Artigo especial: Qual a melhor consola desta geração?

O artigo que se segue é inédito na PCManias. E isto porque pela primeira vez desde que criamos a página iremos analisar as consolas não pela componente técnica e objectiva que sempre nos caracterizou, mas por preferências pessoais, algo que consideramos sempre como sendo completamente subjectivo. Entenda-se assim este como um mero artigo de opinião e que reflecte simplesmente os gostos do seu autor.

Possuir um website é algo complexo!

Caso se pretenda apenas passar uma informação fidedigna e baseada apenas na realidade das coisas, filtrando a má informação e relatando as verdades puras e duras devidamente enquadradas nos seus devidos contextos e historial, em vez de optarmos por uma postura “politicamente correcta”, é certo que vamos fazer “amigos” e “inimigos”. Mas essa seria uma realidade independentemente da postura que tomassemos! A diferença, e por isso colocamos os termos entre aspas, é que eles não os serão pelas razões mais correctas. E isto porque aquilo que defendemos, pelos motivos que explicitaremos mais à frente, não é necessariamente a nossa opinião pessoal, mas sim uma postura a que temos de tomar para se garantir a maior imparcialidade e honestidade possíveis na informação prestada. Uma posição tomada para garantir que a página, não tendo a qualidade ou os meios de outros websites, particularmente humanos e de tempo, se possa distinguir por outras formas. Neste caso, por uma informação o mais isenta possível.

Assim sendo, até hoje, e desde a nossa criação, em todos os artigos da PCManias tentamos fazer uma análise a todas as notícias e produtos, neste caso específico as consolas por ser o produto que mais temos abordado e que mais polémica tem gerado, com uma apreciação objectiva e despegada.

Tal permite-nos, no caso do hardware,  analisar o mesmo nas suas componentes mais objectivas: A qualidade do serviço e sua oferta associada, a performance, especificações e características adicionais que garantam uma qualidade potencial para a oferta de videojogos de qualidade.



E porque?

Basicamente dois motivos!

Primeiro porque temos consciência que uma consola vale acima de tudo pelos jogos. Mas a apreciação dos mesmos é muitas vezes uma questão de gosto e os gostos não são iguais para todos, sendo que isso é algo que a vida rapidamente nos ensina. Daí que não é por eu preferir os jogos A e/ou o jogo B que correm numa consola face aos jogos C e/ou D que correm em outra, que isso torna uma das consolas melhor que a outra. Isso são apenas os meus gostos pessoais por jogos e há pessoas que não partilham dos mesmos! Daí que recomendar uma consola baseado em preferências pessoais dos jogos que ali correm é algo que consideramos como completamente errado.

Aliás, o mais certo é que se pegarmos em outras pessoas que recomendassem essa mesma consola pelos mesmos motivos, os jogos, poderia acontecer que os títulos que as fascinam e levam a dar essa recomendação sejam radicalmente diferentes daqueles que me levam a fazer a mesma escolha, e isso mostra bem que este tipo de recomendação passa por uma base onde lidamos com dados não concretos e variáveis, ou seja, muito subjectivos e que variam de pessoa para pessoa.

Segundo porque uma consola não vale pela livraria que possui no momento da sua compra, mas sim, e igualmente, por aquilo que poderá vir a oferecer na sua vida útil. É extremamente pouco coerente recomendar uma consola porque ela possui (ou se acredita que possui) um conjunto maior de jogos aclamados que a outra, quando na realidade no final das vidas úteis das mesmas a situação pode estar completamente revertida.

Estes são os motivos pelos quais aqui na PCManias nunca leram qualquer recomendação que não terminasse com uma indicação que a escolha da mesma deve, acima de tudo, passar pelos gostos de cada um a nível dos jogos existentes e que pensam vir a existir na plataforma. Mas por estes dois motivos,  nunca fizemos artigos de análise de uma consola que não se baseasse exclusivamente na descrição exaustiva da performance, serviços e capacidades oferecidas pela mesma, os únicos dados palpáveis e imutáveis, não subjectivos existentes. É dessa forma, e apenas dessa forma, que consideramos ser úteis dentro de uma internet saturada de informação inútil e viciada, passando a informação objectiva, e deixando a subjectiva ao cargo de cada um.

Assim, tomando em conta a realidade do hardware da actual geração, os nossos artigos sempre fizeram grandes referências e elogios às consolas Playstation uma vez que as consolas PS4 no mercado são todas elas superiores a nível de performances às ofertas disponibilizadas atualmente pelo lado da Microsoft. São por isso, objectivamente, pelo dinheiro, a melhor compra.

