Será que a PS5 vai mesmo ter de baixar as velocidades de relógio para manter as performances?

A resposta parece dada por Mark Cerny. A questão é que está confusa.

Nota: Este artigo encontra-se já escrito desde à algum tempo. No entanto acreditava que na presente data a resposta a esta questão estivesse já esclarecida, o que não aconteceu e levou a que o artigo fosse adiado para que a situação pudesse entrar como verdadeira ou o artigo fosse cancelado. Na presente data a resposta exacta para a pergunta com que o artigo se inicia não existe ainda, pelo que o artigo não estava previsto entrar, mas dado que a situação tem sido muito abordada nos comentários, resolvemos, apenas para que tenham uma noção daquilo que nos parece ser a realidade da situação, e a forma como esta está a ser mal entendida pela imprensa em geral, colocar o artigo online.
Será porém de notar que não pretendemos que tomem o que aqui é dito como verdadeiro, e daí o artigo com o nosso entendimento do que foi a explicação da Mark Cerny ter sido ajustado nas partes onde as dúvidas existem de forma a que possam posteriormente consultar os dados existentes no video divulgado, e julgar por vocês mesmos se entendem haver ou ou não razão daquilo que dizemos (pedimos no entanto que caso participem na discussão sobre a validade do artigo, o façam com argumentos técnicos e não apenas com argumento de… porque sim).

Há no entanto dois argumentos que me fazem acreditar no que digo:

1 – Se a PS5 tem a capacidade de ter ao mesmo tempo o CPU e o GPU na sua velocidade máxima (E cerny disse que eles estariam assim na maior parte do tempo – já discutiremos o que entendemos que isso quer dizer mais tarde), isso quer dizer que a consola tem a capacidade energética e térmica para essas velocidades.

2 – Esta era uma presentação para mostrar os pontos fortes da PS5. Custa a acreditar que Cerny passasse tanto tempo a explicar uma solução que não fosse realmente vantajosa e que pudesse deixar a consola ainda pior vista perante a concorrência. Especialmente porque a apresentação era gravada e foi mostrada após a Microsoft revelar a sua consola. E assim sendo essa parte poderia ter sido editada.



Segue-se o artigo:

————

Afinal a PS5 com as suas frequências variáveis tem ou não que descer velocidades de relógio para atingir picos de Tflops?

Esta é a pergunta que se faz!

Mas curiosamente… Mark Cerny já respondeu a isso. A questão é que de uma forma confusa, sendo que perante ele a questão fica no ar. Mas na realidade a interpretação que a maior parte dos websites está a ter poderá não ser a correcta. Vamos recapitular o que ele disse para perceber. Note-se que isto não é uma mera tradução do que é dito, pois sempre que possível simplificaremos o paleio ou colocaremos explicações adicionais:

Quando Mark Cerny apresentou a PS5 ele referiu que a metodologia clássica de definição de frequências de relógio para uma consola passa por uma análise ao hardware existente e baseado nisso, uma presunção de qual será o cenário pior, no jogo pior, durante a vida da consola. Perante isso, analisa-se o consumo energético e o calor gerado, preparando-se uma solução para arrefecimento do valor de calor encontrado. Perante a solução conseguida, a velocidade é fixa.



A questão é que o consumo de energia não é constante. Varia de jogo para jogo! Usando paleio mais técnico sobre triangulos mais pequenos no mapa de Hozizon Zero Dawn, Cerny explica que a aquecimento não é uma questão de o CPU/GPU estarem a 100% ou não, é uma questão de carga nos mesmos. Para explicar isto, e falando mais especificamente do GPU, basicamente podemos dizer que todos os jogos de topo ocupam o GPU a 100%. A questão depois é que nem todos o ocupam da mesma maneira. Uns usam mais umas caracteristicas, outros usam mais outras, e outros usam mais todas.

Esta situação é então a responsável pela variação de consumos energéticos e respectivo aumento no consumo de energia.

Ora dado que a análise em que se baseia toda a concepção do sistema de arrefecimento é uma estimativa, o que pode acontecer é uma de duas coisas.

  • A estimativa foi boa
  • A estimativa foi má

Se a estimativa foi boa, a consola será silenciosa. Se a estimativa foi má, a ventoinha vai disparar, a consola vai sobre aquecer e pode mesmo chashar ou desligar-se.

