Flight Simulator: Será este o primeiro jogo a usar convenientemente a Cloud?

0 0 votes
Avalie o nosso artigo

Se vos perguntarem qual a aplicação que existe, que todos usam, que todos acham fantástica e que nunca poderia ser executada localmente. Alguém saberia responder? A resposta é o Google Maps, e Flight Simulator vai usar uma tecnologia que se baseia em parte no que o Google Maps faz, o que o fará com que esse seja o primeiro jogo que usa a Cloud de uma forma que, de maneira alguma, poderia ser replicada localmente.

Quantos de vocês já usaram o Google Maps, e quando colocam a vista 3D imaginam como seria interessante melhorar um pouco a qualidade da geometria e criar um jogo 3D a correr em locais reais do mundo?

Pois bem, será um pouco isso que Flight Simulator da Microsoft , para a sua plataforma Xbox, vai fazer. O jogo vai usar fotometria real e recriar o mundo a 3D. A qualidade da geometria será ajustada para um jogo, com algum do processamento a ser feito do lado do servidor.

Vamos ver o que é referido:

Localizações de mundo real, incluindo o Dubai, São Francisco, e o Egipto são recreados numa resolução realista de 4K, com geometria e texturas obtidas de imagens de satélite. Os jogadores poderão controlar avisão autênticos, desde aviões ligeiros a outros de pssageitos, criar os seus planos de voo, e navegar em cenários imprevisíveis criados pela Plataforma na Nuvem da Microsoft, a Azure, que vai recriar inteligência artificial e aprendizagem da máquina para mudar as condições de voo de forma dinâmica.  Tal manterá os pilotos alerta – Fiquem demasiadamente confortáveis numa viagem e a Azure pode-vos mudar o tempo, tornando um dia de sol numa batalha para sobreviver com a introdução de uma tempestade.

Se o Flight Simulator parece um jogo avançado para o seu tempo é porque o é, em muitas situações. Não só sublinhamos a AI e as tecnologias gráficas que puxarão pela tecnologia ao limite, mas iremos ver que ela se vai começar a superar. Só os dados geográficos que são necessários para render o mundo em torna daquilo sobre o qual o jogador voará usa o equivalente a 2 petabytes – o equivalente a 20,000 discos Blu-ray.

Isto é muito mais do que pode ser metido em qualquer disco, ou sequer obtido por download, pelo que o Flight Simulator estará na vanguarda de um novo tipo de jogo que só pode viver, e eventualmente mesmo residir, na cloud. Os servidores da Microsoft irão fazer muito do processamento virtual e enviar o resultado para o ecrã do jogador, evitando a necessidade de um super PC em casa (apesar que irão precisar de uma conexão rápida). Isto é parte de uma mudança mais lata que está a decorrer desde já nos videojogos: conforme as tecnologias melhoram e os criadores se dedicam a criar mundos cada vez mais realistas, estes crescem em tamanho, e o hardware necessário para os correr torna-se cada vez mais caro. Passar alguns desses dados e processamento para servidores na Cloud é a solução em que a Microsoft – entre outras empresas, como a Google –  aposta.

Para jogos como o Flight Simulator, a cloud fornece um “sistema que assim como que entende a quantidade de capacidade em preciso a cada momento. […] Não é diferente do que fizemos no passado, fazendo streaming para a Ram disponível na consola.

O Flight Simulator terá ainda um modo offline, mas o certo é que perante o de cima, tal leva-nos a questionar o que poderá ser entregue neste modo. Dada a elevada dependência dos servidores, esta situação offline terá de ser severamente limitada e cortada.



Apesar de reconhecer que este é o tipo de situação onde a Cloud é imprescindível, e que somente com ela poderemos ter um mundo realista à nossa disposição, o certo é que esta dependência de servidores é controversa. Nem todos gostam da necessidade de se terem de ligar a um servidor que pode por um motivo ou outro estar inacessível, ou um dia vir a ser desligado. Mas num caso como este as vantagens são claras e compreensivelmente percebemos que o que  jogo pode oferecer assim nunca poderia ser replicado localmente.

É certo que a fidelidade do representado vai mudar de acordo com as partes do planeta, mas mesmo assim os resultados deverão ser superiores a tudo o que já vimos até hoje.

Este sim é um uso da Cloud que é praticável e aplicável a todos nos dias que correm, podendo trazer resultados e um foto realismo fantástico.



error: Conteúdo protegido