Mas este artigo vai ser diferente. Aqui vamos deixar de lado a objectividade e fazer uma análise/recomendação totalmente baseada na nossa experiência e gostos pessoais e, mais do que isso, baseando-nos apenas no que existe disponibilizado até a data atual, e na forma como os jogos e serviços existentes nos agradaram/desagradaram. É por isso um artigo diferente do que sempre produzimos, e que ainda por cima será escrito limitando o universo temporal ao que é a realidade de mercado que as consolas ofereceram até hoje desde o seu lançamento em 2013, ignorando que no futuro isso pode mudar radicalmente.

Como tal, o artigo será certamente polémico na perspectiva de certos leitores que poderão ficar surpreendidos com o que vão ler, até porque o as linhas que se seguem certamente irão conflituar com o que é normalmente dito nesta página em análises mais objectivas e menos parciais. Daí que nunca é demais frisar e esclarecer de forma clara que este é um artigo  inédito nesta página, e criado numa vertente que, como explicitado, nem consideramos muito correcta para uma análise considerada séria.

Mas porque motivo reconhecendo-se essa falta de seriedade há esta alteração de postura para a criação deste artigo?

Três razões:

Primeiro porque é nossa ideia de que a realidade das consolas mudou com o lançamento da PS4 Pro!

Como já referimos em vários artigos, o lançamento desfasado da PS4 Pro face à Scorpio abre as portas a lançamentos de consolas a cada 2 anos. Não vale a pena referir de novo porque motivo acreditamos que isso é uma possibilidade com enormes probabilidades de acontecer, basta dizer que nem Sony e nem Microsoft pretendem ficar na mó de baixo, e que certamente nenhuma vai querer manter no mercado uma consola inferior à do concorrente, sendo prejudicada nas vendas.

Daí que com esta ideia em mente, a recomendação de uma consola apenas baseada na performance e caracteristicas perde muito do seu sentido uma vez que esta não se manterá líder durante um período de tempo semelhante ao que nos habituamos ao longo de 40 anos de consolas.

No entanto tal não é, nem nunca seria suficiente, para nos fazer escrever um artigo destes, e há um segundo motivo mais forte!

E esse segundo motivo tem a ver com o facto que a nossa postura imutável tem vindo a criar dúvidas sobre a nossa imparcialidade, com uma ideia geral de que defendemos sempre o mesmo lado. E realmente isso até acontece, pois de forma consciente, objectiva e honesta, como já referido, a forma que vemos como a mais correcta de se recomendar algo é a baseada em dados objectivos de performance e características que se mantiveram imutáveis até hoje, e não pelas subjectividade das nossas preferências pessoais.

Devido a estas duas situações criamos este artigo onde isso muda, e o que vamos ver aqui reflete não uma análise objectiva como é habitual, mas a minha opinião pessoal. Algo que por norma até podem ler ou perceber em comentários, mesmo que refreados uma vez que, por uma questão de imagem da página, nunca foi minha intenção revelar as minhas preferências de forma clara, mas nunca em artigos. Ficam assim a perceber que a dualidade de posições pode existir entre o objectivo e o opinativo, sendo que a seriedade que tentamos colocar nos nossos artigos sempre nos impediram de escrever baseado neste último.

E esse foi o terceiro motivo pelo qual escrevemos este artigo. O mostrar como se pode deturpar as situações face à análise objectiva quando nos baseamos em gostos e experiências pessoais, de forma a que, talvez desta forma, os nossos leitores consigam dar mais valor aos nossos artigos e à forma como eles são elaborados.

Vamos analisar então alguns dos pontos que tantas vezes foram aqui discutidos como sendo factores decisórios numa compra, e avaliando-os de acordo com a nossa experiência pessoal, face à análise objectiva habitual.

A análise

Se antigamente uma consola era uma caixa que se comprava e para a qual se adquiriam jogos, isso mudou radicalmente nos dias atuais. E a qualidade de uma consola passou a definir-se não só pelo que está dentro da caixa, mas igualmente pela sua capacidade e serviços online. Eis então pontos que os leitores normalmente discutem nos comentários e a minha posição pessoal sobre eles.

PS4 PSN vs Xbox One Xbox Live – Qualidade de serviço

A eterna discussão. Qual a melhor rede?

Infelizmente o que entendo é que esta é uma discussão onde as pessoas associam realidades globais a realidades pessoais. Uma discussão onde as pessoas argumentam com dados e situações que muitas vezes nem sequer se passaram consigo, mas que leram na internet e relativas a outras partes do mundo.

