O que esperar da Xbox One X, e porque motivo Mark Cerny apontou 8 Tflops para render em 4K nativo?

A resposta é dada por Timotthy Lottes, um dos grandes programadores da praça, e explica como com um valor inferior a Xbox One X atinge os 4K.

O nome Timotthy Lottes poderá não dizer muito a muita gente, mas a realidade é que este é um dos grandes nomes da Industria, sendo mesmo referido como sendo um dos Gurus da tecnologia, e o criador de um dos métodos de Anti-Aliasing mais utilizados desde sempre, o FXAA.

Tendo trabalhado na Nvidia, AMD e na Epic, onde esteve ligado a jogos como Ryse: Son of Rome, este senhor é um dos nomes quase omnipresentes na Game Developers Conference, com trabalhos como este, este ou este, apresentando sempre trabalhos com novas e revolucionárias técnicas de programação que tem vindo a ajudar o mercado a evoluir.

Timothy Lottes possui um pequeno blog onde escreve artigos, e que sigo à já alguns anos, apesar de não com tanta regularidade como isso pois a maior parte deles são demasiadamente complexos para pessoas que não estejam directamente ligadas à industria, e que se encontra aqui.

Ora visualizando o seu blog dei com um artigo muito interessante do qual irei aqui incluir alguns dados. Note-se que o conteúdo não é nosso, pelo que tentarei não usar as suas palavras de forma a não usurpar do seu trabalho, apesar que o que aqui está já foi referido vezes e vezes sem conta por nós aqui na PCManias, sendo apenas repetido agora por vir de uma fonte de elevada credibilidade.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Mas antes de avançarmos vamos fazer uma breve introdução:

Muitas pessoas tem vindo a mostrar admiração pelos resultados apresentados pela Xbox One X em alguns casos. Mas a realidade é que não há motivos para admiração! O termo “monstro” aplicado à potência da consola é adequado, mas não na proporção que muitos tentam fazer passar, acreditando que a consola está a superar-se ou a fazer algo que não era expectável, ou que será sempre capaz de 4K nativos.

E o artigo sobre os benchmarks da Xbox One X da Digital Foundry poderá ter servido para causar mais confusão naqueles que estão mal informados e retiram a informação do seu real contexto, ao focar-se apenas em jogos First Party da Microsoft, e sem referir que mesmo desses nem todos atingirão os 4K nativos em todos os casos.

Na realidade nada do que a Xbox One X está a apresentar é anormal e apenas o expectável numa consola com as caracteristicas anunciadadas. Mesmo os supostamente surpreendentes 6K atingidos como pico que foram referidos em Titanfall são perfeitamente normais e explicáveis, e tudo passa pelo facto que os resultados finais dependem do que se pega de base, e é isso que este artigo tenta explicar:

Voltando então ao artigo de Timothy, o que este faz é uma série de considerações básicas que calculam o que cada uma das consolas poderia fazer se corresse um jogo com a qualidade máxima que seria possível extrair-se de uma consolas inferior.

Isto pressupõem então que o GPU da consola que serve de base ao comparativo está ocupado ao máximo, e que o jogo não possui qualquer gargalo.

Vamos ver então o que Timothy refere, sendo que este  começa por listar as performances das várias consolas do mercado:

Baseado nesta realidade da tabela de cima , ele faz uns cálculos bastante simples mas completamente válidos, para verificar o que cada uma das consolas pode dar a nível de resoluções, caso a qualidade apresentada seja a máxima possível de uma consola anterior (o que implica o uso todo da sua performance de GPU na sua resolução nativa e a 30 fps).

Assim, por exemplo, partindo do principio que a qualidade usada seria a da Wii, que performance seria necessária para resoluções superiores?

Ora a Wii possui 14.1 Glops sendo capaz de uma resolução de 640×480. E isso quer dizer que 1920×1080 é uma resolução 6,75x superior.

Ou seja, para esta consola fazer o mesmo que faz a 640×480 30 fps, mas a 1920x1080p 30 fps, ele precisaria de 6.75 mais performance, ou seja 14,1×6,75 = 95 Gflops, ou 0.095 Tflops.

Daí para a frente, sempre seguindo esta lógica de relações entre resoluções e de fps (onde de 30 para 60 fps teremos de multiplicar por dois), torna-se fácil perceber que capacidade de cálculo seria necessária para colocar este jogos em várias resoluções e FPS.

Vamos ver com mais detalhe esses resultados:

Qualidade Wii

Como vemos, uma Xbox One base com 1.31 Tflops poderia, caso não fosse restringida pelo HDMI (algo que aqui vamos presumir em todos os casos que não acontece), atingir 5120×2880 a 30 fps, com bastante folga. Mas curiosamente, e por uma unha negra, para os 60 fps seria preciso já uma preciso uma PS4 com os seus 1,84 Tflops, que a 30 fps poderia atingir os 7680×4320.

Já uma Xbox One X (aqui ainda referida como Scorpio) ou uma PS4 Pro poderiam atingir os  10240×5760 30 usando apenas 2.65 Tflops, ou alternativamente os 5120×2880 a 120 fps usando a mesma performance.

Basicamente o que interessa aqui mostrar é que com este nível de qualidade, tanto a Pro da Sony como a X da Microsoft poderiam atingir 5K a 120 fps, ou 10K a 30 fps. Números que impressionariam muitos se aparecessem aí por qualquer lado, e que certamente levariam ao uso exagerado do termo “monstro”, quando na realidade, estamos a falar de uma performance normal e totalmente dentro do expectável para este nível de uso base do GPU.

Fazendo agora o mesmo raciocínio, mas com a qualidade de uma Xbox 360.

Qualidade Xbox 360

Tal como no caso anterior foi feita a conversão da potencia requerida a 1280×720 30 fps para 1920×1080 30 fps, o que implica multiplicar os 240 Gflops da Xbox por 2,25 (a proporção entre resoluções), obtendo-se assim 540 Gflops requeridos para se trazer um jogo com a qualidade do teórico melhor possível de se apresentar na Xbox 360 a 1080p 30 fps.