Isto não se passa só com o GPU, mas igualmente com o CPU. O exemplo é dado com o uso de instruções 256 bits referindo que estas gastam imensa energia no CPU. E isso tem como consequência igual aquecimento.
A solução pode ser então encontrada de duas maneiras:



– com uma ventoinha e uma fonte de maior capacidade
– com uma redução na velocidade de relógio.

Vamos manter presente que Cerny está a falar de uma solução para o pior cenário possível, não do caso geral.

Ora a solução da Sony para essas situações passa exactamente pelo segundo ponto. Em vez de uma frequência fixa onde o consumo energético mínimo é alto e constante, a velocidade dos componentes pode baixar e ser apenas aquela que é necessária para o processamento que está a ser efectuado.

Esta técnica é muito normal nos actuais GPUS. Vejam o video que se segue:



Como podem ver o GPU arranca como se estivesse bloqueado na frequência máxima, mas depois adequa a sua velocidade à necessidade da cena.

Esta é uma solução para criar mais estabilidade ao sistema e evitar aquecimentos desnecessários. Basicamente o CPU e o GPU mantêm-se mais frescos. E isso é algo que apenas pode acontecer com as frequências de relógio livres.

Qual a diferença entre esta solução e uma solução de frequência fixa a nível de resultados? Bem, quando se define por exemplo uma taxa máxima de fotogramas de 60 fps, a PS5 irá alocar a velocidade necessária para o cálculo desses 60 fps. Nem mais um, nem menos um fps. Já uma solução de frequência fixa como a da Xbox, calculará os que puder, sejam eles 61, 70, 80 ou outro número qualquer.

De se notar que o exemplo de cima pressupõem que os sistemas conseguem atingir e passar o solicitado. Pode porém acontecer não o conseguirem fazer.

E o mesmo se vai então passar com o CPU que alocará apenas a energia necessária ao cálculo que efectua a cada momento.



Basicamente esta é a primeira parte relevante do que Cerny explica, e algo que ele não aborda de forma clara (culpa de ser uma apresentação para a GDC), dizendo apenas que tanto o CPU como o GPU funcionam a tempo inteiro como se estivessem em boost mode. Para tal a base de funcionamento é uma pequena percentagem, e daí para cima vai-se buscar dinâmicamente o que é preciso.

A segunda parte da tecnologia é um pouco mais complexa e onde reside a polémica e envolve a tecnologia smartshift. A tecnologia smartshift foi colocada para lidar com os tais casos em que os jogos possam passar acima dos consumos energéticos estimados e a ventilação existente dispara, podendo nos casos normais levar o sistema a crashar ou a re-iniciar.

Basicamente num sistema com velocidades fixas ambos os processadores estão a ter consumos elevados pelo simples facto de estarem com as velocidades sempre no máximo. E quando um deles puxa mais pelo sistema quebrando o “orçamento” energético disponível, vamos entrar num caso de sobre-aquecimento.

Mas aqui com o smartshift isso não acontece tão facilmente. Se o CPU não estiver na sua velocidade máxima, e o GPU fizer o sistema ultrapassar a barreira energética, ele pode ir buscar energia não usada ao CPU para manter a globalidade do APU no “orçamento” energético.

É importante nesta fase que olhem para a imagem que ilustra o artigo para que percebem que a seta de energia só tem um sentido, pelo que o CPU não ganha com o GPU a libertar energia. Apenas o GPU ganha com isso.



Basicamente isto é um extra… uma forma adicional de manter a estabilidade do sistema, e uma situação extremamente vantajosa. Associado a isto o facto de o APU na sua globalidade (CPU+GPU) poder arrefecer quando não tão solicitado ao descer as velocidades de relógio para o estritamente necessário, bem como facto que como um todo o APU não ir ter consumos tão altos pois dificilmente o CPU e o APU estão os dois a puxar a energia ao máximo em simultâneo é o que permite manter-se velocidades de 2.23 Ghz, quando sem isto ter 2 Ghz já seria problemático.

E desta forma, como Cerny refere, é possível manter-se o CPU a 3.5 Ghz e o GPU a 2.23 Ghz. O que pode criar confusão aqui é que ele refere que tanto o CPU como o GPU se manterão na velocidade máxima “a maior parte do tempo”. E é essa frase que, associado ao que  foi dito depois, leva aos conceitos de downclock que, chame-se a atenção, Cerny até ao momento não tinha abordado.