Nesta análise, e dado que me cingirei à minha experiência pessoal, o que posso dizer é que nunca encontrei entre as redes verdadeiramente diferenças que possam considerar como dignas de verdadeiro registo. Não vou quantificar pequenas situações, exactamente porque são pequenas situações, mas apenas pensar em quantas vezes me senti prejudicado por problemas na rede, e na prática o que posso dizer é que todos os problemas que tive, mesmo que possa quantificar mais de um lado que no outro, não foram verdadeiramente significativos. Ambas as redes funcionam dentro de parâmetros que considero aceitáveis, pelo que a nível de qualidade, teria de empatar as duas.

No entanto, e dado que aqui analiso a componente gratuita da rede, não posso deixar de dar vantagem à PSN pelo número de ofertas e produtos acessíveis sem pagamento que se revela muito superior ao oferecido pelo Live onde muitas situações estão ainda inacessíveis sem pagamento do Gold.

Assim, quer analise objectivamente, quer o faça por análise baseada em opinião própria, tenho aqui uma concordância de visões, com vantagem da rede da Sony.

PS4 PSN Plus vs Xbox One Xbox Live Gold – Preço

Analisando a realidade a frio, a PS4 oferece o serviço mais barato. O custo da PSN Plus por 12 meses é de 49.99 euros, ao passo que o Xbox Live Gold é de 59.99 euros!

Numa análise objectiva feita em qualquer outro artigo teria de dar vantagem à PSN Plus pois estes são os custos oficiais e os custos que muito certamente a maior parte das pessoas pagarão.

Mas no entanto não é a minha realidade.

Por norma, e pesquisando na internet, tenho conseguido renovar a minha Xbox Live Gold por custos como 35 euros ano. Já as minhas melhores pesquisas apenas conseguem descer a PSN Plus para 45 euros. E nesse sentido, neste artigo onde fugimos à realidade das coisas para me centrar na minha própria experiência, e analisando apenas o valor pago (até porque há outros parâmetros destas redes avaliados de seguida), terei de dar a vantagem à Xbox Live Gold.

Mais uma vez, para este artigo, vou contra a objectividade da situação, até porque nem todos compram este serviço online, conhecem estes websites mais económicos, encontram estes preços, e/ou usam cartão de crédito. Aliás, nem sabemos ao certo se os websites que vendem a estes preço são exactamente legais, motivo pelos quais nem os gostamos de abordar publicamente aqui.

Mas ficam a saber que no que toca ao preço, a minha experiência toma o Live Gold como superior.

PS4 PSN Plus vs Xbox One Xbox Live Gold – Oferta

Uma das maiores vantagens destes serviços pagos é a oferta de jogos. E se na era PS3 a oferta da Sony era imbatível, com a Live a nem sequer oferecer nada durante anos e anos, na atual geração a situação inverteu-se. Agora ambas as redes oferecem jogos, mas a oferta da Microsoft tem-se revelado bastante superior!



Não só a Microsoft tem ofertado bastantes jogos AAA, algo que a Sony não tem feito, mas a existência de retro-compatibilidade permitiu oferecer igualmente jogos da Xbox 360 que são jogáveis na One.

No entanto, a nível de oferta, na minha experiência pessoal, a PSN continua a ter grandes vantagens. E isto porque possuindo uma PS4, uma PS3 e uma PS Vita, beneficio de um total de 6 jogos por mês, ao passo que na Live apenas beneficio de 4 (Valores médios para ambos os lados).

Caso esta situação fosse contabilizada de forma objectiva, teria de verificar o valor do oferecido pelo serviço perante o dinheiro pago para cada possível combinação de consolas (PS4, PS4+Vita, PS4+PS3, PS4+PS3+Vita), e analisar caso a caso face à oferta da Xbox One para referir qual seria o superior

Mas não se entrando nessa objectividade, tomarei apenas em conta para a avaliação as ofertas especificamente nas consolas PS4 e Xbox One, e aí a vantagem cai, claramente, para o lado da Microsoft pela sua melhor oferta e inclusão de jogos 360 jogáveis na One.

PS4 vs Xbox One – Performances gerais dos jogos

Este é um ponto onde a PS4 leva vantagem. Seja ela a versão base, a Slim ou a Pro, a PS4 possui sempre vantagens de performance gráfica adicional sobre qualquer versão da One. E nesse aspecto a PS4 oferece por norma melhorias nos jogos multi face à Xbox One. Entre elas contam-se:

  • Melhores resoluções
  • Melhores FPS
  • Melhores efeitos

Torna-se por isso claro e pouco discutível que este é um ponto onde a PS4 leva vantagem. E mais uma vez é um ponto onde a minha opinião objectiva bate certo com a análise pessoal.

