Quando 1 Tflops não é igual a 1 Tflops

Radeon-RX480

Com o advento de consolas como a Neo e a Scorpio, muitos websites lembraram-se agora de explicar o que é um Tflop. Só não explicam é porque a medida é extremamente pouco fiável e como se associa ao hardware e software.

No que toca a explicações sobre Tflops a PCManias deve ter sido dos primeiros websites a explicar o que isso significa. Aliás desde os tempos da PS2 que se fala em Gflops, e não faria sentido usar a medida sem que as pessoas soubessem o que isso é.

Mas neste momento não vamos reviver ou relembrar artigos antigos, vamos apenas explicar de forma sucinta o que é um Flops, e porque motivo devemos ter muito cuidado com comparações entre produtos que usam esta medida como definidora de performance.

O termos Flops associadoa à computação, é apenas acrônimo do termo Floating-point Operations Per Second (operações de virgula flutuante por segundo). Basicamente as operações com números não inteiros (de virgula flutuante) são operações mais complexas do que as operações com inteiros, e são as usadas nos universos 3D. Daí que seja pela capacidade de um produto neste tipo de operações que podemos ter uma ideia da sua performance.

Note-se que o curioso aqui é que muitos acham que o S no final do termo representa Plural, ou seja mais do que uma operação de virgula flutuante, mas na realidade o S é aqui muito mais importante pois ele representa o termo segundo. Dado que nos computadores tudo se mede em termos de capacidade por segundo, este é o valor no qual medimos a capacidade de cálculo dos sistemas.

Claro que depois é uma questão de unidades matemáticas. 1 Flops é uma operação de virgula flutuante em um segundo, mas um MegaFlops (Mflops) são 1 000 000 operações por segundo, um GigaFlops (Gflops) são 1 000 000 000 operações por segundo, e um TeraFlops (Tflops), são 1 000 000 000 000 operações por segundo.

Num caso muito prático, a Xbox One, ao ser capaz de 1.31 Tflops, pode processar 1 310 000 000 operações de virgula flutuante por segundo.

E aqui não há que enganar. É pura matemática. Asim, um sistema como a PS4, com 1,84 Tflops, pode processar 1 840 000 000 operações de virgula flutuante por segundo.

Os ganhos são claros, há  530 000 000 operações adicionais de diferença que se traduzem em ganhos de performance.

Para a Neo e a Scorpio as contas são igualmente fáceis, basta multiplicar o valor de 1 Tflops por 4.19 e por 6, respectivamente, e temos as operações matemáticas que os GPUs dessas consolas podem realizar.

Mas há que ter em conta algumas situações:

1º – O Tflops representam uma capacidade máxima teórica de cálculo. Não é garantido que o sistema consiga atingir esse pico. No processamento gráfico normal esse valor nunca é, por norma, atingido. Há tempos mortos em que os vários componentes de um GPU necessitam de esperar por resultados de outros, e consequentemente o aproveitamento real de um GPU varia muito de jogo para jogo, dependendo da programação aplicada. Isso explica porque motivo muitos jogos com grafismos simplificados face a outros possuem por vezes performances inferiores. É uma questão de aproveitamento da performance, optimizando a mesma de forma a garantir que os tempos de espera são os menores possíveis e que o rendimento obtido é o mais alto possível.
Podemos assim concluir que Tflops não são necessariamente sinônimo de performance, mas sim de performance teórica. Depois é preciso saber usar o que há disponível. E podemos cair no caso onde numa apresentação podemos apresentar uma placa meio de gama a correr um GTA 5 a 60 fps, e uma placa topo de gama a correr um jogo de qualidade mais duvidosa onde os 30 fps são obtidos a custo.

2º – A questão do rendimento aplica-se não só à programação, mas igualmente à metodologia de funcionamento interno do GPU. E é aqui que a arquitetura do mesmo entra como factor diferenciador!
Cada arquitetura processa internamente de forma diferente, e isso quer dizer que as operações solicitadas podem gastar mais ou menos flops. Cada arquitetura, conjugada com o seu firmware e driver apresenta assim gastos de performance diferente para obter os mesmos resultados. E esse é o motivo porque temos constantemente novos GPUs. Não só para podermos ter mais Tflops disponíveis, mas igualmente para se implementares alterações que permitam aproveitar melhor os mesmos.
Mas a grande conclusão que se tira daqui é que só podemos comparar Tflops em arquiteturas semelhantes. Por exemplo, AMD com AMD, Nvidia com Nvidia, e que as comparações de Tflops AMD com Nvidia pecam por rendimentos internos diferentes.

Ou seja, voltando às consolas, é o ponto 2 que nos permite concluir que a diferença de performances entre a PS4 e a Xbox One é real e pode ser visualizada. Ambos os GPUs são AMD e com arquiteturas semelhantes!

Mas claro, neste ponto não posso deixar de referir uma outra situação pois a já conhecida frase “Mas isso não se nota” virá certamente a baila.


Então onde fica essa diferença de performance entre as duas consolas?

