A história da Xbox

0 0 votes
Avalie o nosso artigo

Numa altura em que a Playstation faz 25 anos, a história da Playstation já foi abordada neste e outros websites. Mas porque não aproveitar a contar também alguma da história da Xbox?

A atual geração está perto do fim, e se nesta geração a Playstation faz 25 anos, a Xbox faz agora também 17 anos.

A história da Xbox é tão rica como qualquer outra, possuindo vários altos e baixos, tendo a consola ficado associada a uma dos maiores e melhores Franchising dos videojogos, Halo.  E com muito Halo e outros jogos a historia da Xbox foi sendo feita e dura à quase duas décadas.

O nascimento e implantação da Xbox

Estávamos em 1998, quando Kevin Bachus, Seamus Blackley, Otto Berkes, e Ted Hase formaram a primeira equipa relacionada com a Xbox. Uma equipa que seria a pedra basilar na construção de uma consola Microsoft baseada no seu popular DirectX, e denominada DirectX Box.



A ideia da consola era que a mesma fosse construída como um PC, trazendo a flexibilidade e poder dessas máquinas para o mercado das consolas.

A ideia era que a consola corresse o Windows 2000, e usasse um hardware que permitisse de forma fácil que os produtores de software de PC pudessem tirar partida da arquitectura da consola.

Sabendo-se que a concorrência era uma fortíssima Playstation 2, a ideia era que a consola tivesse o dobro da sua capacidade de processamento, esmagando-a.

Nesse entretanto a abreviatura interna do nome da consola, que estava a ser apenas designada por X Box foi-se tornando comum. Mas no entanto a equipa não pretendia que esse nome fosse final, acreditando que o mesmo não era muito feliz. Nesse sentido o nome foi apresentado a alguns grupos de discussão que não só gostou do nome, como o achou apelativo e simples de decorar.

E dois anos depois a consola estava pronta e a Microsoft preparada para a mostrar ao público, o que aconteceu na Game Developers Conference em 2000. Usando hardware PC relativamente comum, e com bastantes melhorias nas especificações fave à concorrentes, a consola atraiu a atenção dos Media para aquilo que era uma outsider neste mercado. Mas muitos ficaram algo cépticos com o que viram, achando que ali não estava mais do que um PC numa caixa de consola, o que de certa forma era verdade.

Cabia à Microsoft mostrar ao mundo o que a sua consola valia, e nesse sentido ela desenvolveu software para ela que mostrava o que ela era capaz, demonstrando algum desse software na Electronic Entertainment Expo (E3), apenas uns meses depois.



Foi nessa fase que a Microsoft teve o primeiro contacto com uma empresa de nome Bungie Studios, que se encontrava a criar um jogo exclusivo de combate na terceira pessoa para o Apple Macintosh, denominado de Halo: Combat Evolved.

O que viram fascinou a Microsoft, que resolveu adquirir a empresa. Uma das melhores decisões na história da consola.

Para tal pagou 30 milhões de dólares, mas no entanto, apesar da compra, a decisão sobre o futuro de Halo ficou nas mãos da empresa. No entanto esta decidiu adaptar Halo para a consola da Microsoft, tirando total partido do seu hardware, e transformando-o num jogo de tiro na primeira pessoa. Esta decisão foi marcante na história da Xbox!

Um ano depois, no Consumer Electronics Show, em Las Vegas, a Xbox era finalmente apresentada ao público na sua caixa final, numa apresentação que contou com a presença de Dwayne “The Rock”, e onde foi anunciada a data de lançamento da consola.



Finalmente, a 14 de Novembro a consola é lançada. É a Toys ‘R’ Us de Times Square que é escolhida para tal. As preocupações que existiam com o preço (299 dólares) e aspecto da consola pareceram desaparecer quando se viu 1 milhão de consola voarem das prateleiras em 3 semanas.

O seu porta estandarte? Exactamente o jogo da Bungie, Halo! O jogo cativou as pessoas logo no primeiro contacto, e as suas vendas bateram recordes, vendendo um milhão de cópias nos primeiros meses após o lançamento. Pode não parecer muito nos dias que correm, mas na altura um milhão era um valor que poucos jogos alcançavam.

Halo afirmava-se assim como o jogo que definia a consola!