O que vemos depois é que tanto Xbox One como PS4 com o mesmo jogo optimizado para o seu hardware podem perfeitamente colocar os jogos com a qualidade da 360 a correr a 1920×1080 60 fps, e ainda com performance disponível. Alternativamente poderiam ir aos 2560×1440 30 fps.

Já uma PS4 Pro poderia com esta qualidade de jogo atingir os 3840×2160 a 30 fps, ou 2560×1440 a 60 fps. Uma Xbox One X pode ir a 5120×2880 a 30 fps ou 3840×2160 a 60 fps.

Aqui como vemos a PS4 Pro não conseguiria pegar num jogo Xbox 360 a 30 fps que usasse toda a sua performance e coloca-lo a 4K a 60 fps (seria por uma unha negra, mas não conseguiria, tendo de se ficar pelos 4K 30 fps). Já a X/Scorpio sim, e com muita potência por usar.

Mas agora que perceberam a lógica do que aqui está explicado, vamos ao que interessa. E o relevante aqui é agora pegarmos no que fizemos e aplicar a lógica aos jogos PS4. Afinal é na evolução de jogos da mesma geração que estamos mais interessados.

Qualidade PS4

Tendo como base a qualidade de uma PS4, que potência é então necessária para garantir que os seus jogos passam para 4K nativos?

Como vemos se o jogo usa toda a potência da PS4 a 1920×1080 30 fps, para 4K nos mesmos fps seriam necessários 7,37 Tflops (os tais 8 Tflops referidos por Mark Cerny necessários à passagem de jogos que utilizem toda a performance da PS4 para 4K).

Ou seja, Mark Cerny estava completamente certo. Este é o valor necessário para se levar um jogo não limitado que use todo o potencial da PS4 para 4K, algo que a fica assim vedado à Xbox One X pelos seus 6 Tflops.

Foi nesse sentido que a Sony pensou a PS4 Pro. Não podendo levar o jogo para 4K sem algo perto dos 8 Tflops de performance, como anunciado por Mark Cerny, a Sony optou por 4,2 Tflops com CBR, algo que lhe permite trabalhar com metade efectiva da resolução 4K e, reconstruindo a imagem, levar o jogo para 4K. Basicamente metade da potência… para metade da resolução nativa e 4K por checkerboard.

Resumidamente, para se levar os jogos PS4 para 4K nativos, a tecnologia ainda não é barata o suficiente. E nesse sentido, mesmo sendo a Pro uma consola inferior à Xbox One X, e ficando por isso sempre com resoluções nativas inferiores, a consola possui a potência necessária para o compromisso a que a Sony se propôs, os 4K CBR.

Mas e nos jogos Xbox One?

Qualidade XBox One

Nesta situação a Xbox One X já consegue fazer com os jogos Xbox One o que a Pro não faz com a PS4 (levar a 4K nativo os jogos da base). E basta fazer aqui então duas continhas básicas que Timothy não tem no seu website (ele não contabiliza a One base), mas que são feitas agora por nós na PCManias, usando a mesma lógica:

A Xbox One possui 1.31 Tflops trabalhando a 1920*1080!

3840×2160 (4K) é 4x mais resolução… logo para isso precisas de 4x mais potência! O que requer… 5,24 Tflops!

Ou seja, os 6 Tflops da Scorpio são exactamente a mesma lógica de Mark Cerny, mas desta vez adequado à realidade da Xbox One.

Daí que esta situação em que os programadores de Forza vem dizer que conseguiram colocar o jogo a 4K com poder de sobra é basicamente marketing, e algo que não deveria admirar ninguém!. Se não houver limites colocados pelo GPU da,X/Scorpio (algo que neste jogo não acontece), a Xbox One X conseguirá sempre passar os jogos 1080p da One para 4K nativos mantendo a mesma taxa de fotogramas.

E mesmo os 90 fps que se referem ter sido aqui atingidos não são estranhos se considerarmos que um jogo 60 fps tem os 60 fps como mínimo, e não como média. E isso quer dizer que a Xbox One já corria o jogo com uma média acima dos 60 e com picos se calhar bem mais elevados, algo que a X teria ainda de melhorar. Afinal possui melhor CPU e sobram 760 Gflops de performance no GPU.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Mas e jogos 900p, e jogos 720p?

Bem… aqui a situação é uma incógnita! A questão é que este artigo parte do principio que não há qualquer limitação de CPU ou largura de banda nas consolas base, pois isso invalida este tipo de contas.

E aqui podemos estar perante casos onde o limite está no GPU, ou no CPU/largura de banda/eSRAM, ou até em mais do que um em simultâneo.

Ora se o limite for o GPU, a realidade é que a Xbox One X não conseguirá os 4K nativos pois a proporção entre as resoluções é superior obrigaria a uma performance que a X/Scorpio não possui, forçando o checkerboard. Dai que, fazendo o raciocínio agora ao contrário, e sabendo-se que Anthem correrá a 2840×2160 checkerboard na Xbox One X, será de prever que, caso não haja outro gargalo, este seja um jogo 900p (ou 720p) limitado pelo GPU na Xbox One.

Mas depois há os outros casos, onde o limite não é o GPU da One, mas sim outro componente, e nesses casos o GPU nunca é levado ao máximo devido ao gargalo aplicado, seja ele com o CPU ou com a largura de banda, ou com a dimensão da eSRAM a serem o fator limitador.

E isso quer dizer que estas contas aplicadas apenas à potência de cálculo não podem ser aplicadas, sendo que teríamos de saber qual o factor limitador e em que percentagem a Xbox One X elimina esse gargalo.

Alguns jogos explicados:

Titanfall

Como se explica por exemplo que TitanFall chegue a ter picos de 6K de resolução na Xbox One X quando na Xbox base há quebras de resolução constantes para baixo dos 1080p? 6 Tflops garantem que 1080p passa a 4K nativos, mas não garantem que 900p chegue a 4K nativos. E aqui temos até picos de 6K! Como se explica?

Bem, aqui a explicação passa por dois fatores. Como já vimos atingir os 4K com os mesmos fotogramas da base é algo perfeitamente possível se o jogo for 1080p 60 fps, tal como vimos em Forza. Mas fica a dúvida quanto ao resto: Como é que com o jogo a ter quebras de resolução,se consegue atingir na mesma os 4K e até chegar-se inclusive aos 6K.

