Xbox One Scorpio – Veneno em estado puro

A revelação das especificações da futura Scorpio da Microsoft deram a conhecer o que faltava sobre a mesma. E se na Xbox One a Microsoft espalhou-se por completo, a Scorpio é uma obra de arte de engenharia

Começemos por simplificar todo este artigo dizendo: Estou impressionado!

A Microsoft esmerou-se com a Scorpio, e agora sim vemos na sua nova consola aquilo que sempre acreditamos que a Microsoft poderia fazer.

A Microsoft conseguiu aqui um feito deveras notável. Conseguiu espremer duas tecnologias já consideradas obsoletas, criado uma consola de meio de geração que, na realidade, acaba por ser muito mais do que isso. E para que não interpretem mal aquilo que é dito, explica-se já: A Scorpio é uma consola que, dependendo do preço… justifica plenamente a sua compra.

É muito, mas muito mais do que é a PS4 Pro. Se a PS4 Pro é basicamente uma PS4 capaz de atingir 4K, a Scorpio é verdadeiramente uma consola de meio de geração. Uma consola pensada para um dia poder vir a ser uma base para a futura geração, tal e qual a Xbox One se situa agora. É por isso um investimento bem melhor que uma PS4 Pro.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Para percebermos isso, bem como muitas das escolhas da Microsoft, nada como começarmos pelas especificações, comparando a consola com Xbox Base, e já agora, com a PS4 Pro:

Project Scorpio Xbox One PS4 Pro
CPU Oito núcleos Jaguar x86 customizados x86 a 2.3GHz  Oito núcleos Jaguar customizados a 1.75GHz Oito núcleos  Jaguar customizados a 2.1GHz
GPU 40 unidades de computação customizadas a 1172MHz 12 unidades de computação GCN a 853MHz (Xbox One S: 914MHz) 36 unidades de computação GCN a 911MHz
Memory 12GB GDDR5 8GB DDR3/32MB ESRAM 8GB GDDR5
Memory Bandwidth 326GB/s DDR3: 68GB/s, ESRAM com max. 204GB/s (Xbox One S: 219GB/s) 218GB/s
Hard Drive 1TB 2.5-polegadas 500GB/1TB/2TB 2.5-polegadas 1TB 2.5-polegadas
Optical Drive 4K UHD Blu-ray Blu-ray (Xbox One S: 4K UHD) Blu-ray

Basicamente olhando para a Project Scorpio e a PS4 Pro vemos enormes semelhanças. O CPU é o mesmo mas com uma diferença de 200 Mhz de velocidade a favor da Microsoft. O mesmo se passa com o GPU, ambos Polaris, sendo que o da Sony apresenta 36 unidades de computação a 911 Mhz, mas o da Microsoft, numa surpresa inesperada, supera o limite do Polaris, apresentando 40 unidades de computação (o Polaris genérico está limitado a 36 unidades), sendo que há ainda 4 unidades adicionais desligadas por defeito para melhor aproveitamento de fabrico. Certamente aqui temos uma unidade algo híbrida, já com muita tecnologia Vega aqui incorporada, o que é demonstrado pelo facto de o GPU correr a 1172 Mhz, o que é apenas apenas 94 Mhz a menos que o máximo da arquitectura Polaris, e uma velocidade de relógio nada comum de ser vista em consolas. Isto é conseguido com refrigeração liquida (uma arquitectura de refrigeração que a Microsoft denomina de Vapor Chamber), um sistema de ventilação centrifuga, e uma gestão dinâmica dos consumos do sistema, com variação das velocidades de relógio conforme as necessidades.

Impressionante e inovador.

Basicamente o que temos aqui é a mesma história do passado, onde claramente ambas as empresas voltaram a apostar nas mesmas arquitecturas, mas desta vez, nas consolas de meio de geração, foi a Microsoft quem levou a melhor a nível de performance, e diga-se mesmo, em todos os restantes aspectos.

No entanto é de notar que muitas das escolhas da Microsoft acabaram por ser forçadas, sendo que à partida seriam mesmo consideradas desnecessárias face ao que estas consolas de meio de geração pretendem oferecer. Um dos casos é a escolha da GDDR5 com uma largura de banda de 326 GB/s, uma largura de banda que para jogos Xbox One 4K se revela excessiva, mas que acaba por ser uma consequência do que foi apresentado no hardware da Xbox One. É que apesar de na prática não podermos somar as larguras de banda da Xbox One uma vez que o GPU ou trabalha com a DDR3 ou com a eSRAM, o facto é que o CPU pode estar a aceder à eSRAM e o GPU à DDR3, o que cria usos onde as larguras de banda acabam por ser efectivamente cumulativas. E nesse sentido, qualquer consola da Microsoft necessitaria sempre de 272 (204+68) GB/s (ou 288 GB/s se usarmos os valores da One S como referência para o uso do HDR), valor ao qual teriamos de aumentar um pouco mais para aguentar com as transferências de texturas de maior qualidade que possam ser usadas nas resoluções 4K. E eis que surgem os 326 GB/s!

Por outras palavras, esta largura de banda acaba por ser consequência das imposições criadas pela consola base, e não uma verdadeira necessidade para esta resolução. No entanto, pelo que foi anunciado, a Microsoft planeia utilizar o que tem, melhorando o anisotropic filtering para 16x nos jogos Xbox One e Xbox 360, aproveitando ao máximo o facto desta largura de banda estar lá.

Dentro desta apresentação houve várias surpresas. A primeira já a referimos e foi a escolha de uma arquitectura Polaris! A Microsoft deu-se ao trabalho de alterar os limites da arquitectura de forma a conseguir as performances desejadas, e isso acabou por ser uma boa coisa uma vez que tal desce tremendamente o custo da consola, permitindo assim tornar a mesma competitiva.

A outra surpresa foi a manutenção do Jaguar. A Microsoft alterou-o permitindo superar a sua velocidade máxima (2.2 Ghz), e acima de tudo diminuir a sua dissipação térmica que nessa velocidade já era pura e simplesmente gigante. Tal é feito em parte com a ajuda de alguns hardware auxiliar que removerá algumas tarefas do CPU que, apesar de manter a velocidade de relógio, fica assim impedido de sobrecarregar-se com trabalho, evitando aquecimentos excessivos, e tornando o Jaguar da consola num processador com uma capacidade inédita na sua arquitectura. É realmente um trabalho digno de elogios por parte da Microsoft.

Sem dúvida, toda a estrutura da consola foi algo muito bem pensado pela Microsoft, uma vez que precisava de ir acima dos valores máximos do CPU de forma a conseguir um aumento de performance semelhante ao que a PS4 Pro oferece face à PS4. Neste caso, apenas pela velocidade de relógio são 31% de ganho face ao CPU da Xbox One, que deverão traduzir-se em mais, diria mesmo muito mais, graças ao hardware auxiliar que substitui partes do CPU.