Ora aqui reside a situação que nos leva a questionar as interpretações pessimistas que por aí anda. Primeiro porque a partir do momento que o CPU e o GPU podem ambos estar no máximo, e isso é irrelevante por que quantidade de tempo, a consola mostra ter um envelope energético e térmico capaz de os sustentar. E se os tem ela funcionará nessas velocidades.

Daí que o entendimento que temos sobre o uso do termo “na maior parte do tempo” enquadra-se no contexto do que vem de traz. Dado que temos velocidades dinâmicas e dado que na informática as cenas são dinâmicas ao ponto de ao olharmos para um lado o GPU ser mais puxado, mas ao olhar para o outro já é menos puxado, as exigências ao sistema nunca são constantes variando a todo e qualquer momento, e consequentemente os usos da potência máxima também não se mantêm constante. Daí que com velocidades não fixas o sistema nunca fica fixo no máximo o tempo todo. Exactamente aquilo que Cerny refere ter sido o que permitiu estas velocidade.

Curiosamente a ideia que passa é que o sistema até poderia teoricamente ir mais longe pois Cerny até refere que o GPU teve de ser limitado a 2.23 Ghz, mas não por problemas de consumos ou térmica, mas de timmings internos. E há igualmente elogios ao sistema de refrigeração.



A questão são depois os casos que fogem ao controlo, e onde efectivamente não se consegue manter o sistema dentro do orçamento? E aqui sim, há diferenças entre o caso da PS5 e os outros.

Como já foi dito, numa configuração de velocidades de relógio fixas, já sabemos o que acontece. O sistema pode crashar ou re-iniciar.

Aqui não! Usando as frases de Cerny, e é neste contexto que ele fala pela primeira vez da existência de um downclock, se chegarmos ao tal cenário pior de todos os casos e ele for ultrapassado, aí sim, o sistema desce a velocidade. Não sobre-aquece, não crasha, não re-inicia… desce a velocidade.

Em nenhum outro caso é referido haver downclock. A nosso ver, como explicado, e se estivermos errados isso facilmente também será constatado em breve ao termos referências de criadores de software sobre o assunto, a extrapolação do cenário sobre downgrades deve-se à existência de velocidades de relógio elevadas, à confirmação de velocidades variáveis, e à referência ao downgrade de Cerny. Mas extrapolar que isso será a norma e não à excepção é que já não foi algo dito. Pelo contrário, entendemos, e cujo entendimento explicamos aqui, que o que Cerny explicou foi apenas o diferente funcionamento da PS5 e que, como graças a ele comportamento da PS5 será absolutamente normal com velocidades de relógio superiores.

Mas mesmo nos casos onde há um downgrade confirmado, Cerny tranquiliza… uma simples descida de uns pontos percentuais na velocidade de relógio são suficientes para descer o consumo em 10% e voltar a colocar o sistema dentro dos parâmetros normais.



Sinceramente, apesar que após a primeira visualização do video fui tentado a acreditar em variações de velocidade de relógio do GPU, tendo mesmo escrito um artigo que referia que o mesmo poderia descer para a zona dos 9 Tflops, agora não estou tão convencido disso. Após várias visualizações e alguma reflexão, o que nos quer parecer que se entende das palavras de Cerny é o que está neste artigo. Resumidamente, quer-nos parecer que a PS5 vai ter um comportamento perfeitamente normal!

Infelizmente Cerny tem tanto jeito para explicar isto ao público em geral como a minha avó. A sua explicação foi demasiadamente técnica e compreensivelmente a dúvida sobre como a coisa será fica no ar. Isso reconheço que fica, e assim sendo, torna-se difícil de avaliar.

Nesse sentido, porque a possibilidade de erro na nossa interpretação do que é dito existe, nada melhor do que deixar o video já devidamente preparado para arrancar na parte relevante para que possam ouvir novamente com mais cuidado e, confrontando com o que aqui escrevemos, julgarem por vocês mesmos.