O atingir-se os 6K em picos é algo que se explica facilmente. Como em qualquer jogo, a ocupação do GPU não é constante, e a potência total do mesmo não está sempre a uso.

Mas aqui na Xbox One X o jogo possui um re-escalamento dinâmico para 4K. E isso quer dizer que o jogo não se limita a pegar no jogo base e passa-lo para 4K. Ele pega em todo o poder disponível e calcula a resolução máxima que consegue, re-escalando depois para 4K.

Ora facilmente é perceptível aqui que em certas situações pontuais de câmera o jogo apenas ocupa 750 Gflops dos 1310 que a consola dispõem. E fazendo este jogo isto, os 6 Tflops permitem um ganho de 8 vezes essa ocupação, chegando-se assim a uma resolução igualmente 8 vezes superior, os 6K. É a questão inicial onde vimos que a resolução atingida depende da potência que está em uso naquilo que pretendemos transportar.

Basicamente aqui não há nada de anormal nisso, e a situação anormal está na forma como este jogo usa a performance da consola sempre na sua totalidade para cálculo de resolução, algo que não é muito comum.

Agora que os 6K se explicaram, como se explica o resto, que o jogo consiga manter um mínimo de 4K quando a Xbox One base normalmente está sempre abaixo dos 1080p?

E aqui a explicação é outra. A Xbox One atinge um gargalo qualquer que a força a descer a resolução, mas esse não é um gargalo de GPU, mas sim de qualquer outro factor que desaparece na passagem para a Xbox One X com os seus limites bem mais alargados e onde CPU, largura de banda e dimensões da memória rápida não são um problema.

Gears of War 4

Gears of War 4 é um dos casos mais interessantes da Xbox One X. Um jogo que corre a 1080p 60 fps na Xbox One, mas que, ao contrário de Forza 7, não corre a 4K 60 fps na Xbox One X, requerendo o uso de uma resolução dinâmica (ou seja a resolução desce abaixo dos 4K nativos).

E este jogo revela aquela que parece ser a única “fraqueza” do hardware da Xbox One X!

Ora a pergunta é bem simples. Se Forza passou de 1080p 60 fps para 4K 60 fps, com aumento de fps e melhorias de qualidade,  o que impede este jogo de fazer a mera passagem para os 4K?

A explicação é igualmente simples:

Gargalo na X

A diferença entre estes dois jogos está em algo muito simples, o motor de jogo! Ele não é o mesmo de Forza. E isso quer dizer que o que é extraido do jogo na Xbox One  se revela dependente de algum componente que quando o jogo é corrido na Xbox One X a 4K a limita de uma forma que não existe na One a 1080p.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Basicamente estamos perante um gargalo que suje agora na X, mas que não se aplica na consola base a 1080p. Apesar das suas especificações impressionantes, algo surge que impede aqui uma passagem que se esperaria normal.

O que pode ser, se a X possui mais CPU, mais GPU, mais RAM e mais largura de banda, e mais ainda, se Forza faz isto com uma perna às costas.

Bem, há uma coisa que a Xbox One X não melhora da forma que deveria, as ROPs.

A Xbox One foi muito falada em 2013, inclusive na Game Developers Conferência pelos programadores da Avalanche, pelo facto de facilmente poder ter o seu GPU mais saturado que o da PS4 pelo uso de apenas 16 ROPs (32’na PS4), no caso de o jogo usar shaders complexos. E Gears usa-os! Ao ponto de termos mesmo na nossa análise a este jogo comparado a qualidade gráfica do mesmo ao apresentado por Uncharted 4 da PS4.

Apesar que as 16 ROPs nunca se terem revelado limitativas para a One, a sua existência neste número terá levado a uma decisão na Sua/Scorpio que agora se revela limitativa e explica estas incongruências, a colocação, segundo os dados disponíveis, de 32 ROPs. Mas para começar expliquemos porque é que esta situaçáo não se revela igualmente um problema em jogos como Forza, e tal deve-se ao facto que Forza usa um motor denominado Forzatech que funciona usando um Forward+ Rendering introduzido pela primeira vez em Horizon 2, uma metodologia desenvolvida pela AMD e que elimina muitos dos limites do GPU ao passar muito do cálculo gráfico das ROPs para um Compute Engine.

Mas já Gears 4 usa um sistema de Deferred render tradicional, muito dependente das ROPs!

Em que aspecto os shaders e as ROPs estão ligados? Bem, a questão é que os shaders são aplicados por camadas sobre a imagem. Um edificio por exemplo é criado a nível de geometria, depois é texturado, e depois são aplicadas outras camadas com as diferentes layers de efeitos, de luz, etc. Isso quer dizer que um pixel final na realidade é um pixel calculado por várias vezes, com os vários efeitos aplicados e sobrepostos. E isso quer dizer que o cálculo de pixels real por segundo não corresponde à resolução multiplicada pelos fotogramas por segundo, mas sim a muito, muito mais do que isso, sendo várias vezes superior. O efeito agrava-se ainda mais com o 3D onde, entre muitas outras situações, a sobreposição de superficies transparente sobre objectos obriga a um cálculo que é o somatório de todos os efeitos aplicados na zona de transparência a todos os objectos visiveis, bem como à transparência em si.

E é por isso que o Fill Rate, ou a capacidade de saida de pixel dadas pelas ROPs, para um sistema que funciona a 1080p 60 fps é normalmente bem superior ao que seria necessário para escrever uma imagem 2D nessa resolução 60 vezes por segundo, o que requereria 124 416 000 pixels por segundo, ou 0.124 Gpixels/s .

Por exemplo, a Xbox One possui 16 Rops a 853 Mhz, capaz de desenhar 13.65 GPixel/s, ou 13 650 000 000 pixels por segundo.

Já a xbox One X, segundo as informações disponíveis, possui 32 Rops a 1172 Mhz capaz de 37,5 Gpixels/s, ou 37 500 000 000 pixels por segundo.

