Slightly Mad Studios anuncia que vai lançar uma consola.

É anunciada como a consola mais poderosa de sempre quando for lançada. É uma consola anunciada como sem compromissos, com 4K e 180 fps.

Ian Balle, fundador e CEO da Slightly Mad Studios veio no Twitter anunciar que está em negociações com os criadores de hardware para o lançamento de uma consola que rivalizará com a PS5 e a Xbox Anaconda. A consola será uma loucura (Mad) de potência, e daí ter já o apelido de Mad Box.

A consola, se é que alguma vez ela chegará a existir, seria para ser lançada dentro de 3 anos, segundo foi referido ao website Variety, e iria rivalizar com um PC de topo de daqui a 2 anos, sendo optimizada VR e com suporte a todos os dispositivos na altura disponíveis.

Eis o Tweet original de revelação:

Ian Balle refere ainda que a consola não terá qualquer compromisso e será compatível com todos os sistemas VR, suportando 60 fps, o que permite 60 fps para cada olho em modo VR!

Analisando tudo o que rodeou este anuncio cremos estar perante um caso de mediatismo. Uma consola da Slightly Mad? Mas quem é a Slightly Mad? Eles mal são conhecidos como produtores de jogos e querem meter-se no negócio das consolas? Com que arcaboiço financeiro esperam eles concorrer contra uma Sony ou Microsoft? Que tipo de suporte poderemos esperar desta empresa?

Diga-se ainda duas coisas: Uma consola com a qualidade gráfica igual ao superior ao que será apresentado pela próxima geração, para daqui a 3 anos, e capaz de correr esse conteúdo a pelo menos 120 fps, a existir, será tudo menos barata. Daí que referir-se que se pretende ultrapassar a próxima geração e alcançar 120 fps só com um produto que certamente não é destinado às massas, até porque para tantos fps o streaming, salvo uma nova e pioneira tecnologia até hoje desconhecida que a equipa tenha desenvolvido, parece à partida excluido.

Mas o mais curioso é que para uma suposta consola de topo, pensada para o VR, 120 fps não é muito. 120 fps são 60 para cada olho, e isso é o mínimo que se espera. Mas para algo assim inovador e tão dedicado ao VR, esperava-se pelo menos 90 fps em cada olho, ou 180 fps. E é aqui que Ian aparentemente mete a pata na poça pois quando chamado à atenção para isso por um terceiro, corrige a coisa, alegando que obteve afinal a informação do CTO de que a consola afinal debitará 180 fps.



É no mínimo caricato que um CEO recorra a um Director técnico (CTO) para obter as informações de um produto que ele está oficialmente a informar. Das duas uma, ou é um CEO incompetente, ou na realidade a consola está muito, muito longe de ter sido estudada para a realidade do mercado e tudo está ainda muito, muito prematuro e apenas na mente da equipa.

Diga-se que tipo de anuncios sonre consolas bombásticas que arrasarão a concorrência estabelecida não é exactamente uma novidade. Várias empresas já o fizeram em outras gerações, mas sem que no final tenhamos visto qualquer produto a ser lançado. Aliás, anunciar uma consola com 3 anos de antecedência (que serão sempre mais pela falta de experiência da empresa neste campo), não faz absolutamente qualquer sentido. A consola neste momento está ainda completamente no papel, ou se calhar nem isso, e nem sequer há ainda acordos com os produtores de hardware. Há aqui um claro desejo de protagonismo neste anuncio, tendo a carroça sido metida à frente dos bois!

A consola a existir, será, quando muito, uma espécie de Steam Box patrocinada pela Slightly Mad. Uma consola que no fundo é um PC, devidamente adaptada e costumizada pela Slightly Mad. O preço falta saber, mas as especificações agora anunciadas, para daqui a 3 anos não parecem nada de extraordinário. 4K 60 fps sao já conseguidos com a Xbox One X e os seus 6 Tflops. Puxar isto para os 120 não é mais do que subir essas especificações para o dobro, algo que a próxima geração de consolas já fará! Mas ultrapassar essas consolas em qualidade e ir aos 180 a consola terá certamente um senão… o preço!

E sim, daqui a 3 anos poderá ser possível, mas a Slightly Mad acredita que poderá concorrer com uma Sony ou uma Microsoft já devidamente implementadas no mercado nessa altura, e com uma livraria de jogos tremenda, apenas porque tem uma consola mais potente, e cujo suporte, qualidade exclusivos (que é referido não existirem) e outras situações são uma mera incerteza. Sim, certamente haverá quem a compre, mas tambem deverá ser certo as pessoas não estarão a fazer filas nas lojas em todo o mundo no dia de lançamento, apenas para a obter.

Mas no entanto fica a notícia. A Slightly Mad quer lançar uma consola. E quer que seja a mais potente de sempre! Mas subir a barra para 4K 120/180 fps daqui a 3 anos, não parece exactamente algo que configure uma revolução numa consola. E sim, 120/180 fps pode ser algo muito bom, mas a empresa tem de mostrar muito mais do que mero hardware para conseguir fazer mercado e implantar essa consola. Afinal, consolas há muitas, mas somente 3 marcas conseguiram implantar as suas como produtos a se querer manter.



newest oldest
Notify of
Carlos Zidane
Visitante
Carlos Zidane

Nem se fosse um consórcio de empresas eu levaria muita fé nisso aí.
Ainda tem uma renderização bizarra do Mad box pela web.
Project Cars que acredito ser a maior obra deles (NFS Shift foi legal) é um jogo que perde pra Forza Motorsport (questão de opinião mas acho que é meio senso comum), e agora querem lançar um console mais potente pra peitar Sony e MS… Estão honrando o nome. Mas depois dessa talvez devessem mudar para “Heavily Mad”.

nETTo
Visitante
nETTo

Comprarei, já digo logo kkk

bruno
Visitante
bruno

Mais uma OUYA ou Steam Machine a caminho. Um estudio de videojogos, sem grande bagagem, sem experiencia nenhuma no desenvolvimento de APIs, e com um jogo mais ou menos conhecido decide fazer isto?… Da vontade de rir, nao fosse facto de que no fim muita gente vai provavelmente perder o emprego.