Quantum Break: o bom, e o mau.

QuantumBreak

Antes do mais convêm esclarecer que Quantum Break é visualmente assombroso. O artigo que se segue mostra no entanto os atalhos que a Remedy teve de tomar no sentido de conseguir colocar tudo aquilo numa Xbox One.

Nota: Devido a termos usado imagens sem grande compressão e na resolução total, as mesmas encontram-se alojadas em servidor externo e não a PCManias. Apesar de tal não ser desejado, eventualmente poderá acontecer que as mesmas possam não estar disponíveis ou demorem um bocado a abrir. Podem (e devem) abrir as imagens em novo separador caso as queiram ver na sua qualidade total. 

Vamos começar por esclarecer que o artigo PCManias que se segue analisa Quantum Break puramente na vertente técnica. A qualidade do jogo, aparentemente excelente (algo que só saberemos no dia 5), não está em causa.

O jogo é igualmente visualmente impressionante com modelações de topo e efeitos visuais fantásticos. Mas a questão é que para conseguir fazer dentro das limitações impostas pela Xbox One, a Remedy foi obrigada a usar uma série de atalhos. O resultado final é impressionante, mas igualmente decepcionante em muitos aspectos.

Vamos ver:

Para começar recomendo que vejam na integra o video que se segue. Ali poderão perceber o motivo porque Quantum Break é tecnicamente simultâneamente impressionante e ao mesmo tempo decepcionante.

Pontos fortes:

A primeira coisa que chama à atenção é a qualidade dos modelos das personagens. Modelados com scanners 3D a partir de personagens reais, estão bastante parecidos, detalhados, com texturas fantásticas e a qualidade dos shaders aplicados dá-lhes um aspecto fotorealista ao ponto de a transição que ocorre entre o video (tremendamente presente no jogo) e as personagens modeladas, ocorre de forma suave e realista.

A qualidade da modelação é especialmente clara nas cutscenes não video, onde os gestos e expressões mais subtis são perceptíveis. Naturalmente tudo é conseguido à custa de captura facial a partir do personagem real, mas o certo é que a qualidade é suprema ao nível do que se faz de melhor atualmente, sendo que a nível de recriação de faces reais, é mesmo o melhor que já pude ver.

O jogo possui ainda uma excelente luz dinâmica e faz um bom uso da iluminação global, com resultados bastante únicos e um foto realismo a roçar a perfeição em muitos locais.

O ambient oclusion, ou a capacidade de os objectos fazerem sombras em si mesmos e terceiros, está presente e acrescenta à cena um efeito ainda mais realista. É por norma bastante perfeito, mas não sem problemas. Mas deixaremos esses para depois.

Eis um bom exemplo da qualidade do Ambient Oclusion:

Os efeitos de manipulação de tempo são apenas… fantásticos, assim como o são as explosões e mesmo a maior parte dos efeitos do jogo. A distorção da geometria, apesar de não ser feita em tempo real, dá um efeito absolutamente único do jogo ajudando a criar uns efeitos visuais do melhor que se tem visto.:yes:

Depois temos a física do jogo. Os objectos são afectados pelos poderes temporais da personagem e a interacção existe com a maior parte dos objectos, mesmo que apenas quando se dispara contra eles. Repare-se no caso de baixo onde a mostarda espirra contra o pilar quando atingida por uma bala.

Como cereja, o filtro de ruido presente na imagem dá-lhe um efeito de filme bastante realista.

Pontos fracos

Penso que a nível de pontos fracos não se pode começar por falar da quailidade geral da imagem, nomeadamente a nitidez da mesma.

A metodologia de reconstrução temporal usada baseia-se na construção de uma imagem 1080p baseada em 4 imagens 720p com 4xMSAA. E apesar de o resultado final poder ser efectivamente ser considerado como 1080p, uma vez que há um processamento interno de todos os pixels e não apenas um mero re-escalamento, a verdade é que a nitidez da imagem acaba por não ser superior à de algo em 720p com um bom AA em cima, mas onde, mesmo assim os serrilhados não deixam de aparecer.

Tal é claramente notório em certas capturas de ecrã! E como exemplo vou deixar-vos com um comparativo entre uma imagem do jogo a 1080p, contra uma outra de Uncharted 4 Multi Jogador, a 900p re-escalados. Ou seja, 1080p contra 900p.