  • Na maior parte das vezes no cálculo de pixels adicionais de forma nativa. Mantendo o mesmo tipo e qualidade de cálculo, um aumento de X% na resolução implica um aumento de igual percentagem no cálculo. Ou seja, as diferenças entre as consolas perdem-se muitas vezes na simples implementação de maior resolução.  Esse é aliás o conceito de consolas como a Scorpio. A Microsoft precisa de 4x mais resolução do que a Xbox One apresenta para atingir os 4K. Daí que a performance da Scorpio precisa, rendendo com a mesma qualidade, de 4x mais Flops. Na prática a Scorpio possui 4.6x mais performance, para permitir os 4K em jogos que na One possam ser 900p!
  • Outras vezes em pequenas diferenças que mesmo que pouca diferença façam visualmente utilizam mais processamento ao serem mais precisas e perfeitas. E este é um outro caso! Um melhor Anti Aliasing pode não ser algo que se note sem uma análise mais cuidada, mas sendo este um efeito pós processamento de cálculo algo intensivo pode gastar ou ajudar a gastar a diferença de performances de uma forma que visualmente tem pouco impacto. Outro exemplo é o HDR, que pode ser calculado com vários níveis de precisão. Todos apresentam resultados visualmente diferentes, mas quase imperceptíveis sem análise cuidada.
    Muitas vezes, quando a performance disponível em ambas as consolas é suficiente para que ambas atinjam os patamares desejados, muitas equipas preferem gastar a performance adicional em maior qualidade e precisão de cálculo, do que em outras situações que criem grandes disparidades visuais.

Como nota final, e dado que está extremamente ligado ao assunto, termino com uma nota sobre a Computação Assincrona.

O que é? Bem, nos dias atuais os GPUs tornaram-se capazes de cálculos a um ritmo tão elevado que nem os CPUs são capazes de executar. E dado que não há qualquer rigidez no tipo de pedidos que podem ser feitos, os GPUs podem ser usados para processamento genérico, seja ele gráficos, física, áudio, etc.

Mas infelizmente há restrições. Apesar da sua capacidade e liberdade de cálculo, os GPUs são criados e optimizados para grafismo, possuindo diversas unidades especializadas para esse factor. Daí que a programação genérica seja um pouco diferente. basicamente o que se manda executar deve idealmente ser pensado de forma a ser processado como um shader gráfico a aplicar à cena de forma a que o processamento não seja muito divergente daquilo para que o GPU está optimizado. E esta situação obriga a uma lógica de programação radicalmente diferente e para a qual muitas das equipas não estão ainda preparadas. Daí que a computação assincrona esteja ainda pouco implementada.

Mas e qual a vantagem do seu uso?


Basicamente o GPU é uma espécie de linha de montagem onde temos várias componentes que trabalham sequencialmente. E como já explicamos, a performance teórica máxima dificilmente e atingida pois o normal é termos processamento que demora um pouco mais e que obriga os outros componentes a basicamente parar à espera dos resultados. Este é um processo normal no processamento, com imensos tempos mortos e consequentemente um grande desperdício da capacidade de processamento a nível de Flops.

A computação assincrona foi concebida exatamente a pensar nisso. Basicamente é um processamento paralelo que ocorre nestes tempos mortos do GPU usando as componentes que estão paradas.
Ou seja, ele traz ao GPU não só uma versatilidade maior, como permite que este possa calcular algo adicional para além do processamento gráfico que está a decorrer, de forma paralela e sem o prejudicar. Esta situação pode não só libertar o CPU de certos trabalhos ou, alternativamente, trazer para a mesa processamento adicional.

Mas a parte que nos interessa para este artigo é que esse processamento permite que se atinjam valores de rendimento muito superiores do GPU. É um tirar partido dos Flops disponíveis que de outra forma seriam pura e simplesmente perdidos.

A computação assincrona é a grande arma da AMD contra a Nvidia, onde as suas placas são basicamente incapazes de realizar a mesma sem penalizarem a sua capacidade de processamento gráfico. É uma característica do DirectX 12 e pode trazer ganhos de performances enormes.
Basicamente com eles podemos dizer que estamos a usar um GPU ao máximo da sua performance. Sem ele, o rendimento que temos depende da optimização do jogo para o GPU em causa, e das drivers para esse jogo, mas em qualquer dos casos, será sempre inferior ao obtimido por uma placa igual com a computação assíncrona ativa.

Cremos que a explicação de cima deixará claro o que o Flops representa, e até que ponto ele é uma boa e ao mesmo tempo uma má, medida de performance. Mas qualquer dúvida já sabem… tem sempre os comentários!

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (50)

  1. O “não se nota” vai voltar a moda denovo. Kkkk.
    Eu me lembro bem que em outra news alguém dizer…

    “Ao contrário da PS4 e a Xbox One, a diferença entre a Scorpio e a Neo é de 1,81 teraflop’s…. Cabe um PS4 nessa diferença”

    Ora mas se olhar somente para os números a diferença entre a PS4 em Xbox One. 1,84 para 1,31 teraflop’s. Cabem uma PS3 e uma Xbox 360 e mesmo assim há quem não note diferenças entre as duas.