Basicamente, o Fill Rate da Xbox One X é apenas 2,74 vezes superior ao da Xbox One base, mas a resolução final é 4X mais. O que isto quer dizer é que caso shaders do jogo na base estejam a usar de forma mais intensiva nas 16 Rops, pode efectivamente acontecer que a Xbox One X ao apenas aumentar a capacidade de output de pixels em 2.7 vezes, não consiga manter nas situações de maior débito que ocorrem a 60 fps a qualidade do jogo base em 4K. Há quatro vezes mais pixels a desenhar, mas apenas um aumento de 2,7x do débito máximo de pixels, e isto quer dizer que as ROPs podem limitar efectivamente as performances.

Basicamente capacidade máxima de saida da Xbox One é 109 vezes superior ao necessário para escrever uma imagem 2D a 1080p repetida 60 vezes por segundo e sem qualquer efeito, mas na Xbox One X, com a mesma imagem a 4K repetida 60 vezes por segundo serão precisos  497 664 000 pixels, sendo que a capacidade de saida da X é apenas 75,35 vezes superior. Ou seja, a proporção da Xbox One não é mantida, e isto pode ser limitativo.

Note-se que isto não é minimamente impeditivo dos 4K ou dos 60 fps, especialmente usado os forasteiros++ rendering, mas alguns casos mais tradicionais pode efetivamente limitar os 4K caso a qualidade/quantidade dos shaders e efeitos da base seja mais elevada, algo que se resolveria facilmente com um ligeiro corte na qualidade a 4K, mas que neste caso, pelo facto de a consola se destinar a melhorar a base, isso não pode acontecer, levando à alternativa. A redução da saída do número de pixels por quebras de resolução.

Basta assim que as ROPs da Xbox One estejam a 68,7% ou mais de uso face à sua capacidade total, para que a One X não consiga replicar o seu efeito a 4K nativos!

Este pode ser igualmente um dos motivos (o uso de um deferred rendering e shaders complexos), pelos quais Anthem corre a 4K checkerboard. E se esse for o caso a Xbox One base, salvo outro possível gargalo, poderá correr o jogo a 1080p.

Conclusões

Basicamente o que se pretende que se perceba é que aqui não há milagres, magoas ou tecnologias alienígena como alguns parecem querer deixar entender, e como sempre tudo se explica de forma lógica e coerente (e se tivéssemos mais dados, explicávamos com mais certezas)! A Xbox One X está a comportar-se dentro do que seria expectável numa consola poderosa como ela é de 6 Tflops, e apesar de ser um monstro de performance, não se iludam com números ou palavras que tentam pintar uma realidade anormal de uma consola que está a conseguir feitos que não se esperariam!

Porque como aqui se explica, não é porque atinge picos de 6K num jogo, ou porque atinge 90 fps a 4K em outro, que há aqui algo estranho ou anormal. Na realidade tudo está dentro dos parâmetros expectáveis para uma consola de 6 Tflops criada para evoluir os jogos da Xbox One e onde os gargalos são bastante diferentes dos da consola base.

A Xbox One X é uma grande consola. Diria mesmo que é uma consola que não se consegue ignorar. Mas no entanto há que se colocar os pés na terra face ao que ela realmente é e será. Algo que parece que nem todos estão a fazer. E nesse sentido foi elaborado este artigo.

 

 

 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (56)

  1. Muito interessante!

    Mas o fato é que no fim o que realmente importa é que o Xbox One X é muito superior tendo muito mais “PODER” que o PS4 Pro e com os jogos multi ficando muito melhores nele.
    Para isso a Sony só tem duas saídas, ou lança um novo upgrade para o PS4, quem sabe o PS4 ProPro, ou desiste dessa geração e parte de vez para a próxima lançando o tão desejado e ansiado PS5.

    • Desistir da geração? A geração não é da X nem da Pro, é da One e da PS4.
      A Pro chega e sobra para o que se propõem fazer, levar os jogos PS4 para 4K. Podem não ser nativos, mas como já foi demonstrado aqui, a diferença entre o CB e o nativo é menor e muito mais dificil de se perceber que entre os 900p e os 1080p.
      E não tem muito mais poder. Tem basicamente face à Pro o mesmo que a PS4 tem face à One.

    • Desistir de uma geração que ela está ganhando no mínimo em uma proporção 2:1?

      Deve ela assumir as mesmas atitudes de crianças ao jogar no multiplayer(aqueles que quitam a partida só porque não aguentam uma derrota), mesmo ganhando nas vendas?

      A nível de visita de sítios de games, percebo que quem anseia logo um PS5 são aqueles que não possuem um PS4.

      Se a Sony for esperta e alterar o objetivo do Pro, focando mais no 1080p do que no quase inalcançável 4K o console sairia um pouco melhor que a base, deixando esse papo de 4K para aqueles que não tem TV 4K.

      • Confirma-se o que eu sempre disse (como aliás vocês leitores assíduos sabem que normalmente acontece com o que refiro aqui na PCManias). A Xbox One X não é HDMI 2.1 é 2.0b, tal como a PS4 Pro.
        Lá se foram os 4K verdadeiramente nativos!
        A 4K 60 fps, este HDMI só é capaz de um output 4:2:2, ou seja a resolução de cor é 2x1080p, e isso quer dizer que não há 4K nativos para ninguem. Nem mesmo para quem vier a comprar uma TV 4K com HDMI 2.1.
        http://i.imgur.com/3KigAjB.jpg
        http://www.xbox.com/en-US/xbox-one-x

        • Eita, mas se o jogo for a 30fps são 4:4:4 aí sim 4k nativos?

          • Se não for checkerboard sim… O HDMI 2.0b só permite 4:4:4 a 4K 30 fps!
            Aliás o 2.0b é o 2.0a, mas com o acréscimo de novas funções software como o Freesync! Algo que todos os hardwares 2.0 e 2.0a podem vir a ter tambem!

      • Então para um gamer de verdade o mais importante são as vendas. Interessante!
        E eu achando que isso era mais importante para um acionista.

