pela Sony das consola despachadas para as lojas.

Quanto à Microsoft não conseguimos ser tão precisos pois não há números de venda, mas sabendo-se que as vendas globais são 2.3 vezes inferiores às das PS4, as quebras de 19%, 33% e 48% mostram-se enormemente significativas. A consola está a cair tremendamente em vendas e nem serviços como o Gamepass parecem estar a servir de atractivo para as mesmas aumentarem, ou pelo menos estabilizarem.

A Xbox One X, a consola mais potente do mercado, também não mostra estar a ser um argumento para estabilizar as vendas, apesar de podermos especular que se ela não existisse as quebras seriam ainda maiores.



O fascinante é ver que a PS4, apesar de tudo, se aguenta ainda muito bem, mostrando que a consola é de facto a escolha da geração, algo que, de forma espectável, deverá passar para as vendas da futura geração (mas sobre isso há muitos factores que podem alterar a situação pelo que é prematuro dizer muito).

Eis uma tabela com os valores de vendas que demonstram isso e onde de forma clara não vemos quebras nas vendas ao nível do que a Xbox tem apresentado.

Fonte: Relatórios públicos de ambas as empresas

Nota final (acrescentada após publicação do artigo): As estimativas de venda mundial para o mês de Julho mostram a desaceleração/estagnação das vendas das consolas de mesa da Sony e Microsoft.



Assim. A Switch lidera com 215 210 unidades vendidas, seguida da PS4 com 180 383 unidades. A Xbox aparece em terceiro mostrando uma enorme desaceleração e apenas 42 650 unidades vendidas em todo o mundo.

Fonte



error: Conteúdo protegido