    Mais grave ainda fica se olharmos para as reservas do kinect, ora quando a Xbox foi liberado suas reservas do kinect, todos que possuem a console, viram a diferença ( lembrando que a reserva era 10% para o kinect) mas os 40 % entre PS4 e a One. Ninguém nota…

    • Tenho visto o user @Fernando dizer isso, tipo a vantagem pelos rumores que sairam do escorpio em relação ao Neo é exatamente os 40% que existia entre PS4 e One, isso que ainda nem temos confirmação das epecs finais de de nenhum dos consoles ainda a lançar, mas é interessante como agora uma diferença minuscula e tida agora como uma geração a frente como o user falou ontem se nao me engano, transcrevendo o mesmo “Álias, com a diferença de potência, se o Scorpio for devidamente explorado, nem da pra dizer que compete com o Neo.”
      “Dois pesos e duas medidas”, “quando 1tf não é 1tf”

      • Os senhores tem noção do que se pode fazer com quase 2 Tflops de diferença em uma máquina fechada?

        É uma conta de proporção. o PS4 é muito mais poderoso do que dois Xbox 360, que é a diferença dele para o One.
        O Scorpio tem a seu favor não apenas a GPU, mas o CPU melhorado e muito mais largura de banda.
        Entre PS4 e XBox One, a diferença é o GPU e pronto. CPU equilibrado, largura de banda equilibrada. PS4 e One são máquinas da mesma categoria com o PS4 tendo uma pimenta a mais.
        Scorpio e Neo são competidores de categoria diferentes. O conjunto do Scorpio dá um baile nas especificações do Neo.
        Mas claro, vocês continuam sonhando com a ficção onde a sony jogou no lixo o PS4 Neo e criou um novo console que competirá de igual para igual ou até ultrapassará o Scorpio, mesmo com documentos oficiais já vazados.
        Esqueçam, a diferença vai ir além de 1080p vs 4K.

        • Entendi, realmente se os rumores estiverem certos vc está com a razão, o Scorpio será mais moderno que o NEO. Mas como apenas temos rumores por parte do Neo e alguns números por parte do Scorpio é preferível esperar pelo menos a divulgação oficial por parte da Sony, não achas, quanto as diferenças entre Ps4 e One contribuo resumo das difere:
          Gpu +43% (mas robusta e moderna)
          Cpu -9% (Cpu oveclock)
          Banda +- igual com vantagem do Ps4 por possuir mais memória rápida disponível e um único pool de memória.
          Nem vou colocar na conta a maior capacidade de gpgpu do Ps4.
          Colocaria também ferramentas de desenvolvimento melhores no PS4 depois do flop que o DX12 tem se revelado.

          • A GPU é a mesma, não tem essa de mais ou menos moderna, com a diferença de quem tem mais potencia, só.
            Capacidade maior de GPGPU é por que tem 8 ACEs contra 2 do Xbox One, e até hoje isso não fez diferença. Até onde acompanho, os desenvolvedores ainda nem aprenderam a utilizar as 2 ACEs completas do Xbox One, quem dirá as 8 do PS4, aliás, ainda levantam a possibilidade de não serem necessárias para a utilização a que se destinam, os jogos e serem destinadas apenas a execução de tarefas paralelas do sistema, algo dispensável no PS4.
            No inicio da geração a Microsoft disse em entrevista técnica à Eurogamer que as 16 filas de computação das 2 ACEs do Xbox One eram o suficiente para a vida do console. Recentemente a ID software disse que a diferença de computação entre os dois consoles era a quantidade de filas e que isso era indiferente para as cargas de trabalho deles. Ou seja, a diferença de capacidade GPGPU é a diferença de performances.
            Não por acaso, na Polaris 10, supostamente a versão mais avançada da arquitetura GCN, a AMD reduziu o número de ACEs para 4, o que resulta em 32 filas de computação. Talvez um reconhecimento da empresa de que 8 ACEs foram um exagero e ainda não uso ideal para elas.
            Mas sobre o DIrectx 12, por que um Flop? Por que a AMD não tinha Drivers adequados para os lançamentos recentes? Nada de novo, desde sempre é assim, AMD é amadora perto da Nvidia quando o assunto é software. Mas você deveria acompanhar um pouco alguns desenvolvedores reais e suas opiniões sobre directx 12. Ele está sendo adotado em massa, e nos próximos meses haverá uma chuva de games com suporte nativo ao Directx 12 e segundo os mesmo, a verdadeira revolução dessa API está por vir, o Shader Model 6, algo que até o Vulkan ainda não está pronto para suportar.

          • As diferenças entre oCPU da PS4 e da One neste momento não é essa. A PS4 libertou o 7o nucleo a 100%, mas a One só o libertou entre 50 a 80%, colocando a diferença em algo não significativo.

        • Cara,eu quero ver diferenças Absurdas tipo Resident 4 Gamecube x PS2, street figther 2 Snses x Mega drive, agora se vier diferença de pequena resolução a mais e fps a mais que não modifica em nada a experiência do game tipo jogos de ps3 e ps4 esses consoles se serão dinheiro gasto.

        • 2 Tflops fazem o que uma PS4 faz. 530 faz o que 2 Xbox 360 fazem.
          Mas nunca viste 2 360 de diferença entre a PS4 e a One, assim como não verás entre a Neo e a Scorpio.
          Isto porque a performance é usada para resolução. E caso os CPUs não sejam bottlenecks o que terás são iogos a 4K nativos na Scorpio e 4K construidos por metodologias temporais a partir de 1440 na Neo.