Acima de tudo mantenham-se no contexto do que está a ser abordado, liguem e não ignoram à ordem cronológica das coisas e digam se concordam ou não com o que dizemos, tendo sempre presente uma coisa: Se leram algo que deriva de interpretação de palavras de alguém, ela pode estar certa ou errada. E aqui é isso que está em causa, pelo que não entendam a nossa interpretação como uma realidade, e muito menos agarrem-se a ela para discussões de guerras de consolas.



 

 

 

 

 





newest oldest
Notify of
Daniel Torres
Visitante
Daniel Torres

Mário um ótimo artigo e posso dizer que tirou algumas dúvidas quanto a esse assunto.

Outra coisa que eu estava pensando em relação ao ps5 em comparação com o SX, me parece que a Sony desenvolveu esse console para ser o mais rápido possível deixe-me tentar explicar.

Enquanto o XSX processa as informações o PS5 processar tão rápido e libera a memória tão rapido que fica a aguardar novas instruções, enquanto XSX ainda ta recebendo a primeira informação, não sei se minha explicação ficou clara, mas será que faz algum sentido?KKKK

nETTo
Visitante
nETTo

“https://twitter.com/CJGrannell/status/1241773379360825352?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1241773379360825352&ref_url=https%3A%2F%2Fs9e.github.io%2Fiframe%2Ftwitter.min.html%231241773379360825352”

E ai Mário, o que vc acha dessa declaração?

João Magalhães
Visitante
João Magalhães

O receio dos fãs é em relação aos TFlops “sustentado”

Mas o pior mesmo é a confiabilidade do Console ao longo prazo nesses Clocks altíssimos da GPU.Espero que tudo tenha sido bem testado e planejado pela Sony….por que uma trágedia a Nível Xbox 360 ou até um pouco menor ia colocar a Sony em uma situação desesperadora!

bruno
Visitante
bruno

Nao importa. Mesmo em placas PC sem atuacao do user, podes ter variacao do relogio com base no temperatura da placa e energia consumida. Basta ver videos no youtube e prestar atencar ao clock em cada momento.

O que normalmente se faz e trancar o relogio e variar a energia (e o sistema depois encarrega-se do resto). A sony fez o contrario, trancou a energia e deixa o sistema variar o relogio.

Deto
Visitante
Deto

uma 5700XT roda a 2Ghz, é uma RDNA1.

RDNA2 tem %50 a menos de consumo.

não vejo pq um RDNA2 da 5700XT não pode atingir 2.23Ghz.

nETTo
Visitante
nETTo

agora eu entendi, não são 10% no cpu ou gpu e sim no orçamento de energia

Rui
Visitante
Rui

Eu este assunto das consolas nao tenho muito mais a dizer, foi notória a diferença de confiança e informacao do produto mas vou dizer apenas duas coisas.

1: para quem é entusiasta da tecnologia e quer sempre o melhor hardware (meu caso) basta olhar para os componentes de ambas e fazer as contas quanto custa montar um pc assim.

2: as specs foram reveladas e todos ja deram a sua opinião certo? Eu so deixo esta pergunta no ar, e se as specs fossem ao contrário? Pois.

bruno
Visitante
bruno

1: Nao sabemos qual o preco das consolas. Seja como for, nem importa isso. Hardware e muito bonito, mas o que realmente importa e o que a qualidade do software que vai permitir correr.

2: Nada se poderia dizer. Tao simplesmente porque a Sony tem vantagem no SSD e esta vantagem vai traduzir-se em menos uso do hardware para compressao/descompressao, leitura/escrita de memoria. Por outro lado, a XsX tem mais hardware. O problema e que e necessario esperar ate que as maquinas cheguem e os primeiros jogos pensados para elas cheguem e ai se pode ter uma ideia. No papel, e em Tflops brutos, a MS esta na frente. Contudo, em memoria a PS5 esta na frente tao simplesmente porque o sistema vai evitar a copia de dados para a RAM e permitir poupar RAM como nunca antes foi visto (algo que na XsX pode nao vir a acontecer) Isto e tudo muito, muito novo e sera necessario que os jogos cheguem para que entendamos o que as maquinas sao.