Depois há uma série de outras melhorias em parte “copiadas” do hardware da PS4, como a diminuição das latências entre o CPU e o GPU, e melhorias na comunicação entre os dois, com descidas da sobrecarga criada pelos comandos de desenho, no CPU. O resultado final é que a consola consegue executar Forza 6 (sim, era uma tech demo de Forza 6 não Forza 7), com um nível de detalhe equivalente ao da Xbox O e, a 4K, 60 fps, com um uso de recursos do GPU de apenas 66%, sendo que a Xbox One usa 90% dos seus recursos para correr o jogos a 1080p 60 fps. Numa conversão directa, 4K usa 4 vezes mais recursos, ou 5.2 Tflops, o que quer dizer que teoricamente este jogo deveria usar pelo menos 78% dos recursos da Scorpio, o que não acontece, e demonstra que este hardware possui pelo menos perto de 22% de ganhos adicionais não directamente mensuráveis. E isto nesta fase inicial, o que quer dizer que em termos comparativos face ao rendimento da Xbox One, esta consola seria, em medidas equivalentes, algo superior aos 7 Tflops, e face às optimizações já existentes numa Xbox One face a um PC, seria ainda necessário um valor ainda um pouco maior neste último. Com um nível de detalhe equivalente ao Ultra dos PCs, a Scorpio gasta 88% dos seus recursos do GPU.

Publicidade
Aproveite o código de descontos PCManias
Casetips

Retomando o nosso artigo

Sem dúvida que este consola é uma proeza técnica, e um espremer de tecnologias fantástico. Não é de admirar que a Microsoft tenha demorado mais tempo na sua criação, apesar de a mesma usar as mesmíssimas tecnologias da PS4 Pro.

Mas agora que falamos do bom, falemos do menos bom!

O que ficou aquém do esperado nesta consola?

Bem, muitos poderiam dizer que a ausência de um CPU Ryzen ou de um GPU Vega são decepções. Mas aqui na PCManias discordamos disso! Isso seria bom para uma consola de nova geração, mas não para este tipo de consola que dessa forma perderia toda a ligação com o hardware da Xbox One. O conceito da consola é o mesmo da PS4 Pro, e esse hardware com esta mesma performance não traria nada de novo para a mesa, excepto um tremendo acréscimo no preço. E nesse aspecto achamos que a Microsoft não só fez as escolhas acertadas, como fez mesmo as melhores escolhas possíveis. Repito… estou impressionado!

Publicidade
Aproveite o código de descontos PCManias
Casetips

Retomando o nosso artigo

Mas um ponto que imediatamente decepciona na consola é… o HDMI 2.0.

Mesmo mantendo o HDMI In e o HDMI Out é certo que nesta fase a Microsoft não poderia ainda incluir um HDMI 2.1, mas não pensamos que fosse ser já anunciado o HDMI 2.0. É certo que esta versão do HDMI pode ser atualizada posteriormente com funções do 2.1, como os refrescamentos de ecrã variáveis que sabemos que a consola suportará, mas mesmo assim, a lacuna de um hardware puro HDMI 2.1 impede esta consola de ser 4K nativos. Tanta publicidade a esta característica, e afinal, o que vamos ter não é mais do que um sinal YUV 4:2:2, onde a resolução da imagem em pixels é efectivamente 4K, mas a informação de cor é dada a 1920*2160, o que implica que cada conjunto de 2 pixels vai partilhar a mesma cor.

E tendo a consola esta limitação, as diferenças entre o que ela apresentará e os 4K obtidos por checkerboard rendering na PS4 Pro esbatem-se ainda mais. Daí que este pode acabar por ser um ponto a jogar contra a Microsoft uma vez que a consola da Sony sairá claramente mais barata a produzir, e poderá assim competir a nível de preço, com as diferenças visuais a saírem esbatidas.

Esta situação do HDMI é uma limitação das TVs 4K atuais que explicamos neste artigo, e um dos motivos pelos quais não recomendavamos ainda a compra de Tvs 4K. Acreditavamos que a Scorpio seria a primeira consola com um HDMI 2.1, mas infelizmente… não é o caso.

Outro ponto negativo prende-se com o número de ROPS adoptado. Um dos pontos fracos da Xbox One era o número de rops (16), que criava problemas quando o uso de shaders mais complexos limitando aquilo que a consola poderia fazer. A PS4 possuia 32 e a PS4 Pro duplicou isso para 64. Já a Scorpio apenas duplicou o número da Xbox, ficando com 32! Não é que isto esteja a ser verdadeiramente problemático na Xbox One, e certamente não o deverá ser na Scorpio, mas de certa forma poderá limitar um pouco a consola no que toca a futuros títulos e limitar a qualidade dos shaders face ao oferecido pela PS4 Pro.

Torna-se claro s que a Scorpio foi criada à medida de levar os jogos da Xbox One aos 4K, mas curiosamente a consola está criada exactamente para isso, não tendo performance adicional que consiga fazer o mesmo com jogos com a qualidade apresentada pela PS4 (que para 4K nativos requereriam 8 Tflops). Aliás, nos jogos 720p da Xbox One, a Scorpio não terá performance para os levar a 4K, motivo pelo qual a consola implementa tambem um checkerboard rendering semelhante ao da PS4, para ser aplicado aos jogos Xbox One nessa resolução.

Mas seja como for, o que nos fascina na Scorpio não é as capacidades 4K. Afinal esse é um mercado extremamente reduzido e que não terá representatividade real nos próximos anos, mas sim o que este hardware, sem limitações reais face à Xbox One, pode vir a apresentar no futuro a 1080p.

É certo que nesta fase a Scorpio deverá limitar-se a apresentar jogos Xbox One a 4K, com ganhos reduzidos a 1080p (por meras políticas restritivas que se acredita venham a existir dada a disparidade do hardware), mas um dia mais tarde, com uma nova consola no mercado, e passando a Scorpio para base, ela possui capacidades para levar os jogos 1080p a um novo nível. E isso é algo que a PS4 Pro não oferece uma vez que os seus gargalos são em tudo semelhantes aos da PS4.

Esta é verdadeiramente uma consola de meio de geração. Uma consola que pode fazer a transição entre duas gerações de forma adequada. Algo que a PS4 Pro se propôs, mas que não demonstra verdadeiramente ser…

Termino pedindo desculpas por não abordar toda a temática da Scorpio de forma mais elaborada, sendo que acredito que me tenham passado muitas coisas por abordar, tendo falhado especialmente nas imagens para ilustrar este artigo. Mas infelizmente a revelação apanhou-me numa altura má, onde não tenho verdadeiramente tempo para elaborar um artigo com mais pormenor.

Seja como for, fica a ideia geral. A Scorpio impressiona. É veneno no estado puro, e marca a volta da Microsoft ao topo. Aqui, a consola foi certamente muito bem pensada, devendo eventualmente ser vendida com um custo que poderá surpreender.

E perante o que vejo, apesar de nunca ter ponderado uma PS4 Pro, poderei ponderar uma Scorpio. Mas agora a Microsoft tem de acompanhar é o hardware com o software, pois a nível de jogos, a situação da Xbox One face á PS4 é penosa. E isso comprovaremos com um novo artigo que sairá amanhã.

Fonte: Artigos e vídeos Eurogamer

Publicidade

Readers Comments (63)

  1. Também estou bastante impressionado. Será capaz de reproduzir som dolby atmos de raiz, será realmente uma verdadeira máquina 4k. Mas lá está o senão do HDMI 2.0, sempre pensei que apostassem no 2.1. Mário estava a pensar comprar uma LG OLED B6v, mas também já pensei manter a que tenho actualmente, mesmo que venha a adquirir a Scorpio, aguento mais uns tempos até sair uma TV com HDMI 2.1. Ter a Scorpio e não ter uma TV 4k será doloroso lol. Gostaria de ter a tua opinião. Obrigado. Abraço.

