O mercado de crescimento mais rápido da Xbox começa a fechar-lhe as portas.

4.6 5 votes
Avalie o nosso artigo

Segundo Phil Spencer, o mercado de crescimento mais rápido da Xbox era o Japonês. Mas agora este começa-lhe a fechar  as portas… O motivo… As vendas insuficientes de hardware e acima de tudo, software!

A 25/09/2020 Phil Spencer dava uma entrevista em que falava da Xbox e do mercado Japonês.

Ora o mercado Japonês nunca foi favorável à Xbox, isto apesar de, na era X360, durante os lançamento de jogos como Blue Dragon, Eternal Sonata, e Lost Odyssey a consola da Microsoft ter tido momentos em que chegou mesmo a vender mais que a consola da Sony, a PS3. No entanto, qualquer visibilidade que a consola tenha ganho nesse período perdeu-se com a Xbox One, onde as vendas da consola foram tão abaixo das da concorrência que mal eram notadas.

Mas com o lançamento das novas Xbox series, e na entrevista acima referenciada, Phil Spencer voltou a abordar este mercado, tendo-se referido a ele como o mercado de crescimento mais rápido da Xbox. Isto porque, devido à pandemia, o número de jogadores ativos na sua rede tinha subido 82%, atingindo um valor que, segundo Phil Spencer, era o maior de sempre da história da Xbox naquele país.

Note-se que as consolas Xbox series foram apenas lançadas a 20/11/2020, ou seja, quase um mês depois, pelo que este crescimento de jogadores ativos na rede ocorreu com possuidores de consolas Xbox One que, pura e simplesmente, não estavam, até ao momento, a dar uso à consola.



Naturalmente a coisa não ficou por aqui, e Phil aproveitou para dizer que a Xbox tinha efetivamente lutado muito no passado para se impor no Japão, mas que a empresa tinha aprendido com os erros, e que estavam agora a escalar a sua visão e objetivos globais para lançar produtos no Japão ao ao mesmo tempo que no resto do mundo.

Basicamente Phil pintou uma imagem colorida sobre o futuro da Xbox nesse país, o que nas imediações de um lançamento de uma nova consola, era algo de tremendamente positivo.

Tão positivo que, quando lançamento, os relatos espalhados por várias fontes é que as consolas Xbox tinham esgotado no Japão, isto apesar de não ter sido nunca revelado quantas unidades tinham sido colocadas como disponíveis no lançamento naquele país.

Mas a coisa não ficou por aqui, e a 16 de Julho de 2021, Jeremy Hinton, responsável pela Xbox na Asia, dá uma nova entrevista à IGN Japonesa, onde refere que a Xbox tem tido um “crescimento fenomenal” na região, nos últimos 12 meses, com os stocks a venderem em apenas alguns minutos.

Curiosamente, mais uma vez nunca foi revelado que quantidades eram esses stocks.

Ora este tipo de desconfiança de palavras ocas, sem números por detrás, sempre foi algo que nos caracterizou. Não é que por norma duvidemos das pessoas, mas os casos passados de afirmações deste género vindas da Microsoft são já tantos que, sem números a comprovar, colocamos tudo em dúvida. Afinal a Microsoft e o Marketing parecem ser um casamento feito no céu, uma vez que um sem o outro não são nada!



Pois bem, passaram-se agora mais de 10 meses do lançamento da consola a nível mundial, e eis que os números de vendas de consolas no Japão são divulgados. E eles são:

Switch – 4.5 milhões de unidades
PS5 – 1,05 milhões de unidades
Xbox – 92 mil unidades.

Pois é… o crescimento fabuloso da Xbox, o mercado de crescimento mais rápido do mundo da Xbox, cifrou-se em 92 mil unidades.

Já no que toca a vendas de software (apenas vendas físicas):

Nintendo Switch aproximadamente 20,4 milhões de cópias
PlayStation 5 aproximadamente 500 mil cópias
XSX/S aproximadamente 1700 cópias



Por outras palavras, o Attach Rate de vendas físicas da PS5 é de 0.5 jogos por consola, ou seja, mau!