Felipe Leite
Visitante
Felipe Leite

Como eu disse antes, uma das consolas é mais poderosa! Ponto.
A outra em principio parece ter soluções diferentes e uma abertura para os desenvolvedores poderem utilizar a criatividade de forma a inventarem novas iterações com os videojogos.
No fim das contas, vai ser como tudo na vida, uma questão de gostos.
No meu caso (específicamente) eu valorizo muito mais os jogos single player e que me tragam experiências diferentes.
Na geração atual meus preferidos foram the witcher 3, dragon age inquisition, God of war e horizon zero dawn.
Por isso, no meu caso, depois de uma decepção enorme com a apresentação da ps5( que marketing medonho da Sony) comecei a ver as explicações mais detalhadas sobre a abordagem da Sony (OBRIGADO MÁRIO!) e já vejo com bons olhos a forma que a PS5 foi concebida.
Volto a frisar : a XboxX é um colosso, uma máquina concebida para expremer o grafismo ao máximo! Para quem quer ter a melhor experiência gráfica com todos os artifícios, aí tens.
A PS5 parece ter uma abordagem mais diversificada, que abre portas até agora desconhecidas.
Só para lembrar, as vezes resulta muito bem ( Olá Wii!) as vezes não (tchau WiiU), ao meu gosto, estou praticamente decidido a apostar na ps5.

Daniel Cardoso
Visitante
Daniel Cardoso

Mario o mal da sony não esta no poder, a meu ver o mal da sony atualmente esta no SIMPLES facto de enviar os seus jogos para PC, agora é só o início com HZD, depois outros mais virão e por ai adiante, numa altura onde a sony esta a pecar em hardware mais fraco, seguindo com a política do exclusivos para PC, onde devia ser o contrário, ela agora devia demonstrar porquê a PlayStation é o menhor sitio para se jogar grandes experiências, e demostar mais do que nunca o foco para os exclusivos, só que o problema ela até nisso esta a pecar, eu só não vou em princípio de XsX porquê não tem sequer um exclusivo proprietária de consola, se tivesse não pensava duas vezes, já com a sony depois do anúncio do HZD para PC, também já estou com um pé atrás, se isto fosse a 3 mêses atrás antes de saber que HZD ia sair para PC, e se ja se soubesse as especificações, independentemente da Ps5 ser mais fraca, ia de Ps5 sem pensar duas vezes. AGORA a duvida que fica é esta, em princípio a ps5 vai custar o mesmo que a XsX, porque digo isto, por causa do ssd, o ssd da ps5 é menhor e o ssd é uma coisa muito cara ainda, e depois vem a parte do bost que vai aquecer muito, nesse sentido a consola vai aquecer muito, por isso vai precisar de um sistema de refrigeração inovador, e ai é que esta a parte do malandro, ou a sony vende um produto ao mesmo preço do XsX, mas logo a partida a sony tem um produto inferior, ou vende mais barato, mas com muito prejuízo… Esta ai um dilema que não gostaria de estar na parte da sony atualmente, logo de seguida como disse ,a sony começar a despachar os seus exclusivos para PC, e a tornar o PC mais apelativo, e em contrapartida ajuda também a consola da Microsoft ao ser a mais forte da geração ganha outro charme mesmo sem exclusivos proprietários de consolas, ou seja exclusivos fixos da consola, por isso é que não vou de XsX e nesta gen pela primeira vez em 15 anos, vou de PC, e consoante a gen vou ver o que as duas fazem, se HZD for mesmo o último exclusivo da sony a chegar ao PC, ai sim futuramente pensarei se compro uma ps5 ou não, e como sei que em princípio vai ter uma versão tonada da ps5 la para o meio da gen, pode ser que depois compre essa, mas lá esta tudo vau depender da estratégia da sony, continuo a achar que atualmente a sony ainda tem o Queijo e a faca na mão tudo vai depender exclusivamente da sony.

Lucas
Visitante
Lucas

Xbox Series X’s BCPack Texture Compression Technique Reportedly Better than the PS5’s Kraken

https://gamingbolt.com/xbox-series-xs-bcpack-texture-compression-technique-reportedly-better-than-the-ps5s-kraken