          • Deixe estar Mário, aqui a muito que Fernando fala sobre os 900 vs os 1080p de The Wicher. ” porque a Sony não desiste do sonho dos 1080p iguala a resolução para melhorar a performance”…. Bom agora parece o mesmo caminho inverso, ainda vou ver muitos multi a 1080p ( na mais sonhadora ipotese 2k) correndo a 60 fps a console mais poderosa de sempre, peidando para rodar a 4k na Scorpio a 30 fps.

          • Dentro de minha ignorância isso não é uma diferença significativa na experiência do game resoluções por mais que as texturas e efeitos fiquem melhores em maiores resoluções não muda o resultado final.
            Caso os 2 teraflops de processamento sejam empregados em performances com os jogos a correr 60fps, mais npcs e efeifos especiais exclusivos na plataforma, ai sim valerá o investimento de resto não afetaria a experiência geral.

          • Edinho
            Concordo com vc, espero que os novos consoles não fiquem reféns do tão almejado 4k que esqueçam isso, 1080p ou 1440p com ótimos AA e upscaling, mas um numero grande de variabilidades dentro do games, seja cenários destrutíveis, melhor física nos jogos, maior números de inimigos e maior diversidade, etc…,mas não adianta nada se eles ficarem apenas tentando alcançar 4k, e não fará diferença se os jogos não forem mais caprichados, mais otimizado do que 90% dos jogos atuais.

          • By-Mission, a Sony é a primeira a puxar para resolução e está estimulando os desenvolvedores a utilizarem resoluções maiores do que 1440p para chegarem próximos ao 4K. Você acha mesmo que eles terão jogos em 1080p no Neo ainda mais quando eles tem um negócio de televisores para faturar?
            Esquece, é mais fácil a Sony fazer mais propaganda do 4K com o console menos poderoso do que a Microsoft. A partir do ano que vem, as TVs 4K de baixo custo invadirão o mercado e a Sony venderá muitas delas. Ter jogos em 1080p não é algo que vale a pena para os negócios deles com o Neo, para isso existe o PS4.
            Se o Neo rodar games novos em 1080p, para o consumidor será um atestado de que o PS4 não serve mais.
            Pode anotar, o futuro de Xbox One e PS4 é rodar games com resolução dinâmica, que podem ser vendidos com o marketing dos 1080p e Neo e Scorpio buscarão os 4K, com prováveis melhores resultados no console da Microsoft. E se alguém vai peidar pra rodar 4K 30 FPS, será o Neo e não cabe a comparação de que a potencia do scorpio não basta para 4K com base no PC, pois se a comparação fosse válida, o PS4 não bastaria para 900p.

          • Estás enganado Fernando. A Sony não tem nenhuma divisão de TVs. A marca Sony é usada sob licenciamento, mas nada é pertença ou fabricado pela Sony.
            A divisão de TVs foi transformada numa empresa separada há quase 2 anos.

          • Mas não entra dinheiro na empresa pelo licenciamento?

          • Sim… Mas isso é por televisor fabricado. Não vendido!
            No entanto na prática dá no mesmo, pois quanto mais vendem… Mais licenciam!
            Nas Tvs Sony não se licencia só o nome, mas igualmente as tecnologias proprietárias da Sony usadas nessas Tvs.

  2. Kkk agora resolução não importa mais, poder a mais não faz diferença… Como é fácil mudar os argumentos.. sempre falaram em poder 50% a mais, 900p etc. Várias matérias diminuindo o Xbox one. Agora de uma hora para outra o argumento muda, 2tflops a mais é muita diferença sim é não adianta tentar diminuir, ps4 neo morto já era

    • Sim e não. Depende de como forem usados. Se for para subir resoluções para 4K, os jogos da Scorpio serão iguais aos da One. Só muda a resolução.
      2 Tflops são efectivamente muito se a resolução se mantiver nos 1080p. Nesse caso a Neo, a ser lançada este ano, esmagará a One durante 2017, e a Scorpio esmagará a Neo em 2018.
      Infelizmente esse é um ciclo que depois podemos continuar a esperar… Uma consola nova a cada ano ou ano e meio.
      Daí que face ao que atualmente existe, a questão da relevância de uma ser mais potente do que a outra cai. Até porque a esse ritmo de lançamento as pessoas irão optar por apenas um sistema e ele não ficará no topo por muito tempo.

    • Não só 2 teraflop’s, o CPU e mais capaz, são 12 Gb/ram…. Sim faz toda a diferença..
      A Scorpio com os jogos a 1080p vai dar um baile na na Neo, agora se 4k 30 fps é melhor que 1080p 60 fps. Melhor sombra, texturas, AA…

      • Espera aí… Mas onde viste esses dados?
        Da Scorpio não se revelou mais do que ser algo perto dos 6 Tflops.
        Da Neo, com excepção dos rumores não sabemos nada.
        É coerente que a Scorpio tenha um processador melhorado. Mas os 12 GB… Isso baseia-se numa análise às imagens da E3, que não correspondem a um hardware real, mas uma esquemática.
        12 GB implicaria igualmente GDDR5 e um Polaris…

        • “A Microsoft também apresentou dados concretos para a largura de banda da memória, dizendo-nos que terá mais de 320GB/s. Dá-nos pontos muito úteis. Primeiro, quase certamente a experiência ESRAM na Xbox One é coisa do passado – a Microsoft irá seguir uma abordagem estreada pela Sony usando uma só piscina unificada de memória baseada na tecnologia gráfica RAM do PC. Qual delas ainda não sabemos – será GDDR5 ou a mais rápida G5X presente na GTX 1080 da Nvidia?