        • Há Gamers e Gamers. Para mim o Gamer é aquele que procura os jogos, e ponto final. E isso quer dizer que um sistema não define um Gamer, apesar de haver Gamers com todos os sistemas e outros só com um.
          Mas a questão é que há outros fatores, como a disponibilidade económica, e nesse caso onde só podes comprar um sistema, tens de optar, sendo que as vendas do sistema, directa ou indirectamente afectam a tua compra.
          Quer seja pela disponibilidade de jogos (nas lojas mais pequenas e nas pequenas cidades), quer seja pelo facto de os teus amigos terem o sistema.
          Por isso, a não ser que o comprador (Gamer ou não) não faça uma compra totalmente consciente, independentemente da sua escolha, terá de ponderar o fator vendas.
          Basta que vejas a WiiU, e quem a comprou sem ponderar isso, acreditando que o suporte seria diferente do que foi.
          Numa nota à parte, o acionista quer é lucros. Vender 1 ou 1000 não importa diretamente, sendo que 1 até será aceitável se der lucro, assim como 1000 não será aceitável se der prejuizo.

          • Pegando nessa parte referente aos lucros, é exatamente isso o que ocorre com a divisão Xbox, mesmo vendendo menos consoles a Microsoft lucra mais que a Sony.

          • Exato… Era nisso que estava a pensar. Apesar que a Divisão em causa possui outras fontes de receita que a Sony não contabiliza (mas agora isso é irrelevante).
            Mas os relatórios e contas das empresas mostram partes a dar lucro e outras a dar prejuízo, mas que se mantém pelo global da coisa.
            E quem sabe noutras alturas a situação não vira? Afinal se sempre que tens um prejuízo deixas essa atividade arriscas a não teres produtos passado uns tempos.
            O que interessa não são as vendas ou mesmo o sucesso do produto, pois isso pode mudar. É o dar lucro!

        • Então para você para ser um gamer de verdade eu tenho que apoiar uma empresa a lançar um novo hardware de meia geração ou adiantar uma nova geração?

          Não sou acionista, sou um simples usuário, mas não vejo cabimento um produto que ainda vende bem, que a cada ano aumenta o seu número de vendas e que ainda está na metade de sua vida útil ser interrompido em detrimento a uma nova geração.

          Não é preciso ser acionista para falar o que eu disse acima, fato puramente lógico.

          Você mesmo se contradiz ao defender a marca adorada, que verdadeiro gamer você é?

          Mas vamos ver nos próximos meses,o que vai definir o melhor sistema, se é somente o poder ou a disponibilidade de uma variedade de jogos.

    • Hennan Santos Carvalho 12 de Julho de 2017 @ 13:12

      Minha dúvida em relação a xbox x é se realmente existirá jogos 4k reais produzidos por terceiros? Até agora, parece não ser o caso. O que joga contra a propaganda da Microsoft de ser o verdadeiro 4k.

      • Podem existir, podem não existir. Mas o facto é que True 4K não é verdadeiramente nada! Essa é uma definição que não existe, sendo que os 4K ou são nativos, ou não são!
        O que é o True 4K? Um Checkerboard com resolução maior que a Pro?
        Isso seria o mesmo que a Sony chamar aos seus jogos da PS4 True 1080p, mesmo tendo jogos a 900p re-escalados a 1080p. Mas como 900p é maior que 720p…

    • Cara muito ingênuo de sua parte acreditar que algo vai mudar a liderança da Sony, ou mesmo que a mesma tem se antecipar a algo.
      PlayStation vai continuar vendendo mais a nível mundial pois tem mais mercados e melhor visibilidade na comunidade gamer.

  2. Bom dia li o artigo e sei que Mário é uma pessoa ocupada, mas tem alguns erros que depois vc poderia dar uma olhada, nada que atrapalhe pois o entendi perfeitamente o artigo mas ha quem não está tão interado do assunto então…
    Na parte que referes a Gears of War está descrito como 1080p 60fps, bom se é na campanha este corre a 30fps ou se refere ao multiplayer este é resolução dinâmica qualquer coisa entre 1080p e 800p. Bom se for o segundo caso que eu entendi basta corrigir a resolução.
    Em uma parte também está escrito “forasteiro++” no caso é “forward++” eu que é o corretor ortográfico ex no final está escrito “mágoa” mas palavra que querias usar era “mágica.”

    Muito bom artigo e sim agora finalmente entendi aquele benchmark do DF.

  3. Só fico aqui a pensar se as duas consolas tivessem esquecido o tal 4K e focassem em jogos 1080P 60FPS com texturas e melhores efeitos seria muito melhor.

    Fica desperdiçando processamento pra colocar mais pixels que ninguem ve na tela é complicado viu;

  4. Resumindo: 6 tflops é o necessário para jogos Xbox One, e 8tflops é o necessário para jogos do ps4.

    • hehehehe. Havia de ser lindo se o artigo fosse escrito assim numa só linha. Mas sim, é um excelente resumo! 😉
      Mas há mais… Para a PS4 precisarias de pelo menos 64 Rops.

      • Eu tinha feito alguns cálculos e pesquisas nessa linha e cheguei a conclusões semelhantes. Existem outros fatores que limitam performances, mas apenas pra efeito ilustrativo pode-se pegar a GPU.

        O Cerny tem razão quando fala sobre os 8tflops, e a M$ tem razão quando fala dos 6tf, pois falam dentro da realidade que encontram em seus respectivos consoles.

  5. Como toda a mídia “especializada”, essa também não se isenta em tentar queimar o Xbox One X.
    Essa das cores é uma piada. Porque não vieram com essa quando ainda só o PS4 Pro estava aí com os seus “4K”.

    • LOL… Claro que isso foi referido (lá porque não leste e és mal informado, isso não quer dizer que alguem, ao dizer a verdade, esteja a “queimar” seja o que for, mas o certo é que os artigos estão online)… Seja como for, a PS4 Pro nunca referiu ser criada para 4K nativos, mas sim CB, daí que o nativo nessa consola nunca foi uma questão!
      Aliás temos artigos enormes alertando as pessoas que 4K nativos a 60 fps só mesmo com o HDMI 2.1!
      Por exemplo:
      http://www.pcmanias.com/porque-motivo-os-televisores-4k-ainda-nao-sao-uma-boa-compra/
      Olha a tabelinha da AMD nesse artigo!