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Excelente artigo Mário, bem escrito. Essa GPU da PS5 se parece muito em funcionamento com a Radeon 5700XT e o seu relógio de impulso dinâmico, na qual ela trabalha em três modos: clock base, Game e Boost, não sendo um valor fixo, com algumas variações. A AMD usa essa frequência de Boost, de 1905MHz com alguns picos de 2044MHz para assim calcular a quantidade de Teraflops e assim apresentar a placa. Mas vários testes mostram que na maioria dos jogos a 5700 XT mantém uma frequência média de 1700, 1800MHz. Essa frequência de Boost é na verdade passageira, ela mantém por períodos curtos de tempo. Seria bem interessante de ser submeter, se possível, a GPU da PS5 a um teste sintético,como o Furmak para ver qual a frequência de relógio a GPU ia manter, 2.2GHz, 2.0GHz, 1.8GHz? Os relógios dinâmicos da Radeon são regulados por consumo de energia, carga, calor, tensões, etc. Será que a GPU da PS5 não vai ser assim também. Claro que o Mark Cerny vai se prender ao que a PS5 faz de melhor, a AMD também faz isso quando apresenta a 5700XT, mesmo que a performance apresentada não seja constante, que seja em períodos curtos. Claro que tudo isso é só uma obsevação minha, mais a frente a Sony será vai revelar mais detalhes. O artigo do Mário já esclareceu algumas coisas.

Fred
Visitante
Fred

Mário, o PS5 tendo 10.28 teraflops em modo base, em modo boost acredito que bateria ou passaria dos 11 teraflops, não ficaria mais próximo do XSX? Qual seria o ganho real? Você acredita que haverá muita diferenças nos games multiplaformas?

Carlos Zidane
Visitante
Carlos Zidane

É uma boa explicação. Não vejo a hora de lançar logo isso aí porquê quero muito jogar os jogos da nova geração, não me interessa ficar fazendo benchmark, nem tô preocupado se vai rodar os jogos do PS3, eu quero ver o que há de novo, sempre. Não que retrocompatibilidade seja ruim, pelo contrário, e acho que deveria ter pra quem quer, mas eu pessoalmente não jogo nada disso.

Os comentários internet afora sobre esses assuntos atualmente melhor ficar longe, parece que só tem gente com sérios problemas comportamentais comentando.
Não sei se eles que pioraram ou se minha paciência acabou, o negócio é que tô fora.

Deto
Visitante
Deto

Leio o resetera e neogaff.

ao que parece o pessoal meio maluco parou de floodar “9TF” ou “clock fake”

eu desde o inicio tive essa impressão… é igual vender um avião, o engenheiro fala para o cliente “quase nunca cai”, pq é a verdade, e as pessoas entendem “normalmente cai”.

um engenheiro sério nunca vai falar “o avião nunca cai”, pq ele sabe que um avião cai por ano de vários milhões de voos.

PR da Sony muito ruim, eu já iria pegar um estatistica do tipo “PS5 roda com clock máximo 99,9% do tempo, é mais fácil o teu avião cair que o clock do PS5”

se for considerar o HZD, que foi o exemplo do Cerny, vc olhar o mapa que acelera o cooler deve ser 0,01% do tempo de gameplay.

Eu jogaria o dado de gameplay do HZD para dizer quando o clock do PS5 vai baixar.

Marcos Silva
Visitante
Marcos Silva

em 2013 teraflops importavam
em 2020 teraflops nao importa

em 2013 a microsoft mentia sobre poder oculto do xbox one
em 2020 a sony mente sobre o poder oculto do SSD

o mundo da voltas

Shin
Visitante
Shin

O clock efetivo e 10TF, Cerny falou que o clock abaixa 5%
2,230−5%=2,118.5
Média 2,174.25×2×36×64=10,018,944

20% distante do XSX, já a largura de banda tem uma distância maior 25%. É uma distância bem menor que do PS4pro e OX. O fato do PS5 está mais acelerado faz ele ter mais raster que o XSX.
XSX 1825×4×2=14600 mi tri
PS5 2174×4×2=17392 mi tri

O preenchimento de pixels tbm e melhor mas os 448GB/s é insuficiente se levar em conta que pelo menos 64GB/s vai para CPU e datafabric, provavelmente a GPU conta com 354GB/s se pensar que eles emulam o Union+ e Garlic, exatamente 2x a largura de banda disponível para o PS4 base.

Livio
Visitante
Livio

God of War perde o selo “Only on PlayStation” em site oficial.

Será o próximo a ir para o PC?

bruno
Visitante
bruno

A discussao esta a ser feita no artigo “O melhor SSD…”