          A figura de 320GB/s pode ser alcançada com 8GB de G5X usando um canal de 256-bit, ou então pode usar uma interface 384-bit juntamente com 12GB de GDDR5. É aqui que as renderizações estilizadas da motherboard Scorpio são úteis pois podemos contar quantos módulos de memória existem – são visíveis 12 chips de memória, confirmando o uso da tecnologia de memória de actual geração e não a HBM2 esperada para a Vega e Titan de nova geração da Nvidia. Isto também sugere que a Scorpio tem outra grande vantagem sobre a PS4 Neo – não apenas mais 100GB/s de largura de banda mas também 4GB adicionais de RAM onboard.”

          http://www.eurogamer.pt/articles/digitalfoundry-2016-xbox-one-project-scorpio-analise-especificacoes

          • Isto são especulações. E foi exatamente o que eu disse na última linha da última mensagem de forma simplificada.
            Baseado nos 320 GB/s terias de ter ou 8 GB de HBM2 ou 12 de GDDR5. Só que o uso da GDDR 5 dá a entender que o GPU usado não será um Vega que já suporta a HBM2, mas sim um Polaris alterado.
            E isso leva a pensar… Mas porque raio, se a consola só sai em finais de 2017 a Microsoft vai perder a oportunidade de usar um Vega já disponível na altura?
            Custos?
            Se é custos, está a dar ali uma oportunidade à Sony que em 2018 pode pegar no Vega já a preços reduzidos e aniquilar a Scorpio.
            Custa-me a crer essa questão dos 12 GB. Não pela quantidade, mas pelas implicações que, face à largura de banda conhecida, isso parece ter no GPU.
            Até porque 6 Tflops num Polaris implica ou um chip com um número de CUs desconhecido até ao momento, ou velocidades de relógio superiores às de um computador de secretária, ou um misto de ambos.

          • Continuamos as especulações, porque como o artigo diz 8 Gb/ram não são um número confortável para o 4k…Lembrando que tudo estará nessa piscina de memória então, basicamente temos que dividir a memória com a CPU, e ainda abrigar o Windows 10 ou seja lá o sistema ibrido que criarem, e já se vai metade da RAM…
            Eu particularmente acredito em 14 Gb/ram ou mais.

          • Se for a acreditar no que a Microsoft refere para a Scorpio , então teria de dizer que isso é uma situação mal pensada pela Eurogamer.
            Porque segundo aquilo que a Microsoft refere, a ideia da Scorpio não é ter exclusivos e criar jogos 4K, mas sim colocar os jogos da plataforma a 8K.
            Ou seja, as texturas e a geometria não alterariam e isso quer dizer que não seria necessária muito mais RAM, apenas a necessária para gerir os pixels extra (ou seja, cerca de 23,7 Megabytes)
            Seja como for, não estou a duvidar da possibilidade, apenas a dizer que, pelo menos nesta fase, há muita especulação no referido para que possa tomar isso como realidade.
            14GB é impossível. A não ser que a Microsoft aplique alguma tecnologia proprietária, o x86 acede à Ram em dual, tri ou quad channel, o que quer dizer que se tivermos módulos de 2 GB em quad channel temos 8 gigas. É o caso da One, onde cada módulo de ddr3 a 2133 Mhz debita 17 GB/s, o que em quad channel dá os 68 GB/s.
            Ora 12 GB em quad channel implicaria módulos de 3 GB, algo que não se fabrica. Logo poderemos ter módulos de 4 GB em tri channel.
            De acordo com a JEDEC, a entidade que define a norma das memórias, a GDDR5X pode oferecer 448GB/s num bus de 256 bits., O que quer dizer que se for usada GDDR5X poder ter 336 GB/s em triple channel com 12 GB. Mas com módulos de 2 GB e 8 GB poderias ir para quad channel.
            Mas 14 GB, sem algo proprietário, não é possível. Podes ter 12 ou 16.

          • Eu não acho que rola um PS5 antes de 2020, na melhor das hipóteses, e na pior das hipóteses, essa geração atual nunca acabará. Então, considerando a pior das hipóteses, o que quer que seja o Neo 1.5 que a sony planejaria trazer lá por 2019, o Scorpio 1.5 seria melhor em 2020 e por aí vai. O Neo será muito bom para 2016, o Scorpio será melhor para 2017.
            Mas eu aposto que a Sony nunca lançaria um console novo em 2018. Primeiro por quê as pessoas que comprarem o Neo ficarão furiosas e isso enfraqueceria o relacionamento com o cliente, e outra por que existem rumores fortes de uma nova crise financeira mundial como a 2008 vindo e eu acho que todos os planos de consoles pós Neo e Scorpio serão congelados por um tempo. Assim como a geração atual era para ter vindo já em 2011 e acabou chegando em 2013 com hardware um pouco menos potente do que o esperado. Em 2020, o Scorpio estará para o mercado de PCs médios, que exclui GPUs de nível entusiasta, como o PS4 estava em 2013.