Mas apesar do sucesso nos EUA, a consola não teve a mesma recepção no resto do mundo. Lançada a 22 de Fevereiro de 2002 no Japão, e a 14 de Março do mesmo ano na Europa, a consola falhou em vender com a mesma energia que se viu nos EUA. No Japão venderam-se 123 mil consolas no lançamento, o que mostrou logo à Microsoft a dificuldade que há em penetrar neste mercado.

Apesar das boas vendas nos EUA, o lançamento global decepcionou. A Microsoft esperava muito mais! Infelizmente, mesmo perante as suas especificações, o seu elevado preço era um contra muito grande.



Ora apesar de o preço ser devido aos elevados custos de produção, a 18 de Abril de 2002 a Microsoft tem uma medida surpreendente, cortando o preço da consola de 299 dolares para 199 dólares.  Tal cortou totalmente toda e qualquer margem que a Microsoft tinha na venda do sistema, mas a medida encorajou muitos criadores de software a suportar a XBox, ao mesmo tempo que permitiu um grande boom nas vendas, permitindo que aconsol a vendesse até mais do que a recente Gamecube, e permitindo que a consola se tornasse uma plataforma reconhecida e com pernas para andar.

E assim nasceu a Xbox e se firmou a Xbox.

Um ano depois, em 2003, a Microsoft dá um novo passo relevante para a implantação da consola. É criado o Xbox Live.

Basicamente a Microsoft cria uma rede destinada do gaming, que entrou em fase beta em Agosto de 2002. Basicamente o Live criou enorme excitação dentro dos fans da consola que viam um ambiente online global a um nível nunca antes visto numa consola. O live permitia ainda downloads, e facilidade no multi jogador.

Basicamente o Live obteve 150 mil subscritores em apenas uma semana, tornando-se um sucesso, com o crescimento das adesões a aumentar exponencialmente ao longo dos anos.



É igualmente em 2003 que a Microsoft começa a preparar a sucessora da Xbox. A perda que estava a ser verificada em cada consola vendida, e a aproximação da data de lançamento de uma nova Playstation, que dominava a geração, foram os motivos pelos quais a Microsoft decide tão cedo preparar a sucessora da consola.

Assim, em Fevereiro de 2003, a sucessora começa a ser preparada, sob o nome de código“Xenon”.

Se o Live era um sucesso, empresas como a Electronic Arts mostravam-se relutantes com o facto de o mesmo ser a pagar, e optam por deixar o seu jogo de futebol Americano Madden foram da Xbox em 2003. No entanto ambas as empresas chegam depois a entendimento em 2004 para o lançamento do novo jogo.

Já em final da sua vida, Halo 2 é lançado. Mais uma vez é um sucesso, vendendo mais de 2.5 milhões de cópias em apenas 24 horas. O jogo faz 125 milhões em vendas, tornando-se na altura no produto de maior sucesso nos produtos de entretenimento, e superando tudo o que a Sony com a sua popular PS2 tinha conseguido. O sucesso de Halo é tal que no seu lançamento supera mesmo a receitas recordes alguma obtidas para filmes e musica. Foi um sucesso gigante! Estrondoso!

Mas o sucesso de Halo 2 era constrastantes com as vendas da consola. Os possuidores da mesma eram fans do jogo, mas o jogo não atraiu assim tantos novos compradores como esperado. E o custo da Xbox devido à baixa produção não descia, custando bastante mais a produzir do que o que se obtinha com as suas vendas.



É em Março de 2005 que a Microsoft apresenta a sua próxima consola, a Xbox 360, planeada para ser lançada em Novembro desse mesmo ano, basicamente um ano anos do lançamento previsto da Playstation 3 e da Nintendo Wii. Tal colocaria a Xbox 360 numa boa posição para alcançar mercado, bem como acabaria com os penosos custos da Xbox mais cedo.

Ainda nesse ano, a Microsoft cessa a produção da XBox, fixando o número de consolas no mercado em 24 milhões. Um valor que, apesar de não ser minimamente vergonhoso para uma primeira geração de uma consola, fica bastante atrás das expectativas da Microsoft, que planeava vender 50 milhões. A consola fica atrás da PS2 (152 milhões), mas à frente da Gamecube (21 milhões) e da Dreamcast (10,6 milhões).