      • O fato permanece, se a maioria comprou o PS4 por causa do poder ele agora está no Xbox One X onde os jogos multi estarão muito melhores não só em resolução mas também em texturas, sombras, fps, filtros e mais.
        Lembro que no começo dessa geração quando o Xbox One foi lançado com Ryse, Forza 5, killer Instinct e Dead Rising 3, o PS4 tinha somente Knack e Kilzone. Com isso os fãs da Sony diziam que o que importava eram os jogos multi que ficariam muito melhores no PS4 por ser mais poderoso, e vendo pelo lado das vendas isso acabou sendo verdade por que os jogos multi vendem muito, mas muito mais que os exclusivos que em muito casos não atingem nem 1% da base instalada.
        Agora, será que manterão o raciocínio ou vão continuar sendo incoerentes e hipócritas como sempre!?

        • Não Igor… era isso, mas não exactamente assim. Porque a potência conta, mas nessa altura a consola mais potente custava menos 100 euros.
          A PS4 fez a sua populariedade inicial não por ser apenas a mais potente, mas por ser simultâneamente mais potente e mais barata (e aqui ignora-se as politicas iniciais da Microsoft)
          Nas consolas estes são os dois fatores principais. Se no caso da PS4 ambos estavam do lado da Sony, agora apenas um está do lado da Microsoft.

          • Com isso eu concordo.
            O que causou essa diferença nas vendas e aceitação do Xbox One foi o fato de custar mais caro principalmente por causa da burrice em obrigar a compra do Kinect junto ao console.
            Se não fosse isso o One poderia ter um hardware com as especificações semelhantes aos do PS4 ou até superiores pelo mesmo preço.
            Quem sabe como estaria a situação agora caso isso tivesse ocorrido.

          • Sim… o mercado estaria mais dividido. Talvez 50/50. O problema da One não foi nunca o ser um pouco menos potente. Foi o isso estar associado ao preço.
            No caso da X o preço não é bem um entrave, até porque a consola é superior e como tal é normal que seja mais cara. Mas mesmo assim o preço pesa sempre.
            Uma outra coisa que pesa contra ela é o facto de não ser uma consola de nova geração. Não que isso lhe tire mérito face ao que é, mas a realidade é que com uma nova geração com um CPU bem mais potente e capaz de mundos maiores, melhor IA, melhor fisica, melhor interação, etc, a One X ficará para trás como todas as outras (todas baseadas no Jaguar). E com uma nova geração em 2019/2020, 500 euros podem ser considerados muito para tão pouco tempo.

          • Parabéns Mário, por ter paciência de explicar com educação aos nossos amigos Fanboy’s a realidade das coisas mesmo quando as asneiras as quais ele acusa o site e a mídia vem em sua maioria de outros Fanboy’s Sony ou MS nas sessões de comentários que são infestados de boçais que ficam mentindo pra defender seus “times”. Então qualquer dado por mais bem explicado e até desenhado é tido como um ataque ao Xbox que é sempre o cachorro morto que todos querem chutar. Eu já abandonei certos locais de comentários por pessoas imbecilizadas assim​ (Fanboy’s e trolls).

          • Sabes Carlos, eu gostava muito de ter aqui conversas mais produtivas. Tenho-as com muitos leitores, entre os quais tu, mas outros entram um pouco ao ataque com acusações diretas.
            As pessoas entendem que quando se revela algo que é desfavorável é ser-se tendencioso, é ser-se fanboy para o outro lado. Mas na realidade é meramente informar!
            Quem me acompanha sabe que quando algo é escrito aqui na PCManias, normalmente acaba por se confirmar. Se andasse a inventar seria diferente. Mas não, é informação digna e real.
            Porque não só tenho conhecimentos na área, como sei distinguir o falso do real, e ao longo dos anos juntei uma série de conhecimentos, muitos deles figuras da área e programadores no ativo, com quem falo e troco ideias.
            Acima de tudo tenho uma ideia muito boa do que é o mercado no seu geral e é essa imagem que passo. Não é defender lados, é tocar nos assuntos prementes, ver do que se fala e abordar, e seguir a tendência do mercado.
            Isto leva a que o lado que está em desvantagem reaja. Acusando-me!
            Sabendo-se que este website não é profissional, não é lucrativo (aliás rejeito propostas de publicidade regularmente para manter a qualidade do website), que me dá um trabalho gigante de gerir, e que o faço meramente por gosto, deveria dar era vergonha a muita gente do que diz.
            Mas pá eu a dormir é com a minha consciência, não é com a dos outros, daí que como ela não me pesa, é para o lado que durmo melhor. Mas isto deixa-me triste e revoltado, revelando o estado geral da sociedade onde as pessoas agora agem de forma “se não estás comigo, estás contra mim”, esquecendo-se que entre o preto e o branco há milhares de tons de cinza.

          • Sim, percebo o que diz muito bem, com as matérias que escreve. Não me lembro de uma única vez que tenha achado alguma matéria tendenciosa, sempre que há alguma coisa não tão clara, também é deixado escancarado que se trata de suposição do próprio mercado. Tenho grande respeito pelo site e obviamente ao seu autor pois posso não ser um expert em tecnologia, mas sei reconhecer trabalho sério e honesto. Outros grandes sites são hoje meramente comerciais, aqui não vejo isso, então já fica claro onde se separa o joio do trigo. Não desanime Mário, as pessoas merecem algo de qualidade, não podemos viver só de enlatados. Mas respeito qualquer decisão que tomar por conta do respeito adquirido ao longo dos últimos anos. Abraço.

            PS; Não vou elogiar mais o site, ou corro o risco de ser acusado de Fanboy da PC Manias 😂

          • Lol… mas o obrigado Carlos. Ouvir palavras como as tuas é o que me motiva à 17 anos.