Assim, aqui a vencedora seria a PS4!

PS4 vs Xbox One – Simplicidade de uso da interface

Numa análise objectiva a PS4 levaria clara vantagem neste ponto. Os seus menus são mais simples e os jogos e programas estão acessíveis directamente no menu de entrada.
Já a Xbox One é mais complexa, obrigando a navegar pelos seus menus ou a customizar a mesma de forma a se ter acesso directo aos jogos instalados.

No entanto, dado que aqui se vai fazer uma comparação baseado em preferências e experiências pessoais, não irei dar a vantagem à PS4. O motivo é que os menus da Xbox One, apesar de mais confusos, apenas o são comparativamente. Mas após algum tempo de uso, a nossa experiência, que pode no entanto ser diferente de outros, levou a que nos habituássemos à situação em já a encaremos como fácil o uso de ambos os interfaces. E nesse sentido, mesmo que reconhecendo-se a diferença na facilidade de navegação entre os dois interfaces, não temos nem problema nem com um, nem com outro.

É um caso claro de uma situação que, num artigo normal, nunca avaliaríamos assim pois tal é uma total deturpação da realidade existente. E como exemplo temos a certeza absoluta que colocar pessoas que nunca mexeram em consolas, a mexer nos menus inalterados de ambas, e solicitar que executem um jogo digital (sem BD) instalado na mesma levaria a tempos superiores de execução na Xbox One. E isto se a pessoa se conseguisse imediatamente orientar nos menus da Xbox que se revelam um pouco confusos no início com a lista dos jogos instalados a nem aparecer directamente no ecrã de entrada.

Mas possuindo a consola à quase 3 anos, essa é uma questão que para nós já nem se coloca, sendo que nos entendemos igualmente bem de ambos os lados.

Daí que, nesta análise pessoal, surge aqui um empate.

E finalmente o ponto mais esperado de todos!

Dado que a análise é baseada nas minhas preferências pessoais posso acrescentar aqui, sem problemas de consciência, um item adicional. Um item que nunca acrescentaria numa análise objectiva, pois é o mais subjectivo possível: Qual a consola que possui os exclusivos que mais me agradam.

Como já referido anteriormente (e pretende-se repetir a ideia mesmo tendo noção que já estamos a ser chatos com a referência), normalmente nas análises aqui feitas é sempre deixado claro que a mesma se baseia exclusivamente em componentes técnicas, ficando sempre a ressalva que, independentemente do que referimos, a escolha de uma consola devem sempre ser feita de acordo com as preferências de jogos de cada um. Mas neste caso, dado que a análise não é objectiva, irei colocar esse mesmo ponto das preferências pessoais em cima da mesa, e avalia-lo pelos meus gostos, tendo em conta que a distinção  maior entre os jogos das duas consolas está basicamente nas performance e nos exclusivos.

Vamos então a ele:

PS4 vs Xbox One – Preferência a nível de exclusivos

Como já deixei claro anteriormente, este é, a meu ver, o ponto principal a ter em conta na escolha de uma consola. Parece-nos ser mais importante do que qualquer um dos outros até agora analisado, até porque é o que mais conta numa compra (não fossem as consolas maquinas criadas para se jogar esses jogos), pelo que sempre achamos que este item deveria ter um peso superior a todos os outros.

E aqui é que surgirá a surpresa para muitos. Pois a minha escolha a nível da preferência de exclusivos vai para… A XBOX ONE!

xboxone-kinectic

Motivos?

Bem, é certo que a nível geral a Xbox One não possui a mesma qualidade técnica nos jogos que partilha com a PS4. No entanto estamos a falar de diferenças que, apesar de reais, não são verdadeiramente impactantes na experiência. Com mais ou menos resolução, com mais ou menos fps, a Xbox One apresenta os mesmos jogos que a PS4, nunca tendo sido impossibilitada de os apresentar, ou tendo diferenças tão radicais ao ponto de estas serem verdadeiramente danosas para a consola a nível de qualidade ou performance.

São apenas diferenças!

No entanto o que é referido em cima não é motivo para que eu escolha a Xbox One sobre a PS4. Afinal, com muito ou pouco impacto, a Xbox One possui menor qualidade geral nos jogos do que o oferecido pela PS4. E isso terá de dar vantagem à PS4!

E é aqui que entra a questão subjectiva. A tal questão que nunca quisemos colocar nos nossos artigos. A  preferência pessoal!

E a realidade é que analisando a minha vasta lista de jogos e seleccionando um top 5 adequado aos meus gostos e preferências, ele seria constituído pelos seguintes jogos (sem qualquer ordem específica).