Mas o da Xbox é de 0,018 jogos por consola, ou seja… Terrível!

Isto quer dizer que, mesmo aceitando que a consola está a vender um bocado melhor a nível de hardware do que a geração anterior,  a mesma vende pior do que nunca a nível de software!

O eventual responsável? O Gamepass e as vendas digitais? O aumento de 82% dos utilizadores ativos teve de se dar em algum sítio, mas não foi certamente nas vendas físicas, e com 92 mil consolas vendidas em 10 meses, e 1700 cópias de jogos vendidos, uma das maiores cadeias de lojas japonesa, a GEO, com mais de 1000 lojas em todo o país, já anunciou que a partir do dia 17 de Novembro vai deixar de vender seja o que for relacionado com a Xbox.

E se os grandes já fazem isto… imaginem os mais pequenos!



Por outras palavras, a Xbox está comercialmente morta naquele que os seus responsáveis referenciavam como o mercado de crescimento mais rápido da consola, o Japão. Mas o facto é que as vendas do hardware (consolas) pouco ou nenhum lucro dão, e elas só interessam se junto com a consola se venderem os jogos. E sem venda de jogos… então elas tambem não vendem a consola. E sem haver onde comprar consolas, não há Gamepass para ninguém, uma vez que as lojas não querem saber se o Gamepass é um sucesso ou não, e querem é ganhar o seu.

E desta forma, o mercado de crescimento mais rápido do mundo da Xbox, tornou-se no mercado de queda mais rápido do mundo de qualquer das grandes consolas.

Esta situação mostra claramente como a Microsoft não ponderou as consequências totais das suas escolhas. As quebras nas vendas físicas causadas pelos serviços da Microsoft são uma realidade inegável, e superior a tudo o que vemos em outras consolas, sendo que já abordamos esse assunto aqui várias vezes. E sem vendas físicas, poucos estarão interessado em vender a consola tambem. E sem a consola à venda nas lojas, tudo o resto sofre.



4.6 5 votes
Avalie o nosso artigo
guest
40 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Felipe Horvath
Felipe Horvath
9 dias atrás

É… A coisa tá ficando feia pro lado da Microsoft.

nETTo
nETTo
Responder a  Felipe Horvath
9 dias atrás

Não acho

Acho eu que a Microsoft inclusive tá servindo de exemplo pro caminho que a Sony tá indicando seguir (jogos no PC e Streaming Gaming)

Claro que em consoles o PlayStation faz mais sucesso, mais os mercado de consoles hj é pequeno perto do potencial que as plataformas mobile e PC proporcionam

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  nETTo
9 dias atrás

Também estou com essa impressão de que a Sony está a seu modo, a seu tempo, se alinhando ao que parece ser a tendência. Se dermos uma olhada em alguns aspectos da tecnologia atual, eu diria que a Microsoft está mais preparada, porém não sei se terão o talento necessário pra brigar caso a Sony e outros players que podem surgir se adaptarem rápido e tiverem uma sacada que vai levar a melhor.
O mundo mudou, em pouco mais de 4 meses entre fim de 2019 e início de 2020, de um mundo de liberdade, para uma coisa Orwelliana, fiquem atentos as movimentações, tudo é possível.