Madden 09 é o último jogo produzido para a Xbox, lançado em Agosto de 2008. O suporte à consola é descontinuado em Março de 2009, e o último prego no caixão da Xbox colocado em Abril de 2010 com o término do suporte Xbox Live à consola.

A Xbox 360

É a 22 de Novembro de 2005 que a nova consola Microsoft é lançada, com a Europa e o Japão a verem a mesma nos meses seguintes.



A consola esgota stocks em todos os lados, excepto no Japão, onde a consola não consegue penetrar, e num ano 1.5 milhões de consolas tinham sido despachadas para as lojas.

Infelizmente esta pressa da Microsoft criou severos problemas e danos tremendos na imagem da consola.

Problemas diversos assolaram a consola. Desde problemas com a drive de DVDs ao temido  “Red Ring of Death” ou “RRoD“, uma combinação de luzes vermelhas que apareciam à volta do botão de ligar/desligar da consola, e que indicavam um erro fatal que bloqueavam a consola. Segundo uma pesquisa da Game informer, 54,2% das consolas Xbox 360 produzidas apresentaram este problema, obrigando a Microsoft a reparar e a substituir um enorme número de consolas, e até a estender a garantia a todos os que tiveram o problema.

Curiosamente possuo uma consola Xbox 360 de lançamento que, não só passou ao lado do problema, como ainda hoje funciona sem qualquer problemas.

Mas mesmo com estes problemas, a consola vendeu tremendamente bem. E em Janeiro de 2010, mais de 39 milhões de unidades tinham sido vendidas ao público.



Ao longo da vida da Xbox 360 a Microsoft apostou em formas de a rejuvenescer. O Kinect, um controlador baseado no movimento e com reconhecimento de voz apareceu em Junho de 2009. Concebido como sendo o “Projecto Natal”, em memória da cidade de Natal no Brasil onde o director do projecto Alex Kipman nasceu, o aparelho pretendia revolucionar o mercado com novas formas de interagir com a consola. Foi lançado em Novembro do mesmo ano!

The History of the Xbox Kinect

Junho de 2010 foi igualmente um ano relevante pois foi a altura em que a Xbox 360 teve uma nova versão redesenhada, com um corpo mais pequeno e melhorias internas, bem como novas portas USB e Wifi… Era a Xbox 360S.

A Xbox One

Seis anos após a Xbox 360, em Março de 2011, apareceram os rumores que a 360 estava prestes a ser sucedida, e que a Microsoft trabalhava numa consola nova. com designers e criadores a falarem de um novo e misterioso projecto em que estavam a trabalhar, e a Internet entrou em polvorosa com o assunto, dando um nome não oficial à consola, a Xbox 720.

Mesmo com os rumores, e a perspectiva de ser sucedida, a Xbox 360 continuou a vender, dando à Microsoft a sua mais elevada posição de sempre na industria, tendo sido anunciado oficialmente, em Setembro de 2012 que a consola tinha alcançado os 70 milhões de consolas vendidas, um número que em Dezembro tinha passado para 75 milhões. Tal tornou a Xbox 360 na consola Microsoft mais vendida, e basicamente lado a lado com as vendas da Playstation 3, tirando à Sony o dominio esmagador e avassalador que sempre tivera em todas as gerações até aqui. No entanto a geração foi dominada pela Nintendo Wii, que vendeu mais do que essas duas consolas.

Em Maio de 2013 a nova Xbox foi apresentada. E o que foi mostrado não deixou as pessoas muito contentes. A consola, apresentada por Don Mattrick chamava-se Xbox One, vinha acompanhada de um Kinect, e tinha esse nome devido a um suporte sem precedentes para a integração com a TV.



Apesar de diferenças de performance, para menos, a consola estava perfeitamente apta a concorrer com a PlayStation 4, apresentada no inicio desse ano, mas os rumores que a consola precisava de estar constantemente ligada à internet, e os limites nas vendas de usados, tornaram a consola num sistema a evitar.

Quando a consola foi apresentada na E3, no mês seguinte, as coisas não melhoraram. O preço era de 500 euros, com o Kinect incluído, um valor alto e incluindo um periférico que poucos realmente queriam. Mas infelizmente o Kinect não era opcional, e era definido como sendo parte integrante do conceito da consola.

