Jun 202011
 

Com o lançamento do Asus EEE Transformers, associado ao meu desejo de adquirir um tablet, andei uns tempos indeciso sobre qual a melhor escolha: Asus EEE Transformer ou iPad 2.

Tendo-me sido possível, graças a boa vontade de um funcionário de uma loja que não estou autorizado a revelar o nome, visualizar os dois, bem como tendo tido a possibilidade de trocar opiniões com essa mesma pessoa, a minha decisão está tomada.

Não vou porém falar do EEE transformer em si, uma vez que este é um produto Android com as suas vantagens próprias, mas sim das plataformas Android vs iOS e dos motivos que me levaram à escolha uma vez que acaba por ser o sistema operativo e o suporte ao mesmo o factor decisivo na escolha dado que a nível de hardware os sistemas são bastante equivalentes.

Note-se que esta é apenas uma opinião, fundamentada, mas mesmo assim apenas uma opinião.

ANDROID VS iOS

Estabilidade e performance

Ambas as plataformas são tremendamente estáveis, e com o Honeycomb, a versão 3 do Android e desenhada especificamente para tablets, os tablets Android ganharam nova vida.

Já no tocante à performance a coisa muda um bocado de figura. O motivo está relacionado com a grande diversidade de hardware presente na plataforma Android. Quer isso dizer que consoante a fatia de mercado a atingir, o nivelamento do software poderá de ter de ser feito por baixo, isto é, suportando menores especificações, o que leva o software a sofrer. Depois a falta de optimizações para todo o tipo de hardware levam a performances diferentes em diversas plataformas.

É que podemos pensar que estamos perante uma plataforma única, mas isso não é bem verdade uma vez que cada fabricante mexe não só no hardware mas igualmente no software dos seus produtos levando muitas vezes a situações de incompatibilidades totais ou ligeiras que se podem reflectir nas performances.

Curiosamente e devido exactamente a esse aspecto, a Google acaba de anunciar que passará a incluir uma tabela de aparelhos compatíveis com as diversas aplicações disponíveis, e isto devido exactamente às incompatibilidades do hardware que comprovam o que se acaba de dizer.

Podem comprovar isso neste link.

Mais ainda, o facto de a plataforma Android ser Open Source significa que qualquer um pode produzir e lançar software para as tablets que usem este sistema operativo. Aqui a Google não pode de forma alguma controlar quer a qualidade, quer a estabilidade, quer as consequências para o OS (nomeadamente sob a forma de fugas de memória, malware, Spyware e vírus ou mesmo outros).

No iOS o hardware é igual em todos os casos. Software para iPAD 2 tem igual hardware em todos os aparelhos pelo que a garantia de optimização e performance é tremenda. Para além do mais todo o software passa pelo crivo da Apple que garante assim que o mesmo cumpre com padrões mínimos de qualidade que se esperam para os seus produtos.

Suporte e qualidade

Se se pode pensar que o facto de a plataforma Android é vantajosa por ser Open Source, desenganem-se! É certo que há vantagens, nomeadamente sob a forma de certo tipo de software que a Apple se recusa a deixar passar para os seus aparelhos.

Mas depois temos o caso de softwares mal programados e que são disponibilizados localmente em sites e fóruns, com conteúdos desconhecidos e que podem inclusive conter código maléfico, que se revelam problemas bem reais no Android. Aliás nem mesmo na App Store oficial a Google consegue ter controlo sobre o que lá se coloca e de tempos em tempos saem notícias de aplicações que são removidas da App Store por queixas dos utilizadores. Esta foi uma situação que aconteceu bem recentemente com mais 10 apps a serem removidas da Google Store.

Podem comprovar esse facto aqui.

Mas mesmo fora desse domínio as aplicações de personalização visual do sistema operativo existentes para Android são problemáticas no tocante a performances, uma vez que podem levar um sistema a arrastar-se com o passar do tempo.

Já as Apps produzidas por empresas de renome não possuem este software e com excepção de eventuais faltas de optimizações ao hardware, todas elas deverão correr ser grandes problemas.

No iOS nenhum dos problemas de cima ocorrem, e as optimizações são máximas, o que leva inclusive as equipas de desenvolvimento a considerarem esta como uma plataforma privilegiada.

No entanto, como já foi referido, as limitações existem igualmente impostas pelas restrições das políticas da Apple como forma de protecção ao seu hardware. Quer isto dizer que certo tipo de aplicações existentes para Android, como por exemplo as já referidas apps de personalização do sistema operativo, não existem para iOS. Isto acaba por um lado por ser bom ao se garantir uma estabilidade e performance, mas por outro lado uma limitação que acaba sempre por existir.

De notar contudo que essas aplicações existem para iOS, apenas que não são oficiais e terão de ser adquiridas na Cydia Store, o que obriga a um Jailbreak do telefone.

Aliás uma das grandes lacunas do iOS é mesmo a falha no suporte Flash e da totalidade do Java, pelo menos como opção.

Facilidade de uso

Quem mexe no Honeycomb apercebe-se de uma realidade. Há aqui diferenças muito grandes face ao iOS. Se no iOS tudo é simples e intuitivo, aqui os menus são já algo complexos. É certo que quem está já habituado ao iOS até o pode achar simples demais, mas a realidade é que esse continua a ser um dos seus pontos fortes, até porque qualquer um se sente habilitado a mexer num destes tablets.

Agora no Honeycomb entramos num menu muito mais personalizado com diferentes áreas e zonas que se tornam algo complexas particularmente para quem nunca mexeu no sistema.

Não sei se os tablets Android em que tive oportunidade de mexer nesse dia (Samsung Galaxy Tab 10.1, Motorola Xoom e Asus EEE Transformer) tinham sido alterados já de alguma maneira, mas a verdade é que todos eles apresentavam o Honeycomb e todos eles possuíam vários ecrãs já activos que se acediam com um deslizamento lateral do mesmo. A questão é, se essa situação vem assim de fábrica, porque motivo trazer logo vários ecrãs com tão pouca coisa instalada?

Seja como, com os dados que tinha, a minha opção está tomada e a decisão recaiu sobre o iPAD 2. Não que considere os tablets Android maus… Nem sonhar em dizer isso! Apenas que actualmente, mesmo com limitações que reconheço, o iOS merece-me mais consideração.

Mas deixem as vossas opiniões nos comentários. Será interessante debater este assunto!

 

Publicidade

  2 Responses to “Android ou iOS – Qual escolher”

Comments (2)
  1. A minha opinião não esta muito longe desta.

    Talvez acrescentava que isto não é algo totalmente desconhecido. Ora vejamos…

    O Android mesmo chegando mais tarde, mas por ser open source terá sempre às maiores novidades e será sempre 30 vezes mais personalizável que o iOS da Apple. Por isso mesmo vai ser comum dizer que o iOS acabará sempre por introduzir novidades já vistas na concorrência.

    Ambos são optimos, mas parece-me a mim que o iOS terá sempre às App melhores, ou por assim dizer às mais bem afinadas. Bem como se chegarmos aos jogos, estes serão sempre melhores na store da Apple do que no Android Market. Acho que tudo isto é muito sustentável se olharmos o que acontece com o Windows VS Linux.

    Pessoalmente “atrai-me” mais a filosofia Android, mas gosto mais da facilidade e da qualidade que se encontra na utilização do SO da Apple.

    • É como dizes… são filosofias diferentes. Mas neste caso até há outros factores em jogo que nem refiro e que for por eles nem sequer à comparação possível. O Design do hardware e acessórios que nos produtos Apple são pura e simplesmente abismais.

Sorry, the comment form is closed at this time.