Juca
Juca
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

É preciso distinguir a tal tendência (pra onde as empresas querem ir) do que os clientes querem. Eu nunca pedi por jogar games remotamente, embora portabilidade tenha algum valor para muitas pessoas.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

Eu acho difícil largarem consoles assim…. Mesmo porque a experiência melhor sempre vai ser jogando localmente, com Hardware em casa. O público que vai aderir à nuvem não é o entusiasta de Hardware e a Sony sabe disso. Ela quer morder uma fatia do jogador casual, que não se preocupa tanto com qualidade alta. Então creio que vai ser o streaming, para o público menos exigente, com jogos chegando anos depois do lançamento para o público que tem o Hardware em casa. A experiência definitiva vai estar sempre atrelada ao console físico.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Sparrow81
9 dias atrás

Andei vendo alguns testes do xCloud e aquilo me dá um grande desânimo. Não quero esse nível de dependência. O pessoal fica falando em Spotify, Netflix mas, pra mim jogos não funcionam dessa forma. Isso não me agrada. Embora tendo em vista o cara que não tem qualquer condição de ter um console de última geração mas tem uma internet razoável possa ser uma alternativa, pra mim isso soa a bizarro. É como se eu gostasse de carro e invés de comprar um, só chamasse um Uber.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

Resumiu meu sentimento. É isso
Enquanto consoles existirem, eu vou com eles. Se um dia acabarem e for tudo na nuvem, não sei, mas creio que vou gastar meu tempo livre com outras coisas.

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

Eu estou de acordo xará, mas a meu ver é um caminho sem volta. Quando voltamos 20 anos no tempo e nos lembramos que muitos de nós usávamos conexão discada, fica fácil de se presumir que daqui 20 anos muitos dos problemas discutidos hoje relacionados a streaming e conectividade possam estar no mínimo parcialmente resolvidos. E a internet deverá evoluir para estar tão disponível quanto a própria rede elétrica.

Mas tudo depende do público consumidor. Orkut e ICQ morreram porque o público migrou para outras opções. Então o mercado de consolas existe enquanto as pessoas quiserem ter uma consola em casa. A partir do ponto que a maioria achar melhor usar o streaming, seja para pagar assinaturas ou para comprar jogos, o mercado de consolas gradativamente se encolherá, até se restringir a nichos menores.

A indústria de música hoje é assim. A maioria quer usar spotify, mas tem a parcela de pessoas que compram suas vitrolas e seus discos de vinil, porque apreciam o som analógico e o grave do vinil. Mas é nicho, uma parcela bastante pequena. E a consequência disso é que um disco de vinil hoje é bastante caro. Claro que games é uma discussão muito mais complexa porque interagimos com os jogos.

E essas imposições são inevitáveis. Semana passada eu estava lendo um paper sobre veículos autônomos, e a intenção é justamente que as ruas sejam preenchidas essencialmente por veículos autônomos terceirizados nos levando para todos os lados, e quem quiser ter seu próprio veículo teria que fazer um investimento muito maior do que é feito hoje. Motivo? Controle do fluxo de veículos sobre as vias.

Enfim, eu não gosto da idéia de depender 100% de streaming, mesmo que os problemas de conectividade sejam resolvidos, e a internet seja ultra rápida, estável e com lag decente até na zona rural. Mas eu também vejo que inevitavelmente as coisas caminharão para isso. Tomara que ao menos as grandes produções que gostamos se mantenham intactas, mesmo em outro formato.

José Galvão
José Galvão
Responder a  nETTo
9 dias atrás

Para se construir o futuro, tem que se pavimentar o presente, portanto o exemplo de caminho que a Microsoft está a dar, deve ser para o abismo.

O mais curioso disto tudo é a data em que vão deixar de vender Xbox, 7 Novembro, ou seja, o cenário é tão catastrófico que eles nem se importam de abdicar da época natalicia.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  José Galvão
9 dias atrás

Creio que a MS não está preocupada em vender Xbox, eles por exemplo foram bem conservadores nos pedidos de APU’s, creio que eles já sabem bem o que irão enfrentar, não se investe tanto sem se ter um alvo bem definido, não é tudo ou nada, é uma estratégia!
Se quisessem vender consoles não investiriam em jogos medíocres como tem feito, não lançariam um Halo fraco como esse, querem dominar outro espectro de mercado. E esse espectro está se moldando tijolo por tijolo, dólar por dólar como dizem lá nos EUA.

