Jogos da Bethesda foram alterados para o suporte ao FPS Boost

5 2 votes
Avalie o nosso artigo

A aquisição da Bethesda trouxe os seus jogos para o Game Pass, bem como o suporte ao FPS Boost.

Já tínhamos noticiado que o FPS Boost poderia trazer algo mais para além do aumento dos fotogramas, e que esse algo mais poderia passar por cortes na resolução. Pois bem, aqui com os jogos da Bethesda a situação não é diferente e alguns jogos sofrem cortes até aos 1080p.

Prey, Dishonored, Fallout 4, Fallout 76, e The Elder Scrolls V: Skyrim foram alguns dos jogos suportados e que vão agora todos correr a 60 fotogramas por segundo, e o curioso é que se na Xbox séries X poderá haver vantagem em o descativar para se obter mais resolução, na Xbox séries S, o FPS Boost traz sempre vantagens face ao modo nativo.

A tabela que se segue demonstra isso, ao indicar a resolução e fps destes jogos na Xbox séries X e séries S (FPS boost), e os fps e resolução na Xbox One X e Xbox One, que correspondem aos valores que podem ser obtidos nas consolas de nova geração, com o FPS boost desactivado.

Eis a tabela:



Elder Scrolls: Skyrim

2160p 60 fps na Xbox séries X
1080p 60 fps na Xbox séries S
2160p 30 fps na Xbox One X
1080p 30 fps na Xbox One

Prey

1440p 60 fps na Xbox séries X
900p 60 fps na Xbox séries S
1440p 30 fps na Xbox One X
900p 30 fps na Xbox One

Fallout 4

1080p 60 fps na Xbox séries X
1080p 60 fps na Xbox séries S
2160p 30 fps na Xbox One X
1080p 30 fps na Xbox One



Dishonored

1080p 60 fps na Xbox séries X
1080p 60 fps na Xbox séries S
2160p 30 fps na Xbox One X
1080p 30 fps na Xbox One

Fallout 76

1080p 60 fps na Xbox séries X
1080p 60 fps na Xbox séries S
2160p 30 fps na Xbox One X
1080p 30 fps na Xbox One

 



 

 

 

 

 



 



5 2 votes
Avalie o nosso artigo
16 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
7 meses atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Ontem o NXGamer lançou um vídeo sobre o FPS Boost, e tem algumas discussões bastante interessantes: https://www.youtube.com/watch?v=p17oX4IzWb4

Ele disse que a principal motivação do FPS Boost é o X-Cloud. Jogos rodando a 30fps via streaming podem não ser uma boa experiência quanto à resposta dos comandos. Atualizar para 60 ou 120fps melhoram bastante a experiência do jogador, principalmente via streaming. E claro, outra grande motivação é deixar o catálogo do gamepass mais atraente, rodando jogos legados oferecendo a melhor experiência possível, para que não fiquem tão “datados”.

E alguns jogos com FPS Boost estão rodando em BC com o Xbox One S exatamente porque a prioridade da Microsoft são os 60fps estáveis. Fallout 4 em 4k 60fps tem várias instabilidades, caindo para 40s, o que é indesejável em qualquer formato, mas principalmente streaming. Lembrando que no Xbox One X, o jogo roda em 4k 30fps, mas com várias quedas para a casa dos 20s. Então o Xbox Series X via FPS Boost não conseguiu superar estas limitações e oferecer 60fps estáveis com resolução 4k. Seria necessário abrir o código-fonte do jogo e otimizá-lo para rodar em 4k 60fps constantes. Como fazer isso com vários jogos seria um custo elevado, restou adotar o FPS Boost como alternativa padrão.

Se a resolução do Xbox One X suportar 60fps estáveis, usa esta. Caso contrário, usa a resolução do Xbox One S.

Carlos Eduardo Santos
Carlos Eduardo Santos
Responder a  Carlos Eduardo
7 meses atrás

Na minha humilde opinião, eu acho que o objetivo é este, normatizar os jogos nos 1080p a 60 FPS cravados. Motivo? Xcloud.
Levando em consideração que a maioria dos smartphones tem tem telas com resolução de 1080p, e que com certeza o Xcloud é o próximo passo da Microsoft para “popularizar” ainda mais seus serviços, não me estranharia em ver eles colocarem essa resolução como “padrão” para a maioria dos jogos do Game Pass.
Se eu não me engano já estão pipocando pela internet imagens de joysticks (não sei se são oficiais), daqueles que você encaixa o smartphone para jogar como se fosse um console portátil.
E a Microsoft além desses jogos da Bethesda está investindo bastante em J-RPGs e em outros estilos diversificados.
Muito provavelmente para quando o Xcloud estiver funcionando de “maneira plena”, eles possam alcançar o maior número de nichos possíveis dentro do público gamer.
É uma grande aposta, e eu sinceramente acho que tem tudo pra dar certo.

Gervas69
Gervas69
Responder a  Carlos Eduardo Santos
7 meses atrás

Não é pipocando, vais ao site da Microsoft que estão lá, até já têm parceria com a Samsung.
Mas acho que tens razão, o padrão 1080/60 deve ser por causa da cloud

Sparrow81
Sparrow81
7 meses atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Olha aí, os fanáticos agora já podem dizer que o SS é mais poderoso que o SX, como já afirmam que é mais que o PS5. Loucura, não? 😂😂😂

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
Responder a  Mário Armão Ferreira
7 meses atrás

Alguns estão nessa ilusão de que as ferramentas não estão sendo usadas adequadamente, porque ao contrário da Sony, a Microsoft esperou as features RDNA 2. E quando tais ferramentas forem totalmente usadas, o Xbox Series X mostrará diferença significativa para o PS5, e o Xbox Series S entregará resultados mais próximos do PS5.