  6. Mário, tenho observado certo nervosismo seu, quando alguém se manifesta em relação às matérias que veiculas no site. Certo de que você sempre se manifesta imparcial, acho grotesco tal atitude, sobretudo em relação aos seus leitores, que em última instância são a razão da existência do site… Chamar o Igor de desinformado é no mínimo deselegante. Quanto a matéria achei muito boa e esclarecedora. Quanto ao marketing da Sony, ela vende a Pro como 4K, e não seria diferente pois lançou o console com essa proposta, igualmente a Microsoft…

    • Eu tambem tenho notado algum nervosismo teu nos últimos comentários, e este não é excepção.
      Primeiro porque aquilo a que te referes nem sequer é um comentário sobre o artigo, mas um comentário sobre um comentário que nem tinha nada a ver com o artigo, daí que a tua primeira frase é precipitada.
      De resto tambem acho curioso tomares as dores de terceiros, especialmente quando o próprio não acusou dores nenhumas.
      E não acusou porque desinformado não é, e nem nunca foi um insulto ou deselegante, muito menos numa página informativa, onde quem aqui vem, vem exactamente em busca de informação. Desinformado é apenas aquele que não tem a informação (e daí andarem à procura dela), e no contexto da resposta, informação sobre o assunto em causa. E nunca, em contexto algum, tal foi um insulto ou deselegante, mas um mero constatar de uma realidade. Que, sobre o assunto e, causa, a pessoa não possuia toda a informação.
      Se calhar estás a confundir com inculto, não? Porque isso sim, seria deselegante.
      E sim, a Sony vende a consola como 4K porque ela produz resultados em 4K, mas tambem sempre deu a conhecer que são obtidos por CBR. Mas o relevante é saber-se que nem PS4 Pro nem Scorpio podem dar 4K nativos a 60 fps, pois o hdmi 2.0b não permite.

      • A performance é espantosa. Vimos uma demo de Forza MotorSport a correr na máquina a nativa 4K e definições equivalentes à Xbox One, e alcançava os 60fps com uma margem de performance enorme – sugerindo que a Scorpio alcançará 4K nativa com facilidade na maioria dos jogos, e tem poder de sobra para investir em outras melhorias visuais

        Retirado do artigo da digital foundry, quando convidada pela Ms a visitar o centro em Redmond para uma antevisão exclusiva da tecnologia na nova Xbox.

        será que o pessoal da DF não sabe dessa limitação do HDMI e está a fazer publicidade enganosa? pois eles não estão a falar hipoteticamente eles foram lá mediram e avaliaram a consola, ou não?

        • Em primeiro eles viram forma a correr no devikit. Este tem quase 40% de potência a mais que a Xbox One X… Mas se quer ir por caminho boa sorte.

          “Microsoft has equipped the dev kit with some more powerful hardware than the retail Scorpio console will get. The GPU on the dev kit has 44 CUs, rather than 40 on the ‘standard’ console; 24GB of GDDR5 RAM, compared with 12GB; and a 1TB solid state drive, instead of a 1TB hard drive.”

        • Também fico curioso a respeito e gostaria se possiver comparativo desses 4:2:2 Mario vc tem algum comoarativo de diferença entre o HDMI 2.1 e os 2.0a ou b ?

        • A “limitação” do HDMI não é verdadeiramente limitação nenhuma dado que o que existe é todo ele assim! Basicamente a XoX tira partido do que existe!
          Agora que acaba por não ser 4K nativos a 60 fps… isso não é!

          De resto é como referi. Para um jogo correr a 60 fps, ele atinge 60 fps NO MINIMO… Não é no máximo, é no mínimo. Um jogo tem sempre fotogramas variaveis dependendo da complexidade do cenário, do angulo de câmara, etc.
          Ou seja, um jogo que corre a 60 fps deve ter picos de mais de 70 e médias de 65!
          Ora a XoX passando o jogo para 4K fica com 760 Gflops livres. E um GPU usa sempre toda a performance que possui no cálculo de fps. Daí que atingir os 90 ou 95 referidos é algo perfeitamente normal.

          • Curioso Mario agora se o conceito de 60 fps é o mínimo ser 60, Além de Forza 5 e 6 Tem mais algum jogo AAA que que seja no mínimo 60 FPS ?

          • Eu não falo do que há, falo dos jogos 60 fps bloqueados.
            Infelizmente vemos jogos onde atingir os 30 fps é uma proeza. E a maior parte dos jogos 60 fps ou falham nesse sentido, tendo quebras (e como tal não são jogos 60 fps, mas sim jogos que rodam maioritariamente a 60 fps), ou fazem cedencias de resolução para manter os fps.
            Mas o conceito por detrás dos 60 ou mesmo 30 fps é esse. Estes serem bloqueados, e como tal esse ser o número mínimo de fotogramas.
            Nesse sentido, na pureza da definição e sem compromissos, Forza na Xbox One é o único jogo que mantem o espírito dos 60 fps. Não conheço em mais nenhuma consola um jogo que faça isso.
            Mas independentemente de cair ou não abaixo dos 60 fps, a realidade é que os jogos também vão acima dos 60, e se bem programados, mais vezes acima do que abaixo.

  7. Mário e meio OFF TOPIC mas vê se me entende a pergunta. O vgchartz diz que nessa semana de julho a cada 5 PS4 vendidas a Microsoft vendeu 1 Xbox One, ora sabendo que a cada 5 PS4 vendidas uma é a PS4 PRO, como diria a Xbox One vende o mesmo que a PS4Pro, bom é porque dizem por aí que a PS4Pro vende mal, mas ela não vende o mesmo que a Xbox One. Então a Pro vende bem ou não?

    http://gamrconnect.vgchartz.com/thread.php?id=230352

    • Cada macaco no seu galho!
      5:1 é uma anormalidade. Não a sei explicar e pode ter a ver com a futura X, mas é uma anormalidade que a continuar coloca em causa a continuidade da Xbox.
      E 5:1 é vender mal, seja na One, seja na Pro.
      Seja como for, Pro e a futura X são consolas de nicho. Não aparecem para substituir as bases, mas para melhorar a experiência.
      São consolas melhores, mas igualmente mais caras. E são de meio de geração, ou seja, a esperança de vida destas é só metade do normal.
      A Microsoft diz que acabou com as gerações, mas isso não depende dela, e sim do mercado em geral. A Sony lançando uma PS5 com um CPU (e falo do CPU pois será onde a diferença é mais evidente) bem mais potente entra numa era de física, IA, interação, dimensão de mundos, etc, etc, de nova geração que as consolas antigas com o Jaguar não podem acompanhar, mas que os CPU PC acompanham. É isso quer dizer que se gera uma separação entre o hardware (geração).
      Isso certamente também dita as vendas dessas consolas. Mesmo com a Pro a custar apenas mais 50 euros, sem se ter TV 4K, justifica? Ainda por cima sabendo-se que uma TV 4K comprada sem HDMI 2.1 é uma TV incapaz de dar 4K nativos a 60 fps, e com um HDR simplificado (bem, esse problema do HDR tem muito que se lhe diga e TVs com a luminosidade ideal para a norma só lá para 2019)?
      Há muito que se poderia dizer…

