Rumor: Nvidia Titan V corre Battlefield com Raytracing, provando que os RT Cores não são realmente necessários.

Um grupo de pessoas no 3D Center descobriu que a Titan V consegue correr o Battlefield 5 com o Raytracing ligado, mostrando que os RT Cores não são completamente necessários. Tal situação mostra que a AMD poderá vir a apresentar uma solução hardware capaz de correr igualmente Ray Tracing, sem a necessidade de hardware dedicado.

NOTA: Artigo alterado para melhor compreensão e exactidão. Foi alterado o termo tensor cores (mais genérico) por RT Cores, mais associados ao caso em análise.

A situação revelou-se uma surpresa, mas a Titan V, mesmo sendo uma placa que não possui qualquer RT core, consegue corer o Battlefield V com o Raytracing ligado, e com resultados semelhantes, a nível de performance, ao da 2080 Ti. Tal foi revelado por utilizadores do forum alemão 3D Center, e publicado aqui.

Apesar de a performance poder não ser exactamente igual, a realidade é que aquilo que é relevante perceber-se é que os tensor cores na realidade são dispensáveis. Não há nada neles que um Pipeline gráfico programável não possa igualmente fazer, e isso leva-nos a pensar na tecnologia Super SIMD da AMD, e da forma como este, ao aumentar a capacidade de processamento dos pipelines do GPGPU, associado ao processamento de menor precisão a 16, 8 e 4 bits, poderá vir a ser uma alternativa à aceleração dos RT Cores e não dependentes de hardware especializado e proprietário, tornando-se assim numa solução mais standard e universal para o futuro.

A Nvidia vem agora dizer que naturalmente que tal acontece, uma vez que os tensor cores se destinam apenas a acelerar esse processo, mas a realidade é que não foi isso que ela deu a entender inicialmente quando falou das operações RTX e de um API dedicado que davam a entender um tipo de exclusividade que apenas podia ser obtido com o uso desses núcleos proprietários.



 



Posts Relacionados

30
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
27 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
EwertomCarlos ZidaneMário Armão FerreiraFernandoMário Armão Ferreira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest
Notify of
bruno
Visitante
bruno

Mario, ha uns dados neste artigo que nao me parecem corretos.

Esta noticia saiu no Wccftech, e la eles noticiaram que isto se verificava somente nos mapas de neve (onde ha menos reflexos para lidar). Nos outros mapas a diferenca poderia ir ate aos 70 fps, com a Titan V a perder.

Depois, referes os tensor cores como o hardware dedicado ao raytracing nas novas placas, mas isso nao e verdade. Os tensor cores ja existiam na Volta, e sao dedicados a operacoes com tensors (que ainda nao entendi muito bem, mas tem a haver com o int 8, int 16 etc.) E neste aspeto, sim a nova SIMD podera combatelos.

Mas o hardware dedicado ao raytracing existe nos raycores (unidades dedicadas ao processamento de raios), exclusivo das placas turing.

A organizacao das placas nVidia e muito semelhante a AMD. Tal como numa GCN tens a compute units (CU), cada qual com 64 stream processors, na nVidia tens os stream multiprocessors (SM) cada qual com 64 cuda cores (pelo menos na turing). Os cuda cores tem sido chamados de Naxwell cores, Volta cores ou Turing cores, mas desempenham a mesma funcao que os stream processors nas placas AMD.

De acordo com um insider no beyond 3d. Cada stream multiprocessor esta associado a 8 Tensor cores e 1 RT core.

Fazendo uma analogia (embora nao se deva fazer) e como se a nVidia tivesse extendido o seu equivalente de uma CU, e adicionado aos normais shader processors (os stream processors ou cuda cores), unidades de computacao para tarefas especificas neste caso 1 RT core e 8 Tensor cores.

Isto contraria o que a nVidia deu a entender nos esquemas que revelou onde mostrou o stream multiprocessors todos agrupados num lado, e os RT e tensor cores todos agrupados noutras areas como unidades distintas (acho que submeteram o GPU a raios X para ver a arquitetura).