          • A Scorpio basicamente irá definir um novo PC mínimo. Oferecerá performances para jogos barata.

          • Aos entendidos, gostaria de suas opiniões sobre este link: http://www.eurogamer.net/articles/digitalfoundry-2016-we-built-a-pc-with-playstation-neo-gpu-tech

            PS: se poderem fazer um resumo fico grato:-P

          • Netto, de forma resumida, ta escrito que um PC de especificações semelhantes ao Neo não basta para 4K nativos em games AAA atuais, tendo seu melhor equilíbrio em 1440p com alguns bons resultados com jogos em 1800p.
            Para melhor entendimento:

            4k é igual 2160p;
            1440p para 4K é equivalente a 720p para 1080p;
            1800p para 4K é o equivalente a 900p para 1080p.

            O teste não é válido simplesmente pelo fato de que ele exclui um possível gargalo de CPU ao colocar dois i7 para referência das duas especificações. Muitos dos resultados que eles dizem ser impressionantes em 1800p podem não se repetir no Neo se ele é baseado em Jaguar com leve overclock.
            Certamente eles não farão uma comparação com hardware de PC com 6Tflops para simular o Xbox Scorpio, mas dá pra presumir que na simulação que o “PC Neo Target”conseguiu 1800p, um “Scorpio Target”conseguiria completos 4K.

          • Vlw Fernando.

          • Talvez não a crise e para ser sincero isto já não pega em mim, por mais que a Neo esteja no horizonte para isto acabou.. O meu Nick da PSN e o mesmo que uso aqui então podem fazer as contas por si mesmo… Comprei a PS4 3 meses após o lançamento 2.200,00 temers… 3 anos de PSN mais Uncharted, The Last of Us, GTA, Killzone, Infamous, Blatlefield e Drive club.

            Já conto uns 4.000 temers jogados fora….

            Ontem mesmo fiz umas continha e com esse mesmo dinheiro montava um Core i5 16 GB de ram HD de um Tera, uma fonte de 780W 80+, e uma AMD 480…

            Isso com uma gordura de CPU fonte e memória para no futuro espetar outra AMD 480x…

            E o melhor não me sentir traído, por testar a versão beta da PS4!

          • Mas voce teria esse dinheiro na mão dar de uma vez em 2014 ou juntaria em 2 anos e meio?
            Por mais estranho que pareça falar, em 2014 o maximo que voce poderia ter conseguido era uma R9-270 de 2GB em um PC de 8GB de RAM, e essa máquina não rodaria algumas coisas tão bem. Presumo que voce ainda teria que comprar os jogos certo?
            Então, em 2014 ainda compensava comprar consoles. O cenário atual é diferente, as GPUs baratearam e estão oferecendo um custo benefício bem interessante. Não posso dizer que daqui pra frente ainda compensa ter console antes de presenciar a existência do Neo e principalmente do Xbox Scorpio.

          • Apesar de a Scorpio ser uma consola questionável, pois por um lado é a mais potente, mas por outro tem a alternativa PC, ela parece mais atractiva que a Neo.
            Isto porque a Neo, a vir com as especificações em rumor, está severamente limitada no CPU, não sendo mais do que uma PS4 com “dopping”. Mas por outro lado a Neo é a única que se mantêm uma consola na verdadeira ascensão da palavra e daquilo que sempre conhecemos.
            O meu atual PC não bate a Scorpio em especificações, mas isso para mim é irrelevante. O que a Scorpio me oferece a nível de 4K não me interessa pois não só acho que 1080p com um com TMAA são mais do que suficientes, como nem tenho tvs 4K e nem vou comprar tão cedo pois a minha TV 55″ tem apenas 6 meses. Daí que, para 1080p, o meu Pc continue a ter potência que chegue, e sendo a Scorpio uma consola que, segundo a Microsoft, não anulará a One, a garantia de jogos que me correrão a 1080p 60 fps na minha R9-290 está assegurada.
            A Neo por outro lado tambem não interessa pois vejo severas limitações no CPU. 30% (+ou-) adicionais, são muito pouco e os gargalos face ao GPU parecem manter-se como na PS4.
            Preciso por isso de esperar e ver, mas à partida. Passarei ao lado de ambas essas consolas, e a única coisa que farei será melhorar o PC, seja para duas RX-480 ou RX-490, assim que disponíveis.

          • Exatamente o que disse. O PC e os consoles estão seguindo o caminho inverso um do outro, nunca foi tão barato ter um PC minimamente capaz, e Nunca eu digo… NUNCA foi tão caro jogar nos consoles… Eu penso que o tão anunciado fim dos consoles, está chegando não pelo avanço da tecnologia. Mas pela ganância da Sony. Sim como líder do seguimento e responsabilidade da Sony o que se faz daqui para frente, ex EA acess. Era só não se pegar nessas tretas e esquecer a Neo também.