  2. De fato um aparelho sensacional. Queria saber a opinião do Mark Cerny a respeito da engenharia da Microsoft (lol) kkk. Resta agora ver o preço.
    Tomara que na E3 apresentem novidades em jogos, se não for pedir muito.
    Parabéns pelo artigo Mário, (sempre aguardo sua opinião pois tem mostrado bastante caráter nas suas análises, não sendo como boa parte dos “vendidos” da mídia) tem algumas informações que eu desconhecia como essa dos ROPs.
    Depois da divulgação da Digital Foundry, eu mandei um tweet estúpido ao Phil Spencer com a ironia; “Another day, Another Jaguar”. Mas analisando bem, o que fizeram foi realmente incrível. Devo me retratar.

  3. Ennio Rafael Costa Lima 8 de Abril de 2017 @ 11:39

    Simplificando: o Scorpion é um PS 4 Pro melhorado, mas sem jogos exclusivos. Passo. como dizem pela net PC Wins.

    • Por isso que ele é de meio de geração.Ah! Qual exclusivo o ps4 pro teve?

    • PC sempre vai ser wins não é de jogo, mas compa lá PC que roda 4k 60 FPS!
      Porque Adrenaline vive mostrando PC baratinho que roda gears of war no low custando mais caro do que Xbox One base.
      Só mais uma coisa, 1% dos jogadores da steam jogam em 4k.

      Parabéns pelo artigo técnico Mário.

    • Discordo Ennio, montar um PC pra rodar Forza Motorsport em 4k 60 FPS provavelmente será mais caro que o Scorpio (Assim imagino)
      E tal otimização irá se estender a muitos outros títulos.
      No PC tudo é sempre um parto, as vezes até quando se tem uma besta como a GTX 1080.

  4. O problema dos PCs Alex é a otimização. Com o Scorpio vc teria um console capaz de rodar tudo na melhor resolução sem dar as dores de cabeça que um PC dá, mas o PC tb é de muito valia.

    • Edson é porque ele deve ter lido o comentário do artigo ridículo.
      https://jogos.uol.com.br/ultimas-noticias/2017/04/07/scorpio-pode-virar-o-jogo-para-o-xbox-one-especialistas-divergem.htm
      Onde esse jornalista não tem Xbox One, onde esse mesmo Jornalista mostrou o dedo do meio para Xbox one aqui esta a prova https://www.youtube.com/watch?v=cHY1Sd7nLBA&t=796s onde esse mesmo jornalista não disse nada de jogos quando Ps4 pro foi lançado…
      E ainda nesse artigo tem uma hora que ele fala qualquer um pode sair de casa e montar um PC melhor que o Scorpio.
      Caramba qualquer um, então é fácil ter um PC que roda 4k 60 FPS, é esse tipo de jornalismo que existe no Brasil.
      Porém foi massacrado nos comentários, e fechou até facebook pessoal porque não aguentou as verdades…

      Vende seu Xbox depois me fala quanto você gastou para montar um PC que tem desempenho melhor que o Scorpio.
      Ou vai montar PC pra jogar no low

      • Rodolfo… para falares de artigos de outras páginas, vais para outras páginas sff.
        Quanto ao que referes, um PC é mais caro sim, mas tambem é melhor. Coloca cada macaco no seu galho.
        Atualmente montas já PCs com o mais do dobro da performance da Scorpio.
        Depois é uma questão de escolha. Quem pode pagar melhor, compra melhor. É como os carros, podes ter marcas com carros muito bons e boas performances que batem tudo na relação qualidade preço. Mas não são ferraris e para esses tens de pagar.

    • Alex, otimização é com relação a todos os games em geral, não somente nos exclusivos, exemplo maior é o Xbox one, console de 1.3 tflop capaz de rodarem games que PCs bem mais poderosos não rodariam com a msm qualidade, leveza. Os games na steam são mais baratos, mas as promoções do one e os serviços valem a pena. Quanto aos games do Xbox 360, eles estão apenas sendo emulados, algo louvável, mas no scorpio rodarão com resoluções maiores.

  5. Realmente estou impressionado com o Scorpio, uma bela evolução de engenharia face o ps4 Pro. Mário em relação as TVs 4k,sei que ainda não é o momento ideal, mas tem dois modelos com ótimos comentários positivos a KS 7000 dá Samsung e a LG OLED B6. O que acha desses aparelhos?

  6. Pra mim a mensagem é clara: eles estão dispostos a continuar firmes e fortes no mercado de videogames, investindo muita grana em pesquisa e tecnologia pra desenvolver cada vez mais o mercado.

    Pra quem dizia que a M$ ia vender a divisão, ou sair do mercado de consoles, o Project Scorpio está aí pra mostrar justamente o contrário, mostrando quais são as ambições da M$ daqui pra frente.

    Fiquei entusiasmado com o que mostraram, pois consegue ser um salto de qualidade em todos os níveis em relação ao que tenho no Xbox One, mas mantendo compatibilidade com meus jogos e acessórios, jogos cross plataform, etc, o que me permite fazer uma migração tranquila e sem neurose de “geração”.

    Ademais, estou ansioso pela E3, confiante que vão mostrar conteúdo interessante e de alto nível para o 2 semestre desde ano e ano que vem.

  7. O problema é que a Microsoft tá achando que apenas ter o melhor hardware vai fazer ela vender mais, basta ver o exemplo da gigante diferença nas vendas do Playstation 4 normal para o PRO, na minha opinião, a grande maioria não está nem aí pra 4K, e outra, eu to achando que tão dando muita importancia pra essa Digital Foundry, e na cabeça de muitos o Playstation vende mais que o Xbox por causa que é mais potente, o que vende console é sua biblioteca de jogos, e é nisso que a Microsoft precisa se concentrar, como eu li não lembro onde, o Xbox não precisa de mais teraflops, precisa é de mais jogos

    • Estou animado com o Scorpio, mas num mundo ideal o Xbox One iria até 2019 sem nenhum irmão maior. Eu tive um e sinceramente, não vejo diferença significativa entre ele e o PS4. Só a biblioteca da Sony que me agrada muito mais. Eu quero jogar em 4k, tive essa experiência e me apaixonei. Sinto muito é que muita gente não irá conseguir acompanhar.

      • Mas então Carlos, meu medo é que a Microsoft ache que apenas o hardware poderoso vai ser suficiente, ela precisa urgentemente mudar sua politica de estudios first party, ela tá perdendo inclusive o bom relacionamento que sempre teve com os desenvolvedores, os games de Xbox não vendem, exclusivo ou não, na minha humilde opinião, o Xbox está perdendo sua relevancia no mercado

        • Sim, é perceptível. Aqui na cidade não sei quem tem a popularidade mais baixa, se o Temer ou o Xbox One… Brincadeira a parte, me preocupa também pois não vemos movimento da MS, e mesmo quando tentaram algo saiu Quantum break da vida, só vejo o limbo. Esperança é que na E3 surpreendam, mas até o fato de diminuir o estande deles é muito chato e cria um ar de que eles não estão nem aí.
          PS; não tem nem rumor de nada

        • Ela já pode ter mudado a política dos estudios First, mas você não verá isso tão cedo a não ser que eles queiram falar agora sobre jogos que só jogaremos em 2019.
          Eu acho que o Scorpio é muito estratégico para a MS com a estratégia de Marketing. Se os outros rumores do Jez Corden também se concretizarem, a Microsoft vao ter publicidade de 3 grandes System Sellers rodando melhor no Scorpio, Call of Duty, Batlefront 2 e Red Dead Redemption 2.
          Da mesma forma que ela perdeu a publicidade de Call of Duty para o PS4, ela pode recuperar para o Scorpio e ainda ganhar outros games. O CEO da Gamestop por exemploja informou que a procura pelo Scorpio está em um nível muito alto e o público já sinaliza considerar 500, dólares um valor justo pelo que a máquina entrega. Ter a publicidade desses games fará um estouro pelo menos no mercado norte Americano.

