Os jogos single player estão a morrer? Claro que não! – Parte 1

Este é um mito que as empresas estão a querer passar para defender os seus interesses de jogos como serviço!

Single Player… Multi player… Quais os melhores jogos?

Na realidade a qualidade dos jogos não se mede e nem nunca se mediu pelo facto de estes serem multi ou single. Há jogos de elevada qualidade em ambos os casos!

Actualmente as empresas queixam-se que os jogos single player vendem mal… mas será que isso é verdade? Os jogos single player vendem mal? Ou será que na realidade há outros interesses por detrás? É isso que vamos ver!

Há algo em falta… e não é necessáriamente o multi player



Battlefront II… um jogo multi player baseado no universo Star Wars, mas que não esteve livre de críticas! E qual a maior crítica colocada ao jogo? A ausência de um modo campanha!

Ora este modo campanha não é mais do que um modo single player… E isto serve para comprovar uma realidade! O Single Player é tão ou mais desejado que o multi Player! E dizer o contrário é mentir!

As origens do rumor da morte dos single player

A atual discussão sobre a morte dos jogos single player deve-se ao sucedido com a Electronic Arts que encerrou a Visceral Games devido a maus resultados. Esta equipa estava a trabalhar num jogo Star Wars single player que foi assim cancelado.

Associando a isto a aposta da EA em Star Wars Battlefront, tudo parece apontar no sentido de que realmente este jogo foi cancelado por ser single player, uma ideia para a qual as seguintes declarações não ajudaram:

No seu formato atual, estava a delinear-se ser um jogo baseado na história e uma aventura linear. Durante o processo de desenvolvimento tesmos testado o conceito com os jogadores, ouvindo o feedback sobre como eles querem jogar, e de perto procurando por mudanças radicais no mercado. Tornou-se claro que para entregar uma experiência que os jogadores querem e que irão voltar à mesma desfrutando do jogo por bastante temo, temos de mudar o design.

Agora associemos a isso alguns jogos single player recentes que não se portaram como deveriam, tais como Dishonored 2,  Prey, Deus Ex: Mankind Divided, Watch Dogs 2, etc. Tudo jogos single player, e onde alguns até nem eram nada lineares, possuindo mundos abertos.

A realidade tal como ela é

Mas os jogos single player vendem mal? Estarão eles condenados?

Há aqui uma ideia errada. A de que os jogos single player vendem mal! Porque na realidade não vendem… eles podem até vender menos que os multi player, mas daí a venderem mal vai uma grande diferença.

Vamos comparar alguns valores de vendas, usando para tal a plataforma da Sony, a Playstation, por ser esta que oferece as maiores vendas.

Na primeira comparação vamos usar a última versão do jogo Call of Duty, o Infinite Warfare, e que teve o seu maior volume de vendas exactamente nesta plataforma, com o jogo Uncharted 4.

Muitos poderão dizer que Uncharted 4 tem multi player, mas na realidade isso é apenas um extra. E um extra que pouco ou nada tem a ver com o jogo real, ao ser uma componente de tiro, que exclui a exploração e os puzzles. É um extra, mas não é um ponto de vendas! Não haverá um único jogador que tenha comprado Uncharted 4 pelo seu modo multi, apesar de que muitos terão agradecido a sua existencia.

No entanto Uncharted 4 é e sempre foi um jogo single Player. E nesse sentido iremos considera-lo como tal.

COD: Infinite Warfare – 7,65 milhões de cópias

Uncharted 4 – 9,53 milhões

Uncharted 4 bateu claramente o líder dos jogos multi… poucos são os jogos multi que vendem a este nível, mas mesmo assim, foi batido por um jogo single player. Note-se que aqui nem interessa saber quem vende mais, mas apenas ter uma noção de que as performances existem.

Mas vamos ver mais… e peguenos num dos outros poucos jogos que atingem estes valores de vendas. O Battlefield. Vamos compara-lo com The Last of Us.

Battlefield 1 – 7.20 milhões

The Last of Us – 5.2 milhões

Battlefield 1 vendeu mais do que the Last of Us… um remaster de um jogo da PS3 que tinha já vendido outro tanto nessa plataforma. Feitos os custos de desenvolvimento, torna-se difícil dizer qual destes jogos terá dado mais lucro.

E podiamos pegar num outro caso como o Star Wars: Battlefront contra Uncharted: The Nathan Drake collection

Star Wars: Battlefront: 8,53 milhões.

Uncharted: The Nathan Drake Collection – 5,21 milhões

Mais uma vez um remaster single player a vender bem. Custos de desenvolvimento super reduzidos face a um custo de produção que só em licenças deve pagar milhões.

Mas como estes há muitos jogos single player que foram sucessos de vendas: Horizon: Zero Dawn, The Witcher 3, Legend of Zelda: Breath of The Wild ou um jogo recém lançado e com notas quase perfeitas que em três dias vendeu 2 milhões de cópiasSuper Mário Odissey, etc.

Vender mais ou vender menos, o que torna um jogo um sucesso comercial?



O que torna um jogo um sucesso comercial?