Torna-se claro nesta comparação que a nitidez geral da imagem de quantum Break não chega sequer perto da de Uncharted 4. E como referido, estamos a falar da versão multi jogador, a 900p. Há um borrão, uma espécie de névoa sobre a imagem de quantum Break que, apesar do output a 1080p, não torna a qualidade de imagem superior à de um jogo 720p.

Depois temos outra situação, o ambient oclusion, um dos pontos fortes do jogo, possui partes onde a sua presença cria artefactos pouco agradáveis à vista. Deixo-vos com um exemplo de baixo, na porta, do lado esquerdo da personagem.

O filtro de texturas é igualmente pouco eficaz, com o filtro anisotrópico ausente e uma qualidade semelhante à de filtragem trilinear. Não é que este seja verdadeiramente um problema, e percebe-se que seja uma das situações cortadas para poupança de larguras de banda internas, mas dado que estamos a referir tudo o que vimos, não o podemos deixar de incluir. Repare-se no chão da imagem que se segue!

Não podemos deixar de referir que a situação em causa se pode dever à acumulação de efeitos de anti-aliasing das quatro imagens que servem de base à criação do fotograma final, sendo assim a filtragem superior. No entanto, dado o efeito final, o mesmo não é superior a uma filtragem trilinear.


Outro ponto extremamente decepcionante é a falta de realismo da física em alguns locais. Se visualizarem o filme de cima, a partir do 1m50s, irão ver que a personagem vai contra uma carroceria de um automóvel que ali se encontra, e que a desloca como se esta fosse uma mera caixa de papelão. Uma situação que mancha a qualidade geral da física do jogo!

Mas já que falamos dessa cena é igualmente de destacar a quantidade de objectos com um nível de detalhe bastante baixos presentes em certos locais, sendo que essa carroceria é uma delas. Outro exemplo é a cadeira da imagem de baixo, onde o encosto nem sequer teve direito a qualquer tratamento de suavização, apesar de o microscópio em cima da mesa o ter tido:

A reconstrução temporal tem um outro efeito secundário ara além da pouca nitidez da imagem. O efeito de fantasma!

Repare-se no pé esquerdo da personagem na imagem que se segue, onde na imagem é perceptível por duas vezes:

Ou no efeito de arrasto criado pelo movimento da câmara:

Mas a parte pior é a abundância de efeitos de baixa resolução. Repare-se na cortina de luz volumétrica da imagem que se segue, e que está em resolução sub-hd.

Na baixa resolução de tudo o que é “Screen Space Reflection” (que de certa forma, pelo menos na imagem de baixo, até dá um aspecto interessante, passando por um pavimento com uma granulometria e reflectividade mista).

A baixa resolução das sombras:

Há ainda sérios problemas com luzes que se revelam persistentes atravessando todos os objectos. Vejam o video a partir do 1m16s e vejam como a luz da traseira do helicóptero atravessa a cabeça da personagem, mesmo devendo estar oculta.

Vejam igualmente a partir do 1m34s como o nível de detalhe muda abruptamente na cena, causando um efeito visual extremamente desagradável.

Podem ainda ver mais imprecisões do jogo consultado este nosso outro artigo (da mesma forma com imagens externas à PCManias pelo que poderão de ter de dar tempo às imagens para carregar).

 

 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (21)

  1. A Remedy fez um bom trabalho como sempre fez, mas essas soluções tecnológicas avançadas que usou se tornou uma faca de 2 lados…
    Acredito que o jogo seja bom. 🙂

    Obs: parece que o jogos está sofrendo com as criticas =/
    78 no metacritic.

    Atualmente estou jogando o The Order e estou curtindo. Lógico que ele não
    um OMG de jogo, mas é legal 🙂

    Acredito que seja a mesma coisa o QB.

    • http://www.metacritic.com/game/xbox-one/quantum-break/critic-reviews

      A maior parte das notas está na faixa de 8,0 a 10. O que significa um excelente game. O que derrubou a média foram os dois 4/10 que recebeu e meia dúzia de nota 6/10.
      Costumo levar em consideração o consenso antes de experimentar e fazer minha própria crítica. Pelo que vi, as notas menores são minoria e nessa Gen ta tão na moda alguns serem do contra que não espero muito de diferente, menos ainda em um jogo do Xbox. Então a impressão que tenho é de que é um bom jogo.