          • Tomara que tenha mudado sim, eu gosto muito do Xbox, tenho todos aqui, e pra quem se acostumou com o suporte dado ao 360 pela Microsoft, não pode e não deve se conformar com o suporte dado pela mesma ao ONE, eu tenho o meu aqui day one edition, e não é porcaria de gamertag que vai dizer se eu tenho ou não o direito de reclamar, tudo que a Microsoft conquistou com o 360(pra mim o melhor console já lançado de todos os tempos) ela jogou fora com o One, e não estou aqui dizendo que ele é um console ruim, muito pelo contrario, mas o suporte dado a ele pela Microsoft está muito abaixo do que o que foi dado ao 360, e enxergar isso é muito diferente de ser fanboy, coisa que jamais fui

          • Não podia concordar mais, Molina.

          • Se as pessoas passam uma imagem que pagariam 500 a consola, se esta puder ser mais barata, vai na mesma custar 500, se passam a imagem que pagariam 600, ela custará 600.
            As pessoas precisam é de se calar deixando a Microsoft colocar de forma livre o preço de acordo com os seus custos pois dando pistas que podem pagar determinados valores, acabam é por dar pistas que podem subir o preço e não ser boas para si mesmas.

    • Quem fala em vendas é a mídia, quem fala que o Xbox Scorpio vai ser lançado para vender mais é a mídia.
      Se somente as vendas fossem o objetivo não iria lançar um console premium.
      Pega alguma fala de alguém de dentro da MS e mostra o link deles falando que o objetivo são ultrapassar as vendas do PS4.

      Discordo também que jogos exclusivos é o principal fator de vender mais consoles, se fosse assim Nintendo seria campeã em vendas, porém do mesmo jeito que você não tem provas que exclusivos é o principal fator eu também não tenho para dizer que não.
      Porém acredito que exclusivos que não vende nem 5% da base instalada não seja o maior fator.
      Pode dar lucro com a quantidade de vendas isso eu acredito do mesmo jeito que Xbox One da lucros vendendo a metade.

      E como sempre só fala que o Xbox One não tem jogos quem não tem o console ou quem não joga.
      200 jogos estão entrando em promoção que isso https://www.youtube.com/watch?v=BTKL7mRB8qQ e olha que não tem jogos imagina se tivesse.

      E claro sempre quem fala que Xbox One não tem jogos esconde a gmaertag fracassada primeiramente porque nem deve ter Xbox One e segundo se tiver não jogou nem os jogos que tem e vai na onda mais o Xbox está morto MS vai vender a divisão…

      Playstation é uma marca muito forte na Europa, Japão até na América hoje em dia é mais forte.
      Xbox 360 com menos da metade de exclusivos do Ps3 vendeu praticamente a mesma coisa, somente com América do Norte e termos de jogos vendeu mais.
      A memoria é curta das pessoas fazer o que…

      Mário se meu comentário continuar ficar de fora me avisa, porque paro de escrever, não estou ofendendo ninguém.

      • Eu vou deixar entrar este comentário, mas mais uma vez ele está cheio de imprecisões.
        E vais-me desculpar, mas vou dizer-te o que já devia ter dito pois tu insistes em pintar uma manta que distorce a realidade dos factos.
        Não podes, só porque te convêm negar que os exclusivos vendem consolas, especialmente numa altura onde se não fossem por eles quando as consolas foram lançadas o que tinhas era a mais fraca a custar mais 100 euros. E se ela vendeu foi pelos exclusivos e/ou perspectiva de títulos exclusivos.
        Não tenhas dúvidas que se a WiiU vendeu 16 milhões foi pelos exclusivos. Porque pelos multi não foi, até porque a consola deixou de os ter.
        Não percebo esta obcessão doentia por esconder as realidades das coisas.
        O artigo de amanhã vai mostrar fatualmente a realidade da One a nível de suporte retalho de exclusivos, sabes, aquela que as pessoas se apercebem quando entram nas lojas, e diga-se não é bonita.
        O suporte que a consola está a ter a nível de exclusivos no retalho é o pior dos últimos 13 anos, e fica bem abaixo do suporte que a Microsoft deu à Xbox 360 e que tanto sucesso lhe trouxe.
        Para ti o facto de a Xbox não vender como a PS4 deve-se certamente ao facto de as pessoas serem pouco inteligentes, pois na tua boca tudo está bem e a One está no paraiso. Mas não está, está mal… está a um nível como já não viamos à mais de 13 anos. E bastava olhares para os tops de vendas para perceber que na Switch os mais vendidos atualmente são exclusivos de 85% para cima, na PS4 ainda são ainda mais exclusivos e igualmente de 85% para cima, quando na One são multis e de pouco mais de 70% no Metacritic (porque exclusivos novos… não há)
        E tu, que te dizes apaixonado pela consola, em vez de veres isso e lutar por uma consola melhor, o que fazes? Pintas uma manta falsa acusando tudo e todos de parciais.
        A Scorpio é uma grande consola, e estou super contente por ver que a Microsoft acertou em cheio. Mas se o fez não foi por pessoas como tu que achavam que tudo estava bem. Foi por pessoas como eu e muitos outros que os criticaram em tudo o que fez de mal com a One, e que os obrigou agora a esmerarem-se.
        Por isso deixa se ser teu próprio inimigo, e vê as coisas como elas são. Deixa de ser fanboy e sê apenas gamer.
        Vê o que os outros tem e luta por um mercado melhor para a tua consola, pois como se viu agora com a Scorpio, a Microsoft tem a capacidade de to dar, e só é preciso é lutar por ele.
        E para isto não precisas de deixar de gostar do que gostas, apenas reconhecer que aquilo que achas que está bem, poderia ser ainda melhor.

    • É isso que eu estou curioso pra ver, pois o PS4 Pro vende muito abaixo do esperado e isso que ele nem é muito mais caro que o PS4. Será que veremos algo similar nos Xbox’s? Sobre jogos eu concordo, neste ano de lançamento de Nova plataforma a Microsoft tem a obrigação de trazer muito conteúdo exclusivo além dos já anunciados pra suas plataformas, pois o hardware já sabemos que é bom, agora falta saber do preço e de novos jogos ainda não anunciados porque se for pra depender de Halo Wars2, State o Decay, Sem of Theave, Coophead e Crackdwon complica em.

      • Acredito que a Scorpio fosse o que a Microsoft aguardava para começar a demonstrar maior suporte à consola. Até acredito que muitos jogos foram retardados por causa da Scorpio.
        Estou muito curioso com a E3, e quem sabe é agora que a Microsoft, a nível de suporte de exclusivos, se começa realmente a transformar na empresa que nos demonstrou ser com a Xbox 360.

      • Por que complica?