Juca
Juca
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

A estratégia da Microsoft sempre foi querer levar os clientes dos consoles para o PC. Só falta ela combinar isso com os clientes! (risos)

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Juca
9 dias atrás

Acho que vai além disso, incluí smart tv’s, smartphones, tablet’s, além de qualquer notebook com simples dual core que seja
Realmente falta combinar com a galera! 😅

José Galvão
José Galvão
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

O tudo ou nada é uma estratégia como outra qualquer, é o próprio CEO da Microsoft que o diz, ”All In”.

Juca
Juca
Responder a  nETTo
9 dias atrás

O mercado de consoles é bem grande, a questão é que o olho desse pessoal é maior ainda! Poucos no mundo têm uma plataforma de mais de 100 milhões de clientes inteiramente dela pra consumir software como a Sony.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
9 dias atrás

A única coisa que pode estar a dar o impulso a MS e seu modelo deve ser a certeza da quebra da economia nos próximos tempos. Esse é meu palpite. Anotem aí.

Juca
Juca
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

Bem, posso dizer que na minha ótica ela está a fazer de tudo pra quebrar o mercado de consoles, por isso essa migração de modelo com prática predatória da concorrência.

Elton
Elton
9 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

O attach rate não deveria considerar somente os consoles que aceitam discos?

É sobre essa loja do Japão, oq ué tinha visto é ela pararia de vendar vários consoles usados, não só Xbox

Sparrow81
Sparrow81
9 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

“Se os grande estão assim, imaginem os pequenos…” Bom, eu já deixei de vender Xbox lá na geração passada, em 2018. Pra vender UM Xbox, a preço mais baixo que qualquer loja grande, demorava meses! Não quero esse encalhe nem perto de mim. Péssimo comercialmente.

Deto
Deto
Responder a  Sparrow81
9 dias atrás

eu fico impressionado… o BR que tinha o x360 tão forte por causa da pirataria, na hora que todo mundo foi comprar original, todo mundo foi de playstation.

eu esperava que graças a popularização com o x360 no BR se mantivesse pelo menos 40% do mercado para o xbox.

ao que parece a pirataria do x360 só serviu para queimar o xbox no BR, pq todo a imundice caixista virou fanboy de xbox no x360 com seus consoles piratas.

o xbox milgrau por ex, até video no canal dele desbloqueando X360 fez, e nunca fez um video desbloqueando PS3 nesse tempo.

tu tinha loja na epoca do x360? notava alguma diferença entre o tipico consumidor de xbox e playstation?

eu queria ser um sujeito do marketing e psicologia (acho que talvez teria que ser psiquiatra) so para entender pq o xbox tem esses malucos fanboys…

a teoria mais simples era que os caras ficam tão malucos pq o xbox tá flopado… Mas na geração do X360 que o xbox estava na frente do Playstation, era bem comum topicos em foruns dando spoilers de propósito dos jogos da Sony, enquanto não tinha no x360.

Então isso meio que nega a teoria que é pq o xbox tá flopado hoje que tem os fanboys mais birutas… mesmo quando o xbox estava por cima ele tinha os piores fanboys.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Deto
9 dias atrás

Então, Deto. Eu fui ter loja já na geração PS4/Xone e o Xbox nunca vendeu nem perto do PlayStation. Mas lá em 2018 as coisas pioraram bastante e eu cheguei a vender meu último Xbox one s do estoque em prejuízo. Por míseros R$900,00. Demorou 4 meses pra vender. Isso que moro em Curitiba, uma capital.

Na era PS3/360 eu posso dizer pelo que amigos meus lojistas falavam: O 360 vendeu bem até meio da geração e sempre já pediam desbloqueado, mas o PS3 vendeu melhor do meio da geração em diante e aí foram os exclusivos que pesaram.

