Os nomes dos processadores descodificados: Percebe a informação contida no nome de um CPU.

Os nomes dos processadores são um conjunto de números e letras. Sabe o que significa cada um deles de forma a perceberem melhor a informação contida na sua designação

CPUs

As designações dos processadores são confusas, misturando letras e números ao barulho. E é uma situação para a qual não há nenhum standard definido. No entanto depois de leres este artigo vais perceber como se chega ao nome de cada um os produtos e o que significam cada um dos caracteres usados.

Infelizmente AMD e Intel usam designações diferentes que não explicam e que nem há grande explicação pública para as designações. Mas dado que a experiência permite ver a realidade, vamos tentar explicar o melhor que conseguirmos as designações usadas, limitando-nos aos processadores mais procurados.

AMD

FX

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Série FX

O nome dos processadores AMD não são mais do que uma indicação de quatro parâmetros:

– A linha de produto
– A série
– A geração
– O número do modelo.

Assim, escolhendo para exemplo um dos processadores mais populares da AMD, o FX-8350, teremos:

Linha de produto: FX
Série: 8
Geração: 3
Número do modelo: 50

Juntando estes dados temos então o FX-8350.

Basicamente a série está igualmente associada ao número de núcleos. Os processadores série 4 terão quatro núcleos, os série 6 terão 6 núcleos e os série 8 terão 8 núcleos. Os processadores série 9 são basicamente processadores série 8 melhorados, possuindo igualmente 8 núcleos.

Podemos assim comparar este processador de forma simples com outro. Por exemplo, o 8100!

Vemos que ambos os processadores são FX série 8, mas com duas gerações de processadores da série entre eles. O número do modelo está associado à velocidade de relógio, e como tal um 50 terá mais velocidade de relógio que um 00.

Por aqui vemos que um 8350 é, em todos os aspectos superior a um 8100.

Esta situação permite igualmente ver que um FX 6350 poderá ser mais rápido que um FX 8100. Trata-se de um processador de uma série inferior, com menos núcleos, mas o facto de usa núcleos duas gerações acima e possui um número de modelo mais elevado que lhe garante maior velocidade de relógio, que em conjunto podem oferecer-lhe maiores performances.

No entanto esta situação não é garantida e certezas só entre produtos da mesma série (no entanto o exemplo dado é efectivamente uma realidade: O FX 6350 é mais rápido que um FX 8100)

AMD Série A, E e C

Nestas séries incluem-se os APUs AMD, com os processadores série A a serem dedicados aos Desktops e as duas outras linhas a sistemas portáteis como netbooks ou tablets de baixo custo e baixo consumo energético. Por esse motivo vamos ignorar as séries E e C, focando.nos apenas na A.

Mais uma vez a estrutura é semelhante, com a diferença que a indicação da geração desaparece, dando origem a um sufixo.

Assim nestes processadores teremos:

– Linha de produto
– Geração
– Número de modelo
– Sufixo

Mais uma vez vamos dar um exemplo com um dos novos Kaveri, o A10-7850K , e onde temos:

Linha de Produto – A10
Geração – 7
Número de modelo – 850
Sufixo – K

Assim, juntando tudo temos o A10-7850K.

Infelizmente aqui a linha de produto deixa de indicar o número de núcleos, sendo que, em termos gerais, os A4 são dual-core, e os A6, A8 e A10 são quad-cores. E mais uma vez o número de modelo está associado à performance, sendo que ao ser maior, indica melhor performance.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Infelizmente a comparação de gerações e números de modelo com a gama FX é completamente ineficaz, não sendo possível comparar pelas referências as performances entre produtos de gamas diferentes.

Finalmente temos o sufixo. E aqui há algo a reter pois é uma indicação que voltaremos a falar no futuro, o uso da letra. K.

Intel

i7

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Intel Core

Os números de código dos Core são facilmente descodificáveis graças a uma informação clara da Intel.

E tal como em cima vamos escolher um CPU para exemplo, o Core i7-4770K

Aqui temos os seguintes elementos:

– Linha de produto
– Geração
– Número de modelo
– Sufixo

O que para o processador escolhido indica:

– Linha de produto – Core I7
– Geração – 4
– Número de modelo – 770
– Sufixo – K

Actualmente a Intel possui três linhas de produto Core, o i3, o i5 e o i7.

Os i3 são a entrada de gama desta linha e são todos eles processadores Dual Core com Hyper Threading que permite ao Windows ver 4 núcleos (2 reais, 2 virtuais). Estes processadores não possuem a tecnologia Turbo Boost que faz overclock dinâmico ao processador conforme as necessidades.

Os i5 são a gama média, mas possuem diferenças entre as versões de mesa e para portáteis. Quase todos os i5 de desktops são quad-core (há excepções), todos possuem a tecnologia Turbo Boost, mas muitos modelos não possuem Hyper Thereading. Já na versão para portátil o i5 são todos Dual Core e possuem Turbo Boost e Hyper-Threading.

Os i7 são os actuais topos de gama da Intel, possuindo todos Turbo Boost e Hyper-Threading. No mínimo são quad-core, mas há modelos com seis núcleos. Já na versão para portáteis podem aparecer versões dual-core e quad-core que se distinguem pelo sufixo usado na designação e que inclui a letra Q (Quad). Nas versões mais antigas encontramos estes processadores identificados como MQ (Mobile Quad), e nas mais recentes como QM (Quad Mobile).

Naturalmente após esta explicação perceberão facilmente que numa mesma geração o número mais alto é o melhor. E curiosamente na primeira geração o número que a designa está ausente o que quer dizer que encontramos processadores com a designação do tipo i7-960, ou seja com apenas 3 dígitos pois o 1 que deveria designar a geração não existe.

Há que reter aqui que apesar de o numero de modelo superior designar em norma maior performance, o sufixo pode alterar essa realidade.

Vamos colocar então em tabela os sufixos mais usados:

M – representa uma versão Mobile do CPU
Q – Versão Quad Core – Aparece associada à letra M por ser um sufixo usado apenas nas versões Mobile.
K – Designa uma versão com multiplicador desbloqueado, e a versão ideal para entusiastas do overclock
S e T – designam versões de baixo consumo e com menores dissipações térmicas. A versão S optimiza os baixos consumos para performance (Performance optimized lifestyle), a T preocupa-se apenas com os baixos consumos (Power optimized lifestyle).
R – Designa um processador que inclui a placa gráfica Iris Pro em detrimento da série HD.
X – Versão de performance extrema. Completamente optimizado para performances.
U, UM ou Y – Substituiu a designação M nos Ultrabooks

Por aqui vemos que um processador com o sufixo X estará mais optimizado para performances, mesmo que com uma geração ou número de modelo inferior. Os K são os modelos mais preferidos pois combinam performance a uma extrema capacidade de overclock. Os restantes modelos com as outras designações representam normalmente versões mais económicas dos processadores.

Esperemos que estejas um pouco mais elucidado.

 

Publicidade

Posts Relacionados