Análise: Lacie Little Disk 320 GB

As imagens são do Litle Disk, um disco de 320 GB, igualmente disponível na versão de 500 GB, e produzido pela Lacie.

Existente em branco e em preto (modelo testado), este é um disco que é comercializado ao preço de 84,90 euros.

Naturalmente que muitos estarão já a questionar os motivos para o preço tão elevado deste disco, especialmente quando é possível encontrarmos discos de maiores capacidades a preços inferiores. Mas a verdade é que esses motivos existem e justificam assim o preço do produto.

Para começar, este disco possui uma conectividade muito acima da média para um disco de 2,5″. Não só é compatível USB 2.0, o que lhe permite velocidades até 400 Mbits por segundo, mas possui igualmente duas portas FIREWIRE 400, que lhe permitem atingir os 800 Mbits por segundo de velocidade.



O disco em causa é ainda compatível com USB 1.1 dado que possui um conector para alimentação, e que lhe permite assim suprimir a carência de energia necessária para usar esse tipo de interface. Para isso é fornecido um cabo extra com uma ponteira USB e outra para tomada de alimentação (são necessárias então 2 portas USB).

Mas há outros factores, sendo que o principal é o facto de todo o disco ser uma verdadeira obra de arte a nível de design criada por SAM HECHT, um designer Inglês de renome e com inúmeros prémios no seu “Curriculum”.

Não só o disco vem com a identificação do seu designer como o pormenor do cabo USB retráctil é delicioso, isto aliado a uma caixa em plástico brilhante de uma beleza extrema com um led de actividade azul.

Uma vez ligado ao computador, o disco é identificado como sendo um Hitachi, e naturalmente que resolvemos fazer-lhe uns testes de performance.

Assim, ligado a uma porta USB 2.0, corremos-lhe o HD Speed, um programa de leitura que analisa a estabilidade das transferências. Apesar deste teste ser muito simples, os resultados foram animadores:

Como podemos ver, o disco mostrou ser extremamente estável nas transferência, com uma média de 33,1 Megabytes/segundo, um valor que dificilmente poderá ser muito melhorado dado o interface USB 2.0 (e isto apesar da velocidade máxima teórica deste interface ser de 50 MB/s, os transportes máximos efectivos reais não passam dos 40 MB/s e isto se mais nada estiver a utilizar o BUS. 34 MBytes/s é um valor muito mais realista para uma transferência máxima.).



O gráfico chega mesmo a ser impressionante pois com excepção de dois pequenos desvios a performance do disco foi sempre constante.

Mas havia de averiguar mais dados, daí que tenhamos experimentado o HD TUNE PRO, um programa bastante mais avançado. Mas mesmo aqui os resultados não decepcionaram, mostrando-se mesmo EXCELENTES.

Como podemos ver, este programa é muito mais complexo. Não só ele analisa a velocidade de leitura em toda a superfície do disco, verificando assim se as pistas exteriores se tornam mais lentas, como também faz uma série de testes suplementares tais como a taxa de transferência mínima e máxima verificada, os tempos de acesso ao disco, os valores máximos conseguidos pelo disco no interface (Burst Rate), e a utilização de CPU necessária para operar o sistema na sua capacidade máxima.

Ora como vemos, o disco mostrou-se mais uma vez extremamente estável nas suas performances, sendo que o valor mais baixo das suas transferências se revelaram nas pistas exteriores (320 GB), mas mesmo assim conseguindo valores de 29.9 MB/s.

Os tempos de acesso são igualmente bons, mas a taxa de ocupação do CPU (11%) revela-se um bocadinho acima do desejado. No entanto se esse é o preço a pagar para se obterem estas transferências estáveis, esta é uma ocupação adicional muito bem vinda.

PCMANIAS: Análise ao Lacie Little Disk 320 GB
Performanceswww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
As performances aproximam-se do melhor possível obtido num interface USB, pelo que terá de receber a pontuação máxima.
Conectividadewww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
Eventualmente até poderia possuir mais conectividade como por exemplo com a colocação de uma porta que até nem é muito comum, a E-Sata, mas quando a maior parte dos discos rígidos portáteis desta dimensão são apenas compatíveis com o USB 2.0, torna-se difícil criticar, até porque existem não uma, mas duas portas Firewire 400 que usadas em simultâneo atingem os 800 Mbits. Quantos discos externos possuem isso?
Designwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
O Ponto mais forte. O disco é pura e simplesmente fabuloso, uma autêntica obra de arte.
Relação qualidade/preçowww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
É caro, mas vale a pena. Quer as performances, quer a conectividade quer o design são fabulosos, justificando assim o seu preço
Overallwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
Um excelente disco rígido, que apesar de possuir um preço elevado compensa esse facto com uma conectividade elevada, um design fabuloso e umas performances excelentes.

Clique se pretende explicações sobre este simbolo e o nosso sistema de avaliação

Nota: artigo re-publicado posteriormente em www.technologyareus.com

 



Posts Relacionados