O maior trunfo da Sony é maior que a Playstation 5… é maior que as consolas

0 0 votes
Avalie o nosso artigo

O artigo que se segue é extremamente inspirado num artigo original da Forbes.

O mercado das consolas oferece-nos várias ofertas para jogar. Switch, Xbox e PS4.

Se a Switch pode ser considerada um mercado algo paralelo pois a sua oferta é diferentes, a Xbox e a Playstation concorrem basicamente pelo mesmo mercado, e oferecem conteúdo basicamente igual.

Ora se é assim, porque motivo há uma preferência sobre uma das consolas?

Será que tal se deve à diferença de performances?



Na realidade não, e isso comprova-se quando vemos que a consola actualmente mais potente do mercado é a Xbox One X, e que ela não virou minimamente o rumo das vendas.
Para além do mais, a realidade é que , mais pixel, menos pixel, as consolas oferecem basicamente o mesmo jogo, pelo que outros factores entram aqui em jogo.

Será o preço?

Bem, inicialmente o Kinect levou a que a Xbox fosse 100 euros mais cara, e isso pode ter pesado. Mas actualmente isso não é uma questão, e por norma a Xbox até se encontra bastante mais barata que a Playstation. Mas no entanto as vendas da PS4 são superiores.

Basicamente, e para o grosso do mercado, o mercado das consolas define-se basicamente por um outro factor. Os jogos de elevada qualidade que podem ser jogados numa das consolas, mas não podem ser jogados na outra.

São os nossos conhecidos exclusivos.

Apesar de muitos tentarem negar a sua importância ela é evidente demais para ser ignorada. Perante dois produtos de oferta semelhante, a escolha cai naturalmente na diferença entre eles. E essa diferença está naquilo que é a essência das consolas. Naquilo que é o motivo pelo qual se compra uma consola: Os jogos!



Basicamente a escolha acaba por suceder de acordo com aquilo que são os jogos que as pessoas querem jogar. Se o gosto é por um exclusivo Xbox, a escolha será Xbox, se é por um exclusivo PS, a escolha será PS. É tão simples como isso, até porque o resto dos jogos são basicamente comuns a ambas.

Daí que temos de olhar para uma empresa como a Sony, não como a produtora da Playstation, mas sim como a empresa que detêm títulos como Bloodborne, God of War, Uncharted 4, Spider-Man, Horizon Zero DawnDeath Stranding, Ghosts of Tsushima e The Last of Us Part 2.

Estes são jogos de sucesso. Jogos que definem padrões de qualidade, sucessos de venda, e jogos que nenhum jogador digno desse nome pode deixar passar. E devido a isso a Sony estabeleceu-se como uma das fontes mais proeminentes de jogos de qualidade AAA, jogos com a qualidade máxima e de elevado custo de produção, e acima de tudo para jogador único.

Com a mudança para uma nova era, quer se goste ou não, este é um dos pontos fortes da Sony, e uma imagem extremamente marcada no mercado. E isto será verdade mesmo que a industria se foque na Cloud ou em outra coisa qualquer. O conteúdo da Sony é único, é em quantidade, é imprescindível, e continuará a sê-lo caso a empresa mantenha a sua filosofia.

Aqui, e ao contrário da Xbox, o valor do conteúdo não é hipotético, e acima de tudo não é tingido pela ideia de poder decrescer em qualidade pela aposta em mercados de Streaming e subscrição. A Sony tem sabido gerir muito bem a questão dos seus serviços equivalentes (PSNow), olhando para eles como alternativas e não como o mercado principal a explorar. E isto é uma garantia adicional que só a Sony oferece, de que continuara a apostar nos jogos de qualidade no futuro.



Os exclusivos são e sempre foram relevantes. Em qualquer área! É o que distingue os serviços. Aliás o Netflix, tantas vezes tomado como o exemplo a copiar para o mercado dos videojogos, gasta largas centenas de milhões em exclusivos que os distingam da concorrência. Aliás a Disney fez o mesmo recentemente, apostando as fichas todas na sua série The Mandalorian, considerada das mais caras de sempre.

E isso porque o poder dos exclusivos de qualidade é reconhecido.

Sim, é certo que nem todos gostam de jogos premium. Se formos a ver, há mais pessoas a jogar Fortnite do que God of War e Spider-Man. Mas isso não invalida nada! Apesar de as pessoas no Netflix verem mais séries como o The Office ou o Friends, é conteúdo de qualidade, como o The Irishman que dá ao serviço uma imagem premium. E é essa imagem que passa na Sony também. Numa analogia podemos dizer que o Fortnite está lá, mas o que a distingue é o Bloodborne!

E a Microsoft, apesar de ter acordado tarde, sabe disso. Por isso é que recentemente tem andado a comprar estúdios como quem compra pão. Eles tem noção que o conteúdo é o que faz a diferença. Foi pena é terem acordado tarde, e não terem criado uma imagem de conteúdo premium na actual geração, sendo que por isso mesmo não entram com essa imagem na próxima. Pelo contrário, a imagem com que entram é a de uma consola com fraco suporte, e virada para serviços diversos pagos mensalmente, focada em se expandir para outros mercados usando o Streaming.

A nova geração deverá acabar com o conceito de gerações, ao permitir a retro compatibilidade com todas as consolas anteriores. Não fora a ameaça do streaming e esta geração seria certamente tranquila e fantástica para todos. Mas o Streaming irá tentar competir com este mercado premium da qualidade de topo oferecendo bastante conteúdo de menor qualidade a baixo preço. Mas este é um sector cujo crescimento é questionável, especialmente depois do grande barrete que foi o Stadia. Daí que poderemos acreditar que a próxima geração ainda será largamente apoiada no modelo tradicional.



E neste momento o mercado dos jogos de qualidade está claramente associado ao hardware da Sony. Daí para a frente, qualquer das empresas está em condições de o adaptar à cloud ou a outra coisa qualquer, conforme o mercado o ditar. Mas a imagem da maior qualidade, essa vai partir com a Sony.

Atualmente no campo dos exclusivos a Sony apenas tem como “rival” a Nintendo, que fica porém entre aspas por serem jogos com o seu estilo e identidade próprios e diferentes dos da Sony.

Mas a verdade é que este trunfo da Sony vai-os servir em qualquer futuro que possa vir a aparecer. Porque o Gaming é sobre jogos… e a imagem dos jogos de qualidade e o nome Sony estão, actualmente, após uma geração com um suporte e qualidade gigante, tremendamente associados.

Nota: artigo baseado e inspirado em um original da Forbes.



error: Conteúdo protegido