      • Até agora num total de 71 notas, quantum break recebeu 2 “10” e 15 notas entre 90/95 o que representa 24% das notas, 33 notas entre 80/89 o que dá 46% e 21 notas de 76 e abaixo o que representa 30%. O que podemos tirar disso tudo é que o jogo ficou na média de bons jogos, porém ficou abaixo de outros ditos medianos por alguns como por exemplo:
        Until Dawn – 79;
        LittleBigPlanet 3 – 79;
        Infamous Second Sun – 80;
        Tearaway Unfolded – 81;
        Pra citar alguns da plataforma playstation e:
        Sunset Overdrive – 81;
        GOW Ultimate – 82;
        Halo 5 – 84;
        Rare Replay – 84;
        Entre outros.
        Mas não deixa de ser um bom jogo, acredito que o que tirou a possibilidade de notas altas foi a falta de multi e esses vídeos entre o gameplay, segundo a analise do uol, não foi muito bem implementado esses vídeos, e segundo essa mesma analise o gameplay pouco traz alguma mudança nos mesmos.

        • A maior parte das notas está na faixa entre 8 e 10 e não entre 7 e 8 que é a media do metacritic que ficou nisso por causa dos dois bobo alegre que deram 4.
          Todos os jogos que você listou são bons. Os medianos da geração são Ryse e The Order. Killzone SF e Drive Club estão na linha entre os medianos e bons jogos.
          Nessa geração e cada vez mais difícil ter notas altas acima de 8,5 e que era tão comum já geração passada. Acho também que uma dos motivos principais é que a geração passada foi um salto enorme sobre o que tinha na época de PS2 e Game cube e não só visual, era tecnicamente em todos os sentidos, desde simulação à gameplay. Nessa geração de agora a sensação de mais do mesmo é constante pois chegamos na época em que o máximo que se inova é técnicas de renderização.

      • Se ao menos fizesses isso antes de vires para aqui dizer barbaridades sobre os exclusivos Sony… os quais, como não tiveste PS3, também nunca experimentaste devidamente.

        Mas é como já estamos habituados não é? Depende do jogo de quem o fez.

  2. Semana passada vi o gameplay do jogo no canal do Youtuber “Zangado”, conhecido no Brasil por stream e análise de jogos, e no vídeo percebi a falta de física quando o personagem trisca na cadeira, justamente a mesma da foto acima. Aparentemente o jogo está ótimo, mas são esses probleminhas que desgastam um pouco o jogo. Erro que não deveria ocorrer em jogos de nova geração.

  3. Quando se tem um hardware limitado, os desenvolvedores precisam fazer escolhas… A modelagem e expressões dos personagens estão muito boas, assim como a iluminação e efeitos, mas para isso acontecer tiveram que cortar em outras coisas… Estou só no aguardo da minha cópia chegar e ver como é o game rodando na minha frente, sem essas compressões da internet…Aparentemente há problemas gráficos, mas o aspecto geral do game me agrada…

    • esse é o problema, de que adianta lançar novos consoles se o hardware continua atrasado e atrapalhando todos, principalmente o consumidor de todas as partes do mundo, muito ruim isso…

  4. O jogo pode estar a sofre as mesma coisa que sofreu o novo filme de batman Vs Superman kkk
    A critica massacra em um lado, alguns elogiam e no final quem gosta e os fans qua assitiram o filme.
    O Jogo no pode ser diferente, ou inovador e me fale qual jogos estão por vir tem esta inovação?
    Por favor agora que saiu a nota de algumas rewis não vamos comparar com unchartd 4 pois muitos falam que não tem comparações.
    Joguem o jogo julgue você se é bom ou não, analises de site ajuda sim mais hoje me dia se for me basear por isso deixo de jogor vídeo game.

    • Depende, as comparações são inevitáveis, apesar de eu achar que Uncharted 4 terá uma média 90+ a comparação é justa. Os dois maiores jogos do período para os dois consoles. Muito provavelmente U4 será o maior jogo do PS4, Quantum Break não será o do one, esse será Gears of War 4 mas por enquanto é o que está disponível.
      Sobre as críticas, a maior parte dos sites está dando boas notas.