Quanto à toxicidade da comunidade Xbox, se deve muito ao público que ela é direcionada. Geralmente são crianças e adolescentes que seguem esses caras e ficam repetindo diuturnamente as mentiras que os mestres propagam. Já percebeu que as frases ditas por essa gente em rede social é exatamente igual ao que o rapaz cancelado falava? “Filminho, downgrade, Sony anticonsumidor…. Etc”…

O que eu acho inaceitável é a doença de alguns adultos, alguns com pentelhos brancos, 50 anos, brigando com John Linnemann, Dev da insomniac, leviathan, etc… Pra dizer que Miles Morales não tem Ray tracing, é SSR. Isso já é uma doença grave e eu não consigo sequer entender a motivação para isso.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Sparrow81
9 dias atrás

Até hoje eu não entendo exatamente porquê o pessoal se comporta assim, eu pensava que o extinto Mil Grau era o responsável e como tudo que se faz aqui, ele só copiou alguém lá dos EUA com esse nível tóxico. E sempre pensei ser por conta do fracasso do One frente ao PS4 pois não lembro disso, ou não soube, na era 360.

Deto
Deto
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

por incrível que pareça o xbox milgrau não é o pior, o pior é o xcapim.

o xcampim que é lunático da direita “alternativa”, foi ele que adestrou politicamente o xifre.

claro, o xifre já tinha potencial para essa imundice.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Deto
9 dias atrás

Não conheço esse tal xcapim, já ouvi falar mas nunca vi. Agora o tal chief eu vi alguns vídeos e… Caramba, aquilo é um nível de estupidez inacreditável, quanto a esses negócios de política, quem briga por um ou outro pra mim é tudo muito ingênuo, os bilionários são donos dos dois lados, o que interessa a eles é a divisão, povo unido é forte, dividido é presa fácil.

Sparrow81
Sparrow81
Responder a  Carlos Zidane
9 dias atrás

O cancelado teve “filhos”. E esses, com baixa capacidade intectual, se apegam às frases dele até hoje. Chegou ao absurdo do tal do Duff, questionar dados do Daniel Ahmad em live e falar que sabia mais que o cara. É triste de se ver.

Deto
Deto
Responder a  Sparrow81
9 dias atrás

esses veios malucos ai velhos ai, eu acho que só tem duas explicações:

o cara tá procurando grana, para viver igual o xifre, de doação dos fieis.

é um velho maluco mesmo 4ever alone, sei lá, aposentado por invalidez, que achou algum lugar onde ele é aceito e tem atenção.

sabe que tem muito velho que passou em concurso publico sei lá, 20 anos atras, teve depressão e foi aposentado por invalidez… e tá a 15 anos sem nada para fazer.

tem uma vizinha da minha namorada que é isso ai…

AlexandreR
AlexandreR
9 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

Eu só tenho receio que a Sony vá pelo mesmo caminho. Pela forma como falou, que quer levar os jogos para muitos mais pessoas.
Cheira me que poderá vir um gamepass por parte da Sony

Andrio
Andrio
Responder a  Mário Armão Ferreira
9 dias atrás

Eu n sou fã do Jim e até crítico ele bastante. Mas tem um pessoal que anda pegando as falas dele e tirando do contexto e fazendo clickbait.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  AlexandreR
9 dias atrás

Jim Ryan parece estar louco pra ir por esses meios, já estou até lendo bastante comentários negativos sobre ele por todo lado por parte do público PlayStation.

Deto
Deto
9 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

O que a pandemia fez foi adiantar a compra.

os 100 mil japoneses que comprariam o xbox ao longo de 4 anos compraram tudo de uma vez, e agora acabou a demanda.

vejo isso se repetindo com o xbox no mundo todo nos proximos 24 meses.

Gervas69
Gervas69
9 dias atrás
Avalie o nosso artigo :
     

O problema da Xbox sempre foi o marketing, nem é por a consola ser fraca ou não ter jogos, até porque a maioria dos jogos mais vendidos são comuns ás várias plataformas.
Vê-se anúncios na TV á switch, á PlayStation mas da Xbox… Nem 1…. Assim não dá, só tive a x360 por mero acaso senão era mais dos outros

AlterX
AlterX
8 dias atrás

Essa GEO nao tinha dito que seria consoles usado?