        Já parou pra pensar que as notas de games como Nier Automata e persona 5 são surreais?
        Nem o mais otimista dos jogadores acharia que a sequência do caricato e quase ridiculo Nier do Xbox 360 e PS3 seria tão bem recebida, e menos ainda que um jogo de japonês que namora com bichinho virtual igual Persona seria tão elogiado. A mesma coisa a Team Ninja, que depois de mandar a série ninja gaiden pro lixo acertou a mão com Ni-oh.
        Até a Guerrilla com Horizon ZD foi uma surpresa com base no que foi os últimos 2 Killzones.
        Sea of Thives é um jogo feito pela Rare com a liberdade que eles quiseram e foi elogiado em todos os eventos em que foi demonstrado. Pode ser uma boa surpresa.
        State of Decay 2 recebeu orçamento AAA da Microsoft. O primeiro jogo foi uma das maiores surpresas do fim de vida do 360 e feito com baixo orçamento. SOD2 pode ser outra grande surpresa.
        Crackdown 3 é o jogo mais desacreditado do Xbox, talvez por que muitos nunca jogaram devido a baixa popularidade em muitos locais. Crackdown nunca teve o mesmo marketing de Halo e teve o azar de sair perto de Halo 3. Foi um jogo elogiado na época, bem recebido pela crítica. O segundo foi feito por outro estúdio e ficou muito abaixo das expectativas.
        Por que Crackdown 3 pode ser outra surpresa?
        Por que o criador​ de Crackdown está de volta nesse game. E o criador de Crackdown é ninguém menos que o fundador da Rockstar e também criador de GTA.
        O problema da Microsoft é que ela não sabe fazer o marketing dos jogos dela.

        • Vamos lá,

          Primeiro falas de Nier Automata e Persona 5, pelo que pude entender vc critica a mídia especializada por ter dado notas boas a estes jogos, além dos mesmos estarem vendendo bastante, ambos hj já ultrapassam a marca de 1 milhão de unidades vendidas, Persona 5 inclusive vendeu 1,5 milhão desde o seu lançamento, então e diante de tudo que se ouve por ai sobre estes jogos e claro tirando a opinião dos mais avidos caixistas fica claro que no mínimo são bons jogos, falar por falar é fácil, o díficil é apresentar argumentos válidos pra tentar desmerecer um jogo somente porque o mesmo não saiu pra plataforma amada.

          Horizon, bom este desde seu anuncio todos esperavamos coisa boa, e o mesmo cumpriu as expectativas.

          Quantos aos jogos que eu citei, respeito sua posição e visão a respeito dos mesmos, mas o que eu disse lá no comentário acima é minha opinião e o que tenho visto ao longo destes ultimos meses nos mais variados sites, blogs e foruns sobre os mesmo, pra falar a verdade somente os caixistas são os que defendem estes jogos.

          Sea of Theaves: Jogo da Rare, não a mesma que fez Donkey Kong, Conker, Banjo-Kazooie, Perfect Dark entre outros medalhões, mas sim a Rare que trabalhou em diversos títulos pro Kinect, está a qual nem de longe lembra a grande dev de outrorá. E na minha opinião este novo título traduz exatamente o que eu tento passar aqui, um jogo com Online persistente que tentar embarca na moda de jogos como Destiny e The Division mas sem as mesmas expectativas, hype e ambições que estes ultimos, pra mim vai flopar, sinceramente quem hj quer jogar algo decente com a temática de piratas que jogue Assassins Creed porque este Sea of Theaves vai ser uma grande bomba.

          Crakdown 3: Bom este jogo aqui traz em sua costa a dura promessa de estrear o poder da nuvem em diversos assests do jogo como física, além de se tratar de uma continuação de uma franquia que nem no meio caixista é bem vista, espero bem pouco aqui.

          State of Deacy 2: O jogo realmente parece ser tudo o que a dev prometeu para o primeiro e não cumpriu, jogo de mundo aberto e sobrevivência com forte foco no modo cooperativo, tenho o primeiro aqui e apesar dos gráficos medonhos mesmo pro X360 é legal, o grande problema deste título foi ter sido lançado perto de Tlou o qual tomou toda a atençao da midia e fez com que o primeiro State passasse despercebido pelo público em geral, mas uma vez os mais avidos caixistas lembram dele, mas no geral nunca que este jogo vai ter hype ao nível de Gears ou Tlou.

          Pra mim, os únicos títulos que tinham potêncial pra este ano no Xbox One eram Scalebound e CupHead, o primeiro foi cancelado e o outro adiado no ano passado, mas parece ter um bom potencial pra quem gosta de jogos de plataforma, mas é apenas um indie.

          De verdade temos de esperar os lançamentos dos respectivos jogos pra ver que no final tem razão, eu ou vc Fernando.

          PS: Sobre o criador de Crackdown 3 ser o mesmo da série GTA, bom temos de ver no que isso vai dar né, pois nomes como Hideki Kamya, Keiji Inafune, e mesmo os ex integrantes da rare que recentamente lançaram Yooka Laylee além é claro no famoso criador da série Resident que em suas empreitadas seguintes não foram muito bem.

          Veja bem, não é torcida contra, mas é sempre bom ter mais cautela em declarar o sucesso de um jogo somente pelo cara que está por traz do mesmo, temos de ver que Crackdown não é GTA e nunca será, é outro jogo que nem sucesso tem no próprio X360.

  8. Mário, excelente artigo, mas contém uma informação errada na parte de Forza Tech onde vcs diz que o jogo só usa 66% quando em ultra em suas definições, na verdade é segundo a DF usa 88%,66% são nas definições gráficas do XBOX One

    • Um lapso que vou corrigir (o tempo para ler, compilar, concluir e escrever, como refiro no artigo, não foi muito). Mas o lapso não invalida o que ali está escrito quanto aos ganhos de 22% face a um sistema Xbox One com iguais Tflops.
      Nota: corrigido. Obrigado!

  9. Eu discordo um pouco sobre o Scorpio não ser capaz de levar jogos do PS4 em 1080p para 4K. Se ele foi pensado para levar também os jogos do Xbox One para 4K, automaticamente ele já pode fazer o mesmo em games do PS4. Ou seja, ele pode rodar a maioria dos jogos da geração em 4K.
    Com o Forza Tech o Scorpio rodou uma demo, que em 4K ultra no PC exige uma GTX 1070 de 6,5 Tflops, utilizando apenas 88% de potência. Por isso, pra mim ele está tão bem otimizado que em casos extremos pode até melhorar ativos gráficos em 4K nativos de um jogo rodando em 1080p no PS4. Vamos tirar dúvidas até o fim do ano.
    De qualquer forma, eu penso que é bom pro Xbox One a Microsoft direcionar a conversa de resolução para o Scorpio. Desobrigando os estúdios internos de alcança 1080p no One, eles podem reduzir a resolução e melhorar os ativos gráficos. O Forza não precisa mais ser 1080p, o Gears não precisa ser 1080p e o próximo Halo pode reduzir o range da resolução dinâmica para um máximo de 900p.
    Agora que em todos os locais dirão que ninguém liga pra resolução, podemos voltar aos jogos com melhores pixels, do que com mais pixels.

    • Teoricamente não pode. Levar 1.84 Tflops a 4K requer mais de 7 Tflops. Mas as versões da One, que correm em 1.31 ela faz com folga pois apenas necessitarias de 5.2 Tflops. Claro que para lidares com texturas adicionais requer 8 e 6 respectivanente.
      Quanto ao desobrigar os estúdios de atingir os 1080p na One é que discordo. E isso deverá ser uma exigência dos utilizadores da One. A Scorpio foi criada para melhorar a experiência de jogo a quem a comprar, não para piorar a dos possuidores da One.