Seja como for, e preciso tambem entender isto: uma Turing (TU102 neste caso) possui 4608 unidades dedicadas (os cuda cores que tratam de shader) a rasterizacao e so 72 a raytracing. Os Tensor sao aptos para operacoes matriciais de grande porte sendo dedicados a melhoramento da imagem.

Seja como for, qualquer placa grafica pode fazer raytracing da mesma forma como ate um CPU poderia tratar de graficos. Mas tal como as placas graficas surgiram para fazer muito mais em menos tempo, sendo unidades decicadas ao processamento especifico de graficos, os RT cores e os Tensor cores (que so tratam de denoising da imagem e nao dos raios em si), surgem como unidades dedicadas ao processamento de raios.

E acho que so quando a AMD tiver uma solucao semelhante e que novas consolas devem ser lancadas, porque o futuro sera a renderizacao hibrida (RT e rasterizacao) disso nao tenho duvidas.

Fernando
Visitante
Fernando

Provavelmente não é necessário ter os nucleos dedicados ao Ray Tracing para conseguir reproduzir o efeito, mas certamente eles são necessários para uma performance aceitável. As únicas formas que eu vejo a AMD fazendo algo parecido sem desenvolver seus cores dedicados ao RT, é construir placas de potências absurdas e inviáveis.
A propósito, hoje saiu as analises da RTX 2060 que tem todos os novos recursos habilitados e ela simplesmente consegue igualar desempenho com a GTX 1080 em muitas situações, principalmente com utilização de DLSS e VRS, e na grande maioria do tempo roda com performance semelhante à GTX 1070TI.
É interessante esses resultados por que provavelmente o desempenho da GTX 2060 é muito próximo do que uma proxima geração de consoles a ser lançada no ano que vem consegue atingir mantendo preços acessíveis.
É meio decepcionante que isso seja só um pouco melhor que um xbox one x rm termos visuais, e mesmo o Ray Tracing não tenha o mesmo impacto como foi sair da geração PS2 e jogar Gears of War em 2006, ou como ver Half Life 2 e toda aquela física em 2004, o ver crysis em 2007.
Infelizmente, a única revolução da próxima geração é ter um CPU capaz de 60 fps em mais jogos do que hoje.

bruno
Visitante
bruno

Nunca ninguem viu o que um jogo criado para renderizacao hidrida parece. A unica pista que tens sao as demos da nVidia. A renderizacao hidrida e uma grande revolucao, talvez a maior revolucao desde que passaste do 2D para o 3D a existir nos GPUs.

Claro que para os jogadores para ja nao representa muito, porque se trata apenas do aspeto visual, mas a combinacao dos raios com computacao GPGPU… tens muito por onde pegar.

Ewertom
Visitante
Ewertom

Estes dias li uma matéria onde o presidente da Nvidia falou sobre o lançamento da Radeon VII que seria uma concorrente direta da 2080 e referiu que como a placa não tem suporte ao RT ao habilitar o RT na 2080 e coloca-la de pé com a nova placa da AMD a mesma seria humilhada,mas eu me pergunto se como a tecnologia RT esta dando seus primeiros passos ao ponto de baixar muito a performance do jogo em si(baixando resolução e até fps para rodar)ao qual eu tenho um placa robusta me entregando jogos com resolução UHD mais efeitos gráficos e fps mais estáveis,será que compensa mesmo esta tecnologia nos modelos atuais das placas gráficas onde as perdas em pró de uma qualidade de objetos é maior,fico na duvida.
Penso que esta tecnologia RT só vamos ve-la no seu explendor daqui a 10 anos mais ou menos,só que até lá ja teremos o 8k beirando nossas casas e como será esta tecnologia em 8k nas performances das placas?
Se caso a Sony e Mic colocassem a radeon 7 nos consoles em 2020 o que teríamos em performance com esta placa totalmente dedicada e indo a fundo ao metal.
Acho que diferente do RT teríamos coisas grandes.