      • Posso estar enganado mas a X vai vender bem melhor que a PRO, e quando digo bem melhor estou a falar entre 5x a 10x mais, posso estar enganado, o futuro o dirá

        • Que vai vender mais… não duvido. É uma proposta bem melhor!
          Mas falta saber se o preço e a perspectiva de só durar 3 anos será atraente.
          Porque repara num caso de um possuidor One, aceitando que tinhas uma TV 1080p em 2013 gastaste 500 euros na One. Agora mais 700 numa TV de jeito, e mais 500 numa consola. São 1700 euros para se jogar os mesmos jogos a 4K e numa consola que já se sabe terá uma sucessora em 2020 e estará uma geração atrás em 2019. E isto não é paixão! É loucura!
          Mas claro… vender vai…

      • Bom pelo visto a MS ainda acredita na continuidade da Plataforma Xbox pois saiu matéria hoje na Eurogamer que a próxima Xbox já está em desenvolvimento para 2020 provavelmente teremos ciclos de consoles a cada 4 anos, e imagino que até lá a Xbox One S e Xbox One X terão de segurar as pontas.

        • Não está em causa que a Xbox dá lucros.
          Mas achas bem que se anuncie a substituta da X para 2020 quando ainda falta meio ano para ela sair?
          Perante os anúncios da Microsoft ela lançou em 2020 4 consolas, todas elas com melhorias e novidades face à base.
          Ignorando a S, que não é um upgrade por aí além, quem comprou a One pagou 500 euros, se comprar a X mais 500, e a Microsoft já fala de outra para 2020 que custará no mínimo outro tanto.
          Isto é uma proposta de 1500 euros em consolas, mais 700 numa TV 4K (não contabiliza a 1080p).
          São 2200 euros em 7 anos.
          A 360 esteve 8 anos no mercado e custava 500.
          Do lado da Sony contabilizarás o mesmo se considerares a Pro um upgrade digno. Pessoalmente não o acho.

          • Eu acredito que o próximo Xbox é apenas uma resposta ao possível PS5 Assim como XoneX foi uma resposta ao Pro, pessoalmente acredito que o mínimo seriam quatro anos de intervalo, porque menos do que isso veríamos pouca evolução, mas quem dita o mercado são os consumidores se eles comprarem consoles a cada 3 anos eles vão fazer , se os consumidores comprarem a cada 2 anos eles irão fazer, portanto minha opinião pessoal de que tem que ter no mínimo 4 anos nada vale, se os demais consumidores , comprarem.

        • 2020 provavelmente será o lançamento de uma verdadeira nova geração, aquela que rompe com a geração atual onde os jogos não precisam mais rodar no Xbox One S.

  8. Excelente artigo. Ajuda muito a esclarecer certas informações que geram tanta dúvida.

  9. Teoricamente, as anotações e todo o artigo fazem sentido, o Xbox One X não é capaz de colocar 4K nativos em um game com a qualidade 1080p do PS4.

    Na prática, Forza Motorsport 7 em 4K 60fps parece muito melhor que Gran Turismo Sport.

    Sem mais.

    • Concordo contigo, esse Gran Turismo Sport está muito duvidoso, por outro lado o Forza já está na minha lista de desejos.

    • São coisas diferentes. Motores diferentes, metodologias de cálculos de efeitos é mesmo diferentes, trigonometria poligonal diferentes, fisicas diferentes e mesmo metodologias de rendering diferentes.
      A coisa não passa pela beleza, ou qualidade do jogo, mas sim pela quantidade de cálculos feitos pelo gpu.
      Num exemplo muito estúpido, mas que mostra a coisa. Imprimir 1000 vezes 1 pixel gasta mais processamento do que de uma só vez mandar desenhar uma linha de 1000 pixels. Uma placa capaz de 1000 operações por segundo faz ambas, sendo capaz de num segunfo fazer a primeira uma vez e a segunda 1000 vezes. Uma capaz de 1999 operações por segundo não consegue duplicar o trabalho da outra num segundo.

    • Forza 7 está estupendo. Incrível como esse game evolui a cada nova versão.
      A Turn 10 faz o que nenhum outro estúdio de jogos de corrida sonha em fazer, a Playground idem, só fico imaginando como será o próximo Horizon.

  10. Boa noite Mario. Acompanho sempre suas materias aqui do brasil, que sao otimas. sei que nao e o local, mas se desce p vc esclarecer o pq q o Scorpio melhora drasticamente os jogos do one, e o ps4 pro, melhora pouca coisa os do ps4 base com o modo boost. desde ja parabens . obrigado

    • Sinceramente colocas aí uma questão que não aprofundei bem.
      A ver se me explico.
      A Pro sei como funciona, mas. Scorpio ainda nem por isso.
      A Pro funciona de três formas.
      Modo PS4 – Metade do hardware é desligado e as velocidades de relógio igualam a PS4. Basicamente o hardware torna-se uma PS4 e corre os jogos de igual forma. Funciona diretamente.
      Modo Boost. – A mesma coisa de cima, mas as velocidades adicionais de relógio não se perdem. Os jogos ganham apenas o oferecido pelas maiores velocidades de relógio. Funciona diretamente.
      Modo Pro – O hardware fica todo activo e com as velocidades de relógio melhoradas. Os jogos recebem melhorias de resolução e gráficas. Requer Patch!

      Na Scorpio não sei ainda como a coisa funciona. Sei que os jogos para irem a 4K requerem Patch, mas sem ele não sei que ganhos a Scorpio oferece, se é que alguns. Essa parte ainda não é clara para mim.

  11. Pelo visto a MS vai adotar no 4K a mesma prática que adota nas vendas, a omissão de informações.

    MS diz que Evil Within 2 e Wolfenstein2 correrão a 4K no XOX, mas não esclarece se terão resolução nativa.

    Pelo visto não, já que quando é nativo alardeiam para os 4 cantos do mundo.

Os comentarios estao fechados.