          • Mas porque a Sony?
            A Microsoft quebrou todas as barreiras das consolas com o PC e tambem tem a Scorpio. Não vejo diferenças!
            Não há um culpado… há dois.

          • Cobrar por retrocompatibilidade, ter a ideia estapafúrdia de lançar a Neo…

            A Sony devia ter atuado de forma muito diferente do que fez em certos pontos. E apesar de ter feito um excelente trabalho a desenhar e planear a PS4 e do sucesso da consola ser merecido, nesse sentido, falhou em muitas frentes nas políticas com o consumidor. Não tanto como o que a Microsoft tentou fazer, mas falhou. E falhou em compreender algo muito importante, algo que nem com a Vita parece ter compreendido: que precisa de ter uma loja recheada de jogos para poder rivalizar com os concorrentes que cada vez mais lhe apertam o cerco.

            E pode vir a pagar isso bem caro. Com estas novas placas e com o Steam o PC tornar-se-á uma ameaça de respeito.

            A Microsoft também anunciou a Scorpio mas já pos em marcha políticas para segurar o consumidor.

          • By-Mission tem razão. Não importa o que a Microsoft fizesse, a Sony não tinha por quê querer imitar nada. A Microsoft está correndo atrás da popularidade, não vou dizer do prejuízo por que por incrível que pareça, com metade da base instalada do rival,ela consegue lucrar mais, seus jogos não morrem da noite pro dia e a comunidade online é mais ativa.
            A Microsoft já lançava games no PC desde o primeiro Xbox.
            Se a Sony achou que precisava lançar o Neo por causa da Microsoft no PC, isso só quer dizer duas coisas, ou que a Microsoft teve a melhor estratégia ou que a Sony não confia tanto assim no seu produto.
            Número de vendas de console é coisa pra fanboy debater na internet. Pode ter certeza que nas reuniões de acionistas da Sony, o que eles discutem é por que eles tem o dobro da base de usuários do concorrente e menos lucro, por que os exclusivos da Microsoft vendem em uma proporção maior em relação a base instalada e por que a PSN plus só tem 20 milhões de assinantes.

          • A última questão é fácil de responder. A PSN+ não é obrigatória, para o online, apenas em alguns jogos.

          • “Número de vendas de consoles é coisa para fanboy debater na net”

            Isto de quem mede a qualidade de um jogo pelo número de vendas, é muito contraditório.

            O último relatório financeiro não aponta para uma divisão Xbox saudável ou até mesmo assim tão lucrativa como pintas. A Microsoft bem tentou disfarçar os números mas as coisas não estão famosas, e já não o estão há muito tempo. As sucessivas quebras de preço, e todo o desastre que agora podemos dizer têm marcado esta consola, também não permitem ter as coisas de outra forma.

            Já a PSN é extremamente lucrativa para a Sony. E ainda bem que só metade dos utilizadores assina o Plus. Sempre fui contra o cobrar pelo online e isto só prova que uma consola pode ser lucrativa q.b. sem trancar tudo atrás de subscrições.

            Depois… não distorças as coisas. A Scorpio marca o inicio do fim para a Xbox consola. Diz-lhe adeus. Marcará o inicio da plataforma como serviço. É o assumir da Microsoft que a ONE não tem futuro e que já desistiu dela.

            O que a Microsoft quer agora é o modelo Steam e pelas mais recentes palavras Tim Sweeney poderá recorrer a tácticas de guerrilha para conseguir isso.

            A Sony com a Neo quer impedir a fuga de utilizadores para o PC, mas não te precoupes, de longe ela quer imitar o que a Microsoft quer fazer. Acho realmente que é uma estupidez, porque não irá conseguir impedir isso a não ser que traga todos os títulos das consolas anteriores para a PS4 (o que já devia ter feito sem esta história dos remasters), e mesmo assim está perante um caso bicudo. Mas sobre a razão de ser da Neo já aqui referi a minha opinião.

            Sinceramente, ambas irão falhar com as novas plataformas. É mesmo espantoso como esta geração se assemelha à geração PS2 não é?

          • Vrd Mario, até o início desta geração se assinava live até pra navegar e cv via Skype aplicativos gratuitos no Windows, a psn surgiu como uma rede online free somente neste negação que o online virou pago.

          • Mesma nesta geração o online é uma opção. Todos os títulos que o exigem identificam isso na caixa, e há uma grande percentagem deles, que não obrigam ao online.
            No mans sky, Uncharted 4, Final Fantasy XIV, Planetside 2, Elder Scrolls online, etc. Estes são os que me vêem de momento à cabeça. Depois o stream de capturas também não requer pagamentos.