Inclusive vi pessoas usando a entrevista com o Diretor de Comunicação da Remedy para a IGN querendo reforçar essa idéia, de que no momento o potencial do PS5 está sendo melhor explorado, mas que no futuro o Xbox será tão bem aproveitado quanto o PS5, conseguindo resultados significativamente melhores.

O que vi nessa entrevista foi um claro relato de que o PS5 é mais fácil de se extrair performance, e que no Xbox Series existiu mais trabalho para adaptar a Northlight Engine para o GDK. E que ambos os SDKs estão em “infancy”, ou com muito o que melhorar. Tiveram mais trabalho no Xbox, mas alcançaram resultados. Não é uma questão de poder oculto que não foi usado, mas sim de maior esforço para entregar o que se espera.

E nessa entrevista vi afirmações pesadas e preocupantes sobre o Xbox Series S, seja com relação à limitações ao hardware superior, ou inclusive ao seu suporte, que não é nada simples como pensaram que seria. “É só reduzir resolução e mexer em presets gráficos”. É fácil demais para quem está de fora e nunca escreveu uma linha de código na vida.

Também já vi alguns comparando as “ferramentas” da Microsoft com a situação da ESRAM em 2013, o que para mim não tem nada a ver. Alguns jogos simplesmente não usaram a ESRAM apropriadamente em 2013 e 2014, resultando em jogos muito mal optimizados para o Xbox One, dependendo quase que exclusivamente da memória DDR3. Por volta de 2015 penso que venceram a curva de aprendizagem e o ESRAM passou a ser melhor aproveitado. Já no caso do GDK, este está sendo usado em quase todos os jogos de Xbox Series (a exceção é Cyberpunk 2077). Se o DXR não estivesse disponível no GDK, não veríamos Ray Tracing em nenhum jogo de Xbox Series X. E DXR está disponível desde 2018 para as RTX 2000. VRS também vem sendo usado em Gears 5, Gears Tatics, Dirt 5.

Sabemos que Mesh Shaders e Sampler Feedback Streaming ainda não estão sendo usados, mas me parece mais uma questão de que somente serão aproveitados nos jogos realmente next-gen, quando se livrarem dos menores denominadores comuns, no caso Xbox One, GTX linha 1000. E creio que o PS5 tem alternativas de mesmo potencial, seja a Geometry Engine para os Mesh Shaders, ou a própria arquitetura ultra-veloz de SSD do PS5, que pode suportar Sampler Feedback Streaming via software com sobras.

Então para mim as ferramentas irão melhorar, irão aprimorar, mas no ciclo clássico que conhecemos em todas as plataformas. E sempre que ocorre uma grande mudança, como uma ESRAM em 2013, ou um SSD ultra veloz em 2020, leva-se tempo para que os jogos tirem partido de mudanças radicais.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Carlos Eduardo
7 meses atrás

E pra engrossar ainda mais o caldo temos o fidelity FX para se falar muito ainda.

nETTo
nETTo
Responder a  Mário Armão Ferreira
7 meses atrás

Se não depende de I.A então ela estará mais para o Checkerboard do que para do DLSS

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
Responder a  Mário Armão Ferreira
7 meses atrás

Por isso que estou esperando a análise da Digital Foundry ou do NXGamer quanto à qualidade da imagem.

Em Marvel Avengers, no modo 60fps o Xbox Series X corre em resolução nativa inferior a 4k. O PS5 corre em resolução checkerboarding 4k, mas os pixels nativos inferiores aos do Xbox.

Então o que vale mais para a qualidade final da imagem? 4k checkerboarding ou resolução inferior a 4k mas sem reconstrução? Será interessante de ver esse comparativo.

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
Responder a  Sparrow81
7 meses atrás

Tive uma leve inspiração para fazer uma analogia. Vou compartilhar lol.

Estava jogando Rayman Legends com meu filho, e ele gostou das fases de marcar tempo, no caso se terminar o speedrun em menos de 40 segundos, salva 3 “bichinhos azuis” (não sei o nome).

Então no começo sem experiência, alcançamos 50 segundos. Depois melhoramos para 48, 45, 43, 41 segundos, até depois, bem amadurecido com o trajeto, otimizamos a estratégia e fizemos uma nova tática de speedrun que alcançamos 38 segundos. Reduzir de 38 segundos já é muito difícil, mas conseguimos baixar para no máximo 37 segundos.

O Rayman não passou a correr mais rápido ou adquiriu novas habilidades ao longo da nossa maturação. Apenas optimizamos a nossa estratégia de speed run sobre as habilidades que ele possui.

No nosso caso aqui, as habilidades do Rayman é o hardware e a nossa estratégia de speedrun é o software. Sair de 50 segundos para 38 segundos envolveu optimização, e não liberação de poder oculto como alguns fazem crer com a idéia das ferramentas. Mas depois que alcançamos um patamar muito bom, abaixar de 38 para 37 segundos foi uma tremenda luta, e o resultado bastante discreto, porque a maturação já havia sido alcançada.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Carlos Eduardo
7 meses atrás

Reduzir de 38 para 37 ou até 36 será trabalho para uma Santa Monica, ND da vida. Rsrs

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
Responder a  Sparrow81
7 meses atrás

Exato. Ali é no nível extremo. rs

error: Conteúdo protegido