    • Peraí, você disse que Forza roda 4k no ultra com uma GTX 1070?
      Mário, isso é possível?

      • O que te sei dizer é que uma GTX 1070 aguenta 4K, mas com chuva tem alguns problemas de performance.
        A Scorpio nesse aspecto bate a 1070.
        É como digo no artigo, uma obra de arte de engenharia, e uma consola que me deixou fascinado.

      • Bem, como não jogo em PC não sei quais placas gráficas são melhores que outras, porém nesse vídeo o cara diz que a GPU que ele utiliza é inferior ao do Scorpio e que consegue rodar 4K 60fps no modo ultra:

        https://youtu.be/lKrB1p5cySU?t=14m40s

        A intenção desse trecho do vídeo é dizer que o Forza é tão otimizado que é sensato ele consumir poucos recursos e que performances assim provavelmente serão obtidos com jogos exclusivos(sabemos que desde o início do One que as produtoras first tem acesso a recursos que as thirds não tem).

        PS: Vou procurar o sítio que informa que o Forza testado no One foi o Forza 6 Apex e esta versão, como dizem, é mais leve que a versão originalmente lançada no One.

  10. a diferença é a mesma entre o PS4 normal e o Xbox one, no lançamento.

    • Apesar de isto ser algo expectável, é uma excelente notícia.
      A Sony optou por basicamente desactivar partes do GPU para manter a compatibilidade. O boost mode passa por fornecer aos jogos originais o hardware extra para ganhos adicionais.
      A Scorpio não funciona assim, e a performance está lá de origem. Daí que o boost mode está sempre activo.
      Naturalmente isto pode causar problemas em determinados jogos, podendo obrigar a patches, mas o boost mode tambem os requer. É uma questão de comprometimento da empresa para com o suporte à consola. E vê-lo a existir parece mostrar que, finalmente, a Microsoft acordou e está aqui para mostrar o que efectivamente é capaz.
      E isto sim, é disto que o mercado vive e é nisto que o consumidor ganha. De competição activa que obrigue ambas os intervenientes a superarem-se.

      • Mário um ótimo artigo e assim como você pondero comprar o scorpio depois desta revelação, mas também não posso deixar de imaginar a resposta da Sony depois da revelação do scorpio, não falo em um novo console um ps5 por exemplo, mas você acha possível a sony dar mais liberdade para optimizações em jogos da pro que não seriam possíveis no ps4 base?.

        Meio que fugido da regra que o que roda em um roda em outro?

        • Não vejo que a regra da Sony se altere, pois comparando a Pro e a Scorpio definiria ambas de forma diferente.
          A Pro é uma PS4 mais potente, capaz de levar a 4K, nativos ou por checkerboard rendering, ps jogos PS4. Uma PS4K.
          A Scorpio para todos os efeitos faz o mesmo, mas aqui vejo mesmo uma consola de meio de geração.
          Uma consola que perante uma Xbox Two pode fazer um meio termo e manter os seus jogos a 1080p.
          Já na Pro não vejo essa capacidade da mesma forma, pois ela, apesar de melhorada, possui gargalos na mesma proporção da PS4 base. Não está concebida em todos os seus componentes como algo intermédio entre gerações, mas apenas como algo melhor que o existente.
          A Microsoft não só manteve a compatibilidade, mas criou também um hardware que não é apenas melhorado para poder dar jogos melhores. É mesmo um hardware de meio de geração. Sem dúvida uma oferta melhor e mais interessante.
          Como tu deverás saber, eu abomino o conceito de consolas de meio de geração, e nesse sentido achava que a Scorpio seria um nojo por levar o conceito da Pro a novos extremos.
          Mas depois da revelação o que vi é que esta consola pode no futuro manter jogos de nova geração a 1080p, e dado que os 4K estão longe de ser um standard, foi por aí que ela me cativou. A ter de viver com as realidades, ao menos que a realidade ofereça o que a Scorpio oferece.

    • Lucas, cuidado com este tipo de comentários que pode ser considerado spam pois tem mais link do que texto.
      Nos leitores sob moderação isto vai directo e automaticamente para o lixo.

  11. João Magalhães 9 de Abril de 2017 @ 0:26

    Mário tem certeza que a GPU do PS4 PRO tem 64 ROPS?

    • Queres que seja sincero? Não! Nunca as contei e elas nunca foram anunciadas oficialmente.
      Mas eu estou como o NXGamer e muitos outros websites que tambem referem 64 Rops. E porquê
      Porque apesar de tal nunca ter sido dito oficialmente, há uma série de situações que apontam nesse sentido, e explico:
      A Sony referiu que basicamente a Pro é uma PS4 com 2 GPUs.
      Nas palavras do Mark Cerny, que podes ler aqui, ele refere “In effect, the new console has a second, identical GPU configured next to the original, with a 14 percent boost in frequency to 911MHz, which more than doubles the processing power of the Pro”.
      Ora se há um segundo GPU idêntico, então são 32+32 Rops.
      Na prática o segundo GPU é uma força de expressão pois é apenas um GPU, mas com o donbo dos componentes e partes que se desactivam por compatibilidade, sendo usado apenas metade nos jogos PS4 e na totalidade nos jogos Pro.
      Ora sendo assim, tu precisas de ter 32 Rops em uso quando estás em compatibilidade PS4, o que quer dizer que os 18 CUs ativos acedem a 32 Rops. Mas como as placas funcionam por pipelines, onde ficam os inativos? Não tem Rops?
      Ora não só as palavras de Cerny apontam no sentido de existirem 64, como caso isso não seja assim, terá de haver aqui algum tipo de tecnologia que desconheço que permita desactivar não um CU completo, o que inclui os stream processors e e respectivas rops a que estão associados, mas apenas parte dele, desativando os stream processors, mas mantendo as ROPS ativas.
      Ora dado que o anunciado nunca passou por aí, mas no outro sentido, tal como o NXGamer e outros websites, é preferível errar no número de Rops caso ele esteja incorrecto, do que estar a aceitar tecnologias que nunca ouvimos falar. E isso deixa-se para o MisterXmedia.

  12. Não sei se o Mário viu o artigo da Anandtech, mas diz que o subsistema de memória do Scorpio não tem um mapeamento compatível e algo que a AMD não faz mais em suas GPUs, acreditam que terá uma certa dificuldade pra arrancar mais de 218gb/s de sua GPU de forma consistente.
    http://www.anandtech.com/show/11250/microsofts-project-scorpio-more-hardware-details-revealed

    E outra coisa que eles dizem é que a GPU do PS4 Pro se baseia na nova arquitetura da AMD a Vega, enquanto o Scorpio é Polaris… não se se tudo é verdade, mas sendo, como ficaria essas diferenças sabendo do poder bruto do Scorpio? Digamos ambos os jogos PS4 PRo e Scorpio sejam feitos em 1080p, Scorpio ainda levaria vantagem? Se depois puder fazer um artigo baseado nessas novas informações eu agradeço, obrigado!