Como se explica que a EA tenha vindo dizer que com 4 milhões de cópias vendidas Dead Space 2 deu prejuizo. E ao mesmo tempo vemos que Bloodborn na PS4 foi considerado um sucesso mal atingiu o primeiro milhão de vendas.

Atualmente jogos como Forza Motorsport ou Forza Horizon raramente vendem muito mais do que 2 milhões de cópias e mesmo assim são sucessos a repetir. Mas Dead Space 2 com 4 milhões de vendas foi um fracasso?

De acordo com um membro da equipa Dead Space 2 terá utilizado recursos que levaram a que a sua produção tenha custado 47 milhões de dólares:

Será que com 4 milhões de cópias o jogo deu lucro?

Vamos ver então:

4 milhões a uma média de 35 euros a cópia (considerando que inicialmente o jogo foi vendido a 70 euros, mas depois desceu o seu valor, pelo que apontamos para o valor intermédio), isto são receitas de 140 milhões.



140 milhões menos 50 (arredondando os 47 milhões para cima) são 90 milhões. Ou seja, o jogo pagou-se e sobraram 90 milhões. Se a EA gastou 90 mais de 90 milhões em outras situações, então o problema aqui não é com o jogo… é com má gestão da empresa!

Com 4 milhões de cópias, Dead Space deveria ter dado lucro. É simples matemática!

Recordo que esta história não é nova! A Square Enix queixou-se do mesmo com o Reboot de Tomb Raider que também vendeu 4 milhões. Segundo a empresa, eles esperavam 7 milhões!

7 milhões!!! Um valor que apenas os melhores dos melhores jogos alcançam… mas que foi aqui colocado como fasquia!

Curiosamente, Tomb Raider teve outros jogos, que venderam ainda menos que o primeiro. Mas nunca mais ninguém se queixou de prejuízos. Porque?

Mas voltando à EA, à Visceral e a Dead Space, eles referiram publicamente que Dead Space 3 precisava de vender 5 milhões para sobreviver. Há qualquer coisa de mal aqui! Que raio de custos são estes que necessitam de vendas que se sabem não serem banais.

A EA entrou em loucuras! Vender 4 ou 5 milhões de cópias não pode ser um objectivo a alcançar. Poucos são os jogos que alcançam essas vendas, e os que os fazem são efectivamente jogos fora de série. Num mercado saturado e cheio de oferta, colocar-se fasquias deste género não é realista!

Mas ainda menos se aceita que se pensa que a culpa destas vendas é do single player.

O real interesse dos multi player

Olhando para jogos multi como Forza Motorsports, Halo 5 ou Forza Horizon, Gears of War 4, etc, todos eles com fortes componentes online, vemos que estes jogos não alcançaram valores astronómicos de vendas. Mas mesmo assim, eles são sucessos de vendas e com novos jogos das séries programados para sair.

Isto mostra que o multi é interessante, mas não é necessariamente algo que vende mais do que o single. Na realidade não há nada que nos diga que um jogo single é pior que um multi ou vice versa e a única coisa que podemos de forma clara concluir é que um multi tem mais longevidade do que um single.

Basicamente o que está em causa é a qualidade do jogo. Um bom jogo que saiba apelar a um número grande de pessoas venderá… outros nem por isso. E pior ainda numa altura onde a oferta é enorme e todos querem uma fatia do mercado.

Há no entanto mais uma diferença entre os multi e os single. E este sim é a diferença fundamental… Aquela que realmente interessa às empresas: O facto que os jogos multi possuem formas extras de se obter rendimentos adicionais que podem compensar vendas mais fracas.

Isto é no fundo um explorar e extorquir mais dinheiro dos jogadores que jogam esses jogos, mas é algo que funciona.

Isto é conseguido com a venda de Lootboxes, de armas, de gemas, etc, etc. Situações que são muito mais exploradas no online do que offline, até porque um jogo single player por norma não requer internet, e como tal o uso de lojas que funcionariam online não só não funciona tão bem e colocar a internet obrigatória nestes jogos é algo que não cai bem no mercado, sendo mal aceite pelos utilizadores.

Mas a EA tem ainda outros interesses nos jogos multi. A necessidade de internet permite que a sua clientela fique dependente dela. E assim sendo o investimento que tem vindo a fazer no sentido de poder entrar num esquema de “jogos como serviço” fica mais coerente com os produtos criados.

Mas a realidade é só uma… os jogos single player estão longe de estarem a morrer. Aliás para a maior parte dos jogadores, entre os quais eu me incluo, esse tipo de jogos são os meus preferidos. Após um dia de trabalho entrar num mundo competitivo online é a última coisa que pretendo fazer. E o offline, mesmo que desafiante, é completamente diferente nesse sentido.

O que está a crescer, isso sim, são os esquemas para retirar mais dinheiro ao cliente. Esquemas esses que funcionam apenas a 100% nos jogos online. E vendo que esses, mesmo vendendo mal, podem conseguir gerar mais lucros dessa forma, há todo o interesse em se tentar passar a imagem que o single player está a morrer.

Mas não… não está! E todos nós que temos dois neurónios para analisar e pensar, sabemos que não está!