Utilizadores arranjam forma de contornar limitações à instalação do Windows 11

5 2 votes
Avalie o nosso artigo

Apesar de a instalação poder passar a existir, nada garante que estes PCs possuam a mesma performance que possuíam no Windows 10.

As preocupações com os limites impostos pela Microsoft à instalação do Windows 11 é algo que preocupa muitos utilizadores que se arriscam a ver a sua máquina sem suporte.

E se no Windows 10 uma licença é algo bastante acessível ao ponto de se legalizar a cópia do OS, no Windows 11, arriscamos-mos a ver imensas versões piratas que existem para contornar os limites à instalação colocados pela Microsoft.

Como já referimos anteriormente, o Windows 11 exige não só determinadas especificações mínimas de hardware, mas igualmente a presença de um módulo TPM, bem como o secure Boot activo na Bios. E mais do que capacidade de processamento, estas duas situações são as que impedem muitos PCs de instalarem o sistema oeprativo.

Ora devido a tal os utilizadores arranjaram uma forma de se contornar estes dois limites, apesar que nada nos garanta que posteriormente, após a instalação, uma atualização não volte a re-iniciar a necessidade desses requisitos, bloqueando o utilizador da entrada no Windows.



Seja como for, o processo de contorno dos limites do TPM, e SecureBoot é simples:

Durante o processo de instalação do Windows 11 irá aparecer uma janela comuma mensagem a indicar que os requisitos não são cumpridos pelo PC. Nesse momento, é possível usar o atalho Shift + F10, e chamar uma janela de DOS.

Com ela aberta, torna-se necessário iniciar o regedit, o que é conseguido teclando isso mesmo na janela de DOS, e pressionando Enter.

Uma vez com a janela do editor de registo aberta, devemos navegar para HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\Setup, criando uma nova chave denominada de LabConfig.

Entrem nessa mesma area e criem as seguintes chaves DWORD (32-bits):

  • BypassTPMCheck – com o valor 1 – Serve para não ser verificada a presença do módulo TPM
  • BypassSecureBootCheck – com o valor 1 – Serve para não ser verificado se o SecureBoot está ativo.

Eventualmente, caso tenham menos de 2 GB de RAM pode ainda usar a chave:



  • BypassRAMCheck – com o valor 1 – Serve para não verificar se o limite de 2 GB está ativo.

Uma vez as chaves criadas, fechem a janela e escrevam exit na janela de DOS, de forma a retornar à instalação, onde ainda deverão ter presente a janela de requisitos com a indicação que o PC não os cumpre.

Nesta fase, verifiquem o canto superior direito dessa janela, com uma seta que permite retroceder. Carreguem na mesma e todo o processo de verificação vai ser re-iniciado, sendo que agora o PC vai ser dado como válido, e mostrando.se a janela com os termos do Windows 11, que terão de aceitar para se iniciar a instalação completa.

Como referido, esta situação permite a instalação, mas nada garante que com o Windows uma vez iniciado uma atualização não reponha as verificações, impedindo o Windows de arrancar.



5 2 votes
Avalie o nosso artigo
guest
14 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Juca
Juca
18 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Essa comunidade do PC é demais, mas nesses casos sempre me pergunto se isso é alguém ou alguns de muita inteligência ou conhecimento de como funcionam os SOs, talvez até se valendo de engenharia reversa e analogias de funcionamento lógico(como hackers), ou se partem de pessoas internas da própria Microsoft usando de anonimato.

Paulo
Paulo
18 dias atrás

Eu não recomendo o uso do Windows 10 (provavelmente, com o Windows 11 deve ser o mesmo) com menos de 4 Gb de RAM.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
17 dias atrás

Eu gostei bastante do W11, mas pelo visto acredito que vou ficar pelo W10 ainda por muito tempo, até porquê ele me atende perfeitamente. Nem vou fazer gambiarra alguma, se for pra usar, que seja do jeito oficial ou nada.

Juca
Juca
Responder a  Carlos Zidane
17 dias atrás

A questão maior é que, se não me engano, o suporte ao Windows 10 vai só até 2025, e não sabemos se essa oportunidade de migração estará aberta a qualquer tempo até lá. De modo que em algum momento será uma questão compulsória.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Juca
17 dias atrás

2025? Nem sei se estarei vivo até lá kkk É muito tempo, e tem gente que usa W7 até hoje, eu não jogo lá então não preciso necessariamente da última versão, rodando meus softwares de edição já está excelente 🙂

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Mário Armão Ferreira
17 dias atrás

Naturalmente estou a pensar em mim. E se as empresas não estiverem satisfeitas, elas quem vão lá reclamar.
O maior problema no futuro penso eu, serão as próprias empresas big tech e não hackers

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Mário Armão Ferreira
17 dias atrás

Sim, claro. Inclusive creio que esse assunto de segurança digital estará em alta nos próximos anos, o cerco está fechando. Liberdade em troca de segurança, é o de sempre.
Mas segurança em computadores em rede é uma baita ilusão de qualquer jeito

Deto
Deto
17 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

eu falei que a MS ia soltar… já tá tudo pronto e so precisa de um patch oficial para liberar.

como eu falei, zero visão… lançaram “somente” para TPM 2.0 no mesmo de sempre, “vai que cola”

Pedro
Pedro
15 dias atrás

Na empresa onde trabalho temos computadores novos com windows 10 (core i7, ssd, 16gb de ram) desde que acabou o suporte ao 7 e eles nos atendem perfeitamente. A questão é que ainda temos computadores antigos sendo usados na empresa, só atualizados por questões de segurança para o windows 10. Com essa obrigatoriedade de hardware novo para o 11, o gasto de migração de versão do windows vai ser muito maior, a troca de máquinas terá de ser 100%. Acredito que esse prazo de manutenção do windows 10 vai aumentar, vai ter muita reação do mercado a isso. De um windows que, segundo a própria Microsoft, seria o último lançado. É uma empresa muito difícil de defender, em todos os sentidos.

error: Conteúdo protegido