    • Bom dia Fred, e antes do mais, obrigada pela indicação do artigo.
      Seja como for, após a sua leitura achei o mesmo demasiadamente precipitado. Ele baseia-se em presunções baseadas no facto que a Microsoft não referiu certas situações.
      Ora não as ter referido não quer dizer que não existam, apenas que não foram referidas. E nesse aspecto acho que o artigo da Anandtech falha tremendamente.
      Porque vamos a ver.
      Se vires com detalhe o pouco que foi dado a conhecer nesta fase, o Jaguar tem caracteristicas wque não são normais neste CPU. Continua a ser um Jaguar, é certo, mas as caracteristicas de mudança de velocidade dinâmica e o aproveitamento total do CPU são caracteristicas que nos AMD só ves nos Ryzen. A Microsoft não falou em Ryzens tambem, e por isso não quero ser assertivo nesse ponto, mas sejam tecnologia AMD ou algo proprietário da Microsoft ali adaptado, o certo é que as características descritas se assemelham muito a algo que na AMD só existem nos Ryzen.
      Com o GPU é a mesma coisa. A Polaris está limitada a 36 CU ativos, mas na Scorpio tens ali 40 activos. Sem querer afirmar que isto já deriva de alguma arquitectura Vega, a verdade é que parece derivar de tal, tendo a Microsoft, como a Sony fez, efetuado algumas alterações à Polaris derivadas da nova Vega.
      E sim, é certo que a Sony usa arquitectura Vega. Se o suporte a shaders 16 bits é polaris, o meter 2 shaders 16 bits numa string 32 bits (2xfp16) é Vega e a Pro suporta isso.
      Quanto à limitação da largura de banda que o website refere, é prematuro referir. Os dois canais foram colocados pelo uso conjunto da GDDR5 pelo CPU e GPU, e os 218 GB/s lá referidos foi um limite encontrado pela Sony (essa é a largura de banda da PRO). Mas não sabemos nada sobre que alterações adicionais a Microsoft fez. Ela não referiu nada sobre isso, mas anunciou a largura de banda, o que quer dizer que certamente a mediu e não se limitou a referir a largura de banda das memórias, pelo que deverá haver alguma alteração adicional que permite isso.
      Mas como disse, lá por a Microsoft não ter referido, não quer dizer que não exista, e nesse aspecto acho que o artigo do Anandtech é precipitado.
      A situação que me chama mais à atenção, e não foi deste artigo pois já tinha referido isso no meu, é o facto de a Scorpio só ter 32 Rops. Não é forçosamente verdade, ao contrário do que o artigo diz, que o que tem forçado a One a se ficar pelos 900p sejam as Rops. Porque se 16 rops limitassem a One a 900p, 32 na Scorpio nunca na vida alimentariam 4K, mas o certo é que 32 Rops para esta performance é um desiquilibrio muito grande no GPU.
      Seja como for, isso é certo que poderá prejudicar o GPU se este quiser acompanhar uma nova geração, mas para o pretendido, levar os jogos Xbox One para 4K, os poucos resultados mostrados apontam no sentido de serem suficientes e permitirem até elevar a qualidade para níveis superiores.
      Esperemos é que esta limitação não prejudique equipas talentosas no desenvolvimento de jogos, mas menos preparadas a lidar com estas limitações.
      Seja como for, o que tiro daqui é que a Scorpio foi pensada para oferecer um máximo de performance por um mínimo de preço. E apesar de não querer com isto dizer que ela será barata, o certo é que não me parece que seja fácil montar um PC equivalente por um custo parecido.
      Parece-me que num enquadramento face ao que existe, a Microsoft deveria idealmente apontar a consola para os 450 euros, mas não sei se tal é possível, sendo que muito mais do que isso afastará muitos clientes, especialmente por esta ser uma consola de meio de geração e de um upgrade ainda ter um custo significativo face ao baixo valor de retoma das atuais Xbox.

  13. Uma dúvida que ficou é, que hardware auxiliar é esse que vai remover algumas tarefas da CPU? A GPU do PS4 Pro tem 32 ou 64 ROPs? A GPU Database do site Techpowerup diz que é 32 ROPs. Já o site NXGAMER sugere que é 64 ROPs. Parabéns pela boa matéria.

    • Já respondi a parte disso, mas repito:

      Estou como o NXGamer e muitos outros websites que tambem referem 64 Rops. E porquê
      Porque apesar de tal número nunca ter sido revelado oficialmente e daí que 32 seja tão certo ou errado como 64, há uma série de situações que apontam no sentido dos 64, e explico:
      A Sony referiu que basicamente a Pro é uma PS4 com 2 GPUs.
      Nas palavras do Mark Cerny, que podes ler aqui, ele refere “In effect, the new console has a second, identical GPU configured next to the original, with a 14 percent boost in frequency to 911MHz, which more than doubles the processing power of the Pro”.
      Ora se há um segundo GPU idêntico, então são 32+32 Rops.
      Na prática o segundo GPU é uma força de expressão pois é apenas um GPU, mas com o dobro dos componentes e partes que se desactivam por compatibilidade, sendo usado apenas metade nos jogos PS4 e na totalidade nos jogos Pro.
      Ora sendo assim, tu precisas de ter 32 Rops em uso quando estás em compatibilidade PS4, o que quer dizer que os 18 CUs ativos acedem a 32 Rops. Mas como as placas funcionam por pipelines, onde ficam os inativos? Não tem Rops?
      Ora não só as palavras de Cerny apontam no sentido de existirem 64, como caso isso não seja assim, terá de haver aqui algum tipo de tecnologia que desconheço que permita desactivar não um CU completo, o que inclui os stream processors e e respectivas rops a que estão associados, mas apenas parte dele, desativando os stream processors, mas mantendo as ROPS ativas.
      Ora dado que o anunciado nunca passou por aí, mas no outro sentido, tal como o NXGamer e outros websites, é preferível errar no número de Rops caso ele esteja incorrecto, do que estar a aceitar tecnologias que nunca ouvimos falar. E isso deixa-se para o MisterXmedia.

      Quanto ao auxiliar do CPU na realidade ele não existe. Ali haverá alguma tecnologia Ryzen na parte do overclock dinâmico e da optimização do uso do CPU, mas o resto é feito no GPU. O grande auxiliar referido para o CPU é o facto de o GPU gerar as suas próprias chamadas de desenho. E como essas chamadas de desenho são das coisas que mais ocupam o CPU, há ali uma libertação imediata de performance.
      Nota porém que a One já faz isso, daí o segundo processador de comandos gráfico no GPU, mas aqui a situação terá sido ainda mais optimizada, suprimindo lacunas encontradas na One.

      • Então a GPU do PS4 tem: 1152 Shading Units, 72 TMUs, 32 ROPs, GCN 1.0. A GPU do PS4 Pro tem o dobro de componentes, então seria: 2304/144/64, GCN 1.3, e essa GPU ainda teria novas características da arquitetura Polaris e além dela, segundo a entrevista do Mark Cerny. Realmete é uma GPU única, que a AMD não tem equivalente no seu catálago para PC. A GPU do Scorpio seria: 2560 shaders/160 TMUs/32 ROPs. Uma GPU com características bem personalizadas também, mas com clock bem mais elevado, mais mémória disponível e uma largura de banda superior.

  14. Bom prevejo que quando começar a nova geração, os jogos cros-gen serão lançados apenas nesses consoles de meio de geração.