Finn
Finn
2 dias atrás

O problema não é a situação em si (que já era mais que esperada), mas sim o anúncio marketeiro, ou melhor, a interpretação do artigo sobre o anúncio, porque não me parece que há nada de errado ou enganoso com o marketing, aparentemente o Xbox está vendendo 4x mais que o One no Japão, ainda que isso signifique um aumento de mil para 4 mil unidades. Ao contrário do que o artigo afirma, o X360 também foi um fracasso no Japão, vendendo 1,6 milhões de unidades no total. Além disso, nessa altura da geração é falacioso considerar só as vendas físicas de jogos como benchmark de lucro, pois boa parte dos jogos vendidos são digitais (inclusive me parece que boa parte das vendas do Xbox no Japão é devido ao Series S), além do lucro com os serviços, o que não é possível especular sem números oficiais. Enfim, embora o Japão seja um mercado grande, é um mercado muito difícil de adentrar e se manter, vide a dificuldade do próprio Playstation. Nem a Nintendo está garantida lá, vide o abandono dos japoneses com o Wii U. Eles podem simplesmente de uma hora para a outra parar de comprar consoles e jogos. A MS nunca irá ter um market share significativo lá em vendas de consoles e se entrar algum dia será pelo Xcloud. Eu penso ser muito mais interessante investir em outros países asiáticos, como a China, Índia e tigres asiáticos, para todas as fabricantes.

Finn
Finn
Responder a  Mário Armão Ferreira
2 dias atrás

Longe de a questão passar por moralismo ou psicologia. É pura e simplesmente a boa e velha interpretação de texto. A frase foi que o Japão era o mercado de crescimento mais rápido do Xbox (“Xbox’s fastest growing market”), não que era o mercado mais promissor do Xbox, o com a maior demanda por Xbox, o mercado onde o Xbox dominava frente aos concorrentes, o que trazia mais lucro ou o com maiores números absolutos. Para bom entendedor, essa frase de imediato e muito provavelmente significa duas coisas:
1) que provavelmente se trata de um mercado onde o Xbox tinha um desempenho ruim ou inexistente, daí qualquer aumento seria substancial. Isso porque para crescer, é preciso ter espaço, e se tem mais espaço justamente onde antes se era pequeno. Obviamente é mais difícil crescer de forma expressiva onde se já é grande. Isso indicaria também que os números absolutos provavelmente não são impressionantes ou comparáveis aos maiores mercados do Xbox de facto.
2) e por consequência, que se trata de um aumento expressivo do próprio Xbox, tendo só o Xbox como parâmetro e sendo, talvez o melhor desempenho dos consoles da marca nesse país.
Se a malta se sente enganada sem ler toda a notícia ou sem procurar saber melhor do contexto, aí já não é o marketing da microsoft que deve ser culpado.
No entanto, devo concordar que a questão dos estoques pode levar a uma situação enganosa, porque é difícil dimensionar a demanda neste período de escassez e a MS pode fazer como referistes, colocar duas unidades a venda e dizer que os consoles estão se esgotando rápido por lá. Ou então, se colocar mais unidades, elas podem ir para outros países com real demanda, então é realmente complicado saber se a demanda de facto está crescendo pelo Xbox no Japão.

Finn
Finn
Responder a  Mário Armão Ferreira
2 dias atrás

Eu entendo o que queres dizer, mas o mercado japonês não é irrisório. É muito diferente de dizer algo do tipo, mas se referindo a San Marino, com um aumento de 6x nas vendas, que passaram de 10 para 60 consoles por mês.
O One vendeu aproximadamente 115 milhões de consoles no Japão durante a sua vida. Os series já passam de 100 milhões e o PS5 passou de 1 milhão. Ter 10% do market share do Playstation no primeiro ano, em sua casa, não é irrisório.

error: Conteúdo protegido