      • Não Fernando, o grande jogo do Ps4 será the Last of us 2, isso se à naughtydog não nos surpreender com algo novo, pois como sabemos o estúdio e divido em dois, e agora com uncharted 4 finalizado o estúdio já pode se concentrar em algo novo ou the Last of us 2.
        Lembrando que ainda tem Horizon por sair este ano ainda, e quem sabe a Santa Mônica não surpreende a todos entregando ainda nesta nova geração um Gow de arrepiar com foi o 3.

        • Então, nesse ano o maior jogo deve ser Uncharted 4. Se existe The Last of Us 2 não deve vir tão cedo. O orçamento da Guerrilla deve ser bem menor que o da Naughty Dog. Mas se for para falar do maior jogo da plataforma, provavelmente será o The Last of Us 2. God of War 4 acho muito difícil de ser e é um gênero que anda meio morto nos ultimos anos. Já percebeu como foram abaixo do esperado Devil May Cry, Ninja Gaiden, God of War Ascension, Metal Gear Rising?

          • Estás a esquecer-te de Horizon. Esse jogo tem potencial para muito e sobre o orçamento da Guerrilla, não assumas nada. Ainda tens The Last Guardian que ajuda e muito a compor o catálogo.

    • Moral da história: joga o jogo e depois dá uma opinião.

      Gostas, gostas não gostas, não gostas. Simples assim.

      Por mim, e tendo em conta quem o fez e baseando-me no historial passado, sei que é um jogo que gostava de ter.

  5. Em algumas partes se percebe raros, mas ainda existentes, pop in´s de sombras e efeitos de luz, mas nesse caso é só entrar no clima do jogo e fazer de conta que o tempo está querendo distorcer hehehe.

  6. João Magalhães 2 de Abril de 2016 @ 7:48

    Pra Mim todos os jogos em consoles tem seus sacrifícios,mais ainda exclusivos.pois estão otimizando tudo no talo e tem que dividir bem todo o orçamento de recursos…é como eu sempre gosto de lembrar:Não é uma versão High de PC que foi refinada ao máximo baseada na versão média/baixa..ou como a versão de um remaster….Mesmo assim um exclusivos desses pode ser mais impressionante que qualquer multiplataforma rodando em High no PC

    Um exemplo:Olhei Dark Souls 3 nas configurações máximas no PC,e ainda não chega aos Pés da beleza de Bloodborne..pode rodar a 60fps e 4K,mas não tem a qualidade de geometria,shaders,e complexidade de texturas de Bloodborne..Porque?porque é baseado em uma versão bem mais baixa.

    é por isso que acredito que Uncharted 4 será tão impressionante…

    • Acho que com o que tinham, aquilo que conseguiram, foi impressionante. Está um bom trabalho de optimização.

      A minha única preocupação é saber o quanto as novas políticas da Microsoft influenciaram no que se obteve. Porque se é WUP, então poderão não ter ido ao metal na ONE, usando truques dos mais diversos para extrair potência do que tinham.

  7. Estava vendo uns vídeos de quantum break, e que jogo bonito de se ver designer artístico lindo jogo vivo cheio de cores,efeitos, sombras e animações faciais muito bem feitas me lembrou até os jogos da Naughty Dog.

    • A sério? Eu não acho nada parecidos.

      Acho que a Remedy tem o seu próprio estilo único que lhe fica muito bem. E este jogo parece ser aquela série de TV com uma história que não conseguimos largar… fantástico!

  8. Nunca joguei um Max Payne na vida, mas fiquei fã do trabalho da Remedy com Alan Wake, um jogo que ainda hoje tenho pena de não ter jogado, mas talvez daqui a algum tempo, quem sabe. A qualidade dos ambientes,dos gráficos, dos efeitos, a história tudo me encantou e me atraiu.

    Por isso as expectativas estão elevadas para este título. Espero que tenha sucesso, pois para mim são jogos como este que valem à pena.

    Vi os primeiros minutos de introdução e as possibilidades são imensas.

Os comentarios estao fechados.