Na mesma noite a Sony apresenta a sua PS4… não só mais capaz, como sem restrições a usados, sem necessidades obrigatórias de online, e… 100 euros mais barata.

Foi um KO total à Microsoft… e o que aqui se passou ditou muito do que foi a realidade da geração.

Quando Mattrick foi questionado sobre uma eventual mudança nas exigências do online e dos jogos online, a sua resposta fez história: “Para quem não quer isso, temos outro produto, a Xbox 360”.



A recepção do mercado à Xbox One foi terrível… os fans votaram com a carteira e mostraram que as empresas não lhes tem de impingir o que eles não querem. O resultado foram fracas vendas, e a nomeação de Phil Spencer como lider da Xbox, uma posição que ainda hoje ocupa.

Com Phil muitas das políticas inicialmente previstas para a consola foram revistas. Acabou-se as necessidades do online, o Kinect foi removido e mesmo descontinuado, e a consola foi optimizada para o uso de jogos. Mas o mal estava feito, e a Xbox teve tremendas dificuldades em combater com a PS4.

A situação piorava pois a Microsoft vendo o que sucedia andava algo desnorteada com políticas pouco definidas, e sem rumo, o que prejudicou o suporte à consola, e levou à eliminação de várias equipas first party, impedindo a Xbox de concorrer com a Sony. A piorar a situação para a consola, os seus jogos passaram a ser lançados igualmente no muito mais poderoso, PC e a promessa da Cloud e das suas performances extraordinárias não passou de “um arzinho que se lhe deu”.

Estas situações acabaram por resultar numa política definida, mas que inicialmente não se percebeu. A Microsoft inovou o mercado com algumas formulas novas e serviços como o Game Pass. A aceitação dessas políticas só será percepcionada no futuro, mas o que se percebe atualmente é que elas dividiram o mercado entre aqueles que aceitam as mudanças da Microsoft entendendo-as como revolucionárias, e os que entendem que essas mudanças são más para o consumidor e poderão levar à destruição do mercado e à redução da qualidade que ele actualmente apresenta.



A meio da geração, a Microsoft refrescou a sua consola com a Xbox One S, bastante mais pequena, e que adiciou HDR e um leitor Blu-Ray 4K. Apresentou tambem a Xbox One X, a consola mais poderosa do mercado na altura, e que ainda hoje domina em termos de performance, capaz de jogar a 4K nativos numa base superior à consola concorrente (a PS4 Pro), e usando uma câmara de vapor para arrefecimento, o que lhe permite ser ainda mas pequena que a Xbox One S.

As vendas da Xbox One não foram o sucesso espera, com a Microsoft a ter mostrado o desejo inicial de a consola poder vender entre 400 milhões a mil milhões de unidades. Mas a consola não só não chegou sequer aí perto, como vendeu menos de metade da Playstation 4, actual lider de mercado, estando actualmente já ultrapassada pela Switch, não tendo os seus serviços, considerados revolucionários,, como o Gamepass, ajudado a alterar o cenário.

O futuro

A falha da Xbox One levou a Microsoft a encarar o futuro de outra forma. A Microsoft prepara aquilo que será uma nova geração de consolas (sim, à partida mais do que uma). O nome de código era Scarlett, e consistirá em séries de consolas, sendo que uma das séries é já conhecida e será a série X.
A possibilidade de uma série de consolas de baixo custo, destinadas ao streaming não está ainda excluída e é referida como possível, e prevê-se a possibilidade de poderem existir pelo menos dois modelos de cada consola, uma versão All Digital, mais económica, e outra normal.
As consolas são referenciadas como sendo retro compatíveis com todas as consolas anteriores, e poderão usar uma nova plataforma denominada “GameCore” que tornará mais fácil os jogos funcionarem na Xbox e PC. Em 2020 deveremos ver pelo menos um modelo da consola no mercado.
A Microsoft aposta ainda num serviço de Streaming denominado Projecto xCloud, que permitirá levar os jogos da Xbox a outros sistemas, incluindo smartphones, aumentado assim o mercado alcançado.


error: Conteúdo protegido