Forza Horizon 2
Halo 5
Uncharted 4
Quantum Break
Batman – Arkham Knight

Basicamente o que salta à vista é que deste top 5 temos 4 jogos que correm na Xbox One e 2 que correm na PS4! 3 exclusivos Xbox One e 1 PS4.

Poderia elevar esta lista para um top 10, mas a realidade é que apesar de melhorar a quota da PS4, basicamente estaria a alterar muito pouco nestas percentagens ao acrescentar na sua maioria jogos multi plataforma. E não tendo ainda jogado convenientemente Gears of War 4, não o contabilizo nesse esse top 10, ou quem sabe até neste top 5 (Forza 3 poderia fazer o mesmo, mas nesse caso excluiria o 2 por ser da mesma franquia).

Resumidamente, a realidade é que a nível de jogos a minha consola preferida acaba por ser a Xbox One. É nela que estão os jogos que eu mais gosto, e neste exacto momento, caso não tivesse consolas e tivesse de escolher apenas uma, seria a que compraria. E neste ponto estou a ser totalmente sincero.

Convém no entanto também deixar claro que  a compra teria de ser muito bem ponderada pois com excepção da Halo 5 os restantes exclusivos Xbox e jogos que correm na Xbox estão disponíveis no PC com melhor qualidade e resolução (apesar de Arkham Knight ter demorado um bom tempo a se ver livre de problemas nesta máquina).

Mas claro, isto é uma questão de gostos pessoais, e este é um ponto que, como referido, nunca analisaríamos numa análise objectiva, até porque no que toca a gostos não há objectividade possível. Cada qual gosta do que gosta!



Por esse motivo, esta nunca foi a forma que entendemos como correcta de se analisar as coisas pelo que encarem este artigo como bem entenderem. Uma mera partilha de ideias e gostos, ou uma avaliação a tomar em conta. Mas o certo é que, salvo os casos onde há coincidência nas análises, os parâmetros de cima não estão a ser analisados da forma objectiva pela qual sempre nos pautamos aqui na PCManias, optando-se por uma análise muito pessoal. E isso não é ajudar o leitor, é tentar impingir-lhes os nossos gostos

Infelizmente muitas pessoas, por serem incapazes de distinguir a razão das suas opiniões, nem sequer serão capazes de perceber o que aqui é dito. E por exemplo, após ter revelado as minhas preferências pessoais a nível de jogos, incluindo 3 da Microsoft e apenas um da Sony, se me questionassem sobre se os jogos exclusivos da Microsoft são melhores que os da Sony certamente ficariam surpreendidas por a minha resposta ser a de sempre: Não!

E isso porque o que está em cima é a minha opinião pessoal, a minha preferência a nível de estilos de jogos e jogabilidade. E isso não torna a situação uma realidade, apenas uma opinião, havendo certamente quem discorde da mesma!

De qualquer maneira, e se calhar para para surpresa de muitos, e não tanto de outros que sempre souberam que eu sou uma pessoa de jogos e não de marcas, ficam a saber qual a consola que até ao momento (e ainda há muitos jogos para sairem de ambos os lados) mais me agradou nesta geração. A Xbox One!

igualmente difícil de muitos perceberem será que as minhas preferências não impedem que se critique o que há a criticar e se diga bem do que há a dizer quando há notícias sobre a Microsoft (particularmente no que toca às suas políticas que mudaram mais vezes durante estes anos do que o vento mudou de direcção), ou que as análises deixem de reflectir as diferenças naquilo que não é subjectivo. Porque uma coisa são as nossas preferências, outra a imparcialidade e objectividade da PCManias, algo que muitos não gostam e confundem com fanboyismo, mas que continuará a ser uma realidade, goste-se ou não pois artigos de análise a hardware baseados em gostos pessoais não voltarão a existir por não se considerar os mesmo como sendo sérios e honestos.

Porque Fanboyismo não é o que acontece nos outros artigos, é o que existiu neste. Uma demonstração de preferências pessoais e não uma análise fria e objectiva de realidades de mercado e hardware disponível. E um artigo onde tudo são opiniões pessoais e pouco é concreto.

Daí que no que toca a artigos subjectivos deste género, dêem os mesmos como iniciados e concluídos aqui, até porque a mistura pode criar confusão em muitos leitores. A PCManias continuará futuramente a pautar-se pelas análises objectivas de informação útil e precisa ao leitor que sempre nos guiaram.

PS: A nossa postura nos comentários continuará igualmente idêntica, combatendo os abusos e a má informação, independentemente de agora saberem ao certo as nossas preferências. Algo que sinceramente nunca desejei revelar independentemente da consola em causa.



Posts Relacionados