    • PS4/Neo mortos, esqueceu que no lançamento do Scorpio 6TF ainda vai existir um console chamado One S e um tal de Play Anywhere? achas mesmo que o planejamento da Microsoft já exclui desde hj a atual plataforma e esta que em 2017 pode ter uma base interessantes de 30 milhões de consoles no mercado? Sabendo disso achas mesmo que um jogo multi que rode em 720p no One S não rodará em 1440p no Neo e em 900p no PS4 atual? São muitos questionamentos em cima dessa sua profecia, aguardo resposta sensata blz.
      Quanto ao que vc diz que poder a mais e resolução não importam, acho, só acho que vc se deixou levar pelo amargor que tem sofrido por que sua amada plataforma é um “pouco” ou “muito” inferior ao concorrente, que os jogos tem ficado um “pouco” inferiores ao concorrente, que em vendas o concorrente tem ganho de lavada, enfim, falo isso pois não vi ninguém aqui desmerecendo os 1.8TF a mais que o Scorpio terá em relação ao Neo segundo os rumores, o que se tem debatido é que antes 40% de diferença era nula e agora essa mesma diferença virou uma geração a frente, o Mário já até explicou que as coisas não vão se alterar drásticamente como vc @Marcos pensa.

      • Sinceramente acho toda esta conversa idiota. Estamos a falar de consolas hipotéticas.
        Uma que só sai em finais de 2017, e outra que ainda nem foi anunciada oficialmente.
        2016 tem como consola dominante a PS4. 2017 deve ser dominado pela Neo. E 2018 pela Scorpio.

        Mas não ignorem o PC. Pois em 2018 6 Tflops serão migalhas para ele. E a este ritmo, a preços baixos.

        • Falando em PC viste os preços da próxima Titan 1.200,00 Obamas por 11 Teraflop’s, ou melhor dizendo duas AMD 480 = 12 Teraflop’s e 1/3 do preço?

          http://www.comboinfinito.com.br/principal/nvidia-anuncia-nova-titanx-e-ja-acaba-com-o-reinado-da-antiga-1080/

          • Mas não terão a mesma performance da Titan…
            Seja como for lá está a Nvidia com as suas placas de 1200 euros. É isso que eu temo nela. Se a Nvidia aniquila a AMD estamos condenados a pagar fortemente feio pelas suas placas gráficas.

          • Essa é a placa de vídeo que existe e ninguém compra e não define para onde o mercado vai.
            Se reparar no mercado de GPUs, verá que as coisas são feitas com base nas GPUs médias e não nas versões acima. Ou seja, o mercado vai se mover de acordo com as possibilidades da RX 480 e GTX 1060. Essas placas geralmente serão capazes de rodar tudo em 1080p nas configurações máximas com desempenho aceitável por uns 3 anos pelo menos e as placas acima disso serão para aqueles resultados absurdos como por exemplo 120fps etc.
            Tanto a 1060 quanto a RX480 se mostraram inclusive aptas a rodar games visualmente complexos como Doom em 4K nativos 30fps estáveis com APIs de baixo nível.
            A chegada dos novos consoles, provavelmente mostrará que com otimizações adequadas, provavelmente o PS4 Neo já será suficiente para 4K.

          • Se a base se mantiver na PS4, não duvido nada. Sobretudo se a Sony arranjar forma de conseguir automatizar o processo o mais possível.

      • Depende muito Netto de como utilizar a tecnologia disponivel.Acho eu que ambos os consoles sobreviverão PS4 e Xbox.Pois temos bons jogos a serem lançados e novas IPS vindo por ai,tanto pela Sony tanto pela Mic e pela Nintendo.Tflop vai muito do conhecimento do Hardware a sua utilização,se a empresa dona do produto ajudar as coisas tendem sempre a andar para frente.Mas te falo 2 Tflops podem direcionar muitas coisas,agora como uma pessoa madura não faça menções pesadas a uma plataforma só por esta ter um desempenho um pouco menor.Rapaz eu to curtindo muito o Halo 5 e até me esqueci de adquirir uma PS4 por causa do U4.Gostei demais deste jogo(pena que to morrendo muito no On) mas o que importa não são Tflops é o que voce coloca em qualquer caixa e se diverte amigo sem desmerecer qualquer plataforma OK.

        • Os Tflops são irrelevantes sem conhecermos os CPUs. E a realidade é que caso a Neo tenha o jaguar com mais velocidade de relógio a consola será uma valente bodega pois continuará a ter limitações enormes. Por exemplo o AC Unity poderia correr a 1080p 30 fps, mas dificilmente mais devido ao CPU.
          Seja como for, sobre a Neo só temos rumores e um documento que não se sabe se é verdadeiro. Mais ainda este atraso na sua revelação pode implicar que mesmo que haja fundamentos no que se conhece, a consola pode estar a ser revista.

          • Tal como o jaguar foi uma enorme limitação para a tual… Acho que a Sony quis forçar o uso do GPGPu, por alguma razão veu ganhos aí e assim quer continuar com a Neo.

  3. Mário , tinha um fanboy doido da sony no beyond 3d falando que a gpu do scorpio era 3tflops e que o console alcança os 6 tflops com half-precision point que é algo que a polaris suporta

    • Lucas… o Beyond3D não é um forum qualquer. Não há por lá fanboys pois o Brit não autoriza.
      Quando muito isso pode ter sido dito como matéria de discussão da possibilidade. Mas isso parece ridiculo demais para uma discussão naquele website.
      Mas não quero falar sobre o assunto pois posso estar a fazer um julgamento errado sobre algo que não li pois nem tenho ido lá dado que estou de férias.

Os comentarios estao fechados.