    • É nesse aspecto que vejo vantagens numa Scorpio face a uma Pro. Claro que consolas de meio de geração nem deviam existir, mas dado que temos de viver com elas, vejo na Scorpio algo mais equipado para ser cross gen do que a Pro.
      A Scorpio elimina muitas da limitações da One, ficando assim num meio termo entre ela e uma futura consola, já a Pro, é claramente uma PS4 com anabolizantes. Ela mantêm exactamente os mesmos gargalos da PS4, o que a torna claramente numa PS4 mais potente.
      Claro que todos estes elogios à Scorpio apenas são válidos perante uma política de retenção forte até à saida de uma nova geração, porque se isso não acontece a One terá sido morta prematuramente tal como a Xbox Original, e isso é inconcebivel, retirando a confiança do consumidor na Microsoft.
      Mas nesta fase acredita-se que isso será assim, e essa política existirá, aliás não tem porque não ser assim.

      • eu ainda acho o cpu um limitador para que a scorpion trabalhe em jogos nexgen, principalmente pq a arquitetura zen trouxe um avanco grande comparado a arquitetura ateriores da amd

  15. Revelado:

    http://www.eurogamer.net/articles/digitalfoundry-2017-project-scorpio-supports-freesync-and-hdmi-vrr

    Scorpio terá HDMI de próxima geração. A Digital Foundry omitiu isso para lançar um artigo posteriormente.

    • Omiitido não foi.

      “On the display output, of course, HDMI 2.0 – we need that for the additional frame-rate for 4K and also HDR and the wide colour gamut,” says Nick Baker

      • Infelizmente não é bem assim. A Xbox Scorpio é HDMI 2.0 a nível de hardware, o que quer dizer que terá apenas direito às novidades do 2.1 que possam ser implementadas por software, como são os casos referidos.
        No entanto no que toca ao aumento da largura de banda que permite os 4K nativos com HDR a Scorpio não beneficiará disso, e continuará a ter uma resolução em pixels de 4K, mas com a informação de cor a manter-se nos 1920×2160, ou seja metade.
        Resumidamente, com HDR a consola não apresentará verdadeiramente 4K nativos.

        • Mario em vários sítios vi que sera o hdmi 2.1 e graças a isso sera compatível com VRR (Variable Refresh Rate) e também sera compatível com o FreeSync d’AMD

          Em todo o caso ainda bem que me contive na compra de uma nova tv desde o dia em que tinhas feito o artigo a falar sobre as tv e agora vou mesmo esperar pelo menos ate ao fim do ano e ver como tudo se vai desenvolver

          • Eduardo… o hardware HDMI 2.1 é uma situação que recomendo numa TV 4K, uma vez que se ela tiver esse limite do hardware HDMI 2.0 tudo fica limitado. E uma TV é uma compra que dura vários anos.
            Já a Scorpio pode durar quando muito 2 ou 3 anos, e o facto de esta ser hardware HDMI 2.0 é uma pena, mas não é algo que deva sequer ser ponderado como fator de compra ou não compra.

  16. so uma coisa mario eu nao acho que a scorpion esta pronta para proxima geracao, apesar do seu potencial gpu, ainda temos um cpu fracoe e se estamos considerando que nao proxima geracao estaremos usando a arquitetura zen ou melhor, eu duvido que este cpu consiguira suportar o jogos de proxima geracao, sabendo que a cada geração de conoles eles tentam tirar o maximo possível de desempenho dos hardwares.

    • É uma consola mid gen (ou pelo menos é o que se espera). Não next gen. Está a meio caminho e as optimizações feitas ao CPU foram nesse sentido.

      • sim mas se o salto for grande demais na cpu nao teremos como rodar, querendo ou nao o jaguar so funciona atualmente por esta em um sistema super otimizado e ja mostra limitacoes como foi o caso de batman no ps4pro, se na proxima geracao tivermos algo muito destoante sera impossivel rodar jogos, ja que poder nenhum de gpu pode compensar a cpu em certos calculos, e na proxima geracao teremos aalgo proximo dos zen ou melhor e nao e o zen ja e uma arquitetura que melhorou muito em relacao a qualquer coisa que a amd tinha, imagina do jaguar que e uma arquitetura de ultraportáteis da amd.

        • Não estou em condições de discutir as melhorias colocadas no Jaguar pois pouco ou nada se sabe dele.
          E o certo é que o jogo mostrado, o Forza é um jogo muito puxado gráficamente, mas que a nível de CPU não o é.
          Mas note-se que num PC aquele nível de detalhe requer um bom i5 ou um i7, mas isso tambem não quer dizer muito pois depende muito da optimização PC e vi jogos Xbox 360 a pedirem igualmente CPUs elevados.
          Daí que não te dou, nem te tiro razão ao que dizes, mas refiro apenas que acredito, pela descrição feita e pela velocidade de relógio que o Jaguar em causa tenha levado tecnologia Ryzen, bem como que agora ele estará com núcleos Puma+ ou alguma arquitectura hibrida entre as duas.
          Mas como disse, os dados são muito escassos para falar, e não gosto de especular sem eles. Daí que, repito, não te dou, mas tambem não te tiro razão no que dizes.

  17. Saiu um novo artigo na Eurogamer: http://www.eurogamer.net/articles/digitalfoundry-2017-the-scorpio-engine-in-depth

    A GPU do Scorpio realmente não tem as características da Vega como a GPU do PS4PRO(FP16…) digamos que a Sony lance um novo modelo do PS4 PRO, apenas adicionando mais memória, deixando esta igual ao Scorpio.. O Scorpio ainda levaria vantagem sem essas características da Vega ou o PRO passaria a ter mais vantagem?

    • Sem mais dados não me queria adiantar muito sobre o assunto, mas vejamos.
      FP 16 é uma caracteristica normal nas Polaris, e que aliás existe desde as Tonga. Já o FP16x2 que permite o cálculo de duas strings 16 bits em simultâneo é Vega.
      A Pro suporta isso, a Scorpio não.
      Agora fica-me uma dúvida. Por norma os 16 bits nos GPUs AMD só trazem cono vantagem um menor uso de memória pois usam o mesmo número de ciclos e restantes recursos que uma string 32 bits.
      Daí a vantagem do FP16x2 que calcula duas strings no tempo que demoraria a calcular uma, duplicando assim a capacidade de cálculo.
      Já o referi que, a 16 bits, e graças a este suporte, a Pro tem 8.24 Tflops, mas o suporte 16 bits é um pouco utópico por dois motivos.
      1 – A PS4 não o suporta
      2 – A qualidade dos shaders 16 bits é muito mais fraca que os 32.
      Daí que o uso deste tipo de processamento é muito limitado.
      No entanto a DICE colocou um artigo sobre o checkerboard rendering, dizendo que usando os fp16 consegue ganhos de performance de 30%. E dado que os 16 bits são apenas usados neste cálculo, isso em nada altera s qualidade dos shaders existentes.
      E desta forma fica a questão. Será que com ele a diferença entre as performances das consolas se dilui bastante ficando pelos 12 a 13%?
      Se isso acontecer, e tendo em conta que ambas as consolas estão limitadas no que podem apresentar uma vez que não podem, sob pena de fragmentarem o mercado da própria marca, ter grandes disparidades face à versão base, as consolas ficariam basicamente semelhantes, sendo que a única diferença seria os 4k nativos na Scorpio e os calculados na Pro.
      É algo a acompanhar. Pode não ser algo relevante, mas tambem pode vir a ser